Paranóias Persecutórias | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
35929 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Terror nos EUA

Terça-feira, 25/9/2001
Paranóias Persecutórias
Rafael Lima

+ de 2900 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Fatos: no dia do atentado às torres gêmeas do World Trade Center, a Wal-Mart, rede de hipermercados nos Estados Unidos da América, registrou um aumento substancial nas compras de água e gêneros de primeira necessidade. Cessados os estrondos e postos ao chão os arranha-céus, os itens campeões de venda nos mesmos Wal-Mart no dia seguinte foram bandeirinhas e ornamentos de teor nacionalista, tais como papel crepom azul, vermelho e branco. Dois dias depois do atentado, o que cresceu foi o consumo de armas, principalmente “aquela espingardinha para deixar debaixo da cama”, o que levou algumas lojas a retirar de suas prateleiras armas caseiras para inibir uma possível escalada de violência doméstica. Um amigo meu fez, com raciocínio jocoso, a seguinte interpretação: “Primeiro, a gente se defende; depois, arruma uma boa desculpa para poder sair matando os outros”.

A questão toda é que o terrorismo conseguiu cumprir à excelência sua tarefa, qual seja a de aterrorizar, a de criar insegurança nas pessoas. Depois da queda, não houve cidadão norte-americano que não olhasse para o céu sem rabo no olho, sem aquele mínimo de desconfiança que faz pensar que qualquer avião pode cair em cima da gente. A situação é tão trágica que só pode ser visualizada apelando-se para o absurdo, e o que o sentimento de insegurança mais me lembra é um texto do Ivan Lessa publicado no volume 2 da Antologia Brasileira do Humor chamado Paranóia (50!) Qual é a sua? Escolha, uma coletânea de frases curtas e numeradas expressando aquele irredutível medo do desconhecido, tipo:
12 - Cigarro mentolado provoca a impotência
15 – O elevador vai ficar parado entre o 7º e o 8º
21 – O papa é judeu
26 – A pá do ventilador vai se soltar e me decepar a cabeça
38 – Por que é que escreveram meu nome errado?

Utilizando a mesma lógica insana para explicar o atentado, teríamos algo assim:
- Aqueles árabes estavam com um sorriso estranho no aeroporto
- Por que eles não param de falar entre si?
- Ele está levantando e não está com cara de quem vai ao banheiro
- O avião saiu da rota
- Acho que ele está voando baixo demais, e na nossa direção
- Vai bater.... Vai bater....

A maior prova dessa lógica do absurdo é que a última frase também aparece no texto do Ivan Lessa, um texto humorístico, diga-se de passagem. E de que essa proclamada guerra contra o terrorismo vai ser muito mais difícil do que se supõe, já que, como foi mostrado, o terror não segue a lógica cartesiana das normas de segurança. Que o serviço de inteligência norte-americano tenha falhado: quem imaginaria que um suicida potencial treinaria pilotar e sequestraria um avião com o objetivo de arremessá-lo de encontro a um prédio? É até possível trabalhar com esse tipo de hipótese, porém, fica evidente que o terrorismo, assim como o tráfico de drogas, ou qualquer tipo de banditismo (pequena ou larga escala) sempre estará na frente das forças policiais em termos de inovação, de criatividade, de invenção de métodos e logística. Bandido quando se organiza, ninguém segura – como já me disseram.

Tome-se como exemplo os suspeitos do sequestro dos aviões que atingiram o WTC. Contaram-me que um dos assaltantes tinha estudado 4 anos de engenharia na Alemanha além de fazer o curso de pilotagem já nos EUA. Não é um guerrilheiro latino-americano esfomeado, não é um africano subdesenvolvido que recebeu lavagem cerebral para guerrear até a morte; é alguém com potencial de planejamento de decisão imensos, é alguém com autonomia para realizar seu ataque; é um civil: como suspeitar, rastrear e perseguir um sujeito assim? O que nos leva de volta à questão da paranóia – a mesma que teria feito George W. Bush dar aquela espiadinha rápida para o céu depois de desembarcar do helicóptero que o trouxera da base militar de Nebraska, horas antes de fazer seu discurso para a televisão do dia 11. Nem ele estaria a salvo. E agora, fechar o espaço aéreo? Por quanto tempo? Aumentar a revista nos aeroportos? Permitir que todos os passageiros embarquem armados? Armar só o piloto? Sacaram como é complicado?

Como se torna, na prática, impossível o rastreio de todos os virtuais suspeitos, em geral a consequência é uma suspeita generalizada a todo e qualquer cidadão de origem árabe residente nos EUA, e a criação de dispositivos para controle de suas atividades, tais como a obrigação ao porte de documentos especiais, preenchimento de relatórios periodicamente em departamentos do governo e por aí a fora. Dois problemas emergem como efeitos colaterais aqui. Primeiro: até onde vai esse controle? Segundo: como esse controle afeta os cidadãos norte-americanos? Não é preciso fazer mais perguntas. O FBI já começou a instalar o software Carnivore em servidores de mensagens grátis, tais como o Hotmail, como conta esse artigo da Wired. O que o Carnivore – e seu correlato europeu, Echelon – faz, fundamentalmente, é ler o conteúdo das mensagens com um filtro qualquer para identificar trocas de informações suspeitas. Diz-se que criar uma conta com Allah no nome e qualquer coisa encriptada em árabe no corpo é receita certa para visita dos homens de preto. O que mais espanta nessa história não é nem ver mais uma tentativa frustrada de acabar com o crime tirando o sofá, ou, na melhor das hipóteses, o bode, da sala; é saber que os norte-americanos aceitaram de boa vontade essa violação flagrante de sua privacidade em nome da segurança, mostrando que estão jogando no lixo ensinamentos logo de um dos seus Founding Fathers, Ben Franklin (vai no original para não correr o risco de se corromper na tradução): "Those who trade liberty for security will have neither”. Ou, como colocou Brigid McMenamim em seu artigo, “América é construída na saudável descrença do poder do governo”. Porque esse povo não consegue largar daquela velha síndrome de Dr. Frankstein: primeiro exuma os cadáveres e os rouba aos pedaços, costura tudo e enche o bruto de choques, e depois que o bicho sai por aí fazendo estrago, fica gritando que criou um monstro...


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 25/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
02. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
03. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
04. A Vida dos Obscuros de Marilia Mota Silva
05. O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


Mais Especial Terror nos EUA
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/1/2002
12h56min
Rafael: passarinho que come pedra é que sabe o cu que tem. Paranóia é exercício interpretativo e imaginativo. Assassinato em massa tipo emboscada, fora de contexto explícito de guerra é outra coisa.
[Leia outros Comentários de Lioran]
4/1/2002
19h56min
Lioran, se voce passar 100% do seu tempo desperto preocupado com 479 possibilidades de perigo, e pelo menos uma delas acontecer, voce vai ter motivo para dizer que as suas preocupações eram fundamentadas, mas isso não muda o fato de que voce perdeu tempo demais se preocupando. Outra coisa: cuidado que a maneira como voce define "contexto explícito de guerra" pode se enquadrar exatamente no que certas pessoas entendem por "cotidiano".
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
7/1/2002
08h47min
Rafael, seu texto é ótimo, extremamente lúcido e claro. O que será que as pessoas que ficaram chocadas com o atentado do dia 11 (terrível) acham da chacina que está ocorrendo no Afganistão?
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
7/1/2002
09h32min
E desde quando a liberação de um país de um regime criminoso e tirano pode ser chamada de chacina? Não sei, pode ser que a senhora esteja usando um dicionário diferente do meu, mas me parece que a palavra foi mal-empregada. Claro que fatalidades e erros ocorreram, mas acho curioso como algumas pessoas insistem que a guerra foi algo tão prejudicial aos afegães, quando eles mesmos dizem o contrário!
[Leia outros Comentários de Roque V.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIREITO TRIBUTÁRIO - 11° EDIÇÃO
EDUARDO SABBAG
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2010)
R$ 35,00



OS DOIS OU O INGLES MAQUINISTA
MARTINS PENA
CIA NACIONAL
(2010)
R$ 10,51



O VALOR DO PROFESSOR
GABRIEL PERISSÉ
AUTÊNTICA
(2011)
R$ 14,00



ALÉM DA ERA VARGAS - 60 ANOS DEPOIS
REVISTA DE HISTÓRIA DA BIBLIOTECA NACIONAL
BN
(2014)
R$ 9,80



A LUA DA ARENA
ELIZABETH MARSHALL THOMAS
BEST SELLER
(1987)
R$ 17,85



HIDRÁULICA FLUVIAL
ALFREDO BANDINI
SÃO CARLOS
(1958)
R$ 130,00



VIVENDO MELHOR ATRAVES DA NUMEROLOGIA GUIA PRATICO
APARECIDA LIBERATO
NOVA CULTURAL
R$ 10,00



SOLUÇÕES POSITIVAS DA POLÍTICA BRASILEIRA - COL. GRANDES OBRAS DO PENS
PEREIRA BARRETO
ESCALA
(2006)
R$ 10,00



CUIDE DA SUA CARREIRA
PEDRO MANDELLI
ABRIL
R$ 4,00



POR DENTRO DA ARTE COMO E POR QUE SE FAZ ARTE
ELIZABETH NEWBERY
ÁTICA
(2013)
R$ 9,11





busca | avançada
35929 visitas/dia
1,3 milhão/mês