Solidariedade é ação social | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
29494 visitas/dia
896 mil/mês
Mais Recentes
>>> Núcleo Viver estreia "Coração Supliciado...", no CRDSP
>>> Jikulumessu é a nova novela angolana que a TV Brasil estreia nesta quinta (25)
>>> Release | 'O importante, minha filha, é nunca tirar a mão do barro'
>>> Flávia Galli ministra a palestra "O Novo mundo descobre a Ásia" na Casa-Museu Ema Klabin
>>> Dia 27 de maio em Campinas: nova edição do "Casa Flamenca" do Café Tablao
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia que nada prometia
>>> Super-heróis ou vilões?
>>> Seis meses em 1945
>>> Senhor Amadeu
>>> Correio
>>> A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri
>>> On the Road, 60 anos
>>> Viena expõe obra radical de Egon Schiele
>>> Dilapidare
>>> A imaginação do escritor
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
Últimos Posts
>>> Infinitamente infinito
>>> Encantarias da palavra, de Paes Loureiro
>>> Animus mundi
>>> A partilha
>>> Dobraduras e origames
>>> Andamento
>>> Branco (série: Sonetos)
>>> Coroa, só de flores
>>> Ringue vago
>>> Presidenta e presidento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Sionismo e resistência palestina
>>> O melhor da década na literatura brasileira: prosa
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> Os desafios de publicar o primeiro livro
>>> Um ano na Provence
>>> Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia
>>> Avatar 3D e as tecnologias visuais do novo milênio
Mais Recentes
>>> Resumo de Criminologia
>>> O Crime nosso de cada dia
>>> A Ouvidoria Brasileira/Dez Anos da Associação Brasileira de Ouvidores
>>> Comunicação e Democracia/Problemas e Perspectivas
>>> Recepção Midiática e Espaço Público
>>> Garoto encontra Garota
>>> Cause Impacto!
>>> A Rainha da Fofoca Fisgada
>>> A Rainha da Fofoca em Nova York
>>> Superando os desafios íntimos
>>> Terra Sonâmbula
>>> A Rainha da Fofoca
>>> Todo Garoto Tem
>>> Tamanho 42 não é gorda
>>> Tamanho 44 também não é gorda
>>> Jesus, o maior psicólogo que já existiu
>>> Pegando Fogo!
>>> Lembra de mim?
>>> Caçada Macabra
>>> Como eu era antes de você
>>> O Chamado do Cuco
>>> Nerve
>>> Traição entre Amigas
>>> O mundo dá voltas para meninas que não engolem sapos
>>> Guias Práticos Verbos: Empregos e Conjungação
>>> Tudo sobre meninos para meninas!
>>> Menina de vinte
>>> 20000 Léguas Submarinas - Edição Condensada
>>> Diário de um Banana - Dias de cão
>>> 365 dias do ano - Staying Strong
>>> Marina
>>> Blog da Cacau // Ninguém Merece
>>> Ai Amigas ! // Ninguém Merece
>>> A vida secreta das abelhas
>>> Luz del Fuego/A Bailarina do Povo
>>> Apaixonada por palavras. Crônicas.
>>> Quem é você, Alasca?
>>> A mala de Hanna - Uma história real.
>>> O tempo entre nós.
>>> First Light - Dois mundos, um segredo.
>>> Aquele Verão
>>> A princesa sob os refletores
>>> Fala sério, Professor!
>>> Homem & Mulher Viva a Diferença!
>>> O Livro Das Garotas Audaciosas
>>> A Passagem de Mael: um amigo
>>> Fala sério, Mãe!
>>> Fala sério, amiga!
>>> Gêneros Radiofônicos
>>> Relações Públicas e Micropolítica
COLUNAS

Terça-feira, 2/12/2008
Solidariedade é ação social
Diogo Salles

+ de 13600 Acessos
+ 3 Comentário(s)

O que é solidariedade? Todo mundo se considera solidário. Eu mesmo me considerava um, imagine você. O rótulo de povo "sorridente e hospitaleiro" parece mesmo vir colado em todos os brasileiros. Mas o que é solidariedade, afinal? Vejamos primeiro pela definição do dicionário: "reciprocidade de interesses e obrigações". Ih, agora complicou... Se temos nossos próprios interesses e sabemos de nossas obrigações ― embora deixemos de cumprir várias delas ―, todos os sorrisos e hospitalidades do mundo serão insuficientes para garantir a tal reciprocidade. Por isso, acho que vale a pena gastar mais algumas linhas para refletir sobre isso.

Solidariedade é uma coisa árdua, plantada e regada todos os dias e que, até não muito tempo atrás, era tarefa de uns poucos abnegados. Sim, solidariedade é mudar a vida das pessoas, ainda que seja de um pequeno grupo. Mas ela se configura através de ações, e não de olhares condescendentes. Por exemplo, quem dá esmola no semáforo não é solidário (apenas acha que é). E quem entrega cestas básicas? Aí, sim, pode ser considerado solidário, mas o contexto pode ser ― e é ― muito maior do que isso. Não estou falando de capoeira, circo ou dança. Falo de educação, saúde, meio ambiente, cultura, inclusão digital. Para definirmos a questão: solidariedade é ação social. É um conceito diretamente ligado à cidadania e à democracia. Se a democracia convoca todos a participar, não há melhor maneira de exercer (e levar) cidadania do que uma ação social. Não é algo simples, que se resolve em um final de semana. É um processo demorado, no qual só enxergamos as transformações desejadas no futuro. Quando comecei a participar de ações sociais, descobri em mim mesmo um lado solidário que eu até então desconhecia. Meu próprio conceito de solidariedade expandiu, enxerguei muito além daquela acanhada tela de TV.

Existe, claro, uma motivação por trás desse gesto. Para muita gente, a maior delas é a gratidão. É fazer parte de algo realmente importante para a sociedade. É saber que, para aquelas pessoas, ali, você fez toda a diferença. São motivações genuínas e compactuo de todas elas, mas não vou ficar aqui bancando a Madre Tereza. Entrei nessa porque me pareceu, na época, uma coisa relevante a se fazer. Eu quis estar lá, in loco, e ver a realidade, em vez de continuar apenas lendo sobre ela. Considerei que eu precisava retribuir de alguma forma toda a sorte que tive na vida. Depois da primeira ação, meus conceitos mudaram e a motivação principal, para mim, se tornou política. Ou melhor, apolítica. Se o voto nulo é inócuo como protesto, julguei que o trabalho social pode ser uma maneira metafórica de manifestar meu menosprezo pela política e rejeitar a tudo o que estiver remotamente ligado a ela. Duvido que outras pessoas tenham essa mesma motivação, mas só o fato de existirem tantas instituições que recusam dinheiro de governos, já mostra a desconfiança para com o poder público. Tudo bem, um dia eu também já acreditei no "estado". Depois disso, ficou fácil abandoná-lo.

Esta tem sido uma percepção constante das pessoas em relação à política. Certa vez, nossa ação foi recebida de maneira nada amistosa: "Não sei que governo ou partido vocês representam, mas aqui as coisas são diferentes". Quando explicamos que não estávamos representando governo ou partido algum, os dedos em riste e as sobrancelhas arqueadas se transformaram em sorrisos calorosos e sucessivos pedidos de desculpas pelo mal-entendido. É assim que as pessoas reagem quando sentem o cheiro da política no ar. Não as culpo. Ao contrário. Concordo.

Aos poucos o brasileiro começa a perceber como a política se tornou uma mera disputa por poder, dinheiro e regalias que se concentram (e se revezam) na mão de uns poucos grupos políticos. Está cada vez mais difícil negar a falência das ideologias e o descrédito das instituições. Percebemos que não há salvadores da pátria nem balas de prata que nos salvarão com um único disparo. Acabou. Hoje, quem quer ver a mudança, sabe que precisa fazer parte dela, e não ficar sentado, de pijama, esperando a mamãe "estado" ou o papai "mercado" vir socorrer. Vejo muitos brasileiros se movimentando nessa direção, tomando suas próprias iniciativas. Uma espécie de plano de governo pessoal, se preferir. Não importa se ele vai ajudar dezenas, centenas ou milhares de pessoas. Ou uma só, que seja. Ele ajuda, doa um pouco de si. Roupas, comida... Até móveis e eletrodomésticos usados alguns doam. Existem, inclusive, entidades sérias que fazem um grande trabalho no repasse dessas doações para quem realmente precisa. Na interminável discussão "dar o peixe ou ensinar a pescar", toda ajuda será bem vinda. A meu ver, qualquer assistencialismo é válido, desde que não venham de governos ― caso contrário, serão políticas eleitoreiras travestidas de filantropia.

Com essa explosão do terceiro setor observamos um grande crescimento do número de ONGs e OSCIPs no Brasil. Em 2002 existiam aproximadamente 26 mil ONGs por aqui. Hoje, calcula-se que sejam por volta de 300 mil, sendo que apenas cerca de 4.500 entidades estão legalmente registradas no Ministério da Justiça. Claro que teve muita gente que viu nisso uma oportunidade de ganhar dinheiro fácil e, com isso, atrapalhar o trabalho de pessoas e entidades sérias. Como separar o joio do trigo? Bom, comece perguntando quais ONGs recebem dinheiro público. Só aí já se pode filtrar muita coisa. Claro que a conta não é exata, mas grande parte dos ongueiros larápios tem um governo ou partido político por trás de suas ancas. E cuidado, pois, por trás daquela fachada bonitinha e bem cuidada, pode ter uma lavanderia funcionando a todo vapor...

Há quem diga que não tem dinheiro para ajudar aos outros. E quem disse que precisa? Já ajudei muita gente sem colocar a mão no bolso (até porque ele estava vazio). Uma ação social requer algum dinheiro (via patrocínio), claro; mas ela se faz, principalmente, com pessoas, com voluntários. Vejo muita gente dizendo que "quer fazer" algum trabalho social. Nesse momento abre-se a cratera entre o "querer" e o "fazer". Quem optou pelo "fazer" já está se mexendo, enquanto que o pessoal do "querer", você encontrará dali a um ano (ou mais) ainda "querendo". Não há mistério: a melhor maneira de encontrar a sua atividade no terceiro setor é relacioná-la com a sua profissão. Assim, um engenheiro ensina a construir casas populares; um médico atende pacientes necessitados e dá palestras de prevenção em sua especialidade; um economista desenvolve um projeto de microcrédito etc. Citei exemplos de forma muito rudimentar, mas qualquer mente menos preguiçosa pode criar seu próprio projeto e procurar instituições sérias, que estejam dispostas a bancá-lo.

No meu caso, comecei como "apoio geral", ajudando na parte operacional, carregando caixas, montando e desmontando nossa infra-estrutura, auxiliando o trabalho logístico. Depois, desenvolvemos alguns projetos de oficinas. A primeira delas era a de reciclagem. Por que não fazer uma oficina de desenho, então? A idéia não era das mais originais, mas funcionou muito bem. Nos primeiros anos eu tirava férias do trabalho para fazer essas oficinas. Depois que me tornei um "autônomo", a grana ficou curta e a atitude mais sensata seria esperar a situação melhorar, para poder voltar a participar de ações sociais. Fiz exatamente o contrário. Expandi o trabalho na oficina, promovendo exposições e criando o curso relâmpago, com distribuição de material para desenho profissional. Comecei a garimpar talentos ainda incipientes. Minha missão era fazê-los brotar. Ali eu não só ensinava técnicas de desenho, mas também falava sobre o desenho como profissão (não como "hobby"). Num momento de questionamentos profissionais e conflitos internos como aquele, eu ― antes de convencer aos meus alunos ― precisava convencer a mim mesmo.

Sou constantemente criticado pelas minhas posições políticas, por anular o voto e por colocar todos os políticos e partidos sempre no mesmo saco de gatos. Também sou contestado por nunca oferecer uma solução ― como se eu fosse possuidor de um antídoto contra a doença. "Qual a saída, senão a política?", me perguntam. Faltou perguntar: é nessa política que devemos nos envolver? Imagine quantas pessoas poderiam contribuir de alguma forma, mas preferem se afastar, pois jamais conseguiriam se locupletar, costurar alianças e jogar o jogo da "governabilidade". Política é isso. Primeiro são negociações e concessões, que, mais tarde, se tornam negociatas e corrupções. O sistema é esse e só permanece dentro dele quem estiver disposto a abrir mão das concepções mais básicas de bom senso e caráter. "Ah, mas é preciso entrar na política para tentar inverter o processo"... Claro. Talvez eu peça isso ao Papai Noel neste Natal.

Realmente não sei qual é a saída para o mundo, nem tenho a pretensão de saber. Mas sei que não é na política partidária que encontraremos as respostas. Sei também que a única saída que encontrei ― pelo menos para mim ― foi no trabalho social. Tudo aconteceu numa época muito estranha da minha vida. Quando eu já sucumbia diante da apatia e me afogava no maremoto da mediocridade, apareceu a oportunidade de fazer parte de algo realmente importante. Minha saúde financeira lá, definhando, e eu me aventurando em caprichos altruístas. Foi tudo muito paradoxal e caótico, mas foi assim que aconteceu. Naqueles dias confusos, eu simplesmente não conseguia enxergar que aquilo que eu fazia era exatamente o que me salvava, me libertava e, principalmente, me redimia.

Muitos questionarão que minha contribuição foi mínima, que alcançou um público muito pequeno e restrito. Outros poderão rir de minha ingenuidade ao achar que isso tudo não passa de um devaneio juvenil. Nem tenho como contestar isso. E pode até ser verdade, se analisarmos a questão por um conceito "micro". Mas, se olharmos pelo contexto "macro" e somarmos todos os "ingênuos" com quem trabalhei, muitas coisas importantes foram feitas... Opa, aí está. Um novo horizonte se abriu agora. Encontramos a lente que nos faz enxergar o quadro todo. Se você enxergou o mesmo que eu, seu conceito de solidariedade já mudou. E se você optar por ir além e pegar a estrada da ação social, só tome cuidado para não se deixar seduzir pelas benesses do financiamento público. Uma ação social de verdade não tem ideologia, ela não vota, não tem partido, não levanta bandeiras políticas. No trabalho social, só existe duas opções: ser apolítico ou ser um fantoche de grupos políticos. Entre as duas alternativas, fique com a primeira. Não deixe que usem sua filantropia, seu trabalho e esforço como trampolim eleitoreiro. Porque, ao final de tudo, se você acreditar que eles não são capazes disso, aí, sim, você será um ingênuo de fato.

Nota do editor
Trechos dessa coluna estão no livro Caminhos de um Brasil solidário.

Leia também
"Arte e liberdade"
"Coque, o violeiro de uma mão só"

Para ir além






Diogo Salles
São Paulo, 2/12/2008


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2008
01. Solidariedade é ação social - 2/12/2008
02. Preconceitos - 8/1/2008
03. Voto obrigatório, voto útil... voto nulo - 12/8/2008
04. Caricaturas ao vivo - 8/7/2008
05. 1998 ― 2008: Dez anos de charges - 23/12/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/11/2008
18h24min
Parabéns pelo trabalho, Diogo, e pelo texto, que está ótimo. Vamos conversar mais sobre isso. Abçs - Edu
[Leia outros Comentários de Eduardo]
2/12/2008
13h59min
Bela matéria, Diogo. Fazer o bem, não importando a quem!
[Leia outros Comentários de Simon]
8/12/2008
16h04min
Parabéns por se dedicar a um trabalho que engrandece, que alcança outras pessoas, que estende e multiplica oportunidades. Esse é o sentido da vida, não?
[Leia outros Comentários de Roberta Resende]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS PENSADORES - BACON
FRANCIS BACON
NOVA CULTURAL
(1999)
R$ 10,00



ÁGUA VIVA
CLARICE LISPECTOR
CÍRCULO DO LIVRO
(1973)
R$ 9,70



NUANCES DA MEMÓRIA
BETE GIACOMINI
LITERALIS
(2004)
R$ 15,00



FACE A FACE - INGMAR BERGMAN
INGMAR BERGMAN
NORDICA
(1979)
R$ 13,00



ATRAVÉS DO ESPELHO
JOSTEIN GAARDER
CIA DAS LETRAS
(2001)
R$ 12,00



O ROMANCE DE TRISTÃO E ISOLDA
JOSEPH BÉDIER
MARTINS FONTES
(1994)
R$ 7,00



DO OUTRO LADO DO ESPELHO
CARLOS A. BACCELLI - ESPÍRITO INÁCIO FERREIRA
DIDIER
(2013)
R$ 19,90



CUBA, CHILE, NICARÁGUA: SOCIALISMO NA AMÉRICA LATINA
EMIR SADER
ATUAL
(1992)
R$ 7,00



SANTA MARTA FABRIL S.A. - ABÍLIO PEREIRA DE ALMEIDA (TEATRO BRASILEIRO)
ABÍLIO PEREIRA DE ALMEIDA
SNT
(1973)
R$ 12,00



O DESMONTE DA NAÇÃO EM DADOS
IVO LESBAUPIN E ADHEMAR MINEIRO
VOZES
(2002)
R$ 29,60
+ frete grátis





busca | avançada
29494 visitas/dia
896 mil/mês