O Natal de Charles Dickens | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
23400 visitas/dia
586 mil/mês
Mais Recentes
>>> Confraria do Vinil chega ao Cachaça Social Club na Lapa
>>> Windsor Marapendi apresenta Companhia Estadual de Jazz
>>> CarnaRock KISS FOR KIDS
>>> Para compreender a filosofia de Schopenhauer
>>> Editora Unesp resgata textos do expoente do empirismo iluminista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Longa vida à fotografia
>>> Oswald de Andrade e o
>>> Nuvem Negra*
>>> Em defesa da arte urbana nos muros
>>> Vocês, que não os verei mais
>>> Em nome dos filhos
>>> O Que Podemos Desejar; ou: 'Hope'
>>> Píramo e Tisbe
>>> Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
>>> Ajudando um amigo
>>> Ebook gratuito
>>> Poesia para jovens
>>> Nirvana pra todos os gostos
>>> Diego Reeberg, do Catarse
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Lançamento e workshop em BH
Últimos Posts
>>> Gente que corre
>>> Inventário de provas
>>> Escrever, escrever, escrever...
>>> Políticos e suas politicas
>>> Marceneiro
>>> Hércules e seu doutorado sanduíche com Aristóteles
>>> Caminhos
>>> Eroti(cidade)
>>> O sapo e a princesa
>>> Ato reflexo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Transei com minha mãe, matei meu pai
>>> Flip 2008 ― I
>>> Um conselho: não leia Germinal
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Também somos violentos
>>> O Céu pode esperar
>>> A internet não é nada
>>> A Pérola de Galileu
>>> O humanista Edward Said
>>> Peterson e Pass 1987
Mais Recentes
>>> Nações do Mundo
>>> Enciclopédia da Humana
>>> Enciclopédia doa Hmanidade
>>> Enciclopédia da Humamanidade
>>> A Bíblia- No Princípio ( Gênesis)
>>> A espada de Siegfried
>>> As viagens de Ulisses
>>> O que é capitalismo - Primeiros Passos
>>> Métodos de Estudos Bílbicos
>>> O crime do Padre Amaro
>>> A montanha mágica
>>> O Pequeno Principe
>>> Obra completa - Dostoiévski - Vol. 03
>>> Obra completa - Dostoiévski - Vol. 02
>>> A Igreja. O Corpo de Cristo no Mundo de Hoje
>>> Obra completa - Dostoiévski - Vol. 01
>>> Obra Poética - Cecília Meireles
>>> Obra Reunida - Olavo Bilac
>>> Diretorio dos Agostinosda assunçaõ
>>> Finanças corporativas
>>> Naõ sou feliz mas tenho marido
>>> Cigarro ea Magia
>>> A banda da lua azul
>>> Corações Feridos
>>> Jardim de inverno
>>> Onde deixei meus óculos
>>> Como se relacionar melhor com as pessoas
>>> Como transformar defeitos em virtudes
>>> Viagem ao Inconsciente
>>> Sociedaqde e conscência
>>> Pais e filhos
>>> As pedras do caminha
>>> Jesus,a Galaxia
>>> Medicina alternativa de A Z
>>> o que é 0 Esspiritismo
>>> Amor de cão
>>> Lobos do Mar
>>> Serviço total ao cliente
>>> Adolescente viva em harmonia com ele
>>> Manual Compcto de Matemática
>>> Melhores Contos
>>> Oráculos dos anjos
>>> Felicidade com Deus
>>> Vivendo Plenamente
>>> Amor e sexualidade
>>> Saber desenvolver a criatividade na vida e no trabalho
>>> Traços da Face Divina
>>> Pais e Companheiros de viagem
>>> É hora de mudar
>>> Um Grito de Luz
COLUNAS

Terça-feira, 10/1/2017
O Natal de Charles Dickens
Celso A. Uequed Pitol

+ de 1200 Acessos

Os natais da infância de Charles Dickens não eram feitos de grandes comemorações. Filho de família de classe média baixa, conheceria a pobreza degradante das classes trabalhadoras aos doze anos, quando seus pais foram presos por dívidas. Foi então obrigado a trabalhar, e trabalhar duro, para poder sobreviver na Inglaterra dos começos da Revolução Industrial, quando leis trabalhistas, sindicatos, medidas de proteção social e outras coisas não eram sequer sonhadas pelos trabalhadores. Seus natais eram cheios de incertezas, dívidas não pagas, dinheiro faltando e perspectiva de um ano duro – os seus e os de todos os trabalhadores ingleses de sua geração.

O Natal das classes sociais mais abastadas era, é claro, muito mais luxuoso e tranquilo. Mas não necessariamente mais alegre: as regras estritas do cristianismo protestante dos séculos XVIII e XIX não via celebrações efusivas com bons olhos, e reunir a família e os amigos para comemorar ao som de música, boa comida e bebida tinha um intolerável ar pagão. Por essa razão, o duríssimo Oliver Cromwell chegou a proibir a sua celebração no século XVII. Na época de Dickens a proibição ja não vigorava, mas um escritor seu contemporâneo, Leigh Hunt, descrevia-o como um evento irrelevante, indigno de ser mencionado. Além disso, a grande burguesia britânica associava o Natal à rudeza das tradições rurais, que a racionalização do tempo da era industrial deveria passar por cima. Aos pobres, a frugalidade era imposta pelas condições econômicas; aos demais, pela rigidez dos costumes.

Quando Dickens decidiu ser escritor, já adulto, transformou as experiências de perda e desamparo em tema literário . Seus primeiros livros falam da situação degradante em que viviam os trabalhadores da Inglaterra, a indiferença para com o próximo em necessidade e o vale-tudo para subir na social, típico daquela época de intensa competição estimulada pelo governo. A Inglaterra em que ele viveu, e que retratou com maestria em seus romances, era um país de solitários, depressivos, cínicos, hipócritas, extenuados pelo trabalho e embrutecidos pelo individualismo atomizador. Era o mundo de “Oliver Twist”, de “As aventuras do sr. Pickwick” e de “Loja de antiguidades”; e era, também,o mundo de “Canção de Natal”, lançado em 1843.

Será difícil encontrar quem não conheça a história. O protagonista é o empresário Ebenezer Scrooge, que acha o Natal uma festa sem sentido e abomina as tentativas das instituições de caridade em obter donativos nesta data: “Não há mais prisões?”, pergunta ele. “Seria melhor que os pobres todos morressem. Assim, reduziriam a população excedente!”. Ao seu lado trabalha um caixeiro, Bob Cratchit, que lhe pede um dia de licença para poder celebrar o Natal com a família. Muito a contragosto, Scrooge permite – não sem resmungar, é claro, que se trata de perda de tempo. À noite, quando está sozinho, recebe a visita do espírito do seu falecido ex-sócio, Jacob Marley, que, em vida, compartilhava o mesmo ponto de vista de Scrooge. Condenado a vagar pela eternidade com uma cadeia de correntes, em punição por uma vida de egoísmo e materialismo, Marley diz ao sócio que ele receberá a visita de três espíritos de Natal, o do presente, o do passado e o do futuro, que tentarão fazê-lo mudar de vida. É o que acontece: Scrooge recebe os três espíritos e, atordoado pelas revelações que lhe fazem, passa a amar o Natal. Um homem novo nascia ali – justamente na celebração maior de um nascimento.

Canção de Natal teve nada menos do que trinta adaptações para o cinema, incontáveis versões em quadrinhos e figura na lista de qualquer biblioteca infantil que se preze. Foi traduzido para quase todas as línguas conhecidas. Sua força e influência ombreia com as parábolas bíblicas, com as quais tanto se parece. Em estudo sobre o impacto da obra, o sociólogo James Barnett aponta que “Canção de Natal” a combinava atitudes religiosas e não-religiosas de celebração de união dos homens: repudiava o egoísmo e o individualismo e exaltava as virtudes da fraternidade, compaixão e generosidade. Por isso, serve bem às diversas leituras: os socialistas viram em Dickens um companheiro de luta contra a exploração do trabalhadores pelos capitalistas, e os cristãos, um pregador contra o egoísmo e em favor da fraternidade, à maneira do “Sermão da Montanha”. Ninguém escapou ao impacto de “Canção de Natal”.

E nem mesmo os burgueses, representados tão negativamente no sr. Scrooge: uma reportagem de 1844 da “Gentleman’s Magazine”, revelou um aumento gigantesco no valor de doações para a caridade feita por milionários e atribuiu o fenômeno à imensa popularidade do romance. O feriado para o Natal foi instituído, as legislações do mundo todo incluíram o “indulto de Natal” em seus códigos e a gratificação de Natal (chamada, no Brasil, de “décimo-terceiro”) passou a ser um direito de todo trabalhador. O Natal, o dia do nascimento do Salvador da cristandade, passou a ser, também, o dia onde os Scrooges do mundo podem tentar a redenção – e nada representa melhor essa tentativa do que a peregrinação noturna do velho ranzinza e egoísta pelas ruas de uma Londres coberta pela neve, atormentado pelos pecados do passado e recebendo, na manhã de Natal, a chance de mudar de vida e redimir-se.

Por isso, e por muito mais, seguimos escutando, com atenção, à canção entoada por Dickens há 173 anos. O Natal de Dickens é, hoje, o nosso: hoje todos somos convidados a celebrar com alegria, junto dos amigos e familiares, com boa comida, boa bebida, canções e presentes. Mas o mundo de Dickens, o mundo dos Scrooges e Cratchits, dos meninos sem Natal e dos adultos que o desdenham, também é o nosso. Um mundo que precisa de redenção.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 10/1/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Morrer, na literatura de Marta Barcellos
02. Com quantos eventos literários se faz uma canoa? de Ana Elisa Ribeiro
03. Em 2016, pare de dizer que você tem problemas de Fabio Gomes
04. Margarita Paksa: Percepção e Política de Duanne Ribeiro
05. A fada do dente sou eu de Ana Elisa Ribeiro


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol
01. Dom Quixote, matriz de releituras - 8/3/2005
02. O Orkut é coisa nossa - 16/2/2006
03. A profecia de Os Demônios - 6/1/2005
04. O ensaísta Machado de Assis - 8/9/2006
05. O tempo de Arturo Pérez-Reverte - 5/11/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROCURA-SE UMA ROSA - VINICIUS DE MORAIS/PEDRO BLOCH/GLAUCO GIL (TEATRO BRASILEIRO)
VINICIUS DE MORAIS/PEDRO BLOCH/GLAUCO GIL
MASSAO ONO
(1961)
R$ 20,00



PAIS E FILHOS
IVAN TURGUÊNIEV
ABRIL CULTURAL
(1971)
R$ 7,20



MOMENTOS HUMANOS
EDWARD M. HALLOWELL
ROCCO
(2004)
R$ 15,17



-BOA-NOITE, DONA LUA
TERESINHA CAUHI DE OLIVEIRA
FTD S.A
(1997)
R$ 7,00



GEOGRÁFICA UNIVERSAL - JAN/1995
VÁRIOS
BLOCH
(1995)
R$ 7,20



DIREITOS HUMANOS DO BRASIL 2009
VV
FUNDAÇÃO HEINRICH BÖLL
(2009)
R$ 19,00



REFLEXÕES SOBRE O SERMÃO DO MONTE
LAÉRCIO MADSON DE AMORIM MONTEIRO
DO AUTOR
(2010)
R$ 14,00



REVISTA PET WORLD Nº 1
VÁRIOS
ANIMAL WORLD
(2007)
R$ 7,00



DISCIPLINA, LIMITE NA MEDIDA CERTA
IÇAMI TIBA
GENTE
(1996)
R$ 12,35



X-MEN ADVENTURES Nº2 E Nº1 DA SÉRIE II
MARVEL COMICS
ABRIL
(1995)
R$ 5,00





busca | avançada
23400 visitas/dia
586 mil/mês