Minhas férias | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
19881 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Alexandre Grooves comemora Troféu Cata-vento, pré-indicação ao Grammy e lançamento no Japão
>>> Estreia de Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro comemora 20 anos do grupo O Buraco d'Oráculo
>>> Espetáculo 'As Filhas da Mãe' completa 35 anos.
>>> Bloco Fogo e Paixão faz a festa na Zona Portuária
>>> Papo Astral: guia astrológico para o leitor se conhecer melhor
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 8.Heroes of the World
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky
>>> A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros
>>> Blockchain Revolution, o livro - ou: blockchain(s)
>>> Bates Motel, o fim do princípio
>>> Bruta manutenção urbana
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Feliz 2018
>>> Boa Vista
>>> O preço
>>> Você já atualizou sua história hoje?
>>> Sorvedouro
>>> Reter ou não reter
>>> O Peregrino
>>> Sismógrafos
>>> La ansiedad
>>> Barrados no baile
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que aprendi
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair
>>> A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone
>>> Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes
>>> O que vai ser das minhas fotos?
>>> A reforma agrária das idéias: os blogs
>>> E eu mais ainda!
>>> Os sem-celular
>>> Freud segundo Zweig
>>> Olímpica
Mais Recentes
>>> A Verdadeira Vida em Deus Encontros com Jesus volume IX
>>> O Evangelho de João - A Vida estava Nele
>>> Deus Caritas Est
>>> Aspirai aos Dons espirituais
>>> Um dia na Dieta Budwig- O Livro
>>> Bohr e a Interpretação Quântica da Natureza
>>> Quatro Estágios importantes na Jornada da Vida
>>> Manual Semeando Igrejas Multiplicadoras
>>> A Bíblia Para Colorir - Livro 3
>>> A Bíblia Para Colorir - Livro 4
>>> Estamos Vivendo nos Últimos Dias?
>>> A Última Porta a Caminho do Arrebatamento
>>> Cristianismo ao Gosto do Freguês
>>> Os Fatos Sobre a Vida Após a Morte
>>> A Verdade sobre o Ano 2000
>>> Feras Futebol Clube - Ioiô o Que Dança Com a Bola Autor (a): Joachim Masannek
>>> T. l. osborn ( curai enfermos e expulsai demonios )
>>> A Dança
>>> Jessie Penn-Lewis ( Guerra contra os santos tomo 2 )
>>> Jessie Penn-Lewis ( Guerra contra os santos tomo 1 )
>>> A Educação pela Dança
>>> 101 Idéias Criativas Para Professores
>>> 21 Dias de Oração e Jejum Pelo Sertão
>>> Os Insondáveis Propósitos de Deus
>>> Natália Lessa
>>> Parceiros na Missão
>>> Um General Perto de Deus
>>> A Oração de Moisés
>>> Dulce Beltrão
>>> Adolescentes, pesquisa sobre uma idade de risco
>>> Turismo e Planejamento Sustentavel
>>> Turismo e Legado Cultural
>>> Vidas cruzadas
>>> Disney´s Pocahontas
>>> The world is made of Glass
>>> Medo da Vida
>>> Biologia Celular e Molecular
>>> Viagem a Inglaterra e Escocia
>>> Aventuras de Tom Sawyer
>>> Proyecto Lazaro
>>> O primo basilio
>>> Noticia de un secuestro
>>> GONE - Desaparecer - Livro 3
>>> A fraude do Efeito - Estufa
>>> Saga O Vampiro Rei - Bento - Livro 1
>>> Sapphique
>>> Freud
>>> Fallen Angels - Desejo
>>> O Cavalo Amarelo
>>> Conecte Filosofar Terceira Parte
COLUNAS

Sexta-feira, 19/9/2003
Minhas férias
Eduardo Carvalho

+ de 4800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Para exportação

Cena de Amarcord, de Fellini Numa estação de metro em Roma, enquanto distraidamente tentava comprar meu passe numa máquina quebrada, uma menina aproximou-se de mim e, falando português com sotaque italiano, perguntou se eu sabia como a máquina funcionava. Respondi que sabia, mas, obviamente, não aquela. Perguntei, então, já sabendo a resposta, se ela era brasileira. Era. Ela se surpreendeu com a minha capacidade de adivinhação.

Eu me surpreendi com a ingenuidade dela. Fomos juntos, trocando algumas palavras, a outro lugar que vendesse os passes. Ela me disse que esteve, antes, em Portugal. Onde tudo era mais fácil. Na Itália, reclamava que, durante esses quatro dias em que esteve em Roma, nossa, tudo era tão difícil. Imagino. E imaginei, e adivinhei, ainda mais: além da nacionalidade, a profissão a que ela se dedicava. Não pela roupa, nem por nada assim, digamos, palpável. Ela era feia, e se vestia até que comportadamente. E não estava nem um pouco interessada em mim.

Pois eis então que, pouco antes de nos separarmos, uma de suas últimas frases foi: "Sabe como é: eu vim aqui para trabalhar de uma forma diferente...".

"Sei", respondi. E bem. Só não disse como, desde o primeiro instante que nos encontramos, descobri a sua profissão. Digo agora, entre nós: pelo sorriso. Não adianta - ele entrega tudo.

Bem-vindo a Moscou

Verão em Moscou

Cheguei no aeroporto de Moscou às três horas da tarde, depois de dois cansativos dias de viagem. Para começar a me acostumar com a eficiência do país, o sujeito que deveria estar me esperando com uma placa com o meu nome não estava lá. Aparentemente há, no aeroporto de Moscou, três vezes mais taxistas do que pessoas desembarcando. Os motoristas são grossos e insistentes, incomodando constantemente alguém que, como eu, está perdido num país estranho, com uma língua mais estranha ainda.

Depois de duas horas desorientado, achei dois meninos de 18 e 19 anos, com o meu nome numa cartolina. Muito alegres e muito simpáticos. Precisamos, em seguida, negociar com os taxistas, para que algum reduzisse o preço absurdo que, protegidos pela máfia, eles costumam cobrar. Conversando com um e com outro, demoramos, como era de se esperar, para encontrar um que aceitasse nos levar ao centro por 30 Euros.

Moscou, no verão, ferve, em todo os sentidos, e inclusive a temperatura. E o Lada, claro, não tinha ar-condicionado. Sua-se, no trânsito, como na sauna. A desculpa do meu guia de 18 anos, quando abriu a mochila, era a de que ia pegar algo que nos refrescasse. A bebida chama-se samagom, se não me engano, no nosso alfabeto, ou pelo menos se pronuncia assim. Uma bebida amarela, composta 60% por álcool, produzida em casa pela avó do meu novo amigo. O drinque é popular mas proibido, porque pode ser, dependendo das condições de preparo, perigoso. Naquele Lada parado no trânsito, embaixo de um sol de 35 graus, beber samagon, logo nas primeiras horas na Rússia - depois de dois dias dormindo mal -, é coisa para homem. Bebi.

O sabor é doce, e o líquido descia suavemente pela garganta. O problema é quando chega em órgãos mais delicados, na barriga. Tudo parecia estar derretendo, se é que realmente não estava. Só assim os russos suportam o inverno russo. Só assim eu, como estrangeiro, suportei o verão. Levemente bêbado.

De noite em Viena

Não havia muito mais o que fazer naquela noite em Viena, depois que o Palm House fechou. Era quarta-feira. A cidade estava desanimada, mas não nós três, depois de alguns drinques num bar que, sem exagero, pode-se considerar dos mais bonitos do mundo. Então precisamos, já às duas da manhã, procurar um programa, digamos assim, alternativo.

Foi então que Amir, um amigo iraniano, sugeriu que observássemos a cidade de cima, do topo da montanha que cerca a cidade - que, à noite, com as luzes acesas, seria provavelmente um espetáculo. O percurso demorou, de carro, aproximadamente meia-hora. Poderia ter demorado mais. Eu continuaria esperando sentado confortavelmente, no banco de trás, tomando minha cerveja, enquanto Viena, do lado de fora, era só minha. Com suas ruas estreitas, e as flores enfeitando as janelas das casas, convidando para se beber vinho. No caminho, a casa em que Beethoven morou, num dos bairros mais elegantes da cidade. Continuamos subindo.

Até que chegamos - num estacionamento vazio, de onde andamos, depois, para a praça ao lado, cercada por plantas e flores. Não é exatamente o lugar que se visita com dois amigos homens. Mas, enfim, estávamos lá. Dispostos apenas a conversar, numa noite linda, com a cidade inteira ao nosso alcance, aparentemente - se quiséssemos alcançá-la. Não queríamos. É de fora que se observa e se apreciam melhor os resultados da concentração humana civilizada. De longe, a cidade era um espetáculo - como, aliás, quase todas as outras.

De perto, porém, as coisas mudam. E é sobre isso que conversávamos. Não é possível que, sob aquele pequeno ponto de luz, escondam-se todos os grandes problemas de uma existência. Que ali chore, sozinha, uma menina linda, esquecida pelo namorado que, por sua vez, chora também, sozinho, imaginando que ela o esqueceu. Tudo se complica, quando se aproxima. A humanidade é fascinante, sob o ponto de vista científico, que exige imparcialidade e distância. Só não se pode participar dela, se o que se quer, para o resto da vida, é ser feliz.

Por aí vai, e por aí foi o nosso papo, que passou pelos assuntos mais diferentes e variados, mas sempre estimulantes. Curioso o que pode sair da boca de três homens de vinte e poucos anos, quando não falam de carro ou futebol. As mulheres talvez nunca acreditariam, e se sentiriam ofendidas, se soubessem. Nenhum de nós, naquela noite, falou delas.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 19/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
02. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
03. Meu querido mendigo de Elisa Andrade Buzzo
04. Uma de nós de Marilia Mota Silva
05. Maffesoli, Redes Sociais e o Mundo Reencantado de Guilherme Mendes Pereira


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2003
01. Preconceito invertido - 4/7/2003
02. Da dificuldade de se comandar uma picanha - 25/7/2003
03. Contra os intelectuais - 12/12/2003
04. Não li em vão - 17/10/2003
05. A última salsicha iraquiana - 24/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/9/2003
17h06min
Voltou profundo de sua viagem, muito bom o texto. Realmente um sorriso entrega muita coisa. Continue sempre evoluindo. Abraco
[Leia outros Comentários de Ricardo Larroude]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HORA DO ESPANTO - O ESPANTALHO
EDGAR J. HYDE
CIRANDA CULTURAL
(2009)
R$ 10,00



AION - ESTUDOS SOBRE O SIMBOLISMO DO SI-MESMO
C. G. JUNG
VOZES
(1982)
R$ 39,90



100 RECEITAS COM LATA
ANONYMUS GOURMET
L&PM
(2008)
R$ 10,00



A ESTRELA MAIS BRILHANTE DO CÉU
MARIAN KEYS
BERTRAND BRASIL
(2011)
R$ 15,00



CONTOS
MACHADO DE ASSIS
ÁTICA
(1983)
R$ 4,90



AS NOTICIAS MAIS MALUCAS DO PLANETA
ALESSANDRO BENDER
PARIS EDITORIAL
(2004)
R$ 7,90



O ZEN E A EXPERIÊNCIA MÍSTICA
ALAN W. WATTS
CULTRIX
(1995)
R$ 40,00



CORAÇÃO DAS TREVAS
JOSEPH CONRAD
COMPANHIA DE BOLSO
(2008)
R$ 20,00



COMO VIVIAM OS PRIMEIROS CRISTÃOS
PHILIPPE H. MENOUD
PERPÉTUO SOCORRO
(1981)
R$ 29,90



OS MESTRES DE GURDJIEFF
RAFAEL LEFORT
DERVISH
(1979)
R$ 37,80





busca | avançada
19881 visitas/dia
1,0 milhão/mês