Paranóias Persecutórias | Rafael Lima | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
>>> Dirty Dancing - Ritmo Quente
Mais Recentes
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Catálogo dos Editores Brasileiros de Affonso Romano de Sant Anna: Presidente pela Biblioteca Nacional/INL (1994)
>>> Fontes do Latim Vulgar : o Appendix Probi de Serafim da Silva Neto/ Autografado pela Livr. Academica/ RJ. (1956)
>>> Camões e Fernão Lopes de Thiers Martins Moreira/ Autografado pela Rio de Janeiro (1944)
>>> Ver- o- Peso: Estudos Antropológicos no Mercado de belém (Vol. II de Wilma Marques Leitão (organização) pela Paka- Tatu Ed. (2016)
>>> O Pensamento Vivo de Montaigne de André Gide/ Tradução: Sérgio Milliet pela Livr. Martins Ed. (1953)
>>> Na Beleza dos Lírios de John Updike pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Nariz Detetive de Stella Carr/ Ilustrações: Avelino Guedes pela Scipione (2019)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> Bouvard e Pécuchet: Dois Patetas Iluminados de Gustave Flaubert pela Scipione (1988)
>>> A Filha da Noite de Marion Zimmer pela Imago/ Rio de Janeiro (1986)
>>> Família e Mudança: O Familismo Numa Sociedade Arcaica em Transformação de C. A. Medina pela Vozes/ Ceris (1974)
>>> Quando Meu Pai Perdeu o Emprego de Wagner Costa pela Moderna/ SP. (1993)
>>> Fernão Lopes: Suas Crónicas Perdidas e a Crônica Geral do Reino... de A. de Magalhães Basto pela Livr. Progredir/ Lisboa (1943)
>>> Decifrar pessoas de Jo-Ellan Dimitrius e Mark Mazzarella pela Alegro (2000)
>>> Como fazer sabões e artigos de toucador de Ribeiro de mello pela Icone (1987)
COLUNAS >>> Especial Terror nos EUA

Terça-feira, 25/9/2001
Paranóias Persecutórias
Rafael Lima

+ de 2900 Acessos
+ 4 Comentário(s)

Fatos: no dia do atentado às torres gêmeas do World Trade Center, a Wal-Mart, rede de hipermercados nos Estados Unidos da América, registrou um aumento substancial nas compras de água e gêneros de primeira necessidade. Cessados os estrondos e postos ao chão os arranha-céus, os itens campeões de venda nos mesmos Wal-Mart no dia seguinte foram bandeirinhas e ornamentos de teor nacionalista, tais como papel crepom azul, vermelho e branco. Dois dias depois do atentado, o que cresceu foi o consumo de armas, principalmente “aquela espingardinha para deixar debaixo da cama”, o que levou algumas lojas a retirar de suas prateleiras armas caseiras para inibir uma possível escalada de violência doméstica. Um amigo meu fez, com raciocínio jocoso, a seguinte interpretação: “Primeiro, a gente se defende; depois, arruma uma boa desculpa para poder sair matando os outros”.

A questão toda é que o terrorismo conseguiu cumprir à excelência sua tarefa, qual seja a de aterrorizar, a de criar insegurança nas pessoas. Depois da queda, não houve cidadão norte-americano que não olhasse para o céu sem rabo no olho, sem aquele mínimo de desconfiança que faz pensar que qualquer avião pode cair em cima da gente. A situação é tão trágica que só pode ser visualizada apelando-se para o absurdo, e o que o sentimento de insegurança mais me lembra é um texto do Ivan Lessa publicado no volume 2 da Antologia Brasileira do Humor chamado Paranóia (50!) Qual é a sua? Escolha, uma coletânea de frases curtas e numeradas expressando aquele irredutível medo do desconhecido, tipo:
12 - Cigarro mentolado provoca a impotência
15 – O elevador vai ficar parado entre o 7º e o 8º
21 – O papa é judeu
26 – A pá do ventilador vai se soltar e me decepar a cabeça
38 – Por que é que escreveram meu nome errado?

Utilizando a mesma lógica insana para explicar o atentado, teríamos algo assim:
- Aqueles árabes estavam com um sorriso estranho no aeroporto
- Por que eles não param de falar entre si?
- Ele está levantando e não está com cara de quem vai ao banheiro
- O avião saiu da rota
- Acho que ele está voando baixo demais, e na nossa direção
- Vai bater.... Vai bater....

A maior prova dessa lógica do absurdo é que a última frase também aparece no texto do Ivan Lessa, um texto humorístico, diga-se de passagem. E de que essa proclamada guerra contra o terrorismo vai ser muito mais difícil do que se supõe, já que, como foi mostrado, o terror não segue a lógica cartesiana das normas de segurança. Que o serviço de inteligência norte-americano tenha falhado: quem imaginaria que um suicida potencial treinaria pilotar e sequestraria um avião com o objetivo de arremessá-lo de encontro a um prédio? É até possível trabalhar com esse tipo de hipótese, porém, fica evidente que o terrorismo, assim como o tráfico de drogas, ou qualquer tipo de banditismo (pequena ou larga escala) sempre estará na frente das forças policiais em termos de inovação, de criatividade, de invenção de métodos e logística. Bandido quando se organiza, ninguém segura – como já me disseram.

Tome-se como exemplo os suspeitos do sequestro dos aviões que atingiram o WTC. Contaram-me que um dos assaltantes tinha estudado 4 anos de engenharia na Alemanha além de fazer o curso de pilotagem já nos EUA. Não é um guerrilheiro latino-americano esfomeado, não é um africano subdesenvolvido que recebeu lavagem cerebral para guerrear até a morte; é alguém com potencial de planejamento de decisão imensos, é alguém com autonomia para realizar seu ataque; é um civil: como suspeitar, rastrear e perseguir um sujeito assim? O que nos leva de volta à questão da paranóia – a mesma que teria feito George W. Bush dar aquela espiadinha rápida para o céu depois de desembarcar do helicóptero que o trouxera da base militar de Nebraska, horas antes de fazer seu discurso para a televisão do dia 11. Nem ele estaria a salvo. E agora, fechar o espaço aéreo? Por quanto tempo? Aumentar a revista nos aeroportos? Permitir que todos os passageiros embarquem armados? Armar só o piloto? Sacaram como é complicado?

Como se torna, na prática, impossível o rastreio de todos os virtuais suspeitos, em geral a consequência é uma suspeita generalizada a todo e qualquer cidadão de origem árabe residente nos EUA, e a criação de dispositivos para controle de suas atividades, tais como a obrigação ao porte de documentos especiais, preenchimento de relatórios periodicamente em departamentos do governo e por aí a fora. Dois problemas emergem como efeitos colaterais aqui. Primeiro: até onde vai esse controle? Segundo: como esse controle afeta os cidadãos norte-americanos? Não é preciso fazer mais perguntas. O FBI já começou a instalar o software Carnivore em servidores de mensagens grátis, tais como o Hotmail, como conta esse artigo da Wired. O que o Carnivore – e seu correlato europeu, Echelon – faz, fundamentalmente, é ler o conteúdo das mensagens com um filtro qualquer para identificar trocas de informações suspeitas. Diz-se que criar uma conta com Allah no nome e qualquer coisa encriptada em árabe no corpo é receita certa para visita dos homens de preto. O que mais espanta nessa história não é nem ver mais uma tentativa frustrada de acabar com o crime tirando o sofá, ou, na melhor das hipóteses, o bode, da sala; é saber que os norte-americanos aceitaram de boa vontade essa violação flagrante de sua privacidade em nome da segurança, mostrando que estão jogando no lixo ensinamentos logo de um dos seus Founding Fathers, Ben Franklin (vai no original para não correr o risco de se corromper na tradução): "Those who trade liberty for security will have neither”. Ou, como colocou Brigid McMenamim em seu artigo, “América é construída na saudável descrença do poder do governo”. Porque esse povo não consegue largar daquela velha síndrome de Dr. Frankstein: primeiro exuma os cadáveres e os rouba aos pedaços, costura tudo e enche o bruto de choques, e depois que o bicho sai por aí fazendo estrago, fica gritando que criou um monstro...


Rafael Lima
Rio de Janeiro, 25/9/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As sombras e os muros de José J. Veiga de Cassionei Niches Petry
02. O fim do PT de Julio Daio Borges
03. O livro do Natal de Marta Barcellos
04. É o Fim Do Caminho. de Marilia Mota Silva
05. Antes que o amor seja apenas uma trégua de Ana Elisa Ribeiro


Mais Rafael Lima
Mais Acessadas de Rafael Lima em 2001
01. Charge, Cartum e Caricatura - 23/10/2001
02. A diferença entre baixa cultura e alta cultura - 24/7/2001
03. Sobre o ato de fumar - 7/5/2001
04. Um álbum que eu queria ter feito - 6/11/2001
05. Vendem-se explicações do Planeta dos Macacos - 4/9/2001


Mais Especial Terror nos EUA
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/1/2002
12h56min
Rafael: passarinho que come pedra é que sabe o cu que tem. Paranóia é exercício interpretativo e imaginativo. Assassinato em massa tipo emboscada, fora de contexto explícito de guerra é outra coisa.
[Leia outros Comentários de Lioran]
4/1/2002
19h56min
Lioran, se voce passar 100% do seu tempo desperto preocupado com 479 possibilidades de perigo, e pelo menos uma delas acontecer, voce vai ter motivo para dizer que as suas preocupações eram fundamentadas, mas isso não muda o fato de que voce perdeu tempo demais se preocupando. Outra coisa: cuidado que a maneira como voce define "contexto explícito de guerra" pode se enquadrar exatamente no que certas pessoas entendem por "cotidiano".
[Leia outros Comentários de Rafael Lima]
7/1/2002
08h47min
Rafael, seu texto é ótimo, extremamente lúcido e claro. O que será que as pessoas que ficaram chocadas com o atentado do dia 11 (terrível) acham da chacina que está ocorrendo no Afganistão?
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
7/1/2002
09h32min
E desde quando a liberação de um país de um regime criminoso e tirano pode ser chamada de chacina? Não sei, pode ser que a senhora esteja usando um dicionário diferente do meu, mas me parece que a palavra foi mal-empregada. Claro que fatalidades e erros ocorreram, mas acho curioso como algumas pessoas insistem que a guerra foi algo tão prejudicial aos afegães, quando eles mesmos dizem o contrário!
[Leia outros Comentários de Roque V.]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




JAPONESE HIGHT SEAS FLEET
RICHARD HUMBLE (EM INGLÊS)
BALLANTINES BOOK (NY)
(1973)
R$ 19,28



ISSO NINGUÉM ME TIRA
ANA MARIA MACHADO
ATICA
(2003)
R$ 15,00



LEMBRANÇAS DE MINHA FORMATURA
FLORESCER
FLORESCER
R$ 24,49



PLANETA Nº 04 - A EVOLUÇÃO DO CONHECIMENTO: O CHIMPANZÉ DESCENDE DO H
VÁRIOS AUTORES
TRÊS
(1972)
R$ 12,00



OS SETE TEMPERAMENTOS HUMANOS
ANGELA MARIA LA SALA BATÁ
PENSAMENTO
(1989)
R$ 19,90
+ frete grátis



MINHA FORMAÇÃO
JOAQUIM NABUCO
UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA
(1981)
R$ 10,00



101 DIAS EM BAGDÁ
ASNE SEIERSTAD
RECORD
(2006)
R$ 32,00



CORPO NOVOS POEMAS
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE
RECORD
(1984)
R$ 8,99



ODISSEIA
HOMERO/ PAULO SERGIO
OBJETIVO
R$ 10,00



THE FINAL DETAIL
HARLAN COBEN
DELL BOOKS
(2011)
R$ 15,00





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês