Os Clássicos e a Educação Sentimental | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Entrevista com Cardoso
>>> Além do mais
>>> Adeus, Orkut
Mais Recentes
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
>>> 21 dias de jejum pela edificação da casa de Deus de Aluízio A. Silva pela Vinha (2012)
>>> Aspectos do Design - Volume II de Vários Autores pela Senai-SP (2012)
>>> Escrevendo no escuro de Patrícia Melo pela Rocco (2011)
>>> Deus e Israel construindo a história de Equipe de produção Itebra pela Itebra (2001)
>>> Virtuosismo e Revolução de Paolo Virno pela Civilização Brasileira (2008)
>>> Simão Pedro de Georges Chevrot pela Quadrante (1990)
>>> Enfermagem em Obstetrícia de Geraldo Mota de Carvalho pela Epu (2002)
>>> Enfermagem e Nutrição de Geraldo Mota de Carvalho e Adriana Ramos pela Epu (2005)
>>> As Ideias de Popper de Bryan Magee pela Cultrix-Usp (1974)
>>> Les damnés de la terre de Frantz Fanon pela La Découverte (2016)
>>> História de Portugal de Rui Ramos (Coordenador), Bernardo Vasconcelos e Sousa, Nuno Gonçalo Monteiro pela A esfera dos livros (2019)
>>> A Corte na Aldeia de Francisco Rodrigues Lobo pela Biblioteca Ulisseia (2005)
>>> Veja 45 anos. Edição Especial. Ano 46 - 2013 de Vários pela Abril (2013)
>>> Revista Exame O consumidor no Vermelho. Edição 997 de Vários pela Abril (2011)
>>> Almanaque da Luluzinha e do Bolinha. Edição especial. de Vários pela Pixel (2011)
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
>>> Freud Antipedagogo de Catherine Millot pela Jorge Zahar (1987)
>>> Formação de professores indígenas: repensando trajetórias de Luis Donizete Benzi Grupioni (Org.) pela Unesco/Secad (2006)
>>> O Freudismo de Mikhail Bakhtin pela Perspectiva (2001)
>>> De Piaget a Freud - A (Psico)Pedagogia Entre o Conhecimento e o Saber de Leandro de Lajonquière pela Vozes (1998)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geofrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Piaget - O Diálogo com a Criança e o Desenvolvimento do Raciocínio de Maria da Glória Seber pela Scipione (1997)
>>> Cem Anos Com Piaget – Substratum Artes Médicas – Volume 1, Nº 1 de Ana Teberosky e Liliana Tolchinsky pela Artes Médicas (1997)
>>> Você e eu- martin buber, presença palavra de Roberto Bartholo Jr. pela Garamond (2001)
>>> Piaget - Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor de Iris Barbosa Goulart pela Vozes (1998)
>>> Revisitando Piaget de Fernando Becker e Sérgio Roberto K. Franco (Org.) pela Mediação (1998)
>>> Eu e Tu de Martin Buber pela Centauro (2001)
>>> Jean Piaget Sobre a Pedagogia - Textos Inéditos de Silvia Parrat e Anastasia Tryphon (Org.) pela Casa do Psicólogo (1998)
COLUNAS >>> Especial Clássicos

Terça-feira, 8/2/2005
Os Clássicos e a Educação Sentimental
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 7100 Acessos
+ 3 Comentário(s)

A discussão é recorrente. Sempre que o assunto é literatura, muita gente quer saber a respeito da influência das obras clássicas na formação do leitor. A propósito disso, criou-se inclusive o termo "romance de formação" a fim de designar as obras que seriam capitais tendo em vista o desenvolvimento intelectual. E não há como negar: a leitura dos clássicos é, por excelência, uma experiência a ser testada por todos aqueles que querem aprofundar seu conhecimento livresco. Pensando bem, arrisco dizer mais: trata-se de uma experiência tão rica que sua profundidade não se restringe apenas àqueles que buscam conhecimento e/ou erudição. É também uma forma de diversão franqueada a todos aqueles que decidirem (re)descobrir os limites do prazer da leitura.

Para o bem e para o mal, no entanto, o significado da palavra clássico assusta mais do que atrai os leitores de uma maneira geral. Com efeito, há quem não se considere preparado para encarar obras do calibre de Em busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust, ou Crime e Castigo, de Dostoievski, posto que são livros cuja complexidade (quem leu sabe disso) está acima da leitura que fazemos do mundo real - quando digo isso, me refiro aos jornais e às revistas. Ora, é justamente por ser mais complexa que a literatura clássica se mantém como tal, perene. As temáticas, os cenários e o contexto podem até parecer datados (uma situação como a apresentada por Henrik Ibsen em Casa de Bonecas seria impensável hoje, mas, ainda assim, a peça resiste como obra magistral), assim como sua linguagem muitas vezes é rebuscada ou arcaica, porém é seu páthos, o incômodo por ela provocado à primeira vista, que faz com que esses livros permaneçam e se renovem a cada leitura. Por outro lado, há aqueles que, malgrado essas dificuldades, encaram as obras e simplesmente não encontram aquela qualidade que a alta literatura supostamente teria, desestimulando este leitor a encarar outras obras "recomendadas pela crítica". Nesse caso, frustração não é o sentimento mais adequado, mas sim o prazer. Umas das riquezas da literatura é que sua interpretação nunca é a mesma para todos. Cada um faz sua leitura de acordo com o momento em que vive e com o mundo que o cerca. Como exemplo, posso não sentir a mesma reação que um amigo teve ao ler a Odisséia, porém isso não impede que eu venha a aproveitar o livro num outro momento.

Dois autores abordaram essas idéias de uma forma aprofundada, cada qual à sua maneira. Para Italo Calvino, a leitura dos clássicos é imprescindível porque "um clássico é um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha de dizer". Ou porque "um clássico é uma obra que provoca incessantemente uma nuvem de discursos sobre si, mas continuamente as repele para longe". Essas são duas das 14 razões que o autor expõe no ensaio Por que ler os clássicos, um livro que pode ser considerado um clássico sobre o assunto. De uma maneira ainda mais sentimental e personalista, o crítico francês Roland Barthes explica que o prazer do texto está justamente na variedade de impressões que um clássico pode provocar no leitor, desde a repulsa até a admiração, porém um sentimento único e inalienável no que se refere à experiência de cada um.

De minha parte, posso afirmar que vivi um pouco de cada uma dessas versões no que se refere às minhas experiências com os clássicos. Houve uma época, logo quando comecei a me interessar por literatura, que os meus únicos interlocutores eram... os livros. Mais precisamente, a Enciclopédia Britânica, cujo último volume é um índice de assuntos com guia de estudos. Desse modo, autores como Kafka, Bergson e Kierkgaard apareceram naturalmente. E estes me levavam a outros autores, proporcionando uma descoberta fantástica a cada leitura. Tudo isso a partir de um verbete. Tempos depois, esse autodidatismo deu lugar para um outro tipo de educação, agora mais sentimental. E foi graças a professores e a amigos que conheci obras tão fascinantes quanto inesquecíveis.

Relatos

À primeira vista, o dia 31 de Dezembro de 2000 seria um réveillon fora do comum. Sem o agito dos outros anos, uma vez que, no dia seguinte, eu iria trabalhar como se fosse outro dia qualquer. Para piorar a situação, eu me recuperava de uma gripe fortíssima. Sozinho em casa, segui assistindo os filmes que havia alugado até que, por acaso, vi na estante o volume do Dom Casmurro. Comecei a ler sem qualquer pretensão, até porque, como muita gente, eu já havia lido esse livro no colegial. Ocorre que, desta vez, havia algo de diferente naquele romance. Alguns anos depois, as passagens se tornaram menos rebuscadas e mais requintadas, fazendo com que eu me reparasse em inúmeros detalhes que eu não havia notado na minha primeira leitura "adolescente". E então uma leitura descompromissada tornou-se uma das mais significativas de toda uma trajetória intelectual.

Pude compreender como Machado de Assis tratou, num romance que narrava um triângulo amoroso, de questões tão subjetivas quanto fundamentais não somente para a sociedade da época, mas também para o Brasil dos nossos dias. Tomando mais uma vez o exemplo de Ítalo Calvino, atestei como a leitura de um clássico traz interpretações novas a cada instante, como se fosse, de fato, uma nova leitura.

Dois anos mais tarde, após indicações incessantes de um colega, tive a mesma impressão de ler um livro inesquecível, ao encarar, pela primeira vez, Cem Anos de Solidão, de Gabriel Garcia Márquez. Foi no Carnaval de 2003, quando, novamente, fiquei em São Paulo. Folia melhor não houve. Tenho até hoje a sensação de ter sido absorvido pela história e, até hoje, me recordo de passagens inteiras como se acabara de ler o livro há pouco. As frases iniciais, que vez por outra reaparecem ao longo da história, como se iniciassem a obra outra vez, assim como o nome das personagens que se repetem. Detalhes que fazem a diferença e determinam a obra como peça fundamental a saga dos Aureliano Buendia, revisitando os acontecimentos da América Latina de maneira nostálgica, apaixonada e, sobretudo, literária.

Mais do que uma obrigação, a leitura dos clássicos deve ser encarada como uma outra forma de educação. De novo, não se trata apenas de erudição e diletantismo, mas também é o caminho que se tem a trilhar para conhecer mais este verdadeiro "universo" do ser humano. E a base de conhecimento desse novo mundo não é outro senão a literatura.


Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 8/2/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Domingão, domingueira de Ana Elisa Ribeiro
02. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
03. O Voto de Meu Pai de Heloisa Pait
04. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
05. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2005
01. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
02. O século da canção - 5/4/2005
03. Os Clássicos e a Educação Sentimental - 8/2/2005
04. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli - 22/2/2005
05. O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro - 22/11/2005


Mais Especial Clássicos
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
21/2/2005
22h42min
O termo "romance de formação" não se refere às obras capitais para o desenvolvimento intelectual -- uma das qualidades atribuídas aos "clássicos". Romance de formação, ou de aprendizagem, é um subgênero do romance -- é como dizer, numa comparação meio boba, mas enfim, romance de aventura, ou de capa e espada... A característica principal desse tipo de romance é ter por tema o desenvolvimento de seu protagonista. A obra que "inaugura" o termo é o "Wilhelm Meister", de Goethe -- daí outro nome para a coisa ser alemão: "Bildungsroman". Outros exemplos conhecidos são "O retrato do artista quando jovem", de Joyce, e, no Brasil, obras como "Encontro marcado", de Fernando Sabino.
[Leia outros Comentários de Francesca ]
25/2/2005
10h58min
Bildung, expressão alemã que se traduz em português por "formação", é um conceito assaz complexo que envolve discussões sobre cultura, política, economia etc. A propósito, Kant, em Reflexões sobre a educação, entende que Bildung, como subdivisão da educação, abrange a instrução e a "conduta". Desse modo, faz sentido o significado atribuído ao termo de "romance de formação", isto é, o de desenvolvimento intelectual.
[Leia outros Comentários de Fabio S. Cardoso]
23/12/2005
05h19min
Dos chamados clássicos da literatura brasileira, eu recomendaria a Trilogia do Tempo e do Vento, do nosso Érico Veríssimo que, por alguns, é erroneamente denominado romance regionalista mas, a meu ver, é de todos os romances históricos brasileiros o que se pode considerar o mais universal pelos problemas ainda atuais que aborda e pelos tipos os mais inesquecíveis que constrói.
[Leia outros Comentários de R. Bogliolo Sirihal]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÁLCULO MATEMÁTICA PARA TODOS 53- A ADMIRÁVEL ARITMÉTICA DO RELÓGIO E
VÁRIOS AUTORES - REVISTA
SEGMENTO
(2015)
R$ 10,00



A POLÍTICA DAS ÁREAS EM DESENVOLVIMENTO 6962
GABRIEL A. ALMOND / JAMES S. COLEMAN
FREITAS BASTOS
(1969)
R$ 15,00



MAGO - LIVRO UM- APRENDIZ
RAYMOND E. FEIST
 SAÍDA DE EMERGÊNCIA BRASIL
(2013)
R$ 10,00



10 DECISÕES INTELIGENTES QUE UMA MULHER DEVE TOMAR ANTES DOS 40
TINA B. TESSINA E ELIZABETH F. WILLIAMS
VERUS
(2008)
R$ 16,00



BRINCANDO COM O PERIGO
LAÍS CARR RIBEIRO
MODERNA
(1994)
R$ 5,00



JUVENTUDE EM VIENA - UMA AUTOBIOGRAFIA
ARTHUR SCHNITZLER
RECORD
(2015)
R$ 50,00



O LIVREIRO DE CABUL
ASNE SEIERSTAD; GRETE SKEVIK
RECORD
(2006)
R$ 35,00



O DIREITO PASSADO A LIMPO
SÉRGIO SANTOS RODRIGUES
PERGAMUM
(2012)
R$ 6,90



OS ZOOLITAMOS
TOMÁS DE MONTEMOR
LIVROS HORIZONTE
(2001)
R$ 27,91



ENCONTROS E DESPEDIDAS: HISTÓRIA DE FERROVIAS E FERROVIÁRIOS DE MINAS
ANDRÉA CASA NOVA LIMA
ARGVMENTVM
(2009)
R$ 20,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês