O escritor pode | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Nos porões da ditadura
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> O filósofo da contracultura
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> 20 de Agosto #digestivo10anos
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Saints and Sinners
>>> Não há vagas? Então viva a informalidade!
Mais Recentes
>>> Nutrição e Suplementação Esportiva. Aspectos Metabólicos, Fitoterápicos e da Nutrigenômica - 8C de Luiz Carlos Carnevali Junior pela Phorte (2015)
>>> Direito Marítimo de Leandro Raphael pela Aduaneiras (2003)
>>> Guia para avaliações do condicionamento físico - 8C de Todd Miller pela Manole (2014)
>>> O evangelho e a vida Marcos de Preparado; Frei Gilberto Gorgulho / Ana Flora Anderson pela Paulinas (1978)
>>> Letter Mag Young 03/06 - Letter Zone - In Touch - Junior de Liane Keil pela Deutsche Post (2006)
>>> Revistas Fã Clube Turma do Dani de Ew pela Ew (2002)
>>> Letter Mag Young 02/06- Letter Zone- In Touch - Star Tracks de Liane Keil pela Deutsche Post (2006)
>>> Atrevi-me a chamar-lhe pai de Bilquis Sheikh / Richard Schneider pela Vida (1996)
>>> Letter Mag Young 01/06 -fun & Action - In Touch - Junior de Liane Keil pela Deutsche Post (2006)
>>> Direito do Petróleo - Conteúdo Local de Luiz Cezar P. Quintans pela Freitas Bastos (2010)
>>> A China Sacode o Mundo. de James Kynge pela Globo (2007)
>>> Metodologias Ativas para uma Educação Inovadora: Uma Abordagem Teórico-Prática de Lilian Bacich pela Penso (2017)
>>> 60 minutos para aprender JAVA. de Ed Tittel & Mark Gaither pela Berkeley Brasil (1995)
>>> A Sala de Aula Inovadora: Estratégias Pedagógicas para Fomentar o Aprendizado Ativo de Fausto Camargo pela Penso (2018)
>>> A Sala de Aula Inovadora: Estratégias Pedagógicas para Fomentar o Aprendizado Ativo de Fausto Camargo pela Penso (2018)
>>> Sim, sim! Não, não! de Pe. Jonas Abib pela Canção Nova (2004)
>>> A mulher na janela de A.J. Finn pela Arqueiro (2018)
>>> Delacroix Escapa das Chamas. Um romance em 4 tempos. de Edson Aran pela Record (2009)
>>> Serena. Um Romance. de Ian McEwan pela Companhia Das Letras (2012)
>>> Oeuvres Complètes Tome II de Jean Genet pela Gallimard (1953)
>>> Perspectivas da Tecnologia Educacional. de Organizador: João Batista Araújo e Oliveira pela Biblioteca Pioneira de Ciências Sociais (1977)
>>> Tales of Mystery and Imagination. (level 5) de Edgar Allan Poe pela Penguin Readers (2001)
>>> Runner, A Perseguição. de Patrick Lee pela Universo dos Livros (2016)
>>> Falando, lendo, escrevendo, português para estrangeiros de Gabriele Forst pela Pedagógica e universitária ltda (1989)
>>> Tributação dos Serviços de Comunicação de Walter Gazzano dos Santos Filho pela CenoFisco (2004)
>>> Temas de Direito Constitucional - Volume II de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2003)
>>> Ritual da unção dos enfermos e sua assistência pastoral de Coordenador, Frei Alberto Beckhãuser pela Paulus (1999)
>>> Síntese de História de México de C. Gonzalez Blackaller Y L. Guevara Ramirez pela Herrero (1971)
>>> Um Certo Verão na Sicília. Uma história de amor. de Marlena de Blasi pela Objetiva (2009)
>>> Deus em questões de André Frossard pela Quadrante (1991)
>>> O diário de um mago de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Germinal. de Émile Zola pela Companhia Das Letras (2004)
>>> Espelho não mente de Shirley Souza pela Escala educacional (2008)
>>> Laços Eternos. de Zibia Gasparetto ditado pelo espírito Lucius. pela Vida E Consciência (2005)
>>> A vida secreta das árvores de Peter Wohllben pela Sextante (2017)
>>> Dez leis para ser feliz. Auto-estima de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> As 25 leis bíblicas do sucesso de William Douglas e Rubens Teixeira pela Sextante (2012)
>>> A divina liturgia de São João Crisóstomo de Responsável: Reverendo Padre Gregório pela Arquidiocese de São Paulo (2007)
>>> Inteligência sócioemocional, a Formação de Mentes Brilhantes de Algusto Cury pela Ei (2013)
>>> Feed. Conexão Fatal. de M. T. Anderson pela Rocco (2007)
>>> Querido John. O que você faria com uma carta que mudasse tudo? de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Baudolino. de Umberto Eco pela Record (2001)
>>> Perdas & Ganhos. de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Hoje acordei gorda de Stella Florence pela Rocco (1999)
>>> Resposta certa de David Nicholls ; tradução de Claudio carina pela Intrínseca (2012)
>>> Evangelizemos o mundo de Osvald J. Smith pela O. S. Boyer (1974)
>>> Uma Casa em Flandres. de Michael Jenkins pela Best Seller (2001)
>>> A escolha de Elphame. de P. C. Cast pela Harlequim (2011)
>>> A segunda esposa. de Elizabeth Buchan pela Record (2009)
>>> Sem Dizer Adeus. de Penny Richards pela Best Seller (2003)
COLUNAS

Quarta-feira, 19/10/2005
O escritor pode
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

No século XV, enquanto ingleses, espanhóis e portugueses se preocupavam em viajar por mares nunca d'antes navegados, singrar águas cheias de monstros mitológicos e desafiar as então definitivas leis da física, outros tantos europeus mais comedidos dedicavam-se a inventar maneiras de imprimir livros sem precisar copiá-los a mão.

Gutenberg, na Alemanha, foi o felizardo que conseguiu, engenhosamente, reunir na prensa uma série de pequenas outras invenções, tais como o tipo móvel e engenhocas menos articuladas. O inventor do recurso e do novo método de impressão de códices imprimiu, então, a Bíblia de 44 linhas, com um tipo de letra peculiar à sua oficina. E assim essa nova tecnologia foi se espalhando pela Europa e ganhando outras oficinas e tornando famosos outros impressores.

A invenção e a difusão de uma tecnologia ultrapassam a abrangência local e fazem efeitos sociais de suma importância (nem sempre percebida prontamente) para uma cidade, um estado, um país e até mesmo para o mundo. A invenção de Gutenberg é tratada como um dos fatores que teriam levado à Reforma Protestante (já que a Bíblia poderia chegar mais facilmente às mãos do leitor e à sua leitura direta, sem intermediários) e, conseqüentemente, à Contra-Reforma Católica. Também é a utilização da prensa para imprimir livros que vai sendo apropriada de outras formas por outros tipos de suporte. Para encurtar história, o jornal vai se utilizar da engenhoca até virar o que é hoje, assim como a revista.

E são tão importantes essas ações tecnológicas e humanas que as profissões e as ocupações também se redimensionam e passam a se enquadrar em novos modelos de escrita e leitura, novas ações sociais para a comunicação.

Até a época de Gutenberg e mesmo muito depois, o autor como dono do texto não tinha importância, muito menos a importância e a projeção que tem hoje. Autores muitas vezes eram quem ditava um texto a um escriba que mal sabia ler, mas sabia escrever. Os títulos dos textos e dos livros eram sua primeira linha em destaque. Não havia a preocupação em compor um título que resumisse as idéias principais (como aprendemos na escola desde crianças) e nem muito menos a de conferir aos textos e aos livros nomes impactantes, como aprendem os comunicólogos e os vendedores de manchetes.

O autor como conhecemos hoje começou a se configurar no Romantismo, movimento literário que deu ao escritor os ares que ele ainda tem, o criador de um objeto de apreciação, dono absoluto até mesmo dos sentidos que o leitor poderia dar à obra. Nessa época é que os escritores (aqueles que sabem e podem fazer com que um texto tenha algum valor estético) tornaram-se jornalistas. Embora nós, os que nascemos no século XX, tenhamos conhecido Machado de Assis como romancista, contista e poeta, foi nos jornais cariocas que o bruxo lançou seus folhetins, publicados com suspense no final do capítulo e tudo. Machado era pacato, não viajava, não saía da então capital do país e tornou-se, à época, jornalista, profissão recém-aparecida, que nem precisava de formação especial.

Foi numa dessas empreitadas jornalísticas que José de Alencar, antes de Machado, em 1856, lançou o folhetim completo Cinco minutos como brinde no ato da compra do jornal. A mesma idéia que tem a imprensa até hoje.

O escritor, então, era um misto de jornalista e escritor, cronista do cotidiano ou de grandes fatos, que podia, no entanto, mesclar a escrita precisa e insossa do jornalismo puro à beleza do texto composto com a argamassa literária difícil de conceituar e de apontar.

Essa situação ambígua e a relação entre escritores e jornalistas, seja ela de rivalidade ou de consórcio, vem sendo discutida desde então, apesar de todos os baques históricos e psicanalíticos que vêm sofrendo o conceito e a figura do autor.

No século XXI, o que se tem escutado fora das redações é que a profissão tornou-se, há muito, talvez desde Alencar e Machado, o ganha-pão de 8 entre 10 escritores (mesmo os de renome), não porque sejam todos eles apaixonados pela linguagem e pelas pirâmides invertidas, mas porque ao menos podem escrever textos quando não devem escrever literatura.

Também os escritores-jornalistas contemporâneos são confrontados diariamente com a realidade das contas a pagar e a vencer e não têm outra solução, especialmente neste país, que não seja encontrar uma ocupação que lhes renda salário. Mesmo tendo pauteiros e editores-chefes para lhes lembrar de que notícias têm prazo e de que os leads não são poemas, esses autores fazem do jornalismo sua profissão para sustentar a outra atividade, verdadeira paixão, essa, sim, irreprimível e necessária: a escrita criativa.

Dizia o escritor Coelho Neto (1864-1934): "Quanto à literatura que publicamos nos jornais, lembra os livros impressos no tempo do Santo Ofício: não têm o visto da Inquisição, mas têm o visto do redator-chefe". E é esse conflito de escritor-funcionário que ataca as consciências daqueles que precisam escrever para ganhar dinheiro e, quando podem, para continuar vivendo sem tanta angústia. Imagine-se, então, quando o escritor tem uma profissão que nem é o jornalismo? Há registros de relações também estreitas entre dois tipos de escrita, por exemplo, escritores-publicitários, escritores-professores, escritores-engenheiros, escritores-filósofos, etc. E, acreditem, além de ter que ganhar dinheiro, já que a literatura não o provê, pode ser que o escritor ame as duas coisas. É comum que escritores-professores se movam por duas paixões, à maneira dos amantes com seus dois pares, cada qual para sua função.

O jornalista recebe ordens, pautas, critérios de redação, limitação de tamanho, tema, número de caracteres, língua padrão, concisão, clareza. Cobertura, crítica superficial, alinhamento. Trabalho jogado no lixo todos os dias. Chão de gaiola de passarinho, fundo de sacola de feira, papelote no cabelo das meninas, embrulho de jarra de vidro. Já o livro, não. É acondicionado, guardado, apreciado ou, mesmo que revendido no sebo, artigo de luxo, fundo de foto quando o político quer mostrar que tem cultura, tem status.

É essa paixão que move um escritor. E as condições para escrever lhe são dadas quando ele garante o texto pautado apenas pelo que lhe move, a observação dos olhos dele, sem redator-chefe e sem cobertura de evento. O escritor pode tudo no texto. Trabalho de campo de escritor é na linguagem. O do jornalista é no texto e na pauta vinda de cima. Sorte quando os dois são o mesmo, ainda que as suas escritas sejam duas, uma para a cama, outra para a mesa.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 19/10/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
02. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
03. Elon Musk de Julio Daio Borges
04. Como ser um Medina de Ana Elisa Ribeiro
05. A polícia militar e o atentado à democracia de Gian Danton


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/10/2005
17h19min
Prezada Ana Elisa, gostei muito de seu texto "O escritor pode". Tenho mais de 3 mil entrevistas de escritores e estou recolhendo respostas sobre a relação Literatura-jornalismo. Realizo também uma bibliografia sobre esta relação, e o seu texto já está devidamente inserido. No futuro pretendo editar um livro renindo todo o material: respostas dos escritores jornalistas e vice-versa e bibliografia comentada. Grato pela contribuição. Cordialmente, J.D. Brito
[Leia outros Comentários de J. D. Brito ]
21/10/2005
01h01min
Ana Elisa, adorei esse texto sobre o ofício(?) do escritor. É uma pena que no Brasil pouquíssimos escritores possam viver dos seus livros. E é uma pena maior que os debates sobre o tema se detenham no famoso círculo vicioso: poucos leitores, poucos livros, pouca venda, baixa remuneração do escritor. Muitos dizem que a saída está na educação, lá embaixo, com as crianças. Tudo bem: a literatura infantil é a saída e está muito bem-servida no Brasil - e tem muita criança lendo mesmo. Mas o que me preocupa, como professor de filosofia do ensino médio, é que os adolescentes se deparam com um hiato entre (1) a fantasia, o onírico, proporcionados pela literatura até a pré-adolescência, e (2) a realidade - da qual já têm consciência - pela frente. É aí que o livrinho infantil, que fomentaria o desejo de se embrenharem pelos deliciosos caminhos da literatura adulta, perde sua função. Explico. O livro (assim como a educação, em geral) sofre uma desleal concorrência dos objetos, programas, mídias disponíveis aos adolescentes neste século 21. Internet, celulares, MP3, TVs (que atraem o telespectador com a força publicitária de uma companhia de cigarros) e shopping centers. A própria velocidade desses “protótipos” requer um lazer também mais veloz. E convenhamos: a leitura de um livro, como deleite, é uma atividade lenta. Infelizmente. Pedir para um adolescente ler uma página em sala de aula é um chiste. Outro dia fui trabalhar com uma música de Chico Buarque (“Apesar de Você”) em sala de aula e fui massacrado. Disseram que era música antiquada, que os pais deles que ouviam aquilo... Enfim, como a música era um samba, pediram um ritmo mais... moderninho. Pobres Mozart, Bach, Beethoven! Enfim, o mercado editorial melhorou sim, mas há muita literatura(?) direcionada para esse público “volátil”. Triste Brasil! Quando começam a ler, fazem-no por vias tortas. Abraços, Wellington Machado, BH
[Leia outros Comentários de wellington machado ]
1/11/2005
14h42min
Suassuna disse certa vez que resolveu ter uma profissão para não fazer concessões à sua arte, a literatura ficcional. Melhor seria se não abrissemos concessão e conseguissemos viver da nossa arte. Mas, enquanto isso não vem...
[Leia outros Comentários de fabiano novais]
2/12/2005
08h58min
Parabéns pelo texto. É importante ter uma profissão e viver uma vida comum para ser escritor. Quantos grandes livros, de grandes escritores, saíram por eles terem tido acesso a informações por conta de sua profissão? Enfim, não acho que seja necessário, nem tão necessário assim, viver do que se escreve.
[Leia outros Comentários de Gustavo Henn]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MEU AMOR, MEU BEM, MEU QUERIDO
DEB CALETTI
NOVO CONCEITO
(2013)
R$ 12,00



SALTO PARA O FUTURO - EDUCAÇÃO DO OLHAR VOL. 2
CÍCERO SILVA JÚNIOR
MEC
(1998)
R$ 5,00



NOSSOS 20 ANOS
CLARA MALRAUX
MARCO ZERO
(1988)
R$ 22,28



RUTH RACHOU
BERNADETTE FIGUEIREDO / IZAÍAS ALMADA
CAROS AMIGOS
(2008)
R$ 5,00



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA
LIMA BARRETO
GLOBO
(1997)
R$ 15,90



O GRANDE INDUSTRIAL - COLEÇÃO SARAIVA Nº 187
JORGE OHNET
SARAIVA
(1963)
R$ 7,00



THE CYCLOPEDIA OF MEDICINE, SURGERY, SPECIALTIES VOL. 8
GEORGE MORRIS PIERSOL
F A DAVIS
(1953)
R$ 41,46



QUINCAS BORBA - OBRA COMPLETAS DE MACHADO DE ASSIS
MACHADO DE ASSIS
MÉRITO
(1961)
R$ 5,99



PENSANDO O FUTURO
STUART CRAINER, DES DEARLOVE
ARTMED
(2015)
R$ 37,00



JURISPRUDÊNCIA BRASILEIRA DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL E CRIMINAL
GETÚLIO SÉRGIO DO AMARAL
DEL REY
(2003)
R$ 10,00





busca | avançada
62566 visitas/dia
2,2 milhões/mês