Sou um de vocês | Eduardo Mineo | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 14/5/2007
Sou um de vocês
Eduardo Mineo

+ de 4700 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Eu ouvia meus amigos das Faculdades de Ciências Humanas da USP reclamando meio brabos sobre as pessoas esnobes da Faculdade de Economia e Administração (FEA) e ficava imaginando naturalmente que aquele fosse o lugar mais legal de todos, um ambiente finalmente e verdadeiramente aristocrático, com jazz, coquetéis de gim e garotas que soubessem escolher charutos para seus acompanhantes. Quando entrei para a FEA, amei aquela faculdade, porém não tinha jazz, não tinha gim e as garotas olhavam minha caixinha de charutos e diziam jogando o cabelo pro lado: "Cê viaja, meu!" Onde vocês estão, aristocratas esnobes da FEA? Olá? Me digam, por favor, eu sou um de vocês!

Gosto de me sentir aristocrata — quem não gosta? Quer dizer, não um aristocrata qualquer. Uma boa aristocracia não seria aquela aristocracia dos gregos, com todos aqueles arroubos de onipotência, porque daria muito trabalho. E nem a aristocracia da Europa antiga, que quando me ocorre, tenho a imagem de um gordo suado jogando comida em servos. Penso num modelo de aristocrata mais tranqüilo, que procura a satisfação intelectual e sobretudo, sobretudo, o bom gosto.

Já disse isto tantas vezes que quando ameaço retomar o assunto, as pessoas simulam choro, mas bom gosto implica necessariamente um certo desinteresse por política. Política é sempre sinal de irritação e de mau gosto. Quase sempre quem gosta de política se choca com muita facilidade, fica ofendido dizendo que você é a favor da pobreza e fala soltando cuspinhos. Tudo bem que eu discutia bastante política, mas na medida em que fui melhorando como ser humano, o meu interesse por política foi sumindo até que um dia eu já não falava mais soltando cuspinhos. É tão mais educado falar sobre, sei lá, qualquer coisa, menos sobre política. Sei que política é importante, mas meus livros de ficção também são importantes e eu prefiro me dedicar a eles. Me sinto bem melhor me dedicando a eles.

Ainda assim, não diria que perdi tempo lendo autores políticos, nem os socialistas que, embora tenha me dedicado bem mais a Ludwig von Mises, me explicaram mais ou menos o ponto de vista desta turma. Mas de qualquer forma, é um assunto que sempre foge das minhas premissas mais importantes, mais sagradas: a serenidade e o bom gosto. Pra mim, ler Rosa Luxemburgo e todo aquele aborrecimento da causa operária, numa escalinha de bons modos, estaria no patamar de comer lasanha com as mãos. E imagino que, se vocês perceberem isto, também farão cara de nojo quando alguém começar a falar em política do seu lado.

Será que esta minha frescura com política me exclui da direita? Eu me considerava de direita até este instante, mas agora fiquei na dúvida. Acho razoáveis as posições econômicas da escola austríaca e tudo, mas faz tanto tempo que não leio nada a respeito que provavelmente perderia uma discussão aos vexames para qualquer molequinho bancando o escoteiro engajado. Não que isto seja desonroso, muito pelo contrário. Perder uma discussão política é o primeiro passo para a dignidade. E convenhamos, a direita brasileira é uma coisa muito triste. Ficou ainda pior de uns tempos para cá, principalmente porque o Olavo de Carvalho trouxe muita gente ruim com ele, como que entrando na nossa salinha dos direitistas reclamando excessivamente alto sobre aborto e Foro de São Paulo. Me desculpem, mas tive de sair.

Mas outro aspecto interessante na aristocracia é que ela dá bem menos valor ao trabalho do que os burgueses ou os socialistas. Há um tempo atrás, eu acreditava bastante nos valores do trabalho e pensava apenas em ficar rico, muito rico. Imaginem um cara rico e aumentem daqui até o céu, era o que eu queria ser. Mas não tinha um objetivo além deste. Hoje, ainda quero ser rico, óbvio, mas com o objetivo bem definido de parar de trabalhar. O poder absoluto de acordar e dizer "não, hoje não" sem prejuízo significante é a única coisa pela qual as pessoas deveriam lutar com sinceridade. Tudo mais não é sagrado o suficiente.

Será que é possível discordar disto? Alguém jovem e disposto poderia reclamar do tédio, mas não estou falando em parar de trabalhar e me trancar em casa, embora eu esteja longe de achar ruim esta idéia. Só aconteceu que, para manter o padrão de vida que considero razoável, preciso do trabalho e sonho com o dia em que me livrarei deste compromisso para poder me dedicar ao que eu gosto. Pelo menos sem me transformar automaticamente num mendigo.

Me falam sobre pesquisas e bolsas científicas e acho interessante, às vezes, porque chega perto do que considero ideal: estudar sobre o que eu quiser e ainda ser pago por isto. Entretanto esta idéia ainda é incômoda para mim. Até estes dias eu defendia a opinião de que a maior parte do investimento público deveria ser voltado para a iniciativa privada, que, afinal, paga as contas, e para o mercado, que de uma certa forma representa o desejo imediato da sociedade. Porém, nada do que me interessa está voltado para o mercado e não consigo me convencer de que a sociedade tenha que pagar pelos meus caprichos intelectuais. Assim como pesquisas e bolsas científicas.

Por isto minha única forma de alcançar a aristocracia será trabalhando bastante. Talvez consiga, talvez não. Eu espero que sim. E espero também, com alguma sorte, encontrar o jazz, os coquetéis de gim ou pelo menos as garotas que saibam escolher charutos. Pelo menos uma, poxa vida.


Eduardo Mineo
São Paulo, 14/5/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Brasil que eu quero de Luís Fernando Amâncio
02. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
03. A selfie e a obsolescência do humano de Marta Barcellos
04. Diálogos no Escuro de Heloisa Pait
05. 12 tipos de cliente do revisor de textos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Eduardo Mineo
Mais Acessadas de Eduardo Mineo em 2007
01. O físico que era médico - 23/4/2007
02. A comédia de um solteiro - 3/12/2007
03. A propósito de Chapolin e Chaves - 24/9/2007
04. Eduardo Mineo, muito prazer - 9/4/2007
05. My fair opinion - 30/4/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/5/2007
14h02min
Acho que a verdadeira aristocracia você encontra em uma universidade particular. E os melhores aristocratas são como você diz mesmo: para eles trabalho é coisa de gente pobre - o que não deixa de ser uma verdade. Quanto a ser rico para ser aristocrata, nisso eu discordo. Você só precisa de atitude... Comece frequentando lugares chiques usando o cartão de crédito de terceiros, e sua carreira de aristocrata estará a pleno vapor. Trabalhar e enriquecer? É coisa de gente pobre. Hehehe. Gostei do texto!
[Leia outros Comentários de Ram]
14/5/2007
12h37min
Embora discorde da sua visão política, de um modo geral, gostei da idéia de ser rico para não trabalhar, ou melhor, trabalhar no que realmente gosta e acredita. Poder acordar e dizer não, não vou, não quero, sem prejuízo significativo (pra mim ou para outros) deve ser bom. Tem um primo meu que diz: "O trabalho desune a família". É de se pensar. Beijo. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana]
15/5/2007
19h40min
O texto foi bem escrito, claro, mas discordo de tudo o que você falou, exceto pelo fato de também querer um dia parar de trabalhar e viver em "férias eternas".
[Leia outros Comentários de Paulina]
19/5/2007
17h58min
É maravilhoso o direito de dizer: - Hoje nao... Para qualquer coisa...
[Leia outros Comentários de Anie]
24/5/2007
19h18min
Pernas pro ar, que ninguém é de ferro: lembro de uma entrevista recente na TV, em que Jorge Mello afirmou que o homem vive 30 anos para ganhar dinheiro e depois gastar com os profissionais para ajudá-lo a recuperar a saúde... Busca viver simplesmente bem o presente: sim, tudo o mais não é sagrado o suficiente. ;-)
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1822
LAURENTINO GOMES
NOVA FRONTEIRA
(2010)
R$ 35,00



O TRAJETO
BEN ABRAHAM
BNAI BRITH
(1973)
R$ 10,00



CORAÇAO DE ONÇA
OFELIA E NARBAL FONTES
ATICA
R$ 8,00



MUNDIM PERDIDO NO MUNDÃO
LUÍS PIMENTEL
MELHORAMENTOS
(2014)
R$ 8,70



ASSIM EU APRENDO 1 - INTEGRADO - ENSINO FUNDAMENTAL
JOANITA SOZUA
DO BRASIL
(2018)
R$ 90,00



UM LUGAR PARA TODOS
THRITY UMRIGAR
NOVA FRONTEIRA
(2008)
R$ 12,00



O MAIOR SUCESSO DO MUNDO
OG MANDINO
RECORD
(1981)
R$ 6,90



A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO JOAQUIM DA SILVA GUIMARÃES
ESCALA
R$ 5,00



O ROMANCE DE PAULO EIRÓ
AFONSO SCHMIDT
CLUBE DO LIVRO
(1959)
R$ 6,00



O FUGITIVO
J. M. DILLARD
ESTADÃO
(1998)
R$ 6,00





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês