Arte é entropia | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Download: The True Story of the Internet
>>> Mistério em Moscou
>>> Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Bowie, David
>>> A guerra das legendas e o risco da intolerância
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
Mais Recentes
>>> Comprometida de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2011)
>>> Como Contornar Situações Difíceis Em Sala de Aula de Jairo de Paula pela Jairo de Paula
>>> História das relações internacionais do Paraguai de Organizadores: Liliana M. Brezzo | Ricardo Scavone Yegros pela Fundação Alexandre de Gusmão (2013)
>>> A Filha de Mistral de Judith Krantz pela Circulo do Livro (1987)
>>> Facécias de Luis da Camara Cascudo; Rogério Borges pela Global (2006)
>>> Superegos - uma História de Amor, Preconceito e Interesses Escusos de Marcusvinicius pela Mundo Editorial (2013)
>>> O Jogo estratégico nas negociações MERCOSUL-União Europeia de Ricardo Guerra de Araújo pela Fundação Alexandre de Gusmão (2018)
>>> Conduzindo a Propria Carreira de Jose Renato Siqueira Junior pela Elsevier (2007)
>>> Tempo dos Anjos de Anne Rice; Alexandre Davila pela Rocco (2010)
>>> O Livro de Mórmon de Igreja de Jesus Cristo dos Santos pela Igreja de Jesus Cristo (2006)
>>> Pega Lá uma Chave de Fenda de Ruth Manus pela Benvira (2015)
>>> Toda Rua é Calçada Com Ouro de Kim Woo-choong pela Record (1997)
>>> Cronistas do Estadão de Moacir Amâncio Organizador e Editor pela Estadão
>>> Ser Protagonista. Matemática. 2 de Felipe Fugita pela Sm (2015)
>>> Trem Noturno para Lisboa de Pascal Mercier pela Record (2011)
>>> A Caverna do Medo de Emily Rodda pela Fundamento (2006)
>>> Aeroporto de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1970)
>>> Como Ser um Vendedor de Sucesso - 3 de Linda Richardson pela Sextante (2006)
>>> Crianças Em Ferias na Natureza de Yara J. Lo Turco pela Giostri (2013)
>>> Sonhos D Ouro de José de Alencar pela Edigraf
>>> Projeto História 21; História e Imagem de Vários Autores pela Educ (1997)
>>> As Novas relações sino-africanas: desenvolvimento e implicações para o Brasil de Gustavo Rocha de Menezes pela Fundação Alexandre de Gusmão (2013)
>>> História Capitalismo Transição de Hobsbawm e Parain e Vilar e Trevor-roper pela Eldorado (1975)
>>> Uma Vez Só é Pouco de Jacqueline Susan pela Círculo do Livro (1973)
>>> The Klone and I de Danielle Steel pela Ballantine Books (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 21/6/2002
Arte é entropia
Gian Danton

+ de 7700 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Aquelas pessoas que se interessam por arte devem ter ouvido falar do garoto de 21 anos que pregou uma peça no público e nos organizadores da 25ª Bienal de São Paulo. Cleiton Campos, estudante de jornalismo da Universidade Metodista de São Paulo, pintou um navio pirata em um quadro pequeno. No dia 31 de março, um mês após a abertura da Bienal, ele colocou uma bermuda folgada, enfiou o quadro no bolso e, com a ajuda da namorada, infiltrou o seu pequeno quadro entre as obras de arte que ali se encontravam.

O Navio Fantasma ficou exposto, no chão, ao lado de pinturas e fotos eslovenas e foi visto por, talvez, milhares de pessoas.

Passaram-se dois meses e ninguém da coordenação da maior exposição de artes da América Latina percebeu o intruso. Quando a Bienal acabou ele ainda estava lá, no chão, entre outros quadros.

Embora o pequeno quadro tivesse sido feito com esmero, o objetivo de Cleiton não foi expor sua arte. Afinal, ele mesmo não leva muito a sério suas produções de final de semana: "Não tive pretensão artística; não sou artista. Estava indo visitar a exposição e tive a idéia de passar esse trote. Foi uma piada".

A brincadeira de Cleiton é, mais do que nunca, oportuna. Ela nos leva a refletir sobre o que é arte.

Alguns certamente criticarão meu tecnicismo, mas vejo a arte do ponto de vista da teoria da informação. Para essa teoria, há duas categorias básicas para se entender qualquer mensagem: a informação e a redundância.

Informação é o que é novo, diferente, inusitado. Redundância é o que já conhecemos, aquilo que já foi dito e repetido e já faz parte de nosso repertório. A verdadeira arte é essencialmente informativa. Ela nos apresenta o novo, acrescenta algo a nosso repertório.

Claro que nem tudo que é informativo é arte. Um jornal está repleto de informação, e nem por isso é arte, até porque seu objetivos são diferentes. A informação em arte é uma informação diferente, transformadora (quando falo de arte, não penso apenas em artes plásticas, mas também em cinema, quadrinhos, literatura, música...) que nos leva a refletir sobre o mundo em que vivemos ou até mesmo sobre nós mesmos.

É esse caráter informativo que faz com que alguns grandes artistas sejam rejeitados em sua época. Van Gogh que o diga. Há, aqui, um jogo de gato e rato entre o sistema e o artista. Enquanto o artista busca o novo, o sistema quer a redundância. Toda proposta deixa de ser artística quando é assimilada pelo status quo. É por isso que os dadaístas faziam obras sem sentido: numa tentativa de impedir essa apropriação do sistema.

Isso nos leva à conclusão de que a arte tem muito a ver com atitude. Quando os dadaístas colocaram um vaso sanitário em um museu, eles estavam fazendo verdadeira arte. Estavam rompendo com nossos conceitos estabelecidos, nos fazendo refletir não só sobre o mundo ou sobre nós mesmos, mas, principalmente, sobre o que é arte. Só é artístico o que está no Museu ou na Galeria? Um vaso sanitário torna-se uma obra de arte só por estar em um Museu?

Entretanto, quem, hoje, colocar um vaso sanitário numa galeria pode ser chamado de idiota. Alguém já fez isso e isso já foi assimilado pelo sistema. É pura redundância.

Fazer arte consiste em encontrar formas diferentes de fazer aquilo que outros fizeram.

Nesse sentido, Cleiton Campos foi o mais importante artista da Bienal. Seu pequeno quadro tinha a mesma importância das grandes obras das artes plásticas não pela qualidade estética, mas, principalmente, pela atitude.

Esse caráter informativo da arte foi bem definido por Caetano Veloso: "Onde queres o ato, eu sou o espírito; onde queres ternura, eu sou tesão; onde queres o livre, decassílabo". O artista não procura acomodar o receptor, mas ao contrário, frustrar suas expectativas (incluindo as expectativas dos críticos de arte).

Os exemplos são muitos: Bob Dylan deixando de fazer canções políticas porque seu público estava acostumado a só ouvir canções desse tipo; Alan Moore escrevendo quadrinhos de super-heróis para frustrar o público que só esperava dele trabalhos intelectuais...

Também da teoria da informação tiramos outro conceito importante: o de entropia. Entropia é sinônimo de caos, destruição, degradação, mistura. Embora possa ser muito negativa, ela tem um aspecto importante: o de criação. Toda criação começa com um processo entrópico. Não é por outra razão que Chico Science dizia: "Eu me desorganizando vou me organizar". A obra de Cleiton é entropia para o sistema artístico, mas é também sinergia, pois apresenta a possibilidade de novo.


Gian Danton
Goiânia, 21/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vamos pensar: duas coisas sobre home office de Fabio Gomes
02. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
03. Eu podia estar matando, podia estar roubando de Adriane Pasa
04. Pô, Gostei da Sua Saia de Duanne Ribeiro
05. De cadelos e cachorras de Ricardo de Mattos


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2002
01. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
02. Público, massa e multidão - 30/8/2002
03. A teoria do caos - 22/11/2002
04. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002
05. O filósofo da contracultura - 18/10/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/6/2002
09h43min
Olá, Gian O Cleiton jogou areia na engrenagem. Iconoclasta, cometeu uma "suave loucura". Não foi necessário colocar uma bomba de fabricação caseira na porta da bienal. E se fosse o gerente da loja, teria preferido a bomba mesmo, pois o navio pirata fez muito mais estrago. Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Rogério Prado]
23/6/2002
2. Ops!
10h04min
Corrigindo para evitar dupla interpretação: "E se EU fosse o gerente da loja"
[Leia outros Comentários de Rogério Prado]
23/6/2002
16h53min
Bom Arte não se define, vive-se, sou artista plástica e creio que a maior expressão da arte é a vida como um todo, é tolice achar que podemos ter a pretencão de ditar regras, pois o maior artista, Deus, nos poe face a face todo dia com a vida. Viva-a ! Pratique Arte !!!!
[Leia outros Comentários de nadia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Formas de Atuacao e Intervençãoo do Estado Brasileiro na Economia
A. Saddy
Lumen Juris
(2011)



Atitudes para a Vida
Moderna
Moderna
(2018)



Perestroika
Mikhail Gorbachev
Best Seller
(1987)



Eletrofisioterapia
Guy de Bisschop Org.
Santos
(2001)



A Hora dos Ruminantes 32ª Ed
José J. Veiga
Bertrand Brasil
(1997)



Atitudes Que Curam
Moacyr Martins
Js
(1999)



Chama negra: (Série Os imortais vol. 4)
Alyson Noël
Intrinseca
(2011)



A E. F. Vitória a Minas e Suas Locomotivas Desde 1904
Eduardo J. J. Coelho
Memória do Trem
(2000)



Meu primeiro milhão
Charles-Albert Poissant e Christian Godefroy
Ediouro
(1997)



The great centuries of Painting: Caravaggio to vermeer- Century XVII
Jacques Dupont e François Mathey
Desconhecido
(1951)





busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês