Profissão como fim em si | Alexandre

busca | avançada
51020 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> É HOJE (30/9): Mostra Imaginários no Cine Bijou
>>> Etapa apresenta concerto gratuito da Camerata Fukuda com o violinista Ricardo Herz
>>> SESC BELENZINHO RECEBE O GRUPO DÁGUAS
>>> Sesc 24 de Maio apresenta leitura dramática “O Cachorro Morto... e a Expulsão do Diabo” - 7 Leituras
>>> Chega ao Brasil novo espaço literário que provoca os sentidos, do toque ao aroma
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A linguagem de Shakespeare
>>> Negócios no Second Life
>>> Tem café?
>>> Melhores Solos de Slash
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Sua majestade, o ator
>>> Sua majestade, o ator
>>> A arapuca da poesia de Ana Marques
>>> Motel barato, livro de arte
>>> Fórmula 1 via Twitter
Mais Recentes
>>> Colheita Entre Sombras de Manoel Felix Cardoso pela Edeme (1980)
>>> Cultura Socialista os Desafios da Conjuntura Programa e a Estratégia de Afarnio Boppré Chico Alencar Idaleto Malvezzi Aued pela Psol (2006)
>>> Poemas do Meu Caminho de Silvia Amélia pela Acl (1993)
>>> De Mariazinha a Maria de Marta Suplicy pela Vozes (1985)
>>> Sabedoria e Poesia do Povo de Deus - Coleção Tua Palavra é Vida de Vários Autores pela Loyola (1993)
>>> O Momento Mágico de Jeffrey Zaslow pela Novo Conceito (2013)
>>> Por Que Não Somos uma Grande Potência? de Pimentel Gomes pela Civilização Brasileira (1963)
>>> Nosso Amor Não Envelhece de Luiz Barbosa Neto pela Secco (2012)
>>> Últimos Julgados de João Jose Ramos Schaefer pela Tribunal de Justiça (2002)
>>> Direito Civil - Responsabilidade Civil - Vol. 4 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (1995)
>>> O Estresse Feminino de Ursula Markham pela Angra (1998)
>>> Bancos o Gerente do Futuro de Sidnei Oliveira pela Érica (1994)
>>> Ensinando a Tartaruga Introdução ao Logo de Antonio Nicolau Youssef e Outros pela Scipione (1991)
>>> Filosofia da Educação Cristã - um Abordagem Adventista de Renato Gross e Janine Schoemberg Gross pela Cpb (2012)
>>> Mujeres e Independencia - Venezuela 1810 - 1821 Volume 16 de Mirla Alcibíades pela Caracas (2013)
>>> Como Escolher a Pessoa Certa para o Lugar Certo de Willim S. Swan pela Maltese- Norma (1992)
>>> Aprendizagem Curso de Psicologia Moderna de Sarnoff a Mednick pela Zahar (1969)
>>> O Terceiro Homem de Norma Discini de Campos pela Do Brasil (1986)
>>> Dominando Netbeans de Edson Gonçalves pela Ciência Moderna (2006)
>>> Psicopedagogia: a Instituição Educacional Em Foco de Mari Angela Calderari Oliveira pela Intersaberes (2014)
>>> Falo, Logo Sou - o Fenômeno Humano da Comunicação de Walter Ramos Poyares pela Agir (1983)
>>> Educação e complexidade: os sete saberes e outros ensaios de Edgar Morin, Maria da Conceição de Almeida, Edgard de Assis Carvalho,(orgs.) pela Cortez (2005)
>>> Freedom and Foreign Policy de Thomas J Dodd pela Capitol Hill Book (1962)
>>> Atender é Vender de A. C. Cassarro pela Pioneira (1993)
>>> Amigas - Conversam Sobre Homens de Carmen Renee Berry & Tamara Traeder pela Mandarim (2000)
COMENTÁRIOS

Terça-feira, 23/7/2002
Comentários
Leitores


Profissão como fim em si
Alex, você diz que sua carreira de executivo (ou manager, ou administrador, ou etc) é "um simples instrumento, e não um fim em si". Mas será que o ideal não seria um trabalho que fosse um fim em si mesmo? No qual a pessoa até se esquecesse que tem um salário para receber no final do mês? Sua profissão, como na maior parte do tempo a minha (de tradutor) é o aluguel do cérebro por dinheiro; mas existe um nome para essas profissões em que uma parte da anatomia é alugada por dinheiro. Não há absolutamente nada de nobre nisso. Nem nada de muito vergonhoso, talvez; mas de um pouco vergonhoso, certamente. (Repare, estou me incluindo nisso; não quero dar a impressão de estar cutucando especificamente o seu peito com o meu indicador). As únicas profissões que não são de algum modo prostituição são as que correspondem a uma vocação genuína. Não posso deixar de achar que há algo de profundamente errado na carreira de executivo, que ninguém foi feito para isso; porque é a mesma sensação que eu tenho quando estou traduzindo um livro idiota. Ninguém nasceu para traduzir livros idiotas; ninguém nasceu para ser proctologista; ninguém nasceu para trabalhar em cabines de pedágio; ninguém nasceu para coordenar equipes para a produção em larga escala de manteiga e produtos derivados do leite. Quanto a covardia - apenas digo que seria melhor se os executivos não se comparassem com heróis militares. Isso vale para todo mundo que não é, de fato, herói militar. Um abraço do Alexandre- e parabéns pelo blog, do qual gostei muito ( se você me permite: http://meltinspot.blogspot.com/ ).

[Sobre "Samurais de Fecaloma"]

por Alexandre
23/7/2002 às
02h45 200.207.125.11
(+) Alexandre no Digestivo...
 
"Hippie Boy"? Horror!
Bem, vamos tentar responder alguns pontos. O site ficou fora do ar alguns dias, como vocês sabem. Ah, executivos! (Ou a quem mais devo culpar? Os faxineiros? Os office-boys?)/Toni, confesso que é um romantismo, mas que nada tem a ver com os hippies, por favor- é na verdade um ultra-romantismo; meu desprezo pela figura do homem de negócios é o mesmo desprezo que Huysmans tinha, e Rimbaud, e Flaubert. Os decadentistas são o oposto dos hippies; se atacam a mesma figura, atacam por lados diferentes (pela direita, não pela esquerda). Me chame de esnobe, se quiser, mas não de "Hippie Boy". Please. No texto anterior já me chamaram de Sanduba... Quanto à gratidão que supostamente devo sentir em relação aos homens práticos que me fornecem serviços e objetos úteis, eles já recebem salário, e não precisam da minha gratidão. O que sinto por eles é uma versão suavizada do que sentiam Aristóteles, Platão e Plotino - que os descreveu como sendo "uma desprezível multidão, destinada a produzir objetos necessários à vida dos homens virtuosos". Nenhum dos três era hippie; nem, por favor, de esquerda. (Quando vejo pessoas de esquerda atacando homens de negócio, fico do lado dos homens de negócio; que, sim, devem existir, mas são, com exceções, uma "desprezível multidão")./ Mas numa coisa você acertou em cheio, Toni: não posso negar que parte dos meus sentimentos em relação aos executivos se deve ao meu infantilismo. Sim, é verdade. Cada vez que penso em executivos, e em todas as profissões horrivelmente adúlticas, me lembro do final de "Peter Pan", no qual se diz o que aconteceu com os personagens da história: "A essa altura, todos os meninos já estavam crescidos e encaminhados. Por isso, nem vale muito a pena falar mais neles. Todo dia, você pode ver os Gêmeos e Bicudo e Cabelinho a caminho do escritório, cada um carregando sua pastinha e seu guarda-chuva. Miguel é maquinista de trem. Deleve casou com uma dama da nobreza, e ganhou um título. E aquele juiz ali, de peruca branca na cabeça, saindo por aquele portão de ferro, você está vendo? Era o Piuí...O sujeito barbado que não sabe nenhuma história para contar para os filhos já foi o João." (trad. Ana Maria Machado). Um abraço- Alexandre.

[Sobre "Samurais de Fecaloma"]

por Alexandre
23/7/2002 às
02h13 200.207.125.11
(+) Alexandre no Digestivo...
 
Necessidade de atenção.
Não sou psicóloga, Luiz, mas já ouvi dizer que uma das motivações para o suicídio é a possibilidade de chamar a atenção para a pessoa ou para os problemas que esteja/estava passando. Quando um suicídio aparece na TV, o suicida teve sua cota de atenção, e isso pode motivar outros a fazer o mesmo. É lógico que esse deve ser apenas um dos motivos, uma das diversas molas que impulsionam alguém para um ato desses. Mas se em BH a política de não-divulgação está dando certo, pode ser que exista algum fundamento.

[Sobre "Três tragédias"]

por Adriana
22/7/2002 às
15h19 200.151.192.122
(+) Adriana no Digestivo...
 
culinária x bibliteca
Achei diiimaaaiiiis sou bibliotecária e ao mesmo tempo curto cozinhar. Represento produtos de limpeza Curti, curti, agora estou com pouco tempo para comentários mas tenho muito que dizer sobre coleções memórias foi o que você disse memória da culinária realmente é infinito assim como qualquer biblioteca é infinita.. até mais.

[Sobre "Fome de ler"]

por Solange
21/7/2002 às
22h53 200.174.196.96
(+) Solange no Digestivo...
 
Não aos suicídios
Aqui em Belo Horizonte, há muitos anos a imprensa fez um pacto de não noticiar suicídios. Um repórter descobriu naquela ocasião que após a notícia de um deles, seguia-se uma série de mortes e a estratégia deu certo. Apenas quando se consegue evitar a morte é que vemos a notícia nos jornais ou TV.

[Sobre "Três tragédias"]

por luiz fernando
21/7/2002 às
19h01 200.217.3.52
(+) luiz fernando no Digestivo...
 

Obrigada por suas palavras !

[Sobre "Crítica à arte contemporânea"]

por Marina Leite
21/7/2002 às
02h57 200.158.64.43
(+) Marina Leite no Digestivo...
 
Acima da lei ou abaixo dela.
Bem, num dia de ensolarado um rapaz convida seu primo para ir ao estádio assistir uma partida de futebol. Durante o jogo e arremesado um pedaço de cartolina num policial, este se indigna pula o alambrado em direção ao público e começa a empurrar a tudo e a todos em busca de quem arremessou... Infeliz por não achar quem jogou a pesadissima cartolina , resolve agredir pelas costas o primeiro que encontra pela frente ... Resultado uma cacetete de madeira abre um rombo na cabeça de qualquer um , o agredido fui eu, o rapaz que levou o primo mais novo... já faz um ano do ocorrido e com o policial maluco, não aconteceu nada, nenhuma punição... Eu que não sou louco de entrar na justiça contra essa gente... Um abraço

[Sobre "Três tragédias"]

por Vinicius Brown
20/7/2002 às
16h55 200.180.8.181
(+) Vinicius Brown no Digestivo...
 
Em continuação
Gentlemen, submeto as seguintes ponderações. Se você me perguntasse, Evandro, eu diria que o administrador veio primeiro. A civilização, como todos sabemos, é o resultado do acúmulo milenar de conhecimentos, em que o "pensador" e o "administrador" (às vezes reunidos na mesma pessoa, como L. da Vinci) se apóiam mutuamente. Mas tenho para mim que sem um mínimo de condições materiais nenhuma sociedade é capaz de dar o pontapé inicial. Dennis, entendi o texto como que generalista em relação aos administradores. Se for adotar a sua interpretação (que carrega na indulgência), sou intimado a alterar a conclusão. Celso, por não ser administrador fiquei à vontade para sublinhar a importância dessa atividade. Não deixa de ser defesa em causa própria, pois onde as condições de empreender são propícias, também tende a haver liberdade de expressão/pensamento. Claro que existem administradores medrosos e com demais imperfeições, but what is the point? Abraço.

[Sobre "Samurais de Fecaloma"]

por Antonio
17/7/2002 às
13h05 200.165.225.105
(+) Antonio no Digestivo...
 
coragem y otras cositas más...
Alexandre, meu caro. Grato pelo seu recado; é claro que eu não considero isto uma contenda e portanto não volto com a preocupação de desfazer o empate. Simplesmente me parece que posso dar uma achega ou duas no sentido de contribuir para esta discussão. Volta a ser um pouco o que eu disse no comentário falhado, assim perdoe a insistência se o desgraçado acabar por aparecer... Pra começar, esclareçamos os termos. Para mim um executivo é algo mais do que um office boy engravatado, e por isso prefiro utilizar o termo inglês de manager. Basicamente, alguém que lidera um conjunto de pessoas para atingir determinados objectivos profissionais. A seguir, você diz "Não há crianças que queiram ser executivos" logo "ser executivo é algo antinatural". Primário, meu caro. Nunca vi nenhum moleque querer ser massagista de futebol, nem penso que a visão de uma criança possa ser o critério determinante para a validade de uma ou outra profissão. Provavelmente, você poderá encontrar algum professor universitário que, no jardim de infância, sonhava em ser bombeiro - e duvido que se sinta frustrado por isso. Por outro lado, se você estiver atento poderá ver que algumas crianças demostram, desde idades muito precoces, uma tendência para a liderança. Claro que alguns deles irão simplesmente tiranizar a vida dos vizinhos (seja da sua secretária, seja de povos inteiros), mas outros irão ajudar as suas comunidades (equipes, empresas ou apenas os seus condomínios) a conseguir gerar mais riqueza e, por consequência, a melhorar o nível de vida dessas comunidades. Como em todas as profissões, o valor é dado pelo indivíduo e não pela classe. Depois temos a questão da "vocação". Quando você me pergunta se é esta a minha vocação, diria que o que eu quero é ser feliz. Tive a sorte de ter desenvolvido um conjunto de conhecimentos e habilidades pelos quais me pagam razoavelmente - o que me permite dedicar mais tempo aos meus filhos, a escrever e a velejar. Ou seja, a minha profissão é para mim um simples instrumento, e não um fim em si mesma. No final, o que importa é a realização pessoal de cada um. Por último, a coragem. Para mim, coragem é a capacidade de lutar contra os nossos medos. Algo muito mais amplo que a simples coragem física que você menciona. Veja bem, você decidiu largar a faculdade e mudar o seu rumo; sei que terá sido necessária uma boa dose de coragem para tomar tal decisão e, no entanto, certamente que ninguém te queria dar um tiro por causa disso... E lembras-te do coronel surfista em "Apocalypse Now"? a sua grande coragem física não impedia que não passasse de um tonto perigoso. A mentalidade militar permite desenvolver algumas virtudes (coragem mental, determinação, planificação) que se revelam muito úteis numa estratégia empresarial, e por isso são utilizadas nas melhores escolas de gestão. Concluindo, não faz sentido discutir se os executivos são amáveis ou execráveis. Como já disse acima, haverá para todos os gostos, assim como os motoristas de ônibus e os decoradores. O que me interessa é deixar claro que esta não é uma profissão de frustrados ou de alienados, que mais importante que a vocação de juventude é a realização como adulto e que a coragem não é um exclusivo do risco físico. Termino com um pequeno comentário. Você diz "Que se contentem em ser apenas o que são". Eu exijo exactamente o contrário, de mim mesmo e das pessoas que me rodeiam. Talvez esteja aqui a grande diferença entre nós. Com a amizade e um abraço do Alex.

[Sobre "Samurais de Fecaloma"]

por alex cabedo
17/7/2002 às
08h37 80.32.133.26
(+) alex cabedo no Digestivo...
 
Vlaaaad, o maaaaalvado
Vlad era o mais terno dos escritores maus. Mas era mau. Ô. Aquele pedantismo cruel, que rechaçava os filisteus, tinha muitos ecos em Waugh também. E aquela linha fininha entre a ternura e uma atitude standoffish. Crueldade servida em xícaras de chá de porcelana, acompanhadas de tartes au miel. Nhamnham.

[Sobre "3 Grandes Escritores Maus"]

por Juliana O'Flahertie
17/7/2002 à
01h44 200.193.250.48
(+) Juliana O'Flahertie no Digestivo...
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ramsés - o Filho da Luz - Volume 1
Christian Jacq
Bertrand Brasil
(2001)



Livro - Três Tristes Tigres
Guillermo Cabrera Infante
José Olympio
(2009)



Cabala, Cabalismo e Cabalistas - 1ª Edição
Moshe Idel & Yom Tov Assis & Leonardo Senkman
Perspectiva
(2012)



Vibrações de Harmonia e Prosperidade
Antônio Carlos Rocha
pallas
(1991)



Noah Foge de Casa
John Boyne
Cia das Letras
(2011)



A Magia do I Ching
J.H. Brennam
Madras
(2011)



Casamento Blindado
Renato e Cristiane Cardoso
thomas nelson
(2012)



O Feitiço da Ilha do Pavão - Confira !!!
João Ubaldo Ribeiro
Nova Fronteira
(1997)



The Odyssey the Story of Ulysses - Pocketbook
Homer
Mentor Book
(1960)



Livro - Contos de Belkin
Aleksander Pushkin
Nova Alexandria
(2003)





busca | avançada
51020 visitas/dia
1,7 milhão/mês