O comerciante abissínio II | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
43291 visitas/dia
947 mil/mês
Mais Recentes
>>> Peça-manifesto estreia, dia 21, sábado, no CCBB
>>> Belo Horizonte recebe palestra gratuita com Amyr Klink
>>> Teatro Castro Mendes recebe espetáculo gratuito "Alma Flamenca"
>>> Casa das Rosas exibe adaptação cinematográfica de poema de Carlos Drummond de Andrade
>>> Casa das Rosas realiza curso que discute a história da literatura e o desenvolvimento de SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Em suspenso
>>> Nesse mundo de anjos e demônios
>>> A lâmpada
>>> Irredentismo
>>> Tabela periódica
>>> Insone
>>> Entre Súcubos e Íncubos
>>> Aonde eu quero chegar
>>> A Joaninha e alguns vícios
>>> Somente o sol como sombra
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Olga e a história que não deve ser esquecida
>>> Tectônicas por Georgia Kyriakakis
>>> Crítica à arte contemporânea
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Bambodansarna
>>> Sobre Caramujos
>>> Meu filho e minha mãe
>>> Anna Maj Michelson
>>> Só Cronista se Explica
>>> Estação Esperança
Mais Recentes
>>> Terra à vista. Histórias de náufragos da Era dos Descobrimentos
>>> A Voz íntima do Amor
>>> Desenho Arquitetônico 2ª ed.
>>> Morar Só - Uma opção de vida
>>> Homens Maus Fazem o que Homens Bons Sonhas
>>> Cidades Historias Mutações Desafios
>>> Sonetos escolhidos 1992-1996 Espelho Partido
>>> Pré-Suasão
>>> Como Identificar um Psicopata
>>> Manual de Persuasão do FBI
>>> A Grande Arte
>>> Jim George ( um jovem segundo o coração de Deus )
>>> Philip yancey ( oracao ela faz alguma diferença? )
>>> Deus, a Liberdade e o Mal
>>> Zeca e o pequeno dinossauro voador
>>> Francisco de Sales - Um Mestre de Espiritualidade
>>> Meninos sem Pátria - Série Vaga-lume
>>> Novíssimo Aulete Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa
>>> História, Doutrina e Interpretação da Bíblia
>>> Traição do Destino
>>> Anjos Respostas para as perguntas mais frequentes sobre...
>>> Apologética Para Questões Difíceis da Vida
>>> Origem, Confiabilidade e Significado da Bíblia
>>> De Menina a Mulher
>>> 1356 - Go With God, And Fight Like The Devil
>>> O Agente Secreto - Edição Bilíngue
>>> Elizabeth I - Uma Biografia
>>> 30 dias em Sidney um relato desvairadamente distorcido
>>> Batalha de Moscou - A Luta Sangrenta Que Definiu os Rumos da 2ª G
>>> Caça ao Tesouro
>>> O Cavaleiro de Saint-Hermine
>>> Quem é Antônio Carlos Magalhães Política é Paixão
>>> Vida - Keith Richards
>>> Catarina, A Grande: Retrato de Uma Mulher
>>> História Concisa da Rússia
>>> Grécia Antiga - Coleção Histórias Ilustradas
>>> Caligula
>>> César - Os Senhores de Roma. 7ª Edição.
>>> Noticias do Planalto - A Imprensa e Fernando Collor
>>> Tibério - As Memórias Do Imperador
>>> 1808: Como Uma Rainha Louca, Um Príncipe Medroso
>>> 1822 - Como um Homem Sábio, Uma Princesa Triste e um Escocês Louc
>>> Iván, el Terrible
>>> Augusto O Imperador de Deus 2ª Edição.
>>> Tipos Populares - Contos
>>> Maniqueísmo História Filosofia e Religião
>>> O Espectro da Consciência
>>> Criação - Coleção 50 Anos
>>> Os Três Grandes - Churchill , Rooselvelt & Stalin Ganharam Uma G
>>> Almanaque Anos 80 - Lembranças e Curiosidades de Uma Década Muito
COLUNAS

Quarta-feira, 28/4/2010
O comerciante abissínio II
Guilherme Pontes Coelho

+ de 4200 Acessos
+ 1 Comentário(s)


David Rombaut © (http://www.davidrombaut.info/)


Conversas de literatos, daquelas carregadas de afetações e pseudoerudição, quando chegam ao nome de Arthur Rimbaud seguem padrões já conhecidos por quem é afeito a leituras. Ou os literatos se concentram na vida poética de Rimbaud, o gênio adolescente que mudou as letras francesas e destruiu a vida de seu parceiro, Paul Verlaine; ou ressaltam a guinada existencial do poeta, que de súbito esqueceu a poesia e, agora entra o maior dos pecadilhos, foi para África "traficar armas e escravos". Esse é o roteiro básico dos entendedores.

A vida adolescente de Rimbaud, a que entrou para História, é sabida. É muito fácil falar dela sem cometer grandes deslizes. Um adolescente genial, resumindo. Seus poemas falam tudo. Além do mais, havia muitos conterrâneos narrando a Paris de Rimbaud ― a História está cheia de capítulos sobre o jovem no meio literário em que viveu. Essa fase de sua vida não apresenta obstáculos aos biógrafos, leitores, pesquisadores.

Curiosamente, não podemos dizer o mesmo da segunda fase de sua vida, a em que ele matou o poeta Arthur Rimbaud. Este outro Rimbaud foi um comerciante em Harar, Etiópia (Abissínia). Vendia tecidos, utensílios, ervas, metais.

Dizer que Rimbaud "traficava armas e escravos" é apenas um recurso narrativo, daqueles que ficam bem nos livros do Enrique Vila-Matas. É um fetiche. O adolescente genial da literatura francesa abandona a pena para vender almas e alimentar a morte. (O período anterior não ficou tão afetado quanto gostaria.) Um grande equívoco.

Rimbaud abandonou a literatura, mas não a escrita. O "curioso" é isso: ele manteve uma rica correspondência com amigos e familiares, cartas nas quais ele narrou vários episódios de sua vida africana e descreveu muito do que comerciava e do que pretendia vender. Além disso, como é hábito entre os que convivem com os grandes, muitos dos seus contemporâneos africanos escreveram memórias; nestas memórias, há sempre um capítulo sobre o convívio com o comerciante de olhos azuis. Ainda assim, com tanta documentação sobre esse período, ninguém resiste ao charme de dizer: "Ele largou tudo e virou traficante de escravos e armas". Bem, ele se transformou noutra pessoa, sem dúvida quanto a isso. Quanto a isso.

É possível nomear ao menos uma pessoa como uma das, digamos, incentivadoras da confusão biográfica: Enid Starkie. Por ter menos habilidades em francês do que imaginava, e por não entender a economia etíope no que se refere a empregados domésticos, a irlandesa poluiu gerações com um mal-entendido nascido da deficitária tradução de uma carta de Rimbaud. Sabe, essas pesquisas realizadas entre quatro paredes sobre seres humanos e lugares de verdade.

Acredito que existe também uma dose de preconceito envolvida nessa repetida confusão. Imagino "o literato": leitor ávido, aspirante a poliglota e sedentário; um enaltecedor recalcitrante do cânone e que não se cansa de afirmar que a literatura de hoje (um "hoje" de mais de cinquenta anos) é uma merda; um crítico implacável que não valoriza nenhuma literatura produzida por jovens, a não ser a de Arthur Rimbaud (ele não menciona Álvares de Azevedo, nem outro jovem lusófono qualquer, porque não gosta de ler em português); um homem de vida rotineira e insípida e que vive mais suas próprias abstrações poéticas ― produzindo, a partir delas, apenas diatribes venais dirigidas aos demais acadêmicos (ah, ele é acadêmico, professor adjunto de linguística).

Aposto que você deve conhecer personagens do mesmo calibre, e provavelmente você não é assim, porque "o literato" não lê na internet, a não ser para publicar as próprias palavras, seja em textos quilométricos, seja em vídeos de dicção pomposa, se estiver mais conectado às maravilhas audiovisuais da Web.

Enfim, uma figura como "o literato" deve preferir o ídolo transformado num ser muito mais romântico e aventureiro do que um comerciante andarilho, quase um mascate. Um traficante de armas e escravos.

Até os vinte anos ele foi o poeta Arthur Rimbaud; a partir dos 23 ele saiu pelo mundo; chegou à Abissínia com 25 anos e por onze anos foi um comerciante perfeccionista. Nunca mais escreveu uma poesia e ficava extremamente irritado quando mencionavam seu passado. Quase ninguém sabia que ele era o poeta Arthur Rimbaud. Os que souberam, souberam por conta própria: ele nunca falou nada sobre sua vida literária, nem sobre ser uma celebridade poética na França. Seu passado era o de um estranho.

Pois bem, não gostam desse Rimbaud. Esse Rimbaud comerciante é pouco literário, não é um personagem no qual se espelhar, ou com o qual emular. É um Rimbaud que cospe nas Iluminations e em Une saison en enfer (este, aliás, único livro que Rimbaud realmente quis publicar, as demais obras foram editadas por e aos cuidados de Verlaine, ou mesmo por terceiros, não-autorizadas).

É justamente nesta transformação que está todo o fascínio por Arthur Rimbaud. O autor de Uma estadia no inferno é o mesmo comerciante da Abissínia? Duas pessoas tão diferentes, dois seres humanos distintos que viveram sob a mesma pele. Sua vida foi sua maior obra de arte. L'oeuvre-vie, como dizem os franceses, "obra-de-vida". Para ir além
Rimbaud na África (Nova Fronteira, 2007, 496 págs.), de Charles Nicholl.


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 28/4/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 80 anos de Alfredo Zitarrosa de Celso A. Uequed Pitol
02. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
03. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo de Gian Danton
04. Bruxas no banheiro de Marta Barcellos
05. Bibliotecários de Ricardo de Mattos


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2010
01. Nas redes do sexo - 25/8/2010
02. A literatura de Giacomo Casanova - 19/5/2010
03. O preconceito estético - 29/12/2010
04. O retorno à cidade natal - 24/2/2010
05. O mundo pós-aniversário - 3/2/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/4/2010
10h52min
Fala-se muito por aí das "duas pessoas" chamadas Jean-Nicolas Arthur Rimbaud. Há pouco tempo, aliás, saiu no Brasil um livro intilulado (se não me engano) "Rimbaud: a vida dupla de um rebelde". Bobagem, mistificação. Houve um só Rimbaud, que escolheu a vida como poucos ousam escolher. O natural das pessoas é amadurecer, desdobrar-se, realizar o que têm de potencial. Ninguém melhor que Jean Arthur para saber disso, ele que disse que é preciso ser moderno sempre. A poesia, os círculos literários cansaram, ele saiu e foi conhecer o mundo. Viva Rimbaud, um só e imenso Rimbaud!
[Leia outros Comentários de Paulo Cezar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ELZA, A GAROTA
SÉRGIO RODRIGUES
EDITORA NOVA FRONTEIRA
(2009)
R$ 10,50



UNIVERSOS ABSTRATOS EM POSSÍVEL EXPANSÃO ILIMITÁVEL
LYDIO MACHADO BANDEIRA DE MELLO ( AUTOR NO WHO'S WHO)
DO AUTOR
(1983)
R$ 73,00
+ frete grátis



ECCE HOMO - COMO ALGUÉM SE TORNA O QUE É
FRIEDRICH NIETZSCHE
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 34,00



MENOS QUE NADA - HEGEL É A SOMBRA DO MATERIALISMO DIALÉTICO
SLAVOJ ZIZEK
BOITEMPO
(2013)
R$ 24,00



QUESTÃO DE SANGUE
IAN RANKIN
COMPANHIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 12,00



ALDEIA
ADÉLIA FRADE NOGUEIRA
SENADO FEDERAL
(1977)
R$ 8,65



JACK,O ESTRIPADOR
PAULO SCHMIDT
GERAÇÃO EDITORIAL
(2008)
R$ 13,50



SOMOS TODOS RESPONSÁVEIS
ANTÔNIO ERMÍRIO DE MORAES.
GENTE
(2007)
R$ 13,50



INTRODUÇÃO A MACHADO DE ASSIS E OUTROS ENSAIOS 1ª ED.
BARRETO FILHO
TOPBOOKS
(2014)
R$ 43,90



DANIEL L - CAMINHO E TESTEMUNHO - VOLUME IV
DANIEL, WERNER WIESER
UNIÃO CRISTÃ
(2007)
R$ 46,20
+ frete grátis





busca | avançada
43291 visitas/dia
947 mil/mês