Chickenfoot: o passado e o futuro do rock | Diogo Salles | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Entrevista com Cardoso
>>> Além do mais
>>> Adeus, Orkut
>>> Sabe como é, pode rolar...
>>> Zeitgeist
>>> 9° Festival Internacional do Documentário Musical
>>> Até Faustão apoia os protestos
>>> Zastrozzi
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
Mais Recentes
>>> Veja 45 anos. Edição Especial. Ano 46 - 2013 de Vários pela Abril (2013)
>>> Revista Exame O consumidor no Vermelho. Edição 997 de Vários pela Abril (2011)
>>> Almanaque da Luluzinha e do Bolinha. Edição especial. de Vários pela Pixel (2011)
>>> Freud e a Educação - O Mestre do Impossível de Maria Cristina Kupfer pela Scipione (1997)
>>> Freud Antipedagogo de Catherine Millot pela Jorge Zahar (1987)
>>> Formação de professores indígenas: repensando trajetórias de Luis Donizete Benzi Grupioni (Org.) pela Unesco/Secad (2006)
>>> O Freudismo de Mikhail Bakhtin pela Perspectiva (2001)
>>> De Piaget a Freud - A (Psico)Pedagogia Entre o Conhecimento e o Saber de Leandro de Lajonquière pela Vozes (1998)
>>> Uma Breve História do Mundo de Geofrey Blainey pela Fundamento (2007)
>>> Piaget - O Diálogo com a Criança e o Desenvolvimento do Raciocínio de Maria da Glória Seber pela Scipione (1997)
>>> Cem Anos Com Piaget – Substratum Artes Médicas – Volume 1, Nº 1 de Ana Teberosky e Liliana Tolchinsky pela Artes Médicas (1997)
>>> Você e eu- martin buber, presença palavra de Roberto Bartholo Jr. pela Garamond (2001)
>>> Piaget - Experiências Básicas Para Utilização Pelo Professor de Iris Barbosa Goulart pela Vozes (1998)
>>> Revisitando Piaget de Fernando Becker e Sérgio Roberto K. Franco (Org.) pela Mediação (1998)
>>> Eu e Tu de Martin Buber pela Centauro (2001)
>>> Jean Piaget Sobre a Pedagogia - Textos Inéditos de Silvia Parrat e Anastasia Tryphon (Org.) pela Casa do Psicólogo (1998)
>>> Cinco Estudos de Educação Moral de Jean Piaget, Maria Suzana de Stefano Menin, Ulisses Ferreira de Araújo, Yves de La Taille, Lino de Macedo (Org) pela Casa do Psicólogo (1996)
>>> Percursos Piagetianos de Luci Banks-Leite (Org.) pela Cortez (1997)
>>> Piaget e a Intervenção Psicopedagógica de Maria Luiza Andreozzi da Costa pela Olho D'Água (1997)
>>> Fazer e Compreender de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Dicionário do Renascimento Italiano de John R. Hale pela Jorge Zahar (1988)
>>> A Tomada de Consciência de Jean Piaget pela Melhoramentos (1978)
>>> Psicologia e Pedagogia de Jean Piaget pela Forense Universitária (1998)
>>> Dicionário Temático do Ocidente Medieval de Jacques Le Goff & Jean-Claude Schmitt pela Edusc (2002)
>>> Como Orientar a Criança Excepcional - vol. 8 - Curso de Orientação Educacional de Jay Aruda Piza pela Pontes (2020)
>>> O Estruturalismo de Jean Piaget pela Difel (1979)
>>> Higiene Mental das Crianças e Adolescentes- vol. 7 - Curso de Orientação e Educacional de Dep. de Instrução Pública de Genebra pela Ponte (1972)
>>> O Pós-dramático de J. Guinsburg e Silvia Fernandes pela Perspectiva (2009)
>>> Poesia soviética de Lauro Machado Coelho pela Algol (2007)
>>> Pétala Soletrada pelo Vento de Mariayne Nana pela Urutau (2018)
>>> Tomidez e Adolescência vol. 6 - Curso de Orientação Educacional de Jean Lacroix pela Pontes (1972)
>>> Ensaios Reunidos (1946-1971), V. 2 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (2005)
>>> Como compreender seu Potencial de Myles Munroe pela Koinonia Comunidade (1995)
>>> Louvai a Deus Com Danças de Isabel Coimbra pela Profetizando Vida (2000)
>>> A missão de Interceder de Durvalina B. Bezerra pela Descoberta (2001)
>>> O Contrabandista de Deus de Irmão André. John e Elizabeth Sherrill pela Betânia (2003)
>>> Ensaios Reunidos 1942 - 1978 Vol. 1 de Otto Maria Carpeaux pela Topbooks (1999)
>>> O Dízimo e o Sábado não são Cristãos de Fernando César Roelis Padilha pela Xxxxxxxxxxxx (1995)
>>> Socorro, Temos Filhos! de Dr. Bruce Narramore pela Mundo Cristão (1992)
>>> Fale a verdade consigo mesmo de Willian Backus Marie Chapian pela Betânia (1989)
>>> Como controlar as Tensões no Camento de Bill e Vonette Bright pela Candeia (1990)
>>> Satanás está vivo e Ativo no planeta terra de Hal Lindsey pela Mundo Cristão (1981)
>>> Venha O Teu Reino de David W. Dyer pela Ministério Grão de trigo (1985)
>>> Eu, um Servo? Você está Brincando! de Charles Swindoll pela Betânia (1983)
>>> Que Há Por Trás Da Nova Ordem Mundial? de E. G. White pela Vida Plena (1995)
>>> Cerco de Jericó a caminho da vitoria de Pe. Alberto Gambarini pela Ágape (2005)
>>> Comunicação a Chave para o Seu Camento de H. Norman Wright pela Mundo Cristão (1983)
>>> Princípios de Interpretação da Bíblia de Walter A. Henrichsen pela Mundo Cristão (1983)
>>> Apocalipse versículo por versículo de Severino Pedro da Silva pela Cpad (1985)
>>> Boas Esposas de Louisa May Alcott pela Principis (2020)
COLUNAS

Terça-feira, 30/6/2009
Chickenfoot: o passado e o futuro do rock
Diogo Salles

+ de 7900 Acessos
+ 6 Comentário(s)


Chad Smith (bateria), Joe Satriani (guitarra),
Sammy Hagar (vocal) e Michael Anthony (baixo)
foto: Ross Halfin

Uma pergunta que os roqueiros de vanguarda se fazem hoje é: onde foi parar o rock? Se antes vivíamos sob a égide de "sexo, drogas e rock'n'roll", a coisa toda se diluiu de tal maneira que hoje se prega "celibato, Toddynho e emo". Há de se reconhecer: o classic rock penou como nunca nessa última década. Mas, de uns anos para cá, ele renasceu ― ainda que de maneira nostálgica. Que o digam David Coverdale e Paul Stanley, que concordam que este é um momento incrível para ser um músico de classic rock. Quem esteve em shows do gênero aqui no Brasil, como o do próprio Whitesnake no ano passado e, mais recentemente, no do Kiss e no do Heaven and Hell, pôde notar que não estavam lá apenas os roqueiros de outrora. Havia centenas de adolescentes de 14, 15 anos que, como disse o próprio Coverdale, não se sentem preenchidos pelo rock mais recente ou "moderno".

Nos últimos anos o classic rock sobreviveu respirando pelos lampejos de criatividade de seus estertores, sem nenhuma perspectiva de ver surgir algo novo para arejar esse cenário. E não que tenham faltado tentativas. Foi nessa linha que surgiram Audioslave e Velvet Revolver, que se provariam apenas bandas de segundo escalão nascidas através dos escombros de outras bandas (de primeiro escalão) da década anterior. Até que em 2008 surge um novo projeto: Chickenfoot. O nome, ainda provisório, já mostrava que seus integrantes não estavam se levando muito a sério ― reforçando ainda mais a tese de que tudo isso poderia não sair do "projeto". Mesmo que o histórico de "all star bands" nunca tenha ido além de umas poucas jam sessions mal ajambradas, o fato de não se levar a sério poderia também ser o maior trunfo da nova banda. Via-se ali cada integrante renunciando o próprio ego e em nome de uma coisa maior: o rock. A dúvida era se eles teriam esse fôlego para se renovar. Não seria mais fácil se recostar, confortavelmente, nos sucessos de suas bandas antepassadas? É aí que entram Sammy Hagar e Michael Anthony...

Após a turbulenta reunião com o Van Halen em 2004, os dois se viram sem uma agenda musical. Diferenças irreconciliáveis com os irmãos Eddie e Alex Van Halen sepultaram qualquer possibilidade de um retorno com a banda. Hagar voltou à carreira solo com sua banda, Waboritas, e sempre tinha Anthony como convidado para seus tradicionais shows na paradisíaca Cabo San Lucas, costa oeste do México, próximo à Califórnia. É lá que, na primeira quinzena de outubro, é comemorado o Birthday Bash, aniversário do "Red Rocker", na Cabo Wabo Cantina, de propriedade dele próprio. Além dos shows, Hagar serve drinks exóticos, brinda os fãs com sua Cabo Wabo Tequila e, principalmente, com muito rock'n'roll. Nos últimos anos, Chad Smith, baterista do Red Hot Chili Peppers, se tornou um habitué e ocasionalmente participava de alguns shows como convidado especial. Hagar e Anthony vinham discutindo com ele a possibilidade de formar uma nova banda, mas para isso precisariam de uma guitarrista excepcional, incendiário ("Somebody smokin'")...

Joe Satriani não se tornou um dos guitarristas mais respeitados do mundo por acaso. Nos primórdios, foi professor de guitarra de Steve Vai e Kirk Hammet (Metallica), mas suas tentativas de formar uma banda de rock nunca davam certo. O destino parecia empurrá-lo para a carreira solo. E foi em 1987, com o lançamento do multiplatinado Surfing with the alien, que ele encontrou seu público e foi beatificado no círculo dos grandes guitarristas. De uma hora para outra, todos queriam ser Joe Satriani, e nesses últimos vinte anos ele sempre figurou entre os melhores guitarristas no rock. Sim, "Smokin' Joe" (apelidado por Sammy Hagar) era a pessoa certa. Banda formada, hora de se trancar em estúdio para compor.

A julgar pelas primeiras músicas que "vazaram" pela internet (que ainda insistem em chamar de "single"), as dúvidas só aumentaram. "Soap on a rope" soa como um B-side descartado por Satriani em sua carreira solo ― e que foi desengavetado especialmente para a ocasião. Com a segunda música, "Oh yeah", as coisas só pioraram. Num único refrão, Sammy Hagar parece ter feito um compêndio dos clichês mais odiosos (e constrangedores) do rock: "Oh, yeah/ Come on baby, tell me what you want/ tell me what you need". Nem mesmo a performance dos músicos, tecnicamente perfeita, e a produção impecável de Andy Johns (Led Zeppelin) conseguiram esconder composições decepcionantes, preguiçosas e pouco inspiradas. Quatro músicos tão competentes e experientes como eles teriam de se esforçar mais se quisessem mesmo ir além de um mero "projeto". A primeira impressão era de ser mais um pastiche do rock oitentista, mas só o CD completo poderia dar uma ideia exata do que seria o Chickenfoot...

Hora de ouvir o álbum completo ― um conceito um tanto distante do "hype" atual, mas que ainda é imprescindível para se entender uma obra. E a decepção inicial com os "singles" é varrida logo na primeira música. O CD abre com a explosiva "Avenida revolution", onde Sammy Hagar fala sobre a guerra do tráfico em Tijuana (México). Forte, contundente e ameaçadora, é uma abertura que apaga qualquer dúvida e mostra uma banda coesa e afiada. Sem a tutela de Eddie Van Halen, Michael Anthony tem mais liberdade para imprimir a sua marca, aparecendo com destaque, e Sammy Hagar oferece uma grande interpretação. Mais para frente, "Sexy little thing" surge descompromissada, com pegada rock, mas com um sabor levemente adocicado pelo pop. Em "Runnin' out", constatamos que ainda é possível compor uma balada com muito bom gosto, sem os melodramas e pieguices habituais ― coisa que eles não conseguem evitar com "My kinda girl". Outro ponto alto é "Down the drain", um rockão cheio de Van Halen em seu DNA e Chad Smith tira a dúvida de quem desconfiava que seu estilo "funkeado" não encaixaria numa banda de hard rock. Sammy Hagar, prestes a completar 62 anos, mostra que ainda tem pique de sobra e não dá sossego à sua garganta. Sem nenhuma preocupação em mostrar técnica, ele se "rasga" em berros e mostra que seu rouco agudo ainda atinge muitos decibéis. Antes mesmo de chegar ao final, a sensação era de que se tratava de um grande disco. Com alguns deslizes, é verdade ― e que seriam imperceptíveis se a banda não decidisse apostar justamente no seu pior material para a divulgação.

Chegamos à última música. "Future in the past" é daquelas faixas que deixam o ouvinte atordoado, tal qual um filme de suspense cheio de reviravoltas. Surpreendente, ela mostra uma banda multifacetada. A música começa como uma balada zeppeliniana, onde Hagar passa sua mensagem entre acordes e harmônicos. De repente, tudo muda. Chad Smith pede passagem e comanda uma sessão funky-groove, no único momento "Red Hot Chili Peppers" do disco. Logo à frente, mais uma guinada inesperada, dessa vez comandada por Joe Satriani. Numa espécie de prelúdio, ele esboça alguns solos e sugere que algo grandioso vem pela frente... Até que, finalmente, a música explode numa celebração classic rock. Sammy Hagar assume uma segunda guitarra e incita Satriani ("Come on!"), que responde tirando o máximo do instrumento que estuda e pratica diariamente há 40 anos. Alternando técnica e feeling, ele abusa do pedal Wah-Wah e se esbalda em bends elásticos e agudos idílicos, conduzindo a banda para um desfecho consagrador e fazendo em pedaços até mesmo o ouvinte mais arredio.

Sim, ainda é possível ser classic rock e, ao mesmo tempo, trazer algo novo para o front. Se o disco já é sucesso de público e crítica, restava saber como a banda se comportaria nos palcos. Joe Satriani sempre primou pela técnica, adotando uma postura "low profile", entre o cerebral e o "cool". Era o único que nunca tinha encarado a estrada de maneira selvagem, destoando dos outros três ― que vieram de bandas reconhecidas pelo público como "Party Bands". Tanto no Van Halen quanto no Red Hot, eles viveram todos os excessos (tão caros a bandas de rock) em meio a brigas, drogas, bebedeiras homéricas, groupies, crises de estrelismos e egos que não cabem em estádios. Em outros tempos, poderia não dar certo. Como aguentar as palhaçadas de Chad Smith, ou Michael Anthony mamando uma garrafa de Jack Daniels por noite? A vantagem é que estamos falando de senhores e pais de família que não precisam disso, pois não têm mais nada a provar a ninguém. Pelos vídeos oficiais e outros vídeos de shows que já pipocam no YouTube, Satriani mostra total entrosamento com os outros. E ele está gostando na festa. Parece viver o sonho que ele não conseguiu realizar há trinta anos atrás ou, como diria Steven Tyler, parece um garoto gozando pela primeira vez.


"What the fuck is that?... Oh, Brazil's on the house!"
Sammy Hagar no Birthday Bash 2008

Com a turnê europeia já iniciada e a turnê americana a caminho, os fãs já se perguntam se há alguma intenção de trazer a banda para a América do Sul. Pela reação da gravadora por aqui, começamos mal. Quando perguntados se haveria, ao menos, uma versão nacional para o CD, a resposta da gravadora foi: "O que é Chickenfoot?". Entre os membros da banda, Sammy Hagar é o único que nunca esteve no Brasil ― e também nunca demonstrou interesse em vir para cá, desde os seus tempos de Van Halen. Se depender dos outros membros da banda (principalmente de Satriani), eles virão. E o próprio Sammy Hagar teve uma revelação no último Birthday Bash: sim, ele tem fãs no Brasil. E são muitos. Do lado de cá, abaixo da linha do Equador, a esperança é que, tanto a gravadora, quanto os promoters de shows abram os olhos: o Chickenfoot é a nova galinha dos ovos de ouro no rock.

Para ir além
Chickenfoot ― Site oficial
Birthday Bash 2008 ― por Eduardo Pinheiro
Birthday Bash 2006 ― por Patrícia Braga


Diogo Salles
São Paulo, 30/6/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Jornal: o cadáver impresso de Jardel Dias Cavalcanti
02. Três vezes Mirisola de Rafael Rodrigues
03. Razoavelmente desinteressante de Eduardo Mineo
04. Apocalípticos, disléxicos e desarticulados de Julio Daio Borges
05. Para mim e para você, o CD teve vida curta de Julio Daio Borges


Mais Diogo Salles
Mais Acessadas de Diogo Salles em 2009
01. Millôr Fernandes, o gênio do caos - 17/2/2009
02. Michael Jackson e a Geração Thriller - 21/7/2009
03. 10 palavrões 1 livro didático e ninguém no governo - 2/6/2009
04. O fundamentalismo headbanger - 10/3/2009
05. PMDB: o retrato de um Brasil atrasado - 17/11/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/6/2009
14h56min
Bom texto, mas feito para uma banda totalmente estéril - qualquer associação a Spammy Hagar só pode dar nisso. Pobre Mike, Satriani e Will Ferrel.
[Leia outros Comentários de Simonhead]
19/6/2009
15h15min
Diogão, sensacional o texto. Quem teve a oportunidade de repousar o corpo sobre um confortável sofá, com um belo par de headfones nos ouvidos, e de alma aberta para ouvir o novo álbum destes senhores, com certeza se SURPREENDEU. Surpresa seria se estes senhores tivessem gravado algo irrelevante para o mundo do rock, mas eles foram além, surpreenderam lançando um excelente disco, como há muito tempo eu não ouvia!
[Leia outros Comentários de Érico Salutti]
30/6/2009
15h48min
Olha, não sei nada a respeito de galinhas, mas há muita gente fazendo um trabalho genial no classic rock, e não tô falando dessas bandas-de-mebros-de-bandas. É que parece haver uma dificuldade da imprensa em varrer algo além da superfície do mainstream, então a limitação do mundo parece ser o universo pop. Meio limitado isso. O que dizer do The Parlor Mob? Siena Root? Ou que tal Rose Hill Drive? Bandas novas que estão mostrando pra um monte de veterano cansado que o rock continua aqui, só que não enche mais estádio, não tem mais a imprensa bancando, não, é só música mesmo, com um pouquinho de lendas, mas só o que o pouco dinheiro puder pagar. Galinha dos ovos de ouro? Não sei não. Parece empreendimento isso.
[Leia outros Comentários de wendell penedo]
20/7/2009
09h15min
O rock morreu. Todos os bons músicos citados no texto são parte de uma "dinastia" que melhor faria se se ocupasse com outros gêneros musicais - talento e capacidade para isso lhes sobram. Insistir no rock, conforme fazem esses senhores, é querer manter viva uma coisa que já se esgotou. O possível interesse dos mais jovens (no rock) não é mais do que uma curiosidade arqueológica, nostalgia de um tempo que não viveram.
[Leia outros Comentários de rené ferri]
17/9/2009
11h32min
Acabo de voltar do show do Chickenfoot em Houston (Texas), e ainda estou meio perdido, nocauteado. É impresionante o som desses caras ao vivo! O Chad Smith toca muito, eu não esperava tanto dele. O Sammy, o Mike e o Satriani eu já conhecia bem, e mostraram novamente toda a competência deles. Consegui ficar muito perto do palco (vejam as fotos). O setlist foi o mesmo de todos os shows, com todas as músicas do disco, porém em versões extendidas. No bis vieram os covers ("Bad Motor Scooter", "Highway Star" e "My Generation"). Infelizmente a turnê vai acabar ainda este mês, e o Brasil não terá a chance de ver esse espetáculo. Mas espero que eles continuem o trabalho com novos discos e novas turnês, o que considero inevitável dado o entrosamento desses caras no palco. Dá pra sentir claramente uma energia diferente. Eles fazem realmente por prazer, e o resultado é um show impecável.
[Leia outros Comentários de Eduardo Pinheiro]
27/2/2010
09h56min
Ah, cara! Ia te parabenizar pelo texto mas já vi que não preciso. Obrigado.
[Leia outros Comentários de Ildejaime]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A SUBVERSÃO DA ORDEM SOCIAL NO BRASIL
MARECHAL GODOFREO DE FARIA(AUTOGRAFADO)
DO AUTOR
(1961)
R$ 20,00



O CAMINHO DE OURO 1- UM MUNDO MARAVILHOSO PARA A INFÂNCIA
RENATO SÊNECA FLEURY
ALFA
(1957)
R$ 7,00



TRANSMISSÃO DE INFORMAÇÃO, MODULAÇÃO E RUÍDO
MISCHA SHWARTZ
GUANABARA
(1979)
R$ 33,36



PRÁTICAS DO LAR
MESTRE CUCA
KTDA
(1979)
R$ 5,00



COZINHA VEGETARIANA PIZZAS
CAROLINE BERGEROT
CULTRIX
(2003)
R$ 14,00



RES NOSTRA...
JOÃO PANDIÁ CALOGERAS
GRAPHICO IRMÃOS FERRAZ
(1930)
R$ 40,00



TEMAS DE GUARDIA MEDICINA DE URGENCIA
ALBERTO DELUCHI LEVENE
EL ATENEO
R$ 14,98



AUGUSTE RENOIR 1841 1919
PETER H FEIST
TASCHEN
(1987)
R$ 50,00



OPÚSCULOS VOL 2
JOSÉ CARDOSO
APPACDM
(1996)
R$ 39,66



GERENTE ALTO ASTRAL ANEDOTAS PARA FAZER PENSAR
MARCO A OLIVEIRA
GENTE
(1996)
R$ 5,00





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês