O Ano Novo | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
50850 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Festas 2002

Terça-feira, 24/12/2002
O Ano Novo
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4100 Acessos

Olhou novamente para o apartamento para ver se algo ainda poderia estar fora do lugar. Caminhou pela sala com calma e meticulosa atenção. Pensou demoradamente, com a vigilância dos que vão embora, sobre cada objeto que seu olhar encontrava.

Fitou o espelho por apenas alguns segundos, pois temia encontrar seus pensamentos ali refletidos. Olhou o pequeno e único vaso de cravos e clematites que estava sobre a mesa naquela sala e lembrou-se do amigo que o havia presenteado, mas desviou o olhar, pois não queria pensar. O que lhe importava era ter a certeza de que tudo estaria no seu devido lugar, com uma organização impecável.

O fato de ter passado quase toda a sua vida como historiador, organizando dados e fatos históricos, o contaminou em todos os seus gestos e hábitos cotidianos. Meticuloso... era o que ele queria ser em tudo o que fizesse ou pensasse. Talvez fosse uma deformação, mas sempre ele pensava em termos de detalhes. Mas agora não queria pensar mais.

Continuou vasculhando a sala enquanto sentia o tempo afluir. Olhou para os discos, porém não ousou ouvir nenhum deles. Desviou o olhar. Eles estavam limpos, organizados e bem cuidados. Isso bastava naquele momento. E ele não queria mais pensar. Acertou, sob os seus pés, as dobras do tapete fitando-o por um momento e pensando no quanto gostava daquelas figuras geométricas ali estampadas. Criavam em sua mente a idéia de segurança. Olhou depois para os quadros na parede e quase se decidiu por trocá-los de lugar. O que importava era tê-los em uma ordem métrica ascendente. O menor embaixo e os outros subindo num crescendo. Na verdade, só observou o tamanho das molduras sem se preocupar com a qualidade estética de cada quadro. Decidiu deixá-los como estavam, pois obedeciam à ordem do seu pensamento. Já que estavam ali como ele queria, não mais pensou neles.

Virou-se. Deu com uma fotografia da família. Todos reunidos em uma comemoração qualquer. Pensou naquelas vulgares dependências naturais e mamíferas dos humanos comuns. Não era o tipo de relação que havia escolhido para si. Preferira as mais abstratas, imateriais, da qual não fazem parte os laços de sangue, de solo ou de clã. Estas eram mais sutis, clareando, contraluz, as promessas de sua vida. Talvez por isso vivesse só, em sua vida discreta e taciturna. Mas já pensara demais. O que queria era não pensar mais.

Ao olhar para a porta do seu quarto lembrou que ainda havia coisas por fazer. Os sapatos, os três que possuía, foram colocados na sapateira. Estavam limpos e bem preservados. Observar isso o fez descansar. Dobrou as últimas camisas que estavam passadas e que se encontravam sobre a cama. Cheirou-as, como sempre fazia, e guardou-as nas gavetas do guarda-roupa. Havia pensamentos inconfessáveis nestes gestos que lhe pertenciam. Mas não mais queria vertigens, não mais estados de alma. Não pensou. Verificou depois se as gavetas estavam em ordem. Abriu várias, detendo-se por mais tempo em uma delas onde guardava, dentro de envelopes, documentos pessoais, fotos e cartas. Não abriu nenhum deles. Não queria abrir nada para não pensar em nada. Desviou o olhar com um pouco de tensão e foi nesse entrementes que veio a dar com as vistas em um livro aberto ao lado do travesseiro sobre a cama. Foi direto a ele. Leu em silêncio as frases que estavam fortemente grifadas com caneta vermelha naquela página aberta: "Talvez o passado não exista... Talvez a verdadeira loucura dos homens é imaginar, como ele mesmo sempre fez, que existem em algum lugar, bem enfileirados ao longo da estrada, pequenos blocos de passado que visitaríamos um a um, com toda a calma, prestando atenção para não esquecer nenhum... Talvez o passado não é tanto quanto se pensa a fonte do futuro... Talvez haja futuros que não são a continuação de um passado... Um futuro antes de um passado... Passados sem nenhum futuro...".

Inquieto, lacônico na expressão, virou a página onde encontrou mais uma frase, agora duplamente grifada em vermelho. Leu-a: "O tempo de uma vida não é o tempo do tempo, ele obedece a uma lógica bem mais secreta e retorcida". Fechou-o num gesto rápido e o enfiou debaixo do travesseiro. Não queria se lembrar que havia pensado por tanto tempo. Depois foi até a janela de onde viu, acima do dia pálido, o céu da cor de brasa. Fechou-a, vendo a cidade desaparecer aos poucos diante de seus olhos. Esse gesto, mais a lembrança do que havia lido, fez nascer algum pensamento que parecia perturbá-lo. Tornou-se estiolado, tomado por uma falta de ar. Saiu do quarto imediatamente e se dirigiu à biblioteca.

A biblioteca era para ele a parte mais importante de seu apartamento. Não era à toa que ali a decoração era mais cuidadosa e requintada do que na própria sala. Os melhores quadros que possuía, e os que mais admirava, estavam na parede desta sala. Pequenos vasos antigos decoravam suas estantes de livros. O computador e fichários, minuciosamente organizados, existiam como instrumentos vitais de seu trabalho. Neste lugar ele passava quase todo o tempo de sua vida. Havia livros a serem lidos, artigos a escrever, provas a corrigir, tese por concluir, cartas a responder. Ali ficava também o telefone. Isso ele notou ao olhar para a pequena escrivaninha colonial que comprara com enorme satisfação em uma casa de antigüidades. Pensou então que já era o momento de ligar para seu amigo desejando-lhe um feliz ano novo. Foi o que fez.

Depois, dirigiu-se para as estantes de livros para verificar se tudo estava sistematicamente organizado e sem poeira. Passou a mão pela lombada dos livros numa relação de carinho apaixonado. Teve medo de pensar em abandoná-los ao deus-dará. Fraquejou por um instante ao pensar nisso, mas voltou a si limpando a mente de qualquer pensamento. Foi à escrivaninha, tirou da pequena gaveta o cheque e extratos de contas a pagar, colocou tudo no bolso e saiu da biblioteca com um ar meio desesperado. Atravessou a sala, foi até à porta, olhou para trás, certificou-se que tudo estava no seu devido lugar, minuciosamente organizado. Era isso o que lhe interessava naquele momento. Afastou de si qualquer sensação de frio. Saiu.

Atravessou as ruas com seu passo discreto, regular e tímido. Ninguém prestava atenção nele. Sozinho. Foi a um banco onde pagou contas de luz, aluguel e telefone. Passeou um pouco pelas ruas, olhou nas bancas revistas e jornais para sentir o pulso daquela época, mas não se interessou por nada. Parou em uma pequena padaria onde tomou café e acendeu um cigarro, ficando a observar as pessoas por trás de uma frágil cortina de fumaça, sem interrogar os rostos que via, sem pensar no sentido daquilo. Olhava apenas.

Voltou para casa quando o sol já agonizava em lusco-fusco. Descansou sentado na sua confortável poltrona com um cigarro que desmanchou entre seus dedos sem ter sido levado à boca. O olhar vagueava lentamente pelas paredes brancas. Não sentia sono, não sentia fome, não sentia tristeza. Tentou não pensar em nada. Acabou, enfim, pensando em si mesmo. Em sua vida. Em seu destino. Ele pensou no que foi. No que poderia ter sido. No que deveria ser, mas que não terá mais tempo para isso. Enquanto continuava sentado, num silêncio quase crispado, produziu-se nele um novo sentimento. O sentimento de estar banhado pelo tempo. Mas um tempo parado, cristalizado ou morto. Um tempo em que nada acontece, em que nada mais acontecerá e no qual ele tem o sentimento, no fundo, de nada ter acontecido. É como se a idéia que ele tem de hoje contaminasse a que ele conservava do passado. Afastou esta sensação. Não quis mais pensar. Observou a tarde cair como chumbo sobre o seu apartamento. Continuou mergulhado por longas horas num entorpecimento que quase não o deixava se mover. Permanecia mudo. O mínimo barulho, o mínimo tremor irregular. Lúgubre. Afásico, poderia se pensar. Mas mesmo assim levantou-se, pegou uma folha, escreveu um bilhete e colocou-o em um envelope que deixou aberto sobre a escrivaninha. Foi ao banheiro, desnudou-se, dobrou as roupas e guardou-as, cuidando para que não amassassem. Tomou um banho, vestiu seu pijama listrado, passou um pouco de perfume italiano, penteou-se e foi para o quarto. Observou que nada restava por fazer.

***


- "Estamos tendo uma bela noite!"

Palavras que disse a senhora do apartamento vizinho à sua pequena filha, que a ajudava no preparo da ceia para os amigos de seu marido que viriam para a virada de ano, quando assustou-se ouvindo um estalo vindo não se sabe de onde, que mais parecia uma explosão de foguete ou mesmo um tiro ou um pneu de carro explodindo. Não pensou mais nisso, pois o som logo desapareceu e o marido acabara de entrar dizendo a ela que já passara um minuto da meia-noite e que coisa chata essa de atrasar a ceia deixando as visitas esperando.

***


Ele havia se recostado no travesseiro olhando ainda por algum tempo o branco da parede de seu quarto. Ao bater da meia-noite, sem pensar em nada, colocou debaixo do braço o bilhete que havia escrito, fechou os olhos com uma leve pressão e, tocando o peito com o frio cano do revólver, meteu uma bala no coração, ensanguentando todo o pijama de seda. Precipitou-se oferecendo-se à morte como uma presa. No bilhete que deixou, e que foi encontrado dias depois, meio sujo de sangue ressecado, dizia apenas que a cabeça lhe pesava muito e que queria descansar.

O dia amanheceu com uma claridade metálica, quase cinza, banhado no perfume daquela carne em decrepitude. Naquele rosto desfigurado, devastado, um olhar moribundo, que não vê mais nada, que se volta para dentro e que já está absorvido pelo nada que o chama. Olhos levemente fora de órbita. Um olhar evadido de seu invólucro de carne. Chamava a atenção uma espuma no canto dos lábios, mas o olho é a última coisa que fica num rosto que se vai. Nenhum pensamento o sitiava mais.

Um novo ano se iniciava naquele momento. Para alguns, a espera por dias melhores. Para o silêncio daquele quarto de apartamento, apenas uma cama ensangüentada, com um corpo também ensangüentado, imóvel e se decompondo, apenas um cheiro desagradável que emanava de uma vida que se transformou numa ruína orgânica.


Jardel Dias Cavalcanti
Campinas, 24/12/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Projeto Itália ― Parte II de Eduardo Mineo
02. O rock não acabou de Rafael Rodrigues
03. Capitu, a melhor do ano de Marcelo Maroldi
04. Made in China de Pilar Fazito
05. Anos da matraca de Félix Maier


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2002
01. Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica - 17/12/2002
02. Drummond: o mundo como provocação - 26/11/2002
03. A Vagabunda Letrada e os Sentimentos Nobres - 5/11/2002
04. O último Shakespeare - 3/12/2002
05. Cactos Implacáveis: entrevista com Ronald Polito - 10/12/2002


Mais Especial Festas 2002
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIDA PADRÃO DE UM VENDEDOR PROVISÓRIO DE COLLANT
ALDO BUSI
ROCCO
(1989)
R$ 12,00



PROJETO ATHOS MATEMÁTICA A CONQUISTA 8º ANO
JOSÉ RUY GIOVANNI / JUNIOR / CASTRUCCI
FTD
(2017)
R$ 50,00



PORTUGUES COLEGIAL
ANTONIO SALES CAMPOS
MELHORAMENTOS
(1950)
R$ 8,72



GRANDES ACONTECIMENTOS QUE TRANSFORMARAM O MUNDO
NÃO DEFINIDO
READERS DIGEST LIVROS
(2000)
R$ 20,00



IN JUSTIÇA
ALCIDES SABBI
ICONE
(1987)
R$ 7,00



GENERALIDADE DAS MISSÕES JESUÍTICAS 1534-1759 - VOL. 1 - 3ª ED.
BAZILISSO LEITE (3ª EDIÇÃO)
DO AUTOR
(1976)
R$ 26,28



O MILAGRE DE TERESA
JOÃO CARLOS ALMEIDA
PLANETA DO BRASIL
(2016)
R$ 23,00



REVISTA POLÍTICA EXTERNA - VOL. 12 - Nº 2 SET-OUT-NOV-2003
VÁRIOS AUTORES
PAZ E TERRA
(2003)
R$ 15,00



CIÊNCIAS HUMANAS E PENSAMENTO CRÍTICO - UM CAMINHO PARA MARX
EDNÉIA ALVES DE OLIVEIRA
LUMEN JURIS
(2015)
R$ 51,00



COMO USAR O CEREBRO PARA PASSAR EM PROVAS E
WILLIAM DOUGLAS; CARMEM ZARA
ELSEVIER
(2008)
R$ 20,00





busca | avançada
50850 visitas/dia
2,6 milhões/mês