São Paulo: veneno antimonotonia | Daniel Piza

busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
>>> Laura Dalmás lança Show 'Minha Essência' no YouTube
>>> A Mãe Morta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
>>> A dor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery
>>> A campanha on-line de Obama
>>> Entrevista de Emprego
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Três e Dez para Yuma
>>> Escrever não é trabalho, é ofício
>>> 1984, de George Orwell, com Fromm, Pimlott e Pynchon
>>> O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro
>>> Deepak Chopra Speaker Series
Mais Recentes
>>> Return of Sherlock Holmes de Arthur Conan Doyle pela Wordsworth Classics
>>> Arte e Medicina: Interfaces de uma Profissão de André Mota (org.) pela Usp (2010)
>>> A Viagem de Théo de Catherine Clément; Eduardo Brandão pela Companhia das Letras (2002)
>>> Lágrimas Negras de Nieves Hidalgo pela Esencia (2014)
>>> Cobras Criadas de Luiz Maklouf Carvalho pela Senac Sp (2001)
>>> A Ilha Prometida - a História de Nova York de Anka Muhlstein pela Companhia das Letras (1991)
>>> La Ciencia En una Sociedad Libre de Paul Feyerabend pela Siglo Veintiuno Editores (1982)
>>> Moderna Plus - Biologia - V. 02 de Amabis Martho pela Moderna (2009)
>>> Senhora - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1998)
>>> Hospital: Fui Bem Atendido!!! a Vez do Brasil de Victor Mirshawka pela Makron Books (1994)
>>> Alvenaria Burguesa de Carlos A. C. Lemos pela Nobel (1985)
>>> Mathematics - Unlimited de Vários pela Harcourt (1991)
>>> Vinte anos depois Vol III de Alexandre Dumas pela Fittipaldi (1957)
>>> Desonrada de Mukhtar Mai; Marie Thérèse Cuny pela Best Seller (2007)
>>> Ulisses de James Joyce / Antonio Houaiss - Tradução pela Civilização Brasileira (1975)
>>> Destruição e Equilibrio de Sergio de Almeida Rodrigues pela Atual
>>> Saque - a Seda Líquida de Antonio Campis pela Senac (2012)
>>> Para Viver Juntos - Ciencias 9º Ano - Ensino Fundamental ii de Bezerra; Lia Monguilhott pela Sm Didáticos (2014)
>>> Lei das Sociedades por Ações de Vários Autores pela Atlas (2003)
>>> Do Que os Homens Gostam de Dra. Laura Schlessnger pela Sextante (2005)
>>> O Caso Debray - um Crime Monstruoso de Jean-paul Sartre pela Edições Dorell (1968)
>>> Tudo Vai Dar Certo de Cesar Romão pela Academia de Intelige (2008)
>>> 2 Vols. os Donos do Poder de Raymundo Faoro pela Globo (1977)
>>> Kindness Counts de Jan Berenstain; Stan Berenstain; pela Zondervan Usa (2010)
>>> Morte de um Dissidente de Vários Autores pela Companhia das Letras (2007)
ENSAIOS

Segunda-feira, 30/6/2003
São Paulo: veneno antimonotonia
Daniel Piza

+ de 6200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Toda grande cidade vale pelos pequenos achados. E São Paulo é uma cornucópia de pequenos grandes achados. A cidade tem muitos e sabidos defeitos: pode ser bastante hostil, falta-lhe verde e segurança, esbanja-se descaso com o passado, há muita desorganização e pouco espírito público. Mas tem uma qualidade que ninguém lhe tira: aqui só morre de tédio quem quiser. Por baixo do manto de poluição, por entre o cinza das construções, o colorido de São Paulo é incessante, insuperável, sob qualquer parâmetro. Como na letra da canção, esta cidade é um veneno antimonotonia.

Um equívoco comum é pensar que na lista das melhores coisas de São Paulo só devem ser incluídas as atrações de luxo, como os restaurantes cinco-estrelas, as casas de espetáculos, as lojas de grifes. Nada disso. Há, por exemplo, duas verdadeiras instituições paulistanas que escapam a esse rótulo: as padarias e as pizzarias. É claro que há pizzarias chiques e caras, assim como há padarias que se auto-intitulam butiques de pães, e merecidamente. Mas o que chama primeiro a atenção é a variedade. A quantidade de boas padarias e pizzarias, em praticamente todo bairro da cidade, é impressionante.

Algumas padarias vendem pães e doces que deixariam pasmos muitos franceses. E a melhor pizza do mundo, já se sabe, é feita na capital paulista, melhor do que em Napoli ou qualquer outro lugar. Minha padaria habitual é a Benjamin, na rua Maranhão, Higienópolis, que tem tudo que se possa imaginar, inclusive aqueles sonhos – ou quaisquer doces com creme – que os nutricionistas inutilmente pedem para a gente evitar. E minhas pizzarias são a Cristal, a Piola e a Bráz, mas isso porque não quero abusar das citações.

Sem conhecer as boas padarias e pizzarias de São Paulo, em resumo, você não terá conhecido São Paulo. Padarias não são apenas lugares para comprar pãezinhos. Para muita gente, aquele endereço na esquina é a única outra referência de estabilidade urbana além do lar, nem sempre doce lar. Ali se toma café ou cerveja e se discute futebol e política; ou seja, ali se realiza boa parte da vida social da cidade. E a pizza é um ritual no mínimo semanal para a maioria dos habitantes. Depois do fim de semana de agitos, encomendar “uma redonda” no domingo à noite para comer em casa é uma praxe.

Há vários outros achados que não rompem a barreira do seu cartão de crédito. Ir a feirinhas artesanais nos fins de semana, no Masp, na Benedito Calixto, no Bixiga ou no Embu, não fazem muito meu gênero, mas elas são também emblemas paulistanos. E na da Benedito Calixto, uma praça em Pinheiros, pode-se sempre visitar a banca de doces do Obeni e provar um inesquecível doce de banana puxado no suco de laranja. Deve ser único no mundo. Ou experimentar um pastel de queijo numa feira de rua, geralmente frito por uma família japonesa bem à sua frente na hora. Ou, claro, ver um jogo de futebol no charmoso Pacaembu.

Além disso, e apesar da carência de natureza em São Paulo, há alguns parques que valem a visita por sua peculiaridade. Pouca gente nota – até porque nos fins de semana ele fica lotado –, mas o paisagismo do Ibirapuera é riquíssimo; poucos parques no mundo têm tanta variedade de flora. Pena que a sujeira, a bagunça e a dificuldade de acesso prejudiquem tanto. Se você se interessa por passeios em parques, há também o Horto, o Jardim Botânico e o Oscar Americano, entre outros. Em qualquer um deles um prosaico piquenique com pipa ainda é possível.

Mas é claro que São Paulo é o que é – venenosamente novidadeira – por causa de seus atributos culturais e gastronômicos de porte internacional. É a menos provinciana cidade brasileira neste aspecto. Qualquer consulta aos roteiros da imprensa pode deixar alguém louco com tanta oferta.

Livrarias, por exemplo. Minhas preferidas são a Cultura e a Fnac, que têm de tudo sem perder a sofisticação, mas há as livrarias mais segmentadas, como a Francesa, a Landy (de autores alemães e do Leste Europeu), a Letraviva (hispânicos), etc. Há salas de cinema às dezenas, como as bem-sucedidas Multiplex e aquelas que privilegiam clássicos e filmes de arte, como o Espaço Unibanco e o Cinesesc. Os teatros, as casas de shows e musicais e as salas de concerto estão cada vez mais modernos e numerosos, como o Abril, o Credicard Hall, o Tom Brasil e meu preferido, o Cultura Artística. A fartura da programação só deixa a dever para Nova York, Paris e Londres.

Os museus são um capítulo à parte. Há espaços muito ativos, como a Oca e o MAM (ambos no Ibirapuera) e a Faap. Mas você vai encontrar surpresas, de verdade, nos acervos de dois museus que estão com dificuldades administrativas: o Masp e o MAC. O Masp fica na avenida paulistana por excelência – ou melhor, por eleição –, a Avenida Paulista, e tem uma coleção que vai de Mantegna a Van Gogh com escalas importantes em quase todos os períodos e mestres. (É o tipo de museu que aprecio: pequeno e precioso.) O MAC, que fica na Cidade Universitária (o campus da USP, a principal universidade do país), dá continuidade na coleção do Masp, com obras-primas do século 20 de Matisse, Boccioni, Kandinsky e outros. Infelizmente, a freqüência de visitas a esses dois acervos são de envergonhar a cidade.

Quanto aos restaurantes, há razoável consenso sobre os melhores: italianos como Fasano e Massimo, franceses como Café Antique e Roanne, portugueses como Antiquarius, japoneses como Jun Sakamoto, casas de carne como Rubayat e Esplanada Grill. São todos, principalmente os cinco primeiros citados, bastante caros. São Paulo, com exceção das pizzarias, não tem muitos restaurantes de preço médio (digamos, R$ 40 per capita) e comida ótima, como é comum na Europa ou mesmo em Nova York. Mas há, de novo, os bons achados. Entre os italianos, por exemplo, há o Vicolo Nostro, no Brooklin, a Vinheria Percussi, em Pinheiros, e o Venitucci, no Sumaré, se bem que este é mais caro. Há uns poucos restaurantes a céu aberto, como o do Museu da Casa Brasileira, o Capim Santo e a Casa da Fazenda. E muitas, muitas churrascarias onde se pode comer algo que o brasileiro adora: picanha.

Outro defeito de São Paulo é não ser uma cidade muito “caminhável”. As calçadas são ruins, o relevo é irregular, a qualidade de ar e som não é convidativa, há pouco metrô, as ruas à noite são um tanto arriscadas. Talvez por isso o paulistano goste tanto de shopping center (o “mall” dos americanos, que chama assim mesmo, “shopping center”, sabe-se lá por quê), onde pode fazer as coisas que mais faz, além de trabalhar: comprar, ver um filme e comer. Mas uma caminhada luxuosa é pela rua Oscar Freire, oásis das grandes grifes, parando em restaurantes moderninhos como o Vítreo. Uma caminhada por lojas de design étnicas e joviais é pela Vila Madalena. E uma caminhada pela versão local do pós-modernismo arquitetônico é pela avenida Berrini.

Como toda cidade construída por gente de diversas origens, São Paulo é fascinante à medida que permite você conhecer todo tipo de pessoa. A colônia de italianos (o Brasil tem a segunda maior fora da Itália, depois dos EUA) se concentra aqui, assim como a de japoneses (a maior fora do Japão), a de libaneses (e sírios e turcos e árabes), a de judeus, etc. Mas, embora algumas se distribuam mais ou menos em bairros (os japoneses na Liberdade, os judeus em Higienópolis, etc.), não há nem nunca houve guetos em São Paulo. Os imigrantes já na segunda geração se sentem mais brasileiros que estrangeiros. E isto faz de São Paulo, que às vezes parece a menos brasileira das capitais, a mais brasileira delas. Tão cosmopolita quanto provinciana. Tão construtiva quanto destrutiva. Contraditória – e de um modo único.

Nota do Editor
Texto inédito. Gentilmente cedido pelo autor ao Digestivo Cultural.


Daniel Piza
São Paulo, 30/6/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Encontro com Kurt Cobain de André Forastieri
02. O entusiasmo de Lobato de Miguel Sanches Neto
03. Não julgue o público de Olívia Mindêlo
04. 77 anos do Mercado Municipal de Eugenia Zerbini
05. A prosa encantada de Rosa de Emir Rodríguez Monegal


Mais Daniel Piza
Mais Acessados de Daniel Piza
01. Arte moderna, 100 anos - 10/9/2007
02. Como Proust mudou minha vida - 15/1/2007
03. Saudades da pintura - 16/5/2005
04. A pequena arte do grande ensaio - 15/4/2002
05. André Mehmari, um perfil - 20/11/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/7/2003
18h04min
Daniel: ótimo texto. Um equilibrado elogio que faltava a São Paulo - apontando os seus defeitos e os seus achados. Meus parabéns.
[Leia outros Comentários de Eduardo]
7/8/2003
12h21min
Sempre digo: melhor que São Paulo, só Nova York.
[Leia outros Comentários de Franco]
4/2/2006
11h00min
Estou de acordo, adoro as padarias de SP, ou melhor os doces e salgadinhos. Moro fora do Brasil, e adoro brigadeiro; sempre que vou por aí, vou às padarias. Lindo texto...
[Leia outros Comentários de edi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Liberdade Emocional
Judith Orloff
Rocco
(2011)



Valentine - Princess (capa Dura,
Meg Cabot
Harper Collins
(2006)



A Galinha Preta -
Martina Schlossmacher
Martins Fontes
(2000)



A Irmã da Lua - as Sete Irmãs - Livro 5
Lucinda Riley
Arqueiro
(2018)



Estrutura da Notícia - 2ª Edição
Nilson Lage
Ática
(1987)



Adorável Impostora
Roxane St. Claire
Harlequin Books
(2007)



Zapp! the Lightning of Empowerment
William C. Byham Jeff Cox
Ballantine Books
(1992)



Redes de Computadores das Lans Mans e Wans às Redes Atm
Luiz Fernando Gomes Soares - Guido Lemos - Sérgio
Campus
(1995)



As Uvas da Raiva
Sergio Bermudas
Nova Fronteira
(2002)



Dez Anos da Comissão de Direitos Humanos
Maria Luíza Marcílio
Universidade de São Paulo
(2007)





busca | avançada
75847 visitas/dia
1,8 milhão/mês