Gênios | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Gênio

Quarta-feira, 4/2/2009
Gênios
Luiz Rebinski Junior

+ de 3900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Nas rodas de bar, um dos passatempos mais fascinantes e inúteis é a catalogação de jogadores de futebol. O exercício é tão saboroso quanto desprovido de serventia. Afinal, quase nunca se chega a lugar nenhum quando o objetivo é classificar "os melhores de todos os tempos". Em geral, as categorias são três, mas podem variar de acordo com os integrantes da mesa. São elas: "bom jogador", "craque" e "gênio". Os classificados como "bons" são muitos (Raí, Adriano, Aldair, Bebeto, Leandro, Paulo César Caju etc.); "craques", há de punhados também (Djalminha, Roberto Dinamite, Reinaldo, Gerson, Zico, Sócrates, Tostão, Falcão, Rivelino, Júnior etc.); já os "gênios", esses são escassos até mesmo nas rodas menos criteriosas. Pelé e Maradona são figuras fáceis. Puskás, Garrincha, Di Stéfano e Romário são passíveis de citação. Mas há sempre aqueles que acham, por exemplo, que Ronaldinho Gaúcho pode fazer parte desse seleto time. E achar, nessa discussão, é o que mais pode. Pois classificar alguém como gênio é algo tão abstrato que não se pode recriminar nem mesmo aquele míope que acha o Junior Baiano um baita craque.

Isso acontece porque, no futebol, não há parâmetros minimamente eficazes para se decretar que um é craque, outro é gênio e o resto é resto. Se o critério, por exemplo, fosse o número de gols marcados, Túlio Maravilha, o jogador-vereador, estaria na cola de Pelé e já teria deixado para trás gente como Zico, Falcão e Careca. Mas nem com três mil gols Túlio amarraria a chuteira dessa turma. Portanto, se há alguma chance de pontuar gênios no mundo da bola sem que isso se torne uma brincadeira de bar, eu desconheço. Pode-se, claro, definir parâmetros, mas nunca se chegará a um consenso. Como fazer, por exemplo, que um argentino entenda que por mais brilhante que Maradona tenha sido, foi inferior a Pelé? Para grande parte dos amantes do futebol, é praticamente uma heresia contestar a genialidade de Pelé, mas não para um argentino.

Também refuto as correntes que acreditam que o gênio é uma espécie de aberração da natureza às avessas, que nasceu com cérebro mais avantajado e, por isso, tem mais capacidade do que aqueles considerados normais. E o exemplo mais claro disso está naquele que é, de forma quase unânime, aclamado como o maior gênio do século XX.

Desde 1955, quando Albert Einstein morreu e seu cérebro foi embalsamado pelo médico Thomas Harvey, nunca se confirmou a hipótese de que o cérebro do físico alemão se diferenciasse do cérebro de gente de inteligência normal. O que se sabe é que o cérebro de Einstein era 15% mais largo, em uma região chamada parietal, do que o de pessoas normais. Ainda com essa diferenciação, o cérebro de Einstein se assemelha, anatomicamente, aos cérebros de outros matemáticos e físicos que não são considerados gênios. O que quer dizer que se há alguma diferença de ordem física nos gênios, a neurologia ainda não demonstrou. Ou porque não tem meios suficientes para tal (o ideal, dizem os especialistas, seria estudar o cérebro de Einstein em funcionamento, ou seja, fazer o estudo da mente e não do cérebro do cientista), ou porque realmente essa diferenciação não existe.

Por isso, sou daqueles que, como Harold Bloom, o supercrítico americano que ousou apontar quem são os 100 gênios da literatura mundial, acham que genialidade é uma questão que passa ao largo da anatomia humana ou da configuração genética. Para Bloom, a genialidade está diretamente ligada à originalidade. Duas palavras que soam como sinônimos e que levam, invariavelmente, à máxima tão batida do "talento (ou genialidade) é 10% inspiração e 90% transpiração".

É claro que, aliado ao esforço, há uma "propensão natural" dos gênios à atividade que se dedicam. E não me perguntem o que é essa tal "propensão natural" porque nem eu nem a ciência sabemos responder. O que fez, além da conjuntura social e influência da família, Mozart escolher, aos cinco anos, a música como profissão? Por que não foi ser pintor? E se fosse pintor, seria gênio? Como ainda não podemos responder a esse tipo de pergunta, prefiro acreditar que os fatores externos (influência, dedicação, empenho etc.) é que são determinantes para o surgimento de um gênio. Nunca li um grande escritor que não fosse um grande leitor. Mas e se Dostoiévski tivesse colocado toda a sua obsessão literária a serviço da música, estaria hoje na lista dos maiores compositores de todos os tempos? O que seria de Darwin se não embarcasse no Beagle?

Há exemplos que podem sugerir respostas. Como não sou elitista, e consigo ver originalidade na música pop, sempre achei Bob Dylan o artista dos artistas, um gênio da música pop com uma trajetória difícil de ser superada. Mas nos anos 1960, no auge de sua criatividade (que teve picos durante toda carreira), talvez inebriado com o próprio talento, Dylan se aventurou nas artes plásticas. O máximo que conseguiu foi fazer umas imitações baratas de Marc Chagall. Tudo bem que se pode argumentar que Dylan nunca tentou ser, efetivamente, um pintor (apesar de ter exposto alguns de seus quadros, pela primeira vez, em 2007, na Alemanha), mas suas criações pictóricas estão longe da qualidade de suas composições. O que quer dizer que Dylan talvez esteja, por uma razão desconhecida, fadado a ser reconhecido "apenas" como um grande compositor, por mais que queira o contrário.

Isso quer dizer que aquilo que, sem pensarmos direito, chamamos de talento, está ligado diretamente à maneira como determinada pessoa se dedica a uma atividade. Esse é o aspecto menos complicado da questão: é óbvio que ninguém é gênio por obra do acaso; há muito já foi superada a idéia de que basta ao poeta, simplesmente pelo fato de ser poeta, olhar para o céu para escrever o mais belo dos poemas sobre as estrelas. O insight da inspiração é pura lenda.

O problema é estabelecer parâmetros para saber quem é e quem não é gênio. Voltamos aos jogadores de futebol. Pelé ou Maradona? Zico foi gênio? Talvez uma das saídas seja recorrer a outro artifício: o da influência. Leonardo da Vinci é um exemplo incontestável. Não foi influente apenas nas artes plásticas, mas em diversas outras áreas do conhecimento. Na música pop, quem conhece a história do rock pode afirmar com todas as letras que os Beatles foram o maior grupo do gênero de todos os tempos. Pode ser. No entanto, Bob Dylan é o artista que mais influenciou outros grandes artistas, incluindo aí os próprios Beatles. Não vendeu tantos discos quanto Lennon e McCartney, mas, por outro lado, teve uma carreira (ainda que com altos e baixos) mais longínqua e com mais discos importantes. Em suma, ambos são geniais, mas Dylan foi mais regular, soube se reinventar ao longo das décadas.

É claro que isso é pura peroração inútil, masturbação pseudo-intelectual. O fato é que para cada argumento que usei até aqui, há pelo menos dois outros bem melhores. Sei disso. Mas, assim como as listas de Nick Hornby, pontuar mentes brilhantes ― e compará-las ― é um ótimo passatempo.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 4/2/2009


Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2009
01. Reinaldo Moraes fala de sua Pornopopéia - 2/12/2009
02. As cartas de Dostoiévski - 30/9/2009
03. O primeiro parágrafo - 24/6/2009
04. Tarantino e o espírito do tempo - 28/10/2009
05. Dalton Trevisan revisitado - 29/7/2009


Mais Especial Gênio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/2/2009
11h10min
Essa questão do que é ser gênio sempre vai deixar profundas lacunas na história da humanidade. Há aqueles consagrados, como Da Vinci, Beethoven, Einstein, Pelé (entre tantos). Todos esses inquestionáveis em seus talentos, pelo senso comum. É difícil encontrar algum ser humano que conteste essa genialidade. Mas há outros talentos geniais que se escondem em lugares diferentes do planeta que só serão reconhecidos pelos que convivem mais de perto e, provavelmente, nunca serão descobertos. Eu, felizmente, conheço alguns. Gostei de seu texto. Muito gostoso de se ler. Abraço.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
5/2/2009
15h46min
Caro Luiz, como de praxe, excelente artigo, além de me remeter a uma releitura de "A angústia da influência" de Harold Bloom (do meu ponto de vista, o melhor livro do referido crítico). abraços do Sílvio Medeiros. Campinas, é fevereiro de 2009.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
5/2/2009
22h35min
Podem me apedrejar pelo que vou dizer... Mas acredito que genialidade vem de vidas passadas. É o resultado de muitas vidas em que um espírito se dedica a uma atividade em especial e a cada vivência atinge maior perfeição naquela arte. O mesmo vale para qualquer conhecimento. Quem é bom em exatas é porque já teve oportunidade de estudar exatas em vidas passadas. Por isso um filósofo dizia que "aprender é recordar"... Provas não tenho , mas é uma explicação mais lógica e plausível que as que temos (também sem nenhum comprovaçao).
[Leia outros Comentários de Girl]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TERRENOS OU EXTRATERRENOS
MICHEL GRANGER
NOVA FRONTEIRA
(1977)
R$ 10,00



GESTÃO HOSPITALAR: UM DESAFIO PARA O HOSPITAL BRASILEIRO
ROSA MARIA CASTEAR; PATRICK MORDELET; VICTOR GRABO
ENSP
(1995)
R$ 70,00



UMA BIBLIOGRAFIA SOBRE JORGE DE SENA, SEPARATA DE AS ESCADAS NÃO
JORGE FAZENDA LOURENÇO
COTOVIA
(1997)
R$ 42,70



O MASSACRE DA SERRA ELÉTRICA
STEFAN JAWORZYN
DARKSIDE
(2013)
R$ 32,00



CONTRATOS
ARNALDO RIZZARDO
FORENSE
(2016)
R$ 150,00



ENCICLOPÉDIA DO HUMOR JUDAICO - DOS TEMPOS BÍBLICOS À ERA MODERNA
HENRY D. SPALDING
SÊFER
(1997)
R$ 20,00



A NOVA EXECUÇÃO DE SENTENÇA
ALEXANDRE FREITAS CÂMARA
LUMEN JURIS (RJ)
(2006)
R$ 24,82



MANUAL DOS CRIMES CONTRA AS RELAÇÕES DE CONSUMO
DORA DUSSAB CASTELO NATÁLIA FERNANDES ALIE...
CENACON
(1999)
R$ 14,97



ARCO-IRIS EM PRETO E BRANCO
NARA VIDAL
DIMENSÃO
(2014)
R$ 20,00



A CABEÇA DE ALVISE
LINA WERTMÜLLER
RECORD
(1981)
R$ 8,00





busca | avançada
59113 visitas/dia
1,1 milhão/mês