O suficiente para ser feliz | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> OBA HORTIFRUTI INAUGURA 25ª LOJA EM SÃO PAULO
>>> Bienal On-line promove studio visit com artista argentina Inés Raiteri
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
Últimos Posts
>>> Fiel escudeiro
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Imperial March por Darth Vader
>>> Habemus Blog
>>> 3 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Autores & Ideias no Sesc-PR II
>>> Um Furto
>>> Conceitos musicais: blues, fusion, jazz, soul, R&B
>>> Raduan Nassar
>>> Cacá Diegues e os jornalistas
>>> A Casa é de Daniela Escobar
>>> A forca de cascavel — Angústia (Fuvest)
Mais Recentes
>>> História da II Guerra Mundial (1939-1945) de Edgar Mc Innis pela Globo (1956)
>>> Serie Literária I Conto Frederico Paciência de Mário de Andrade pela Companhia editoria nacional (1978)
>>> Viagem ao Rio Grande do Sul de Auguste de Saint-Hilaire pela Ariel (1935)
>>> Español sin fronteras: curso de lengua española, volume 1 de Maria de Los Ángeles J. García, Josephine Sánchez Hernández pela Scipione (2002)
>>> Do Parapeito Vital de Vania Clares pela Autor (1996)
>>> Ensaios Céticos - Prêmios Nobel de Literatura de Bertrand Russell pela Opera (1970)
>>> Enciclopédia do Homem - No tempo dos primeiros automóveis (1900) de Pierre Miquel pela Lutécia (1977)
>>> Teatro - Coleção dos Prêmios Nobel de Literatura de William Butler Yeats pela Delta (1963)
>>> A História da Filosofia de James Garvey, Jeremy Stangroom pela Octavio (2013)
>>> La Argentina y Europa (1950 - 1970) de Vários autores pela Universidad Nacional del Sur (1999)
>>> A Luz Que Se Apagou de Rudyard Kipling pela Delta (1962)
>>> La Batalla en el frente social de Israel en los años 1970 de Vários autores pela Oficina para investigaciones economicas y sociales (1970)
>>> Prêmio Nobel de Literatura - Adeus ás Armas de Ernest Hemingway pela Delta (1969)
>>> Quenco, o Pato de Ana Maria Machado e Alcy pela Ática (2016)
>>> O Sapo que Virou Príncipe: Continuação de Jon Scieszka ( pela Companhia das Letrinhas (2010)
>>> Português : linguagens, 6ª. Série : língua portuguesa de William Roberto Cereja, Thereza Cochar Magalhães pela Atual (2006)
>>> Em busca do eu interior. Histórias e parábolas para aquecer seu coração de Osho pela Cultrix (2019)
>>> Quero um Gato de Tony Ross pela Martins Fontes (1998)
>>> Gente da França de Alcantara Silveira pela Grd (1991)
>>> Amanhã É Outro Dia de J. M. Simmel pela Nova Fronteira (1978)
>>> O Máscara de Ferro de Alexandre Dumas / Francisco Messejana (Adaptação ) pela Abril Cultural (1973)
>>> A Cura Através da Terapia de Vidas Passadas de Brian L. Weiss pela Sextante (2001)
>>> Obazine de Pierre Bergounioux pela Le Lieu de l (2021)
>>> A Estratégia do Olho de Tigre de Renato Grinberg pela Gente (2011)
>>> A Casa Sonolenta - 16ª Edição - 29ª reimpressão de Audrey Wood e Don Wood pela Ática (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/10/2008
O suficiente para ser feliz
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7000 Acessos
+ 12 Comentário(s)

"Ei, Lili! Parabéns. Muitas felicidades! Bjim, tia Silvinha". A mensagem está guardada na memória do celular. Era dia dos meus 33 anos e eu estava ali, meio desanimada. Não me lembro se respondi. Quase todo ano era isso. Aos 34, não haverá mensagem no celular e nem cartinha na caixa de correio.

Quando eu nasci, ela tinha 11 anos. Uma menina cheia de sonhos que queria ter uma boneca. Na falta de brinquedos de plástico, a irmã mais velha prometeu, passando a mão pelo barrigão: "Vou te dar uma bonequinha de verdade". E deu. No final de agosto nascia o brinquedo que chorava, fazia xixi e aprendia coisas.

"Esta é minha bonequinha". Nem sei quantas vezes fui apresentada assim às pessoas. Aos familiares mais distantes, aos chefes dela, aos amigos, namorados, conhecidos. "Minha bonequinha" e lá vinha a história toda.

A bonequinha aprendia a falar, a andar, a correr. Tinha os cabelos ondulados e era bom brincar de cabeleireira. Com um secador razoável, brincava de fazer escova, caracol, friso, virava as pontas para dentro ou para fora, alisava, cacheava. E a bonequinha nem sempre achava legal. Vez ou outra, a bonequinha geniosa corria para o banheiro e molhava tudo. Titia achava uma graça.

As visitas à casa da avó eram gostosas como pouca coisa é. Não tinha biscoito nem bolo de fubá, como nas histórias infantis. Não tinha avó de cabelos brancos. Minha avó era alta, de cabelos pretos, culta e pouco afeita à cozinha. O que tinha era livro.

Na estante da avó, os clássicos universais, incluindo a mitologia, que tanto me encantava. Mas a estante da tia ainda parecia mais acessível para uma pré-adolescente. Pimpinela Escarlate foi o livro que ela emprestou primeiro. Ou foi Chore não, Taubaté? Talvez O mundo é assim, Taubaté. Ou Jane Eyre. Livros de bolso, pouco ilustrados, que li avidamente. Seguidos de obras de Erico Verissimo e talvez de outros contos infanto-juvenis. Mais à frente, No ar rarefeito.

Engenheira. Só ela possuía computador na família. E socorreu meus anseios de entender como aquilo funcionava. Liga aqui, aperta aqui, espera abrir, um 386, acho. Fiz trabalho de Geografia em impressora matricial. E Silvinha gostava do barulhinho da agulha. E depois aprendi a fazer outros trabalhos e era ela minha mentora.

Cresci. Tia Silvinha também. A gente do bairro nunca sabia ao certo se éramos primas ou sobrinha e tia. Éramos muito próximas e muito novas. Mas eu cresci, fui estudar, namorar, casar, engravidar. Silvinha mudou de profissão, virou professora federal, foi morar em outro lugar, viajou, amou, fez 44 aniversários.

Na semana que passou, ela fez sua última viagem de Congonhas para cá. Antes de chegar, voou. Acho que não teve nem tempo de pensar. Escapuliu da vida, mas não se esqueceu de deixar sorrisos com as pessoas antes de partir.

Ao saber da notícia, as mãos trêmulas da sobrinha quase não seguravam o telefone. Como assim? Não pode. Essa não é a ordem esperada. Essa brincadeira não vale. A palidez do medo e a dor infinita de uma saudade arrependida. A gente nunca sabe aproveitar as pessoas. Pior é quando a gente discute com elas por causa de bobagens e elas se vão, deixando amargores no céu da boca. Não foi o caso. Mas na última festa, só acenei um "Oi" à distância, precedido pelo "Ei, Lili" dela. E me arrependo de não ter vivido ali o maior abraço do mundo. Como se fosse uma despedida.

O namorado sentiu a mesma coisa: "Acho que eu não soube aproveitar toda a luz que ela tinha". Ninguém nunca sabe. E isso não é resignação. É que esta brincadeira de estar vivo é assim mesmo, mal-aproveitada. Mesmo quando a gente pensa que se esbaldou. Sempre faltou. E eu fiquei devendo para ela um "Como você está?", um beijo na bochecha maquiada, um "Você está linda com este vestido". Talvez o namorado tenha tido a sorte de reparar nos cabelos cuidadosamente presos dela, na sandália nova e no decote elegante.

Vê-la deitada com o terço entre os dedos foi uma experiência infinita. Não pareciam os olhos dela, nem seu rosto, nem sua sobrancelha recortada. A recomposição da testa e dos lábios destacou a perícia dos médicos que tiveram a sorte de cuidar dela nos últimos instantes. Mas não é o que mais se deseja na vida: ver seus entes queridos reconstituídos.

Não a toquei. Apenas disse ali umas palavras, que sei que ela ouviu, mesmo de olhos fechados. Ao menos me aliviava a certeza de que a alma não tem limites. E como se não bastasse vê-la de braços cruzados e sem sorrir, nos despedimos dela enquanto a urna fechada a prendia a um descanso escuro. Ainda bem que existe alma.

Ao pé das pessoas, a placa de mármore da outra tia que voou jovem, há menos de um ano, em condições semelhantes. Agora são duas. Ao menos podem estar juntas, recompondo a família em outro lugar.

As pessoas dizem tantas coisas. Da luz dela, da coragem, do colosso, do sofrimento. Ao namorado, eu disse que não poderia restar dúvida. Há alguns anos, ele deixou esposa e filhos para viver um amor assim. E viveram. Enquanto ele reclamava do pouco tempo passado juntos, eu tinha apenas um comentário: "Ainda bem que deu tempo".

Ao anoitecer, a despeito da ausência dela, tive de visitar o quarto. A sobrinha querida, conhecida como "bonequinha" mesmo durante o enterro, precisava ajudar a fazer inventário, reler correspondências, levar uma lembrança. Nas estantes de livros, velhas conhecidas, Pimpinela Escarlate, em excelente estado, empilhado entre os outros tantos que li na adolescência. Os livros que eu dei, inclusive meus, em que reli as dedicatórias. Deveriam ter sido mais extensas, mas eram suficientemente carinhosas. Os livros de engenharia, nos quais ela aprendeu a construir estruturas. Os livros religiosos. Os CDs de música. A extrema organização dela para guardar tudo, até mesmo o estoque de barrinhas de cereais.

O guarda-roupa em degradê. O vestido preto que lhe caiu tão bem naquela última festa. Lavado, pendurado no cabide. As sandálias dentro das caixas. A coleção de blusas de linha coloridas. Os vestidos novos para o recém-alcançado manequim 42. A coleção de prendedores de cabelo. O cheiro inexplicável que o quarto de cada pessoa tem, como se cada um de nós fosse um perfume. O que levar dali? Qualquer item poderia desequilibrar a ordem das coisas. Puxei de lá um suporte de recados, onde eu simularei um bilhete de despedida.

Embora ela amasse gatos, deixei todas as pelúcias lá, aninhadas. Embora ela estivesse sempre de dieta, mantive os estoques de biscoitos integrais. Penso que os livros técnicos deveriam ser doados, para que os comentários dela, em linda letra, à margem dos textos, ajudem a formar outros engenheiros. Os livros da minha adolescência seriam bem-vindos em partes de minha estante que reservarei só para ela. Mesmo à custa de desalojar outros volumes. E quanto à presença dela, parece ter, ainda bem, contaminado esta casa, este bairro, estas ruas. Não há um lugar sequer da casa dos meus avós que não sugira uma risada dela ou um daqueles famosos ataques de fúria. E não há modo de esquecer nosso encontro pelos corredores da escola (onde nós duas já demos aula. Naquele dia, reparei-lhe o colar) ou meu primeiro passeio pela Praça da Liberdade.

Não há tempo suficiente para amar as pessoas. Não há jeito satisfatório de fazê-las saber disso. Não há modos eficazes de fazer planejamentos. Quando alguém voa, para sempre, é melhor confiar que nada se adiantou ou atrasou, que nada deixou de ser ou foi demais. As simulações do "e se" só são boas nos computadores. Aos humanos, trazem sofrimento e respostas impossíveis. As redes que a gente teceu são irreversíveis, mesmo quando um tecelão tira uma sonequinha mais profunda.

Nota do Editor
Leia também "A Mário de Andrade ausente".


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 17/10/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Faça você mesmo: a história de um livro de Luís Fernando Amâncio
02. Confissões pandêmicas de Julio Daio Borges
03. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
04. Ruy Proença: poesia em zona de confronto de Jardel Dias Cavalcanti
05. Margeando a escuridão de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2008
01. Uísque ruim, degustador incompetente - 8/8/2008
02. Trocar ponto por pinto pode ser um desastre - 3/10/2008
03. Substantivo impróprio - 25/4/2008
04. Minha coleção de relógios - 31/10/2008
05. Confissões de uma doadora de órgãos - 7/3/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/10/2008
1. !
10h37min
Que lindo texto!
[Leia outros Comentários de Carolina Borges]
17/10/2008
20h14min
Elisa, fico muito grato pela atmosfera que me desperta o rico do efêmero - hoje mesmo defenderei o tempo de apreço aos meus. Obrigado por transcender, Ana!
[Leia outros Comentários de Felipe Eugênio]
17/10/2008
21h36min
Ô Ana, q texto incrível! Expressa exatamente td q a gente sente, td q é isso d outros irem e ficarmos. E pra nós é tbm uma lição, d como sermos melhores, a cada dia, e da necessidade d aprender a mostrar-se melhor. Ana, quero aproveitar e dizer q é um presente d Deus ter vc fazendo parte da minha história, espero q a distância entre nós diminua! grande mestre vc sempre será.
[Leia outros Comentários de Dayse Vilas Boas]
20/10/2008
11h55min
Ei, Ana, primeiramente gostaria de lhe dizer que, além de emocionante, seu texto é enriquecedor. Concordo plenamente que o "se" tortura demais; o que mais vale é o que se viveu! Parabéns.
[Leia outros Comentários de Bruno Sales]
22/10/2008
17h31min
E eu me lembro dela dizendo "Esta é minha bonequinha" como se tivesse sido ontem! Comecei a ler o texto e não contive as lágrimas e as lembranças dos domingos em que estive na casa da sua avó e podia ouvir, de longe, as risadas da Silvinha! Realmente, o tempo é sempre curto para estar perto de quem amamos. Seja para ouvi-los, para abraçá-los ou para, simplesmente, estar ao lado deles sem que seja preciso dizer uma só palavra. Parabéns pelo texto... Beijos
[Leia outros Comentários de Ana Luiza]
27/10/2008
13h06min
[Leia outros Comentários de Carol Borne]
31/10/2008
13h17min
Incrivel como você conseguiu expressar tanto sentimento neste texto. São exatamente as sensações que eu tenho quando essas coisas da vida acontecem. Mais uma tacada do mestre Julião em tê-la como colunista do Digestivo. Alfredo
[Leia outros Comentários de Alfredo Mello]
3/11/2008
00h23min
Incrível o texto. Uma lição de vida!
[Leia outros Comentários de Frederico]
15/11/2010
07h36min
Linda, como sempre!
[Leia outros Comentários de Fernanda]
15/11/2010
09h03min
"A gente nunca sabe aproveitar as pessoas. Pior é quando a gente discute com elas por causa de bobagens e elas se vão, deixando amargores no céu da boca." Uma lição emocionante e definitiva, principalmente quando estamos aperfeiçoando a rabugice sexsagenária que tudo discute, tudo sabe ou de tudo já experimentou. Aproveitar, integralmente, as pessoas que nos amam, que nos querem bem, que nos dão atenção, carinho e paciência é desfrutar da felicidade. Independente se são parentes ou não, devemos tolerar ao máximo, indugir, entender e devolver, em igual medida, todo carinho, companherismo, atenção, amizade, alegria e conforto enquanto elas estão por aqui. Assim, teremos muito pouco ou quase nada para nos arrependermos, antes que chegue a nossa vez de deixar saudades.
[Leia outros Comentários de Raul Almeida]
15/11/2010
13h39min
Não vou me estender repetindo tudo o que seu lindo texto nos disse com tanta sutileza. Lindo texto, me fez chorar litros, mas não de tristeza, e sim de entendimento.
[Leia outros Comentários de Samantha Abreu]
29/7/2012
10h06min
Ela devia se sentir muito feliz e orgulhosa vendo você crescer, tornando-se essa escritora capaz de atingir momentos perfeitamente iluminados como esse.
[Leia outros Comentários de Marilia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Diccionario Ideológico Político de La Transición 60 Años En las P
Emilio Attard (tomos 1, 2 e 3)
Federico Domenech (valência)
(1995)



Dictionnaire des Religions
E. Royston Pike (capa Dura)
Pressesuniversitaires
(1954)



Pobreza, Desigualdad Social y Ciudadanía: los Límites
Alicia Ziccardi (compiladora)
Clacso
(2002)



Era uma Vez no Instituto de Educação
Zilá Simas Enéas
Autora (rj)
(1998)



Salário Mínimo / Instrumento de Combate à Desigualdade
Dieese
Ford Foundation
(2010)



Bandolim
Leny Werneck
Melhoramentos
(1986)



Estatica de las Estructuras - 4 Tomos
Schreyer/ramm/wagner
Editorial Blume
(1969)



Os Jovens Deixam Sangrar Com Caetano Veloso
Manchete Nº 983 de 20 de Fevereiro 1971
Bloch
(1971)



Questions Sur La Chine Après La Mort de Mao Tsé-toung
Charles Bettelheim (capa Dura)
François Maspero (paris)
(1979)



Nássara Desenhista
Cássio Loredano (dedicatória)
Mec/secretaria da Cultura
(1985)





busca | avançada
100 mil/dia
2,7 milhões/mês