São Paulo: veneno antimonotonia | Daniel Piza

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
>>> Joelmir Beting – O jornalista de economia mais influente da história do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Forever Young - photographs of Bob Dylan de Douglas R Gilbert pela Da Capo (2005)
>>> Sacerdotes seguindo Cristo - no caminho das Bem-Aventuranças de Dom alberto taveira corrêa pela Sementes do Verbo (2021)
>>> A grande arte de Rubem Fonseca pela Círculo do Livro
>>> A Bíblia do otimismo 1991 de R. Stanganelli pela Triade (2021)
>>> Umbigo sem fundo de Dash Shaw pela Quadrinhos na Cia (2009)
>>> Te-sendo Fios de Conhecimento de Aglael L. Borges pela Uape (2005)
>>> São Miguel da Humanidade: uma proposta antropológica de Luiz Carlos Barbosa Lessa pela Alcance (2005)
>>> Memorias de uma Moça Bem-comportada de Simone de Beauvoir pela Difusão européia (1959)
>>> Imperialismo na América Latina de Octavio Ianni pela Civilização Brasileira (1974)
>>> O que todo cidadão precisa saber sobre mercado financeiro de Carlos Eduardo Carvalho pela Global (1985)
>>> Raul da Ferrugem Azul de Ana Maria Machado pela Salamandra (2013)
>>> Os velhos marinheiros ou O capitão de longo curso de Jorge Amado pela Record (1978)
>>> Pawana de J M G le Clézio pela Cosac Naify (2009)
>>> O Marujo Figurante de Marcelo Lisboa Ferilles pela Autoral (2014)
>>> No Cais do Primeiro Amor de Roseana Murray pela Larousse Jovem (2007)
>>> Brasil Potência de Vários Autores pela Unidas (1967)
>>> Fim de Partida de Samuel Beckett pela Cosac & Naify (2010)
>>> O Clube do Suicídio e Outras Histórias de Henry James; Vladimir Nabokov pela Cosac & Naify (2011)
>>> Relatos de um gato viajante de Hiro Arikawa pela Alfaguara (2017)
>>> A Gaivota de Anton Tchekhov pela Cosac & Naify (2014)
>>> Mas Afinal... o Que é Mesmo Documentário? de Fernão Pessoa Ramos pela Senac Sp (2008)
>>> A Colônia do Medo de Thiago Fernandes pela Leitura (2007)
>>> Cristianismo de Libertação Espiritualismo e Luta Social de Jung Mo Sung pela Paulus (2008)
>>> Pais e Filhos de Ivan Turguêniev; Rubens Figueiredo pela Cosac & Naify (2004)
>>> Três Filosofias de Vida de Peter Kreeft pela Quadrante (2015)
ENSAIOS

Segunda-feira, 30/6/2003
São Paulo: veneno antimonotonia
Daniel Piza

+ de 5800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Toda grande cidade vale pelos pequenos achados. E São Paulo é uma cornucópia de pequenos grandes achados. A cidade tem muitos e sabidos defeitos: pode ser bastante hostil, falta-lhe verde e segurança, esbanja-se descaso com o passado, há muita desorganização e pouco espírito público. Mas tem uma qualidade que ninguém lhe tira: aqui só morre de tédio quem quiser. Por baixo do manto de poluição, por entre o cinza das construções, o colorido de São Paulo é incessante, insuperável, sob qualquer parâmetro. Como na letra da canção, esta cidade é um veneno antimonotonia.

Um equívoco comum é pensar que na lista das melhores coisas de São Paulo só devem ser incluídas as atrações de luxo, como os restaurantes cinco-estrelas, as casas de espetáculos, as lojas de grifes. Nada disso. Há, por exemplo, duas verdadeiras instituições paulistanas que escapam a esse rótulo: as padarias e as pizzarias. É claro que há pizzarias chiques e caras, assim como há padarias que se auto-intitulam butiques de pães, e merecidamente. Mas o que chama primeiro a atenção é a variedade. A quantidade de boas padarias e pizzarias, em praticamente todo bairro da cidade, é impressionante.

Algumas padarias vendem pães e doces que deixariam pasmos muitos franceses. E a melhor pizza do mundo, já se sabe, é feita na capital paulista, melhor do que em Napoli ou qualquer outro lugar. Minha padaria habitual é a Benjamin, na rua Maranhão, Higienópolis, que tem tudo que se possa imaginar, inclusive aqueles sonhos – ou quaisquer doces com creme – que os nutricionistas inutilmente pedem para a gente evitar. E minhas pizzarias são a Cristal, a Piola e a Bráz, mas isso porque não quero abusar das citações.

Sem conhecer as boas padarias e pizzarias de São Paulo, em resumo, você não terá conhecido São Paulo. Padarias não são apenas lugares para comprar pãezinhos. Para muita gente, aquele endereço na esquina é a única outra referência de estabilidade urbana além do lar, nem sempre doce lar. Ali se toma café ou cerveja e se discute futebol e política; ou seja, ali se realiza boa parte da vida social da cidade. E a pizza é um ritual no mínimo semanal para a maioria dos habitantes. Depois do fim de semana de agitos, encomendar “uma redonda” no domingo à noite para comer em casa é uma praxe.

Há vários outros achados que não rompem a barreira do seu cartão de crédito. Ir a feirinhas artesanais nos fins de semana, no Masp, na Benedito Calixto, no Bixiga ou no Embu, não fazem muito meu gênero, mas elas são também emblemas paulistanos. E na da Benedito Calixto, uma praça em Pinheiros, pode-se sempre visitar a banca de doces do Obeni e provar um inesquecível doce de banana puxado no suco de laranja. Deve ser único no mundo. Ou experimentar um pastel de queijo numa feira de rua, geralmente frito por uma família japonesa bem à sua frente na hora. Ou, claro, ver um jogo de futebol no charmoso Pacaembu.

Além disso, e apesar da carência de natureza em São Paulo, há alguns parques que valem a visita por sua peculiaridade. Pouca gente nota – até porque nos fins de semana ele fica lotado –, mas o paisagismo do Ibirapuera é riquíssimo; poucos parques no mundo têm tanta variedade de flora. Pena que a sujeira, a bagunça e a dificuldade de acesso prejudiquem tanto. Se você se interessa por passeios em parques, há também o Horto, o Jardim Botânico e o Oscar Americano, entre outros. Em qualquer um deles um prosaico piquenique com pipa ainda é possível.

Mas é claro que São Paulo é o que é – venenosamente novidadeira – por causa de seus atributos culturais e gastronômicos de porte internacional. É a menos provinciana cidade brasileira neste aspecto. Qualquer consulta aos roteiros da imprensa pode deixar alguém louco com tanta oferta.

Livrarias, por exemplo. Minhas preferidas são a Cultura e a Fnac, que têm de tudo sem perder a sofisticação, mas há as livrarias mais segmentadas, como a Francesa, a Landy (de autores alemães e do Leste Europeu), a Letraviva (hispânicos), etc. Há salas de cinema às dezenas, como as bem-sucedidas Multiplex e aquelas que privilegiam clássicos e filmes de arte, como o Espaço Unibanco e o Cinesesc. Os teatros, as casas de shows e musicais e as salas de concerto estão cada vez mais modernos e numerosos, como o Abril, o Credicard Hall, o Tom Brasil e meu preferido, o Cultura Artística. A fartura da programação só deixa a dever para Nova York, Paris e Londres.

Os museus são um capítulo à parte. Há espaços muito ativos, como a Oca e o MAM (ambos no Ibirapuera) e a Faap. Mas você vai encontrar surpresas, de verdade, nos acervos de dois museus que estão com dificuldades administrativas: o Masp e o MAC. O Masp fica na avenida paulistana por excelência – ou melhor, por eleição –, a Avenida Paulista, e tem uma coleção que vai de Mantegna a Van Gogh com escalas importantes em quase todos os períodos e mestres. (É o tipo de museu que aprecio: pequeno e precioso.) O MAC, que fica na Cidade Universitária (o campus da USP, a principal universidade do país), dá continuidade na coleção do Masp, com obras-primas do século 20 de Matisse, Boccioni, Kandinsky e outros. Infelizmente, a freqüência de visitas a esses dois acervos são de envergonhar a cidade.

Quanto aos restaurantes, há razoável consenso sobre os melhores: italianos como Fasano e Massimo, franceses como Café Antique e Roanne, portugueses como Antiquarius, japoneses como Jun Sakamoto, casas de carne como Rubayat e Esplanada Grill. São todos, principalmente os cinco primeiros citados, bastante caros. São Paulo, com exceção das pizzarias, não tem muitos restaurantes de preço médio (digamos, R$ 40 per capita) e comida ótima, como é comum na Europa ou mesmo em Nova York. Mas há, de novo, os bons achados. Entre os italianos, por exemplo, há o Vicolo Nostro, no Brooklin, a Vinheria Percussi, em Pinheiros, e o Venitucci, no Sumaré, se bem que este é mais caro. Há uns poucos restaurantes a céu aberto, como o do Museu da Casa Brasileira, o Capim Santo e a Casa da Fazenda. E muitas, muitas churrascarias onde se pode comer algo que o brasileiro adora: picanha.

Outro defeito de São Paulo é não ser uma cidade muito “caminhável”. As calçadas são ruins, o relevo é irregular, a qualidade de ar e som não é convidativa, há pouco metrô, as ruas à noite são um tanto arriscadas. Talvez por isso o paulistano goste tanto de shopping center (o “mall” dos americanos, que chama assim mesmo, “shopping center”, sabe-se lá por quê), onde pode fazer as coisas que mais faz, além de trabalhar: comprar, ver um filme e comer. Mas uma caminhada luxuosa é pela rua Oscar Freire, oásis das grandes grifes, parando em restaurantes moderninhos como o Vítreo. Uma caminhada por lojas de design étnicas e joviais é pela Vila Madalena. E uma caminhada pela versão local do pós-modernismo arquitetônico é pela avenida Berrini.

Como toda cidade construída por gente de diversas origens, São Paulo é fascinante à medida que permite você conhecer todo tipo de pessoa. A colônia de italianos (o Brasil tem a segunda maior fora da Itália, depois dos EUA) se concentra aqui, assim como a de japoneses (a maior fora do Japão), a de libaneses (e sírios e turcos e árabes), a de judeus, etc. Mas, embora algumas se distribuam mais ou menos em bairros (os japoneses na Liberdade, os judeus em Higienópolis, etc.), não há nem nunca houve guetos em São Paulo. Os imigrantes já na segunda geração se sentem mais brasileiros que estrangeiros. E isto faz de São Paulo, que às vezes parece a menos brasileira das capitais, a mais brasileira delas. Tão cosmopolita quanto provinciana. Tão construtiva quanto destrutiva. Contraditória – e de um modo único.

Nota do Editor
Texto inédito. Gentilmente cedido pelo autor ao Digestivo Cultural.


Daniel Piza
São Paulo, 30/6/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dia de Luto de Rodrigo Constantino
02. Os mandarins musicais de Luís Antônio Giron


Mais Daniel Piza
Mais Acessados de Daniel Piza
01. Arte moderna, 100 anos - 10/9/2007
02. Como Proust mudou minha vida - 15/1/2007
03. Saudades da pintura - 16/5/2005
04. A pequena arte do grande ensaio - 15/4/2002
05. André Mehmari, um perfil - 20/11/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/7/2003
18h04min
Daniel: ótimo texto. Um equilibrado elogio que faltava a São Paulo - apontando os seus defeitos e os seus achados. Meus parabéns.
[Leia outros Comentários de Eduardo]
7/8/2003
12h21min
Sempre digo: melhor que São Paulo, só Nova York.
[Leia outros Comentários de Franco]
4/2/2006
11h00min
Estou de acordo, adoro as padarias de SP, ou melhor os doces e salgadinhos. Moro fora do Brasil, e adoro brigadeiro; sempre que vou por aí, vou às padarias. Lindo texto...
[Leia outros Comentários de edi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Nutrição Em Saúde Pública
José Augusto Taddei
Rubio
(2011)



Cândido Ou o Otimismo
Voltaire
Clássicos Econômicos Newton
(1996)



O Roubo dos Botões Iônicos - 1ª Edição
Wilson Rocha
Moderna
(1993)



Apolo 13 - Como Estes Homens Escaparam da Morte
Manchete, Nº 941 de 2 de Maio de 1970
Bloch
(1970)



Manual de Instruções para Cegos
Marcus Vinicius
7 Letras Funalfa



Muralhas de Saudades
Otávio Galvão Vilela
L. Oren
(1977)



Los Tratados de Espinosa - La Imposible Teologia del Bugues
Universidad de Murcia
Universidad de Murcia
(2006)



O Quimo nos Concursos - Pediatria Neonatologia
Mario Novais e Outros
Águia Dourada
(2005)



Os Escravos
Castro Alves
Komedi
(2011)



Entendendo e Dominando o Hardware
Ivan Max Freire de Lacerda
Digerati
(2007)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês