Uma gentileza, por favor | Adriana Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
33888 visitas/dia
993 mil/mês
Mais Recentes
>>> Festival Cine Inclusão tem sessão de encerramento dia 23/9 na Unibes Cultural
>>> Exposição de Fábio Magalhães na CAIXA Cultural São Paulo termina dia 24 de setembro
>>> Vânia Bastos apresenta o premiado "Concerto para Pixinguinha", no Teatro Municipal Teotônio Vilela,
>>> Lançamento: Smoked Rib Burger é a mais nova atração da Stage Burger
>>> JOALHERIA BRASILEIRA, HISTÓRIA, MERCADO E OFÍCIO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
>>> Da varanda, este mundo
>>> Estevão Azevedo e os homens em seus limites
>>> Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá?
>>> A fotografia é um produto ou um serviço?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Caracóis filosóficos
>>> O mito dos 42 km
>>> Setembro Paulista
>>> Apocalipse agora
>>> João, o Maestro (o filme)
>>> Metropolis e a cidade
>>> PETITE FLEUR
>>> O fantasma de Nietzsche
>>> O batom
>>> Dinheiro não tem cheiro
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rio das Ostras (III)
>>> Leonardo da Vinci: variações sobre um tema enigmático
>>> 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Blog, o último furo jornalístico
>>> Roubalheira vai parar o Brasil
>>> Alberto da Cunha Melo e as tocaias da poesia
>>> Alberto da Cunha Melo e as tocaias da poesia
>>> Mens sana in corpore sano
>>> Only time will tell
Mais Recentes
>>> Inverno do Mundo - Livro 2 da Trilogia o Seculo
>>> A Fé de Abraão
>>> Variantes Na Visualidade
>>> Satisfação Do Cliente - A Outra Parte Do Seu Trabalho
>>> Relatos De Sonhos E De Lutas
>>> Exílio: Testemunho De Vida
>>> Botânica Criptogâmica Volume 1 - Algas E Fungos
>>> Histórias Para O Coração
>>> A Garota no Trem
>>> Teoria Geral Dos Sistemas
>>> A Doçura Do Mundo
>>> A Expedição Kon Tiki
>>> Loucuras Do Futebol - 288 Histórias Reais E Absurdas
>>> Nuances Da Memória
>>> O Batuque Afro-brasileiro De Nélson Silva
>>> Tibério: As Memórias Do Imperador
>>> Manual Del Karma
>>> Eras Livro 1: Despertar
>>> A Condição Humana
>>> Os Retratos De Oscar Wilde
>>> Romance Negro E Outras Histórias
>>> Dás Um Banho - Roberto Alves: O Rádio, o Futebol e a Cidade
>>> Essa História Está Diferente
>>> A Região Costeira Meridional De Santa Catarina
>>> Cidade Democrática
>>> Almanaque Anos 70
>>> Almanaque 1964
>>> Enciclopédia do Estudante
>>> O futuro da arquitetura
>>> Manual Completo Do Automovel
>>> Passagens
>>> A Crise Dos 25
>>> A Proteção Do Sagrado
>>> Lições De Trevas
>>> Biblioteconomia No Brasil
>>> Crônicas De Vinho - In Vino Veritas
>>> Escrevendo Pela Nova Ortografia
>>> Vem, Senhor Jesus- Um Estudo do Livro de Apocalipse
>>> Elos da mesma corrente
>>> A Taça De Ouro
>>> Londres Chama
>>> Relações
>>> Turismo E Legado Cultural
>>> A Jornada Volume 2 - Caminhada Diária Com Deus
>>> Aquele mundo de Vasabarros
>>> Balada Do Pensamento
>>> O Menino Da Rosa
>>> Joana e os três pecados
>>> Responsabilidade No Trabalho
>>> Euclides Da Cunha: Da Glória Literária À Morte Trágica
COLUNAS

Quinta-feira, 6/12/2007
Uma gentileza, por favor
Adriana Carvalho

+ de 4200 Acessos
+ 3 Comentário(s)

"Mamãe, gentileza é de comer?", pergunta o pequeno no restaurante. "Não, por que?", questiona a mãe. "É que eu ouvi o papai pedindo uma gentileza, por favor, para o garçom". Se a resposta da mãe fosse "sim, meu filho, é de comer", quais características teria a gentileza que o garçom traria em sua bandeja?

Com certeza não seria industrializada, nem condensada, tampouco pasteurizada ou prensada, não teria conservantes e nem corantes artificiais. A verdadeira gentileza, para ter seus delicados e voláteis princípios ativos intactos, deveria ser servida de modo bem natural. Quase dispensável é dizer que estaria entre os alimentos orgânicos, porque seria um paradoxo uma gentileza recheada de agrotóxicos, fazendo malcriações para o meio ambiente ou para os trabalhadores que a cultivassem.

As contradições da gentileza não estariam na sua forma de cultivo, mas sim no fato de que seria, como tudo que é bom e gostoso, extremamente calórica sem, contudo, entupir artérias ou provocar síndromes metabólicas. A cada mordida, a cada "Hummmm!" de prazer, os sucos nutritivos da gentileza elevariam os níveis dos hormônios e neurotransmissores relacionados com o prazer humano. Seriam, dessa forma, uma ameaça - com todo o cavalheirismo possível - ao império do chocolate, o grande curandeiro atual das carências de amabilidade. Alguns estudos investigariam inclusive sua relação com o aumento da presença de ocitocina, hormônio que dá uma força química aos vínculos entre mães e filhos, e entre casais.

Voltando ao restaurante, a gentileza não se demoraria em chegar à mesa, porque não seria delicado deixar os comensais esperando e com fome. Poderia ser servida à temperatura ambiente ou morna, nunca fria: gentileza fria é mera polidez, reflexo condicionado do ser "educado", e é cheia de falsidade.

O menino pequeno veria o garçom colocar à frente de seu pai um prato com um alimento de formas arredondadas e harmoniosas, como uma pêra em calda, talvez. Pediria para provar um pedaço e veria que ela seria suavemente doce. Não lhe caberia um sabor escandalosamente açucarado, muito menos amargo, ácido ou salgado, embora cada um deles tenha sua função, seu momento e sua graça.

Os médicos receitariam o consumo de gentileza para a manutenção de um estilo saudável de vida: "Você precisa incluir na sua dieta verduras, frutas e legumes. Diminua as frituras. Gentileza pode consumir à vontade". Poderia ser um alimento usado em desenhos infantis para incentivar bons hábitos e costumes. O marinheiro Popeye, se ao invés de espinafre enlatado, comesse umas gentilezas recém-colhidas do pé, não sairia por aí dando sopapos em ninguém. Encontraria umas maneiras menos macho-man de resolver seus problemas com o Brutus.

As empresas que incluíssem gentilezas no cardápio de seus refeitórios seriam de fato socialmente responsáveis com seus funcionários e deixariam de pedir nos processos de seleção candidatos "dispostos a trabalhar sob pressão".

Quem comesse gentileza nunca se esqueceria de dar bom-dia, até-logo ou pedir por favor. Faria isso de forma natural e não mecânica, como acontece com os atendentes moldados pela Blockbuster, McDonald´s ou Starbucks. Esses comem na firma a amabilidade padronizada e esterilizada, que provoca desagradáveis efeitos colaterais. Como o sorriso escancaradamente morto, igual ao que o Jack Nicholson, no papel de Coringa, inimigo do Batman, provocava em suas vítimas com um gás infame. Essa gentileza é sem graça como petit gâteau industrializado. Sem gosto como peixe preparado no microondas.

Gentileza seria ainda um alimento especialmente recomendado para quem sofre de algum dos seguintes problemas: dormir com a bunda descoberta, que provoca mal humor crônico e distúrbios da cortesia; compulsão por mágoas em conserva, ardidas como pequenas cebolas transparentes (cebolas são, sabidamente, vegetais que fazem muita gente chorar); consumo exagerado de verdade de colherinha na infância.

Tenho uma amiga que diz isso: "Fulana comeu muita verdade de colherinha quando era pequena, por isso ficou assim". Diferentemente da gentileza, a verdade de colherinha pode ser imaginada como um alimento com calorias vazias, tais quais os refrigerantes: deixam o indivíduo inchado de si e dão a falsa sensação de alimentação. Poderiam ser vistos também como papinhas de nenê de potinho. Sem sal, sem tempero, sem experimentação dos sabores e texturas originais. Comida morta. Pseudo-sabedoria.

Prática de consumir, a verdade de colherinha isenta o indivíduo de filosofar, pensar, ponderar ou mesmo considerar que pode estar errado. Não exige que se procure outras fontes de conhecimento, que aceite outras opiniões. Não é necessário nem sujar muita panela, nem mesmo lavar louça depois, porque a verdade de colherinha já vem, é claro, com uma colherinha de plástico descartável totalmente grátis.

Está escrito no pote que é Verdade, então não há mais o que discutir. E o rótulo ainda diz que é enriquecida com dez vitaminas e ferro, o que alivia a consciência de quem a come, mesmo que não saiba para que serve tanta vitamina exatamente. Quem se entope de verdade de colherinha sempre critica de maneira pouco cortês o que você ou os seus filhos comem, como se vestem, como se portam. Sempre tem um conselho que é para o seu bem, sempre lança seu olhar recriminador para as criaturas inferiores com quem acredita ser obrigada a conviver.

Novamente de volta à mesa, o menino pequeno aprovaria a novidade que acabara de provar. A mãe ficaria feliz e surpresa de vê-lo experimentando algo novo. O pai não pediria café e deixaria até mesmo para escovar os dentes bem mais tarde, só para preservar um pouco mais na boca o gosto da gentileza.


Adriana Carvalho
São Paulo, 6/12/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Em nome dos filhos de Luís Fernando Amâncio
02. Simone Weil no palco: pergunta em forma de vida de Heloisa Pait
03. O que não fazer em época de crise de Fabio Gomes
04. Kleztival: celebrando a música judaica de Heloisa Pait
05. As histórias magras de Rubem Fonseca de Cassionei Niches Petry


Mais Adriana Carvalho
Mais Acessadas de Adriana Carvalho em 2007
01. Minhas caixas de bombons - 14/6/2007
02. Meta-universo - 16/8/2007
03. Esses romanos são loucos! - 22/3/2007
04. Práticas inconfessáveis de jornalismo - 12/7/2007
05. Uma gentileza, por favor - 6/12/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/12/2007
13h02min
Seria mesmo bom se gentileza fosse algo comestível, fácil de obter. Nosso mundo é carente desse ingrediente, que torna as relações mais saborosas, mais apreciáveis. Na sociedade, gentileza, cortesia, é coisa de mulher, sinônimo de alguém bobinho, frágil, que requer cuidados, atenções, ou seja, é frescura. Não é pra macho, que deve ser grosso, ou irônico, sarcástico, pra perceberem que é inteligente, e as mulheres também estão aprendendo isso, pois não querem mais se submeter às grosserias dos homens, agora é tratamento de igual pra igual, em vez de tentar torná-los mais gentis, mais agradáveis, estamos nos igualando a eles em grosserias. Mas, há outro modo de mostrarmos que também somos inteligentes, sem usarmos os recursos da ironia e do sarcasmo? Uma mulher é valorizada, ou sequer escutada, se for apenas gentil, delicada? E por que inteligência tornou-se sinônimo de ironia, sarcasmo? Ser doce, gentil, não é ser inteligente? Em vez de uma, peçamos muitas gentilezas! Ótimo texto!
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
15/12/2007
11h24min
Oi Adriana. Que bom ler um texto como este, logo pela manhã. Pensei num link para o Blog Linha. Gosto muito destes assuntos. E muito mais quando escrito da maneira como fez. E num post anterior, escrevi sobre dálogo. Um assunto bastante ignorado pelas pessoas. Então, a partir dele, vamos reconhecer a presença do outro. E vamos ter prazer em distribuir, partilhar, fazer gentilezas, certo?
[Leia outros Comentários de Anna]
24/5/2012
02h42min
Ri muito, talvez especialmente com a "verdade de colherinha". Delícia de texto. Por que vocês não deixam endereço das contas de Twitter das escritoras do blog, quando tiverem, para quem quiser seguir? O da Adriana Baggio consegui achar fuçando, mas tem muuuiitas contas no Twitter com o nome de Adriana Carvalho, e nenhuma informação sobre a escritora neste site... como é que faz? Abs.
[Leia outros Comentários de Blog Ani Dabar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




POLIANA MOÇA
ELEANOR H. PORTER
EDIOURO
(2002)
R$ 5,00



O CAMINHO DA CURA- DESPERTANDO A SABEDORIA INTERIOR
DEEPAK CHOPRA, M.D
ROCCO
(1999)
R$ 9,50



POEMAS EM PROSA E SALOMÉ - OSCAR WILDE (TEATRO E LITERATURA INGLESES)
OSCAR WILDE
EDIOURO
R$ 8,00



LA VIERGE MARIE
JEAN GUITTON
AUBIER
(1940)
R$ 29,80



VÍRUS - O PERIGO BOATOS NAS EMPRESAS
FERRAN RAMON CORTÉS
ACADEMIA
(2008)
R$ 6,90



A PALAVRA DE DEUS: UM REMÉDIO INFALÍVEL - KENNETH E. HAGIN
KENNETH E. HAGIN
GRAÇA
(2000)
R$ 4,00



EM CARNE VIVA
MARIA DA GLÓRIA CARDIA DE CASTRO
MODERNA
(2005)
R$ 7,00



EL COMPROMISSO - 38200
ELIAH KAZAN
EB
(1968)
R$ 10,00



A CURA PELA CONSCIÊNCIA- TEOMANIA E STRESS
CLÁUDIA BERNHARDT DE SOUZA PACHECO
PROTON
(1983)
R$ 10,90



TAIZÉ - UM SENTIDO PARA A VIDA
OLIVIER CLÉMENT
PAULUS
(2004)
R$ 31,50





busca | avançada
33888 visitas/dia
993 mil/mês