Minhas férias | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
20983 visitas/dia
829 mil/mês
Mais Recentes
>>> COMPETIÇÃO TÍPICA DO SERRADOR DE TORA, DANÇAS HISTÓRICAS GERMÂNICAS, EXPOSIÇÕES... TUDO ISSO E MUITO
>>> Embaixador do Samba Paulista - Carlinhos do Cavaco
>>> O NOVO CZAR: ASCENSÃO E REINADO DE VLADIMIR PUTIN
>>> Juiz federal estreia na literatura com contos sobre heróis históricos
>>> Luiz Iria mostra como criar e editar infográficos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
>>> Joan Brossa, inéditos em tradução
>>> Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia
>>> 40 anos sem Carpeaux
>>> Minha plantinha de estimação
>>> Corot em exposição
>>> Existem vários modos de vencer
Colunistas
Últimos Posts
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
>>> Existem vários modos de vencer
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
Últimos Posts
>>> Escriturar=costurar
>>> Pierrô
>>> Lugar comum
>>> Os galos
>>> Cenas do bar - Wilsinho, o feio.
>>> Desenhos a lápis na poesia de Oleg Almeida
>>> Eloquência
>>> Cenas do bar - Vladimir, o solteiro.
>>> Deu na primeira página...
>>> Palavra vício
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Para tudo existe uma palavra
>>> A maldição da internet no celular
>>> Dilbert
>>> Apesar da democracia
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Entre a simulação e a brincadeira
>>> Transformação de Lúcifer, obra de Egas Francisco
>>> Seleção, que sufoco
>>> Internet e Microblogs
>>> Discurso de formatura do Ensino Médio
Mais Recentes
>>> Se Arrependimento Matasse
>>> Temporada de Caça
>>> As Palavras de Gandhi
>>> Natação: Guia Passo a Passo
>>> O Corredor da vida
>>> Do-in Para Crianças
>>> Larousse da Terceira Idade
>>> Caderno de Literatura e Cultura Russa
>>> Descuidos, Anacronismos e Equívocos
>>> Padre Antônio Vieira - 400 Anos Depois
>>> Tipos e Aspectos do Brasil
>>> Modos de Governar
>>> Onde o Esporte Se Reinventa: Histórias e Bastidores dos 40 Anos de Placar
>>> Manual de Lazer e Recreação: O Mundo Lúdico ao Alcance de Todos
>>> High Voltage Tattoo
>>> Tattoo Mystique
>>> História do Novo Mundo: As Mestiçagens - Volume 2
>>> Ergonomia Cognitiva e Mente Incorporada
>>> A Instituição da Religião Cristã - Volume 1
>>> História do Futuro
>>> Democracia ou Bonapartismo
>>> Peregrinação - Volume 2
>>> Em Busca da Excelência: Como Vencer no Esporte e na Vida Treinando Sua Mente
>>> Celebrity Tattoos: An A-Z of A-List Body Art: 16 Temporary Tattoos to Wear
>>> O Primeiro Ano de Vida
>>> Literatura Infantojuvenil Africana e Afro-Brasileira
>>> Batizados no Espírito- A Experiência do Espírito Santo nos Padres da Igreja
>>> A Conquista do Reino de Deus
>>> Travessuras da minha menina má - volumes I, II e III
>>> O vício do amor
>>> Vinte anos. duas pessoas. Um dia
>>> À beira da sepultura
>>> Cinderela - Disney - Princess - Idioma: Inglês
>>> Destinada a sepultura
>>> O livro das coisas perdidas
>>> Os homens que não amavam as mulheres
>>> Lira dos vinte anos
>>> A menina que brincava com fogo
>>> A rainha do castelo de ar
>>> A garota na teia de aranha -
>>> Desejo:ate onde ele pode te levar?
>>> Che Guevara - personagens que maracram época
>>> Getúlio Vargas - personagens que marcaram época
>>> Ayrton Senna, personagens que marcaram época
>>> John Lennon, personagens que marcaram época
>>> Machado de Assis - personagens que marcaram época
>>> O Fim das Dietas
>>> O Que É Marxismo?
>>> Dieta das Emoções
>>> Serial Killers
COLUNAS

Sexta-feira, 19/9/2003
Minhas férias
Eduardo Carvalho

+ de 4800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Para exportação

Cena de Amarcord, de Fellini Numa estação de metro em Roma, enquanto distraidamente tentava comprar meu passe numa máquina quebrada, uma menina aproximou-se de mim e, falando português com sotaque italiano, perguntou se eu sabia como a máquina funcionava. Respondi que sabia, mas, obviamente, não aquela. Perguntei, então, já sabendo a resposta, se ela era brasileira. Era. Ela se surpreendeu com a minha capacidade de adivinhação.

Eu me surpreendi com a ingenuidade dela. Fomos juntos, trocando algumas palavras, a outro lugar que vendesse os passes. Ela me disse que esteve, antes, em Portugal. Onde tudo era mais fácil. Na Itália, reclamava que, durante esses quatro dias em que esteve em Roma, nossa, tudo era tão difícil. Imagino. E imaginei, e adivinhei, ainda mais: além da nacionalidade, a profissão a que ela se dedicava. Não pela roupa, nem por nada assim, digamos, palpável. Ela era feia, e se vestia até que comportadamente. E não estava nem um pouco interessada em mim.

Pois eis então que, pouco antes de nos separarmos, uma de suas últimas frases foi: "Sabe como é: eu vim aqui para trabalhar de uma forma diferente...".

"Sei", respondi. E bem. Só não disse como, desde o primeiro instante que nos encontramos, descobri a sua profissão. Digo agora, entre nós: pelo sorriso. Não adianta - ele entrega tudo.

Bem-vindo a Moscou

Verão em Moscou

Cheguei no aeroporto de Moscou às três horas da tarde, depois de dois cansativos dias de viagem. Para começar a me acostumar com a eficiência do país, o sujeito que deveria estar me esperando com uma placa com o meu nome não estava lá. Aparentemente há, no aeroporto de Moscou, três vezes mais taxistas do que pessoas desembarcando. Os motoristas são grossos e insistentes, incomodando constantemente alguém que, como eu, está perdido num país estranho, com uma língua mais estranha ainda.

Depois de duas horas desorientado, achei dois meninos de 18 e 19 anos, com o meu nome numa cartolina. Muito alegres e muito simpáticos. Precisamos, em seguida, negociar com os taxistas, para que algum reduzisse o preço absurdo que, protegidos pela máfia, eles costumam cobrar. Conversando com um e com outro, demoramos, como era de se esperar, para encontrar um que aceitasse nos levar ao centro por 30 Euros.

Moscou, no verão, ferve, em todo os sentidos, e inclusive a temperatura. E o Lada, claro, não tinha ar-condicionado. Sua-se, no trânsito, como na sauna. A desculpa do meu guia de 18 anos, quando abriu a mochila, era a de que ia pegar algo que nos refrescasse. A bebida chama-se samagom, se não me engano, no nosso alfabeto, ou pelo menos se pronuncia assim. Uma bebida amarela, composta 60% por álcool, produzida em casa pela avó do meu novo amigo. O drinque é popular mas proibido, porque pode ser, dependendo das condições de preparo, perigoso. Naquele Lada parado no trânsito, embaixo de um sol de 35 graus, beber samagon, logo nas primeiras horas na Rússia - depois de dois dias dormindo mal -, é coisa para homem. Bebi.

O sabor é doce, e o líquido descia suavemente pela garganta. O problema é quando chega em órgãos mais delicados, na barriga. Tudo parecia estar derretendo, se é que realmente não estava. Só assim os russos suportam o inverno russo. Só assim eu, como estrangeiro, suportei o verão. Levemente bêbado.

De noite em Viena

Não havia muito mais o que fazer naquela noite em Viena, depois que o Palm House fechou. Era quarta-feira. A cidade estava desanimada, mas não nós três, depois de alguns drinques num bar que, sem exagero, pode-se considerar dos mais bonitos do mundo. Então precisamos, já às duas da manhã, procurar um programa, digamos assim, alternativo.

Foi então que Amir, um amigo iraniano, sugeriu que observássemos a cidade de cima, do topo da montanha que cerca a cidade - que, à noite, com as luzes acesas, seria provavelmente um espetáculo. O percurso demorou, de carro, aproximadamente meia-hora. Poderia ter demorado mais. Eu continuaria esperando sentado confortavelmente, no banco de trás, tomando minha cerveja, enquanto Viena, do lado de fora, era só minha. Com suas ruas estreitas, e as flores enfeitando as janelas das casas, convidando para se beber vinho. No caminho, a casa em que Beethoven morou, num dos bairros mais elegantes da cidade. Continuamos subindo.

Até que chegamos - num estacionamento vazio, de onde andamos, depois, para a praça ao lado, cercada por plantas e flores. Não é exatamente o lugar que se visita com dois amigos homens. Mas, enfim, estávamos lá. Dispostos apenas a conversar, numa noite linda, com a cidade inteira ao nosso alcance, aparentemente - se quiséssemos alcançá-la. Não queríamos. É de fora que se observa e se apreciam melhor os resultados da concentração humana civilizada. De longe, a cidade era um espetáculo - como, aliás, quase todas as outras.

De perto, porém, as coisas mudam. E é sobre isso que conversávamos. Não é possível que, sob aquele pequeno ponto de luz, escondam-se todos os grandes problemas de uma existência. Que ali chore, sozinha, uma menina linda, esquecida pelo namorado que, por sua vez, chora também, sozinho, imaginando que ela o esqueceu. Tudo se complica, quando se aproxima. A humanidade é fascinante, sob o ponto de vista científico, que exige imparcialidade e distância. Só não se pode participar dela, se o que se quer, para o resto da vida, é ser feliz.

Por aí vai, e por aí foi o nosso papo, que passou pelos assuntos mais diferentes e variados, mas sempre estimulantes. Curioso o que pode sair da boca de três homens de vinte e poucos anos, quando não falam de carro ou futebol. As mulheres talvez nunca acreditariam, e se sentiriam ofendidas, se soubessem. Nenhum de nós, naquela noite, falou delas.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 19/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um 'Réquiem' para a Memória de Felipe Leal
02. Nice, Bebeth e Anjali de Marta Barcellos
03. Selton Mello de Wellington Machado
04. O pueril Capote de Luiz Rebinski Junior
05. É preciso aprender a ser mulher de Adriana Baggio


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2003
01. Preconceito invertido - 4/7/2003
02. Da dificuldade de se comandar uma picanha - 25/7/2003
03. Contra os intelectuais - 12/12/2003
04. Não li em vão - 17/10/2003
05. Geração abandonada - 14/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
22/9/2003
17h06min
Voltou profundo de sua viagem, muito bom o texto. Realmente um sorriso entrega muita coisa. Continue sempre evoluindo. Abraco
[Leia outros Comentários de Ricardo Larroude]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O SENTIDO DE ZEUS. O MITO DO MUNDO E O MODO MÍTICO DE SER NO MUNDO
JAA TORRANO
ILUMINURAS
(1996)
R$ 88,00



BRAGUINHA - SONGBOOK
ALMIR CHEDIAK
LUMIAR
(2002)
R$ 45,00



A SABEDORA DE SIDARTA - O BUDA
ANTONIO CARLOS ROCHA
EDIOURO
(1985)
R$ 7,50



DEMOCRATIZAÇÃO EM FLORIANÓPOLIS: RESGATANDO A MEMÓRIA DOS MOV. SOC.
ILSE SCHERER-WARREN
UNIVALI
(1998)
R$ 3,00



A VOLTA DE SHERLOCK HOLMES
CONAN DOYLE
FRANCISCO ALVES
(1983)
R$ 6,00



A CHINA ANTIGA - GRANDES CIVILIZAÇÕES DO PASSADO
MAURIZIO SCARPARI
FOLIO
(2006)
R$ 20,00



MICROONDAS COM CAPRICHO
INGE SCHIERMANN
MELHORAMENTOS
(1990)
R$ 8,60



LIDANDO COM PESSOAS DIFÍCEIS
HARVARD BUSINESS SCHOOL
CAMPUS
R$ 14,90



DESENVOLVIMENTO INTERPESSOAL
FELA MOSCOVICI
LIVROS TECNICOS E CIENTÍFICOS EDITORA LTDA
(1985)
R$ 14,90



SADE UM ANJO NEGRO DA MODERNIDADE
GABRIEL GIANNATTASIO
IMAGINÁRIO
(2000)
R$ 10,00





busca | avançada
20983 visitas/dia
829 mil/mês