Que tipo de cinema se quer fazer no Brasil? | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
31816 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 27/6/2002
Que tipo de cinema se quer fazer no Brasil?
Lucas Rodrigues Pires

+ de 4500 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Essa questão eu me coloquei quando entrevistei recentemente Gustavo Dahl, presidente indicado à Ancine (Agência de Desenvolvimento do Cinema). A Ancine surgiu com a MP do Cinema, editada em setembro do ano passado, e é a nova legislação que regulará o mercado brasileiro de cinema - desde a exibição nos cinemas até sua exibição na TV aberta. Além da Ancine, a referida medida criou um novo tributo - a Condecine (Contribuição para o Desenvolvimento do Cinema) -, que faz com que as distribuidoras de filmes e programadoras de televisão fechada estrangeiras em atuação no país destinem 11% de seus lucros remetidos ao exterior à co-produção de qualquer obra audiovisual nacional. Caso ela se utilize do art. 3o da Lei do Audiovisual - quando se pode usar 70% do IR para produzir aqui - estaria isenta do tributo. Em relação às programadoras de fora, exige-se o investimento de 3% da mesma remessa para se isentar dos 11%.

Não quero aqui discutir esse tributo - justíssimo em seus objetivos, que é taxar a exploração do mercado interno nacional pelos grandes filmes de Hollywood. Não se pode simplesmente exibir Homem-Aranha nos cinemas, faturar R$ 40 milhões com ele e nada desse montante ficar aqui dentro. A taxa é justa e necessária, como já se faz em outros países como Argentina e França (10,9% da arrecadação de qualquer filme exibido no mercado francês vai para um fundo que financiará futuras produções) e que estão experimentando um boom cinematográfico. O que colocarei é a posição da Ancine - na pessoa do sr. Gustavo Dahl - e qual o tipo de cinema que buscam para o Brasil.

Dahl me disse que a Ancine pretenderá criar mecanismos que gerem a auto-sustentabilidade do setor audiovisual nacional. Uma política industrial, disse ele, aos moldes do modelo americano, acrescentaria eu. Mas que tipo de política é essa que nos fará ser auto-suficientes e que faça o filme brasileiro ser visto por seu povo? Reproduzo abaixo uma das respostas/opiniões de Gustavo Dahl, quando questionado sobre os filmes de baixo orçamento e a atuação da Ancine nesse sentido:

"Uma vez que se propõe a criar no Brasil uma política industrial, é preciso ter em mente a questão da competitividade. Já existe, pelo Ministério da Cultura, uma atuação no segmento de filmes de baixo orçamento. A própria Lei do Audiovisual, em cinco anos de vigência plena, lançou 55 novos cineastas. A questão do filme de baixo orçamento e dos novos talentos, portanto, já está sendo tratada. O segmento de produção que está carente de apoio é justamente aquele que se dirige ao grande público. Atualmente, os filmes feitos para o grande público são feitos quase que exclusivamente pela televisão. Mas até se chegar aos recursos para poder efetivamente investir, há um longo caminho a ser trilhado".

O que parece surgir do discurso do presidente da Ancine é que haverá uma postura de incentivar as produções para público amplo. Atualmente, público amplo é sinônimo de Xuxa e de Renato Aragão, com alguns esgares de produções com forma e conteúdo originalmente televisivo (O Auto da Compadecida, A Partilha, Caramuru - A Invenção do Brasil). Não dá para se pensar em cinema brasileiro na atualidade sem ver que há uma enorme gama de diretores autorais, que buscam em seus filmes não os instrumentos que aliciam o público adolescente freqüentador maior dos cinemas, mas sim uma proposta diferente e de diálogo com certas questões que os interessam pessoalmente e, por que não?, nacionalmente. Poderíamos criticá-los, como muitos fazem na imprensa, por gastar dinheiro público e fazer filmes para si próprios, mas, excluindo-os, estaríamos minando uma forma espontânea de se fazer cinema e, até certo ponto, de se fazer arte. O filme de baixo orçamento, de temática restrita e não banal, estaria, com a pretensa atuação da Ancine, fadado a ser o filme exceção, aquele que brotaria de repente numa sala, sendo alvo de olhares maliciosos e de desprezo ostensivo. Seu espaço seria ainda mais diminuto, e sua função (pelo menos a social), extinguida.

Com essa política em ação, talvez o dinheiro arrecadado fosse destinado a poucos e já conhecidos cineastas, muitos deles remanescentes da antiga Embrafilme (como Gustavo Dahl, que já foi seu presidente). Corre-se o risco do nepotismo imperar mais uma vez, num ramo crescente e de produção no país.

Não se quer criar um drama sobre o cinema brasileiro. Uma indústria de cinema no Brasil, além de ser importante culturalmente, estaria ajudando a criar empregos e a absorver mão-de-obra (Luis Carlos Barreto fala em 80 mil empregos para uma média de 250 filmes anuais). Claro que a grande questão estaria naquilo que, em princípio, motivou nossos homens de cinema a arrumar briga com os grandes distribuidores americanos: defender a cultura e o produto audiovisual nacional de um povo. Se este é o detonador da MP do Cinema, criar uma indústria poderia levar a concessões mercadológicas, a retorno financeiro com pretensão de cinema, e isso nos igualaria a Hollywood, pelo menos na intenção, já que tecnicamente não será possível. Claro que se quer ganhar dinheiro com cinema no Brasil, mas o caminho poderia ser um tanto quanto diferente, menos pretensioso em seus fins (criar uma indústria) e mais voltado a gerir formas de se democratizar a produção e, principalmente, a exibição. A maior parte dos filmes nacionais são exibidos apenas em SP, RJ e algumas poucas capitais estaduais. Com 92% de cidades sem salas de cinema, como criar uma verdadeira indústria? Além de tudo isso, é inegável que ainda haja preconceito em relação ao filme brasileiro. Uma atuação buscando diluir esse sentimento seria de grande valia ao crescimento da participação do filme brasileiro. Cito um exemplo: no Shopping Pátio Higienópolis, ano passado se exibiu Domésticas, O Filme, de Fernando Meireles. No cartaz do filme à mostra na entrada do cinema coloram um papel com os escritos "Filme Nacional". Um aviso àqueles que caíssem, por falta de opção, numa sessão do tal "filme nacional", muito bom por sinal.

Escrevo tudo isso para chegar aqui e perguntar: é isso que queremos para o cinema brasileiro?


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 27/6/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. De louco todos temos um pouco de Cassionei Niches Petry
02. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait
03. Machado de Assis, Huysmans e os rabos de gato de Eugenia Zerbini
04. Sobre a leitura dos clássicos de Humberto Pereira da Silva
05. Índio quer apito, celular e conta nas Caymán de Alexandre Ramos


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2002
01. Santa Xuxa contra a hipocrisia atual - 12/12/2002
02. O limite de um artista - 4/6/2002
03. O melhor nacional do ano - 17/10/2002
04. Cidade de Deus, um fenômeno comercial - 7/11/2002
05. O que eles têm que nós não temos? - 5/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/6/2002
14h51min
A discussão sobre cinema no Brasil é tão antiga, mas tão antiga, que já morreram Mário Peixoto, Alberto Cavalcante, morreram a Vera Cruz, a Atlântida, as revistas de cinema, os velhos cinemas de praça do país e ainda não sabemos onde chegar. Será que somos tão incompetentes, imaturos, ou ignorantes mesmo, a ponto de não conseguirmos elucidar uma questão tão necessária? Sim, somos. Tudo isso e muito mais. Venho acompanhando a discussão sobre a ANCINE, desde as propostas de sua criação - coisa de uns dois ou três anos atrás. Venho acompanhando algumas poucas discussões nos bastidores, travadas entre cineastas de longa data e aspirantes. O que se percebe é um misto de angústia adolescente e de disparates egocêntricos. De um lado, advoga-se a causa do cinemão, da criação de uma indústria, mas voltada para o grande público, quando as bases que aí temos, os tais "fundamentos", estão explícitos neste artigo. Como se a arrecadação de um tributo fosse satisfazer a necessidade histórica de profissionalização de uma imensa cadeia produtiva. De outro, os chatos de sempre - não chatos porque reclamam, mas porque são chatos mesmo - quebram com qualquer iniciativa que pretenda dar viabilidade à indústria - em qualquer acepção que a palavra possa tomar -, uma vez que inseridos em um mercado audiovisual, terão que caminhar com as próprias pernas, sem o ancoradouro seguro das benesses concedidas pelo Estado. Mas antes de qualquer mal-entendido, é preciso dizer uma coisa: não são só estes que querem evitar a todo custo a retirada do seio estatal. Também muitos dos velhos cineastas aguardam a varinha de condão salvar as suas idéias e transformá-las em grandes obras de longo alcance, como mísseis culturais. O que resta são os parcos cinemas pelo território brasileiro, inundados de porcarias made in qualquer lugar, seja Brasil, EUA ou mesmo França, a meca da pseudo-intelectualidade. Uma certeza podemos ter. E é uma certeza que pode nos auxiliar a pensar em saídas. Há espaços para todos os gostos, para todas as produções. O que precisamos ocupa uma boa lista: boas escolas de cinema, técnicas e críticas; que o Estado deixe de atrapalhar a produção (já seria uma grande ajuda); que se criem verdadeiros produtores no país, com conhecimento sobre o mercado, sobre a indústria; e demais mecanismos que permitam a auto-suficiência. Sem ela, não há como se pensar sequer em médio prazo.
[Leia outros Comentários de Homer]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A HISTÓRIA NATURAL E AS POPULAÇÕES, VOL 3 TRATADO DO SER VIVO,
JACQUES RUFFIÉ
FRAGMENTOS
(1982)
R$ 39,70



TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TWITTER
TADEU CARMONA
DIGERATI BOOKS
(2009)
R$ 4,00



UM MUNDO DESCONHECIDO
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
R$ 8,00



TODOS OS PRONUNCIAMENTOS DO PAPA NO BRASIL
EDIÇÕES LOYOLA
LOYOLA
(1980)
R$ 14,00



AS MINAS DO REI SALOMÃO
HENRY RIDER HAGGARD
VIA LEITURA / EDIPRO
(2017)
R$ 39,90



BRINCANDO COM ADIVINHAS
CLAUDIO SCATAMACCHIA
PAULUS
(2006)
R$ 9,90



MALDIVES
JAMES LYON
LONELY PLANET
(1997)
R$ 4,99



A CAPACIDADE PARA GOVERNAR: INFORME AO CLUBE DE ROMA
YEHEZKEL DROR
EDICOES FUNDAP
(1994)
R$ 20,00



TRIÂNGULO VERMELHO
CATHERINE ROUX
OTTO PIERRE
(1980)
R$ 4,24



UMBANDA E MEIO AMBIENTE: AÇÕES SUSTENTÁVEIS E NOVOS PARADGMAS - 1ª ED.
GIOVANI MARTINS
ÍCONE
(2013)
R$ 33,54





busca | avançada
31816 visitas/dia
1,4 milhão/mês