Comentários de Felipe Eugênio | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLAP! Uma bofetada na indiferença*
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Meu beijo gay
>>> A história de Rogério Xavier e da SPX (2023)
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
Mais Recentes
>>> O Castelo De Vidro de Jeannette Walls pela Nova Fronteira (2007)
>>> Goldfinger de Ian Fleming pela Alfaguara (2013)
>>> Asilo Politico y Situacion del Rufuguado de Min. das Relaciones Exteriores y Culto pela Universo (1983)
>>> O Castelo De Vidro de Jeannette Walls pela Nova Fronteira (2007)
>>> Malicia Negra de Evelyn Waugh pela Globo (2003)
>>> O Jardim De Badalpur de Kenizé Mourad pela Globo (2000)
>>> Amor, Historias E Cupcakes de Sue Watson pela Pandorga (2016)
>>> Comparative Government de Jean Bondel pela McMillan (1971)
>>> Amante Vingado de J. R. Ward pela Universo Dos Livros (2011)
>>> Pequeno Guia da Acupuntura de J. P. Leger pela Andrei (1977)
>>> Amante Libertada de J. R. Ward pela Universo Dos Livros (2012)
>>> Amante Finalmente de J. R. Ward pela Universo Dos Livros (2013)
>>> A Natureza do Processo de José Guilherme Merquior pela Nova Fronteira (1982)
>>> Amor Imenso de Penelope Ward pela Essencia (2017)
>>> A Arte da Poesia ensaio de Ezra Pound de Ezra Pound pela Cultrix (1976)
>>> Um Romance Inesquecivel de J. R. Ward pela Universo Dos Livros (2014)
>>> Nova Gramatica Do Português Contemporâneo de Celso Cunha, Luis-f Lindley Cintra pela Editora Nova Fronteira (1985)
>>> Essa Mulher E Outros Contos de Rodolfo Walsh pela 34 (2010)
>>> Cidadao Do Crime de Jess Walter pela Landscape (2006)
>>> Onze de Mark Watson pela Rai (2011)
>>> O Jogo De Ripley de Patricia Highsmith pela Companhia Das Letras (2003)
>>> Amante Renascido de J. R. Ward pela Universo Dos Livros (2012)
>>> Os Casos De Amor De Nathaniel P. de Adelle Waldman pela Casa Da Palavra (2015)
>>> Em Um Bosque Muito Escuro de Ruth Ware pela Rocco (2016)
>>> Fallen Angels - Cobiças de J. R. Ward pela Universo Dos Livros (2011)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Sábado, 11/4/2009
Comentários
Felipe Eugênio

Mantendo aventuras platônicas
Querida Ana, após te ler, dá vontade de escrever frase de efeito, de vir com umas ideias de concordar contigo fazendo uso do ritmo de palavras bem escolhidas, dá vontade de não ter começado a escrever isso aqui - vontade de ser mineiro e guardar a solidariedade para o câncer dos amantes. No fundo, a pulsão maior é dedicar a tua crônica ao amor mais platônico da minha lista, mas isso seria minorar tantas aventuras que desisto da bestagem. Prefiro manter aqui, contigo e mais amigos leitores teus, esse silêncio que mais homenageia do que pretende definir o tal do amor platônico de Plutão - salve, Willian! Sobre a memória e o arrepio, acredito eu, há qualquer coisa de viagem no tempo, de máquina futurista pra desbravar passado. Um vórtice de ponteiro no sentido anti-horário. "....."! (o diálogo de Adão e Eva...)

[Sobre "Amor platônico"]

por Felipe Eugênio
11/4/2009 às
10h21 189.24.102.50
 
palitos de fósforo no ouvido
Não são poucos os adeptos da coçadinha no ouvido com cotonetes. É alentador, dizemos todos os torcedores do Flamengo. Os vascaínos e corinthianos não discordariam. No meu caso, inexiste negar o valor dos cotonetes. No entanto, que espetáculo de prazeres um palito de fósforos causa no interior de nossa cuca. Sua cabeça baulada, sua haste de madeira que periga quebrar caso se faça uma alavança com as paredes do ouvido - modo de arrancar ceras bem assentadas - e, enfim, sua utilidade de pegar fogo (após uma bela coçada, nada melhor do que acender o "fórforo" e ver a dificuldade do acendimento). São muitas as dores e as delícias de cada qual, disse o baiano Veloso, mas essa delícia dos palitos, ah, supera todas as dores de topadas tão cotidianas pra quem vive distante das questões do chão. bom, texto, Ana. Bom texto. Ah, sim: tenho mania de ler-te. inté f.

[Sobre "Maníacos do bem"]

por Felipe Eugênio
16/11/2008 às
22h10 189.24.186.103
 
Enquanto leio, o tempo congela
Acordei já na corrida para a internet - local de primeira etapa de trabalho - e decidi conferir se havia chegado um novo texto teu. Sim, pode avisar pro JDB que entro no site pra conferir isso e nada mais; o que ainda é mentira deslavada. Que bom poder dizê-las! Enfim, entre entrar aqui para te ler e comentar o lido, o tempo tem sido congelado. Não sinto que me roubam nada quando há prazer. Pena depois o tempo, que é de escorpião, fincar a vingança ao fim do intervalo. Corre por aí que ele adora viver do arrependimento alheio. Por hora resisto na minha trincheira. Bonito é ser um senhor chamado de segredo vivo. gracias, Ana E. R. Inté, F.

[Sobre "Minha coleção de relógios"]

por Felipe Eugênio
4/11/2008 às
08h04 189.24.61.232
 
A riqueza do efêmero
Elisa, fico muito grato pela atmosfera que me desperta o rico do efêmero - hoje mesmo defenderei o tempo de apreço aos meus. Obrigado por transcender, Ana!

[Sobre "O suficiente para ser feliz"]

por Felipe Eugênio
17/10/2008 às
20h14 157.86.160.3
 
Democracia não é assim...
Festa da democracia? Não, caro Luis, isso é o grande engodo. A cada dois anos pode parecer besteira cumprir o "dever cívico", mas não é, não. Exigir cidania ativa a cada dois anos é a grande banalidade que marca o pensamento político brasileiro. A obrigatoriedade do voto não é uma ausência de arrogância, posto que nessa lógica só os pretensos politizados é que votariam; na verdade, acreditar que funcionem instituições como a educação neste país é a garantia que "o povo" será todo ele politizado; e, daí, livres serão os indivíduos que o compõem para votar ou não, seja por descrédito na arena política, seja por mera adesão intelectual a outras formas de participação. Acho difícil ter saudades do mar de cartazes dos anos 80. Embora a fé na política fosse mais popular, os resultados de hoje são filhos do mesmo processo de lá: cidadania vivida a cada dois anos, a manada partindo para o voto, se engalfinhando para eleger esse e aquele.

[Sobre "A evolução da nova democracia brasileira"]

por Felipe Eugênio
6/10/2008 às
17h52 201.19.174.109
 
feliz, mas nada sublime
O repertório não é dos melhores, não. Maria Rita, que é cantora deliciosa, desta vez não pode melhorar muito algumas obras contidas no novo cd. Na verdade, falo especificamente da canção "o que é o amor", do Arlindo. Ambos são craques, o compositor e a intérprete. Mas ela, ao menos, vinha encarnando a personagem seletiva, com discos prenhes de canções escolhidas a dedo. Desta vez o escorregão foi feio. A música que citei é ruim demais! Confiram. No resto, Maria Rita ensolara o disco com outros bons arranjos em composições de fato tingidas com a "cor local". Uma beleza sim, porém sinto falta das aventuras harmônicas mais transadas, dos músicos surfando por sobre a voz dela, do contrabaixo acústico - que poderia, e por que não?, numa boa se misturar com o bom pandeiro. O disco poderia ser muito melhor. Vale o sorriso que causa, sorrisão até, mas tenho saudades da catarse de ter arrepiado o espírito. Até o próximo Maria Rita.

[Sobre "Samba Meu, de Maria Rita"]

por Felipe Eugênio
17/1/2008 às
12h31 189.24.166.254
 
a voz do dono, o dono da voz
Lanço um ademais - sim, os narradores são os autores. É preciso dizer, espalhar por aí, que os indivíduos somos "trezentos, trezentos e cincoenta"! Que escritores existem em tudo aquilo que escrevem mesmo sem zelarem pelas cicatrizes do evento narrado. A dificuldade para os leitores é apenas esta: perceber a coexistência do homem-letra, com a mulher-poema, e com o andrógino-ensaísta; todos são a mesma matéria envolvida pelo ectoplasma do desejo (certa coleção de balas perdidas). Há uma pulsão de rabiscar o entorno e a si. E o escritor, que acumula conjugados dentro de si, pouco se importa com a Copacabana que ele seja. Ao invés do Senso, é caro saber da qualidade dos inquilinos desta mesma espinha dorsal. Toda paixão, ao se encontrar e se perder, vive uma sina tranqüila. É inevitabilidade habitual do apreciador de café, cinema, livros e cerveja: saber da literatura como a fratura exposta do caleidoscópio comum-de-cada-dia. Se alguém incompreende, tanto pior, os rabiscos virarão depósito de um devir. Uma próxima geração te compreenderá menos; no entanto, se valendo de inconteste terremoto, a fortuna, logo agregarão algum "ismo" ao seu - outrora - marginal nome. E desta ficção, a História não pára de tecer relatos... Tampouco a ficção se cansa d’através disso cozer a História. Se a narrativa minha soa profética, azar do escritor; posto que mal consigo ser leve quando divago. Minha pena tem concreto embora escreva - é uma pluma macia que não voa, se enterra; não comenta, casmurra. Falo mal do narrador porque posso, estou isento dele, sou leitor e estou leitor.

[Sobre "Autor não é narrador, poeta não é eu lírico"]

por Felipe Eugênio
10/4/2004 às
15h15 200.149.199.76
 
Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Proterapeutica;programa de Atualização Em Terapeutica 4 Vls
Antonio Carlos Lopes / Fabio Freire Jose
Artmed
(2014)



Nós, os Afogados
Carsten Jensen; Ana Ban
Tordesilhas
(2015)



Livro Auto Ajuda Como Escolher Na Vida Entre O Certo E O Certo
Rushwotrh M. Kidder
Gente
(2007)



A Porta
Heloisa Seixas
Record
(1996)



Gaspar e a linha Dnieperpetrovski
Sérgio Caparelli
Lpm
(1994)



Eva Luna - Mestres da Literatura 12
Isabel Allende
Record/Altaya
(1992)



Direitos do Homem
Thomas Paine
Edipro
(2005)



Vale a Pena Viver
Danielle Steel
Record
(2006)



Bella Mafia - Dinheiro Se Lava Com Sangue
Vitto Graziano
Luva
(2016)



O Enigma De Blackthorn - Ficção - Literatura
Kevin Sands
Leya
(2017)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês