O Natal de Charles Dickens | Celso A. Uequed Pitol | Digestivo Cultural

busca | avançada
30928 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ana Marson lança livro de crônicas em São Paulo
>>> Música, dança e boa conversa na "Semana Preta" do Centro de Referência da Dança
>>> Vila Cultural Cora Coralina recebe exposição 'Tempos Líquidos'
>>> DAMA DE COPAS - O LIVRO É LANÇADO PELA SOUL EDITORA
>>> Novo livro do Padre Lício propõe reflexão para prevenção ao suicídio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A poesia afiada de Thais Guimarães
>>> Manchester à beira-mar, um filme para se guardar
>>> Noel Rosa
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso
>>> O jornalismo cultural na era das mídias sociais
>>> Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto
>>> O Wunderteam
>>> Fake news, passado e futuro
>>> Luz sob ossos e sucata: a poesia de Tarso de Melo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jeff Bezos é o mais rico
>>> Stayin' Alive 2017
>>> Mehmari e os 75 anos de Gil
>>> Cornell e o Alice Mudgarden
>>> Leve um Livro e Sarau Leve
>>> Pulga na praça
>>> No Metrópolis, da TV Cultura
>>> Fórum de revisores de textos
>>> Temporada 3 Leve um Livro
>>> Suplemento Literário 50 anos
Últimos Posts
>>> Você pertence a um não lugar
>>> Olho d'água
>>> A música da corrida
>>> Retalhos da vida
>>> Limbo
>>> Transmutações invisíveis
>>> Quem te leu, quem te lê
>>> Bom dia e paz
>>> O que sei do tempo II
>>> Quem é quem?
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Sem lero-lero
>>> A droga da felicidade
>>> Hilda Hilst, o IPTU e a Chave da Cidade
>>> Símbolos e Identidade Nacional
>>> Animismo
>>> Um monstro que ri
>>> Lições literárias
>>> Fahrenheit 451, Oralidade e Memória
>>> História dos Estados Unidos
Mais Recentes
>>> Farra no Formigueiro
>>> Picasso - Coleção Crianças Famosas
>>> Roman Games - 3
>>> Arte para Criança Arcangelo Ianelli no Mundo das Nuvens
>>> O Santinho
>>> Raul da Ferrugem Azul
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha
>>> Meninos, Eu Conto - Contos - Vol. 2
>>> O Porta-lápis Encantado - Col. Biblioteca Marcha Criança
>>> Os Lusíadas - Série Reencontro
>>> Guia do Escoteiro Noviço
>>> The Gospel of the Kingdom
>>> Cartas ao Papa João Paulo II
>>> An Outline Of American Geography
>>> Pinheiros - Estudo Geográfico de Um Bairro Paulistano
>>> Poesia Completa de Alberto Caeiro
>>> A Oração dos Cinco Dedos com o Papa Francisco
>>> Estudo Dirigido de Microsoft Office Excel 2010. Avançado
>>> Estudo Dirigido de Microsoft Office Excel 2010
>>> Teilhard de Chardin. Ensaio de leitura crítica
>>> World Of Warcraft - Crônica - Vol. 1
>>> Reflexões e Orações no Espaço Tempo
>>> Janelas para a Vida
>>> Alimentação Moderna
>>> O Dia em que os Deuses Chegaram - 11 de Agosto de 3114 a.C
>>> Os Doze Trabalhos de Hércules - I
>>> Os Santos Evangelhos
>>> Inculta & Bela - 1
>>> Inculta & Bela - 1
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Onde Canta o Sabiá
>>> Pessoa e Amor segundo Teilhard de Chardin
>>> O Meio Divino
>>> Gramática Resumida
>>> Enfermagem em Centro Cirúrgico: atualidades e perspectivas no ambiente cirúrgico
>>> Guia completo de Procedimentos e Competências de Enfermagem
>>> PRocedimentos especializados de Enfermagem
>>> Hospitalização
>>> A psicanálise, sua imagem e seu público
>>> Estudo Dirigido para Microsoft Office Word 2010
>>> Família contemporânea e saúde: significados, práticas e políticas públicas
>>> Manual de cuidados HIV/AIDS
>>> Novo Manual de Instrumentação Cirúrgica
>>> Estudo Dirigido de Microsoft Office Powerpoint 2010
COLUNAS

Terça-feira, 10/1/2017
O Natal de Charles Dickens
Celso A. Uequed Pitol

+ de 1700 Acessos

Os natais da infância de Charles Dickens não eram feitos de grandes comemorações. Filho de família de classe média baixa, conheceria a pobreza degradante das classes trabalhadoras aos doze anos, quando seus pais foram presos por dívidas. Foi então obrigado a trabalhar, e trabalhar duro, para poder sobreviver na Inglaterra dos começos da Revolução Industrial, quando leis trabalhistas, sindicatos, medidas de proteção social e outras coisas não eram sequer sonhadas pelos trabalhadores. Seus natais eram cheios de incertezas, dívidas não pagas, dinheiro faltando e perspectiva de um ano duro – os seus e os de todos os trabalhadores ingleses de sua geração.

O Natal das classes sociais mais abastadas era, é claro, muito mais luxuoso e tranquilo. Mas não necessariamente mais alegre: as regras estritas do cristianismo protestante dos séculos XVIII e XIX não via celebrações efusivas com bons olhos, e reunir a família e os amigos para comemorar ao som de música, boa comida e bebida tinha um intolerável ar pagão. Por essa razão, o duríssimo Oliver Cromwell chegou a proibir a sua celebração no século XVII. Na época de Dickens a proibição ja não vigorava, mas um escritor seu contemporâneo, Leigh Hunt, descrevia-o como um evento irrelevante, indigno de ser mencionado. Além disso, a grande burguesia britânica associava o Natal à rudeza das tradições rurais, que a racionalização do tempo da era industrial deveria passar por cima. Aos pobres, a frugalidade era imposta pelas condições econômicas; aos demais, pela rigidez dos costumes.

Quando Dickens decidiu ser escritor, já adulto, transformou as experiências de perda e desamparo em tema literário . Seus primeiros livros falam da situação degradante em que viviam os trabalhadores da Inglaterra, a indiferença para com o próximo em necessidade e o vale-tudo para subir na social, típico daquela época de intensa competição estimulada pelo governo. A Inglaterra em que ele viveu, e que retratou com maestria em seus romances, era um país de solitários, depressivos, cínicos, hipócritas, extenuados pelo trabalho e embrutecidos pelo individualismo atomizador. Era o mundo de “Oliver Twist”, de “As aventuras do sr. Pickwick” e de “Loja de antiguidades”; e era, também,o mundo de “Canção de Natal”, lançado em 1843.

Será difícil encontrar quem não conheça a história. O protagonista é o empresário Ebenezer Scrooge, que acha o Natal uma festa sem sentido e abomina as tentativas das instituições de caridade em obter donativos nesta data: “Não há mais prisões?”, pergunta ele. “Seria melhor que os pobres todos morressem. Assim, reduziriam a população excedente!”. Ao seu lado trabalha um caixeiro, Bob Cratchit, que lhe pede um dia de licença para poder celebrar o Natal com a família. Muito a contragosto, Scrooge permite – não sem resmungar, é claro, que se trata de perda de tempo. À noite, quando está sozinho, recebe a visita do espírito do seu falecido ex-sócio, Jacob Marley, que, em vida, compartilhava o mesmo ponto de vista de Scrooge. Condenado a vagar pela eternidade com uma cadeia de correntes, em punição por uma vida de egoísmo e materialismo, Marley diz ao sócio que ele receberá a visita de três espíritos de Natal, o do presente, o do passado e o do futuro, que tentarão fazê-lo mudar de vida. É o que acontece: Scrooge recebe os três espíritos e, atordoado pelas revelações que lhe fazem, passa a amar o Natal. Um homem novo nascia ali – justamente na celebração maior de um nascimento.

Canção de Natal teve nada menos do que trinta adaptações para o cinema, incontáveis versões em quadrinhos e figura na lista de qualquer biblioteca infantil que se preze. Foi traduzido para quase todas as línguas conhecidas. Sua força e influência ombreia com as parábolas bíblicas, com as quais tanto se parece. Em estudo sobre o impacto da obra, o sociólogo James Barnett aponta que “Canção de Natal” a combinava atitudes religiosas e não-religiosas de celebração de união dos homens: repudiava o egoísmo e o individualismo e exaltava as virtudes da fraternidade, compaixão e generosidade. Por isso, serve bem às diversas leituras: os socialistas viram em Dickens um companheiro de luta contra a exploração do trabalhadores pelos capitalistas, e os cristãos, um pregador contra o egoísmo e em favor da fraternidade, à maneira do “Sermão da Montanha”. Ninguém escapou ao impacto de “Canção de Natal”.

E nem mesmo os burgueses, representados tão negativamente no sr. Scrooge: uma reportagem de 1844 da “Gentleman’s Magazine”, revelou um aumento gigantesco no valor de doações para a caridade feita por milionários e atribuiu o fenômeno à imensa popularidade do romance. O feriado para o Natal foi instituído, as legislações do mundo todo incluíram o “indulto de Natal” em seus códigos e a gratificação de Natal (chamada, no Brasil, de “décimo-terceiro”) passou a ser um direito de todo trabalhador. O Natal, o dia do nascimento do Salvador da cristandade, passou a ser, também, o dia onde os Scrooges do mundo podem tentar a redenção – e nada representa melhor essa tentativa do que a peregrinação noturna do velho ranzinza e egoísta pelas ruas de uma Londres coberta pela neve, atormentado pelos pecados do passado e recebendo, na manhã de Natal, a chance de mudar de vida e redimir-se.

Por isso, e por muito mais, seguimos escutando, com atenção, à canção entoada por Dickens há 173 anos. O Natal de Dickens é, hoje, o nosso: hoje todos somos convidados a celebrar com alegria, junto dos amigos e familiares, com boa comida, boa bebida, canções e presentes. Mas o mundo de Dickens, o mundo dos Scrooges e Cratchits, dos meninos sem Natal e dos adultos que o desdenham, também é o nosso. Um mundo que precisa de redenção.


Celso A. Uequed Pitol
Canoas, 10/1/2017


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry
02. Na hora do batismo de Marta Barcellos
03. Leitura, curadoria e imbecilização de Ana Elisa Ribeiro
04. Meio Sol Amarelo de Guilherme Carvalhal
05. Um DJ no mundo comunista de Celso A. Uequed Pitol


Mais Celso A. Uequed Pitol
Mais Acessadas de Celso A. Uequed Pitol em 2017
01. Thoreau, Mariátegui e a experiência americana - 14/3/2017
02. Oswald de Andrade e o homem cordial - 14/2/2017
03. O Natal de Charles Dickens - 10/1/2017
04. Seis meses em 1945 - 16/5/2017
05. Um caso de manipulação - 11/7/2017


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ECONOMIA E ESPIRITUALIDADE
DR. PE. ARI ANTONIO DA SILVA E PAULO VIERA DE CASTRO
DOAUTOR
(2011)
R$ 20,00



INSURGENTE
VERONICA ROTH
ROCCO
(2013)
R$ 18,00



CIVILIZAÇÃO E TRANSCENDÊNCIA
A.C. BHAKTIVEDANTA SWAMI PRABHPADA
THE BHAKTIVEDANTA BOOK TRUST
(1991)
R$ 5,00



ANGÚSTIA
GRACILIANO RAMOS
RECORD
(1979)
R$ 7,90



SCHELLING - OS PENSADORES
COLEÇÃO OS PENSADORES
ABRIL CULTURAL
(1980)
R$ 9,00



ONDE CANTA O SABIÁ
NADIR BRANDÃO
HD LIVROS
(2000)
R$ 6,00



MÁRIO UNIVERSAL PAULISTA: ALGUMAS POLARIDADES
LÚCIA NEÍZA PEREIRA DA SILVA
SECRETARIA DE CULTURA DE SÃO PAULO
(1997)
R$ 20,00



O MENINO DA ROSA
TONY MONTI
HEDRA
(2008)
R$ 9,00



A COBRA QUE USAVA CHINELO
ADEILSON SALLES
BOA HORA
(2011)
R$ 10,00



QUANDO A VIDA ESCOLHE
ZIBIA GASPARETTO
VIDA E CONSCIÊNCIA
(2015)
R$ 19,99
+ frete grátis





busca | avançada
30928 visitas/dia
1,1 milhão/mês