My fair opinion | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 30/4/2007
My fair opinion
Eduardo Mineo

+ de 5300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

My fair lady, como se você já não soubesse, é um musical da Broadway adaptado da peça Pygmalion, de George Bernard Shaw. Na mitologia, Pygmalion é um escultor que se apaixona por uma de suas estátuas. Na peça de Shaw, um professor de fonética (Henry Higgins), em uma aposta com seu amigo (Coronel Pickering), acolhe em sua casa uma pobre vendedora de flores (Eliza) para lhe ensinar a falar como alguém da aristocracia. O objetivo era comprovar suas habilidades de professor levando Eliza a um baile da rainha e a convencendo de que Eliza era da alta sociedade. E como era de se esperar por aqueles que esperam este tipo de coisa, ele acaba se apaixonando pela Eliza.

Pelo menos eu me convenci de que ele se apaixonou pela Eliza. Bernard Shaw talvez não concordasse comigo porque ele era um feminista e feminista é o tipo de gente que fica procurando más intenções em cada sentimentinho de um homem. Diga que está apaixonado para uma feminista e ela vai chacoalhá-lo de ponta-cabeça esperando que caia alguma má intenção no tapete. Ser feminista é viver em tensão, como se fossem jogá-la a qualquer instante numa cozinha para lavar pratos ou passar a roupa. Calma, seja suave, senão em pouco tempo estará com a cara da Betty Friedan.

De qualquer forma, é uma peça maravilhosa. Mesmo com tanta crítica social. Eu tenho certeza de que em outra encarnação eu era um dos velhinhos irritados e suados de infarto que vaiaram Bernard Shaw por causa desta mania besta de "ó, a elite também faz cocô", mas é uma das melhores comédias que existem. Antes de enxergar esta coisa chata de que mudando apenas o jeito de se falar de uma pessoa você altera toda sua posição na sociedade porque, oras, oras, muito hipócrita esta burguesia e tal, eu enxergo uma história maravilhosa sobre um conflito entre ego e amor, como em Orgulho e preconceito, da Jane Austen, mas com toda a genialidade cômica de Shaw. Há algo de muito errado na cabeça de quem enxerga o mundo através apenas desta ótica cinzenta da crítica social.

Esta peça teve uma adaptação fraca para o cinema em 1938. Mais tarde, em 1956, foi apresentada na forma de musical pela Broadway já com o título de My fair lady, estrelando Julie Andrews como Eliza. Em 1964, este musical ganhou sua versão para o cinema, dirigida por George Cukor (Cukor, cara! Cukor!) e com Audrey Hepburn no lugar da Julie Andrews. Esta troca não foi bem aceita porque a Audrey foi dublada por não cantar bem o suficiente (me recuso a dizer que ela cantava mal), mas e daí? A dublagem foi bem feita e o filme é um dos meus preferidos. É tudo muito bonito e de bom gosto.

E agora, a peça My fair lady ganhou uma adaptação brasileira, que me pareceu meio insensata. É difícil adaptar peças da Broadway simplesmente porque eles fazem peças perfeitas. E quando se imita algo que é perfeito, suas duas opções são: fazer igual ou fazer pior. É risco demais.

Por isso eu hesitei bastante em escrever sobre a peça My fair lady em cartaz no Teatro Alfa, em São Paulo, porque certamente eu reclamaria muito, então resolvi não pegar tão pesado para que o texto não soasse grosseiro, mas se quiserem saber minha opinião de verdade, piorem tudo o que eu escrever aqui. E coloquem uns palavrões no meio, também.

Por exemplo, deve ser a primeira vez na história que os atores coadjuvantes foram melhor que os principais. Atuaram muito bem, os coadjuvantes, no nível da Broadway. O grupo que cantou "Wouldn't it be loverly" e os empregados da casa do Higgins foram realmente muito bons. Assim como o figurino, que estava muito bem feito e as trocas de cenário que impressionaram de verdade. Estes foram os pontos altos da peça.

Já a garota que fez a Eliza não convenceu. Nas músicas que exigiam mais, como a própria "Wouldn't it be loverly" e "I could have danced all night" me pareceu que ela não alcançou os tons. E eu ouvia pessoas dizendo com muita convicção "Nossa, como ela canta bem!", e até entendia porque, pelo padrão deles, exemplo de boa voz feminina é Ivete Sangalo, mas quem já ouviu alguma ária de "Die Entführung aus dem Serail" sabe o que significa um padrão alto de vocal feminino. Tudo bem, comparar Mozart a um musical é covardia, mas basta ouvir a própria Julie Andrews cantando as mesmas músicas na versão da Broadway e fica fácil perceber o que significa cantar bem.

O personagem Freddy, que tinha uma das árias (posso dizer ária?) mais difíceis - pelo menos a que eu acho mais difícil, me baseando em algumas horas de tentativas frustradas de cantá-la no banheiro -, "On the street where you live", não agradou também. Não cantava mal, mas o ator que o interpretou tinha tristemente o timbre de voz de um dublador da Disney. Não é um defeito, eu sei, mas se eu fechasse os olhos, poderia jurar que quem estava cantando era, tipo, o Nemo. Foi difícil para meus ouvidos, que já ouviram esta mesma música ser cantada por Nat King Cole.

O ator que interpretou o Higgins usou um sotaque timidamente afetado, como se isso indicasse distinção, mas só ficou esquisito. Rex Harrison, na versão da Broadway e de Hollywood, conseguiu passar uma superioridade arrogante, enquanto o ator brasileiro só conseguiu transmitir petulância. Outra questão é que o personagem de Higgins no musical não deveria cantar, apenas entoar, para indicar sua personalidade racional, mas na versão brasileira, ele exagerou na melodia. Já o ator que interpretou o Alfred Doolittle praticamente ditou suas músicas, mas deveria reproduzi-las como um barítono. As músicas "With a little bit of luck" e "I'm getting married in the morning", principalmente esta última, sem as esticadas graves do Stanley Holloway ficaram sem graça. E ambos não conseguiram alcançar o carisma que os papéis necessitavam. Uma pena.

E o andamento estava rápido demais, o que estragou todas as cenas cômicas. Todas as tiradas foram ditas num tempo errado. Deram a impressão de que estavam com pressa e não conseguiram atuar com naturalidade. Teve momentos em que a velocidade atrapalhava ao ponto da confusão, principalmente no começo, quando os personagens estão reunidos em frente a um teatro onde foram assistir Fausto de Wagner (e não Aída de Verdi como disseram no palco). E senti que atropelaram várias partes do baile da rainha. Ficou estranho.

E percebi, finalmente, que eu estou no ramo errado. Vou fazer teatro. Brasileiro é muito fácil, muito sorridente. Vai ao teatro com o único objetivo de aplaudir. Eu vou ao teatro para assistir uma peça; caso seja boa, eu aplaudo, caso contrário, não. E esta não era uma boa peça. Teve uma boa produção, mas pelo valor que gastaram, deveria ter sido muito melhor. Por enquanto, a melhor opção em São Paulo ainda é o Theatro Municipal, onde você assiste músicos realmente bons, em lugares melhores e pela metade do preço.


Eduardo Mineo
São Paulo, 30/4/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lições literárias de Gian Danton
02. FLIP X FLAP de Marília Almeida


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. My fair opinion - 30/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/4/2007
11h16min
O problema com a Audrey Hepburn, no filme, é que fica facílimo tirar a moça das ruas e colocá-la nos salões da aristocracia. Tem pouca gente, no universo inteiro, que seja tão naturalmente refinada. No Brasil um negócio desses é quase impensável. Beleza de texto, Mineo.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
30/4/2007
17h25min
Não vi Shaw nenhum ali. Tb acho que, com dinheiro, se faz tudo, até peça bem produzida no Brasil. Com dinheiro de muita gente, aliás, que não foi nem vai assistir a peça. Isso me incomoda.
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
4/5/2007
12h47min
Não acho que podemos esperar a qualidade da Broadway num musical brasileiro, especialmente porque o sistema de incentivos para musicais nos EUA funciona de maneira bem diferente do que no Brasil... Aqui nos EUA, eles tem tido problemas com o teatro não musical que está caindo no ostracismo pelos mesmos motivos que no Brasil: não aborda temáticas interessantes para a população média, e produzem peças autorais que só interessam a uma minoria. No Brasil, temos bom teatro, mas contamos nos dedos as peças bacanas ao longo dos anos... Para que se esforçar com qualidade, se o patrocínio estatal está ai para cuidar da gente? Quando acabarem com a mania de querer só copiar o que vem de fora, ou meramente fazer o autoral moralizante, quem sabe fazendo um "teatro de entretenimento", teremos muitos sucessos. Até mesmo este musical pode servir de trampolim para um divertido musical adaptado ao gosto brasileiro. Ou será que tudo que a nossa classe mérdia almeja e' morar nos EUA? :)
[Leia outros Comentários de Ram]
24/7/2007
13h43min
Olá Carla. Infelizmente não tenho nada pronto sobre Miss Saigon e o texto "os nossos miseráveis" não é meu, é do Fábio Danesi. Mas não tiro uma vírgula do que ele disse (menos o lance da Broadway). Eu voto em My fair lady, mas tenho medo das interpretações. Até a adaptação de Roberto Bolaños, o Chaves, ficou melhor que esta brasileira.
[Leia outros Comentários de Eduardo]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MACMILLAN COURSEBOOK INSPIRED 1 STUDENT'S WORKBOOK (AMERICANED)
PHILIP PROWSE
MACMILLAN EDUCATION
(2011)
R$ 27,00



DEPOIS DO SILÊNCIO
RAUL MARQUES
7LETRAS
(2009)
R$ 4,80



BEISPIELE PRUFFAHIGER FESTIGKEITSNACHWEISE TEIL 2
HERZOG
WERNER-VERLAG
(1994)
R$ 80,00



UMA BREVE HISTÓRIA DA RIQUEZA
WILLIAM J. BERNSTEIN
FUNDAMENTO
(2018)
R$ 76,50



DR. SLUMP Nº 1
AKIRA TORIYAMA
CONRAD
(2002)
R$ 13,00



PNMA 30 ANOS DA POLÍTICA NACIONAL DE MEIO AMBIENTE
ANTONIO HERMAN BENJAMIN E OUTROS
IMPRENSA OFICIAL
(2011)
R$ 45,00



ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL ESTRATÉGIAS SABOROSAS PARA PREVENIR
SUSAN G. BERG
PLÁTANO EDIÇÕES TÉCNICAS
(2002)
R$ 54,78



O ERMITÃO DA GLÓRIA/A PATA DA GAZELA
JOSÉ DE ALENCAR
GUANABARA
R$ 4,00



A VEZ DO BOLA DE NEVE
JOHN REED
PLANETA
(2003)
R$ 10,00



VADE MECUM ACADÊMICO DE DIREITO 9ª EDIÇÃO
ANNE J, ANGHER
RIDEEL
(2009)
R$ 8,66





busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês