Release: subsídio ou substituto? | Ana Maria Bahiana

busca | avançada
33835 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 26/7/2004
Release: subsídio ou substituto?
Ana Maria Bahiana

+ de 5400 Acessos
+ 6 Comentário(s)

Uma pessoa muito próxima de mim escreveu, recentemente, o press release de uma (muito boa, aliás) banda de rock com a qual já havia trabalhado num passado não muito distante.

Qual não foi a nossa surpresa quando, semanas depois, demos de cara com o press release - não todo, é claro, mas quase todo - nas páginas de um grande veículo da imprensa, com a assinatura de outra pessoa, ocupando um lugar que, deduzimos, deveria ser o da crítica do CD. O que mais chamava a atenção não era tanto o fato do release ter sido usado - afinal, isto apenas indicava que a informação nele contida havia sido útil. A questão era que praticamente todas as conclusões, deduções, comparações, raciocínios, ou seja todo o balizamento estético proposto pelo meu amigo no release como ponto de vista dele ao trabalho da banda tivesse sido alegremente encampado pelo “crítico”, que nele apôs sua assinatura.

Isto, em idos tempos, era o que se chamaria, em bom português, um escândalo.

O que seria, agora?

O release, em si, não é nem bom nem mau. Deveria ser um simples instrumento de comunicação, mais um dos materiais disponíveis para a alimentação do bom fluxo de idéias e pautas numa redação, especialmente nos setores de arte e entretenimento. Mas, de todas as ferramentas disponíveis a quem cobre cultura ele é, sem dúvida alguma, o mais perigoso, por ser o mais tentador. Atire a primeira pedra quem, a quinze minutos do fechamento, não viu uma “pauta recomendada” aterrissar sobre sua mesa, tendo como único subsídio o tal do press release - e dele não tomou emprestado o máximo possível para não dar vexame dentro das exíguas circunstâncias. Eu certamente é que não aprumo a atiradeira.

Não é disso que estou falando. Estou falando da prática, cada vez mais comum, de tornar o release não o subsídio mas o substituto da matéria - especialmente da matéria opinativa, da matéria que deveria conter algum tipo de reflexão sobre o material proposto.

É claro que sabemos a causa deste triste fenômeno - as redações magérrimas, a sobrecarga, os prazos cada vez mais apertados. Num quadro desses, a bem da verdade, análise da produção cultural, raciocínio sobre tendências e propostas, a crítica, enfim, não seria honestamente possível. E, portanto, deveria ser abolida. Mas como não é, e a natureza odeia um vácuo, em seu lugar temos o release-como-comentário.

Deixo a vocês as conclusões sobre o papel desta prática no aviltamento da nossa profissão e no insulto à inteligência de nossos leitores.

O outro lado da moeda, é claro, é o jornalsta que faz releases. Conheci uma vez um rapaz muito animado e passional que se gabava de “jamais ter escrito um release” e “jamais ter trabalhado ou querer vir a trabalhar” com alguém que o tivesse feito. Minha conclusão imediata foi de que ele deveria ser ou muito solitário ou muito medíocre.

O jornalista de cultura bem formado, bem informado, bem relacionado e apaixonado pelo que cobre é um recurso inestimável para a própria produção cultural. Seu envolvimento no endosso deste ou daquele produto é, neste contexto, inevitável. O que ele não pode, não deve fazer é manter as duas frentes abertas - se ele fez o release de um livro, disco, peça, se ele está envolvido criativamente com o assunto que cobre, ele tem como obrigação moral e profissional se eximir da cobertura do que endossou ou ajudou a criar. É um modo simples e elegante de manter vivo um diálogo no qual todos só tem a ganhar.

Parece claro, não é? E no entanto... Houve uma vez uma revista de música em que os nomes de quem escrevia as matérias eram praticamente os mesmos dos que apareciam nas matérias como temas de pautas. Uma ciranda parecida pode ser notada, a médio prazo, na maioria dos suplementos literários (e o do New York Times é o mais notório deles): faça uma lista dos autores de livros e outra dos autores dos artigos. Garanto que em pouco tempo voce não vai conseguir distinguir uma da outra...

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no portal Comunique-se, o qual autorizou a repodução no Digestivo Cultural.


Ana Maria Bahiana
Los Angeles, 26/7/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lugar de mulher é... de Rita Lee


Mais Ana Maria Bahiana
Mais Acessados de Ana Maria Bahiana
01. A Rolling Stone brasileira - 27/6/2005
02. O dia em que a música rachou - 28/7/2003
03. Jornalismo cultural: quem paga? - 17/11/2003
04. Release: subsídio ou substituto? - 26/7/2004
05. Os anos 90 e o mini-gênio - 19/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/7/2004
13h44min
Ana Maria abordou esse tema com realismo. Muitos se envergonham de tais práticas mas, como ela disse, não há ninguém que não o tenha feito. Esta prática é, a cada dia, mais comum.
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]
27/7/2004
08h07min
Trabalhei como assessora de imprensa em dois orgãos públicos na cidade de Macapá, no Amapá. E todos os releases produzidos por mim e enviados para os orgãos de imprensa passavam por esse caminho... Eram publicados nos jornais locais com nomes de outros repórteres. Já aconteceu de um mesmo release ser copiado por dois jornais com dois nomes diferentes... Lamentável!
[Leia outros Comentários de Carolinne Assis]
27/7/2004
12h29min
Sempre achei que o ofício de escrever releases - e mais abrangentemente, das próprias assessorias de imprensa - pendesse mais para o marketing do que para o jornalismo. Num mundo ideal (e portanto utópico), caberia ao jornalista a função investigativa, a crítica imparcial, o expressar de opiniões isentas de influências. O release é apenas uma ferramenta de marketing, e deveria ser visto tão somente como um panfleto, uma peça de informação que visa promover este ou aquele produto, mesmo que irresistivelmente bem redigido, embalado e pronto para o consumo. Mas isso, só mesmo em um mundo ideal...
[Leia outros Comentários de Cozete Gelli]
27/7/2004
12h32min
Infelizmente vivemos um tempo aonde a banalidade intelectual e cultural massificada impera, claro salvo raras exceções. Como leitor sinto-me ofendido, porém acho necessário sairmos desta imobilidade e passividade.
[Leia outros Comentários de Rodrigo Pereira]
28/7/2004
07h41min
Como produtora cultural (artista plástica e escritora) agradeço à Ana pelas informações. Agora eu sei porque é que a divulgação do meu trabalho parece tão medíocre e tão aquém do que ele poderia render como pauta. É possível que alguns jornalistas tenham mesmo pouco tempo para refletir ou pesquisar sobre o material que recebem. Mas vejo também muita preguiça de trabalhar. Como artista, o ideal seria que a exposição recebesse uma visita. Como escritora, que o jornalista ao menos passasse os olhos pelo livro que recebe como cortesia.
[Leia outros Comentários de paula mastroberti]
13/11/2007
21h11min
Muito bom o texto, Ana. Colocaste em palavras muito do que a gente vê e pensa, na lida diária. Nesse contexto, de enxugamento de redações, fica até difícil de culpar o repórter (algumas vezes, um mero revisor e "enxertador" de releases mesmo). Fica até difícil, pior, de culpá-lo por erros de apuração ou por má-vontade, porque chega uma hora que o "dar o sangue" acaba sendo o mesmo que fazer "papel de palhaço" perante as condições salariais, de trabalho e que tais, principalmente de veículos de comunicação do interior. É um mercado "nojentinho", com o perdão da palavra. Um mercado que precisa produzir rápido, sem muito nexo, para preencher um número indiscutível de caracteres, sem saber se o público vai ler aquilo no dia seguinte. Uma coisa sem muita lógica mesmo, já que o texto deveria ser o espaço da criação, da reflexão, da análise, do conhecimento. Virou produto envasado, no qual às vezes basta ajeitar um pouco o rótulo e mandar para as prateleiras. Bom texto, boa reflexão. Abraços
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PALESTINA - DO MITO DA TERRA PROMETIDA À TERRA DA RESISTÊNCIA
SAYID MARCOS TENÓRIO
ANITA GARIBALDI
(2019)
R$ 56,00



DOM CASMURRO
MACHADO DE ASSIS
ESCALA
(2000)
R$ 7,00



CONVITE À FILOSOFIA
MARILENA CHAUI
ÁTICA
(1997)
R$ 35,00



PROJECT 2 - NEW ITOOLS - DVDROM - 3ª ED.
TOM HUTCHINSON
OXFORD UNIVERSITY PRESS
(2012)
R$ 150,00



A CAUDA LONGA + FREE (EXCLUSIVA 2 LIVROS EM 1)
CHRIS ANDERSON
ELSEVIER
(2015)
R$ 32,00



ESTILO IPANEMA
CARLOS SCHERR
ROCCO
(2008)
R$ 36,65
+ frete grátis



O MISTERIO DA BONECA
ODETTE DE BARROS MOTT
BRASILIENSE
R$ 8,00



PROJETO ARARIBÁ GEOGRAFIA 7º ANO
EDITORA MODERNA
MODERNA
(2010)
R$ 6,00



O VÍCIO DA PAIXÃO
ERICA JONG
RECORD
(1990)
R$ 5,00



SOBRE A GUERRA E A PAZ
HERMANN HESSE
RECORD
R$ 10,00





busca | avançada
33835 visitas/dia
1,3 milhão/mês