Digestivo nº 63 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Poemas De Natal de Luiz Coronel pela Sulina (1999)
>>> Buque Cenas de Rua de José de Carvalho pela Córrego (2013)
>>> Opções de Liv Ullmann pela Nórdica (1985)
>>> Perguntas que Eu Faria à Irmã White de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1977)
>>> 32 X 2 Instantaneos - Haikai de Margarida Oliva , Idéo Bava pela Musa (2003)
>>> The National gallery London de Nicholas Penny pela Scala (2011)
>>> Com a Cara na Mão de Ricardo Leite Muniz pela Espaço ditorial (1992)
>>> Filhos - Novas Ideias Sobre Educação de Ashley Merryman pela Lua de Papel (2010)
>>> Lost de A a Z de Diversos autores pela Abril
>>> Homem-Aranha: a última caçada de Kraven de J. M. DeMatteis Mike Zeck Bob McLeond Mike Zeck Ian Tetrault pela Abril Jovem (1990)
>>> Vitória a Qualquer Custo de Cecil B. Currey pela Biblioteca do Exercito (2002)
>>> Vitória a Qualquer Custo de Cecil B. Currey pela Biblioteca do Exercito (2002)
>>> Esperança Triunfante de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1961)
>>> Doris Kloster de Doris Kloster pela Taschen (1995)
>>> Doris Kloster de Doris Kloster pela Taschen (1995)
>>> A Mão de Deus ao Leme de Enoch de Oliveira pela Casa Publicadora Brasileira (1985)
>>> O Poder da Imagem de José S. Martins pela Artes Gráficas (1992)
>>> Os Caminhos de Deus de Floyd Rittenhouse pela Casa Publicadora Brasileira (1984)
>>> Os Iranianos - Pérsia, Islã e a Alma de uma Nação de Sandra Mackey pela Biblioteca do Exercito (2008)
>>> A era dos Impérios 1875-1914 de Eric J. Hobsbawm pela Paz Terra (2003)
>>> A Guerra do Iraque de John Keegan pela Biblioteca do Exercito (2005)
>>> A Democracia na América de Alexis de Tocqueville pela Folha de S. Paulo (2010)
>>> A Sociedade do Espetáculo de Guy Debord pela Contraponto (2003)
>>> Psicossomática Hoje de Julio de Mello Filho pela Artmed (1992)
>>> Leitura Dinâmica de Ricardo Soares - William Douglas pela Campus (2009)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 9/1/2002
Digestivo nº 63
Julio Daio Borges
+ de 3400 Acessos
+ 3 Comentário(s)




Imprensa >>> Por ser uma menina má
É, antes de tudo, lamentável que Cássia Eller tenha morrido. Mas a nossa imprensa prefere alimentar debates secundários, como a viciada discussão sobre drogas, ou como e quanto Cássia Eller ingeriu de cocaína e de álcool para terminar onde terminou. No primeiro caso, como fez Veja, polariza-se a questão em torno dos mesmos argumentos: de um lado, os defensores da moral e dos bons costumes, entoando slogans no estilo “eu bem que te avisei”, ou resumindo toda a história pelo viés simplificatório da campanha “drugs kill”; do outro lado, lógico, os simpatizantes das ditas “substâncias tóxicas”: valentes na hora de teorizar sobre a liberação, mas covardes na hora de assumir que o consumo pode ter conseqüências fatais. No segundo caso, o da autópsia, o da Folha de S. Paulo, os idiotas da objetividade não vão sossegar enquanto não se descobrir quantos miligramas foram inalados e quantos espasmos e choros a cantora vivenciou antes do desfecho final. Na correria pelo furo e pelo “jornalismo verdade”, os méritos artísticos de Cássia Eller sequer foram mencionados. Provavelmente, os plantonistas de “Brasil” não tinham como avaliar, embora citem displicentemente um certo CD “Acústico”. Cássia Eller foi uma das mais importantes – se não a mais importante – intérprete de Cazuza (outro roqueiro maldito, que acabou como sinônimo, não de overdose, mas de Aids). Ela vinha se afirmando como um dos pilares da geração dos anos 90, ao lado de compositoras como Marisa Monte (mainstream de mais) e Zélia Duncan (mainstream de menos). Já era cult, há anos, entre os seus pares, “a artista dos artistas”, mas só desfrutou de popularidade graças a uma parceria do formato vitorioso “unpplugged” da MTV com a produção de Nando Reis, o faro “pop” mais apurado dos Titãs. Toda a obra dela está à espera, para ser inventariada. Isso se a seção “policial” deixar de invadir a seção “cultural”, e se os jornalistas abandonarem as suas penas de precisão cirúrgica. [Comente esta Nota]
>>> Cássia Eller
 



Música >>> Higher Than The Sun
Ainda que parta de um disco apagado ("All that you can leave behind"), o DVD da "Elevation Tour", do U2, vai agradar a gregos e troianos. Começa de um ponto alto, a própria "Elevation", reforçada e tonificada pela Gibson SG de The Edge. Segue com o hit "Beautiful Day" e emenda com uma faixa do inatacável Achtung Baby: "Until The End Of The World". Pausa para as baladas e as reflexões sombrias: "Stuck in a moment...", "Kite" e "Gone", levantando novamente os ânimos com a agora propícia "New York". Se até aqui muitos dos entusiastas dos "velhos tempos" ainda não haviam sido conquistados, é porque tombarão todos ao som do próximo bloco: "I Will Follow", "Desire", "Bad" e, acreditem se quiserem, "Sunday Bloody Sunday", expectativa sistematicamente frustrada, durante as turnês, há mais de uma década. Como se não bastasse, o U2 segue no bombardeio, com versões impecáveis para "Where The Streets Have No Name", "Bullet The Blue Sky" e a melosa "With Or Without You", com direito a encenação com fã arrancada da platéia. Tempera-se, os instantes finais, com as relativamente recentes "The Fly" e, claro, "Walk On". Mantendo-se fiel à proposta do CD, o show prescinde de toda a pirotecnia de seus antecessores ("Pop Mart", "Zooropa" e "Zoo TV"), privilegiando a música. Mais correto, impossível. Para ver e ouvir de olhos fechados. [Comente esta Nota]
>>> U2.com
 



Literatura >>> Democratizando o elitismo
Sérgio Augusto, uma das lendas-vivas do Pasquim, acaba de lançar “Lado B”, uma coletânea de textos das revistas Bravo! e Bundas. O livro é mais que bem-vindo. Tanto que ficamos nos perguntando porque Sérgio Augusto não compilou sua produção jornalística antes. Ele que, junto com Ruy Castro, vem produzindo artigos memoráveis para o Caderno2 (do Estadão), aos sábados. Em “Lado B”, Sérgio Augusto exercita a sua porção ensaísta (de Bravo!) e cronista (de Bundas). A gama de assuntos, portanto, é vasta: desde os sinônimos para as genitálias masculina e feminina até a eleição da palavra mais bonita da língua portuguesa; desde o centenário de Gilberto Freyre até o retrato que o cinema americano fez do Brasil; desde Graham Greene até o jornalismo cultural tupiniquim; desde O Apanhador no Campo de Centeio até a “máquina de fazer doido” (ou seja, a televisão). Poucas pessoas, na grande imprensa, entendem tanto de século XX quanto ele. Sérgio Augusto começou como crítico de cinema (aliás, conta de seu tempo no Correio da Manhã, ao lado de Otto Maria Carpeaux), mas, não contente, espraiou-se pela literatura e pela música, sobre os quais discorre com igual proficiência. Seu estilo amarra termos, subentendidos e citações como só Paulo Francis fazia, anos atrás, e como só Ivan Lessa talvez faça hoje. Um dos melhores momentos de “Lado B” é curiosamente a introdução, em que Sérgio Augusto dá a sua definição de “ensaio” (passando por Montaigne e por Phillip Lopate), provavelmente respondendo à provocação de Luís Fernando Veríssimo, que insistentemente classifica-o como “ensaísta”. Essa discussão que, de certa forma, justifica o volume de mais de 400 páginas, na verdade, encobre outra: por que os nossos intelectuais, da geração de Sérgio Augusto (por exemplo), não produziram ensaios de fôlego e em profundidade – se aparentemente possuíam todos os pré-requisitos para isso? Por causa da urgência do embrulha-peixe? Porque penavam sob uma ditadura e, mais tarde, sob uma democracia? Por causa do forte apelo da “cultura de massas”? Qualquer que seja a resposta, contudo, vale lembrar que ainda é tempo. E que as gerações futuras, videotas ou não, agradecem. [Comente esta Nota]
>>> "Lado B" - Sérgio Augusto - 414 págs. - Editora Record
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
A gastronomia como um todo, no Brasil, vem crescendo não só quantitativamente, mas qualitativamente também – através de associações que se prestam a desenvolver e aprimorar esse que é hoje um setor em expansão na nossa economia. A “Revista dos Bares & Restaurantes” é um exemplo de publicação que se volta para os pequenos, médios e grandes estabelecimentos – e que acaba de ser eleita como porta-voz oficial da Abredi e da Abrasel, duas das principais forças de aglutinação de bares e restaurantes no País. E a “Revista” não se restringe a empresários, empreendedores e empregados do ramo: informa igualmente gastrônomos e curiosos em geral. Na edição de dezembro, por exemplo, ficamos sabendo que Cesar Giobbi (o homem da coluna Persona, do Estadão) vai lançar seu guia “São Paulo do Meu Jeito”; descobrimos que a American Express quer entrar de sola no mercado de comes & bebes brasileiro (como faz nos EUA); tomamos contato com o “capeta” (aquele “drink” infernal da Bahia), suas origens e seus segredos; somos avisados da temporada de Stone Crab(s) no Dinho’s Place; mergulhamos na cena gastronômica de Brasília (a que mais se sobressai atualmente); ficamos a par das trinta marcas mais lembradas mundialmente (eis as “top 5”: Coca-Cola, Marlboro, Pepsi, Budweiser e Campbell’s); e terminamos num passeio pelas atrações de Niterói (de Niemeyer ao Teatro João Caetano). Para completar, algumas dicas de um consultor (experiente) para aqueles que sonham se aposentar e abrir seu próprio restaurante. Iniciativa que, segundo o expert, vai muito além de saber cozinhar para os amigos no fim-de-semana. O Brasil, além de pátria de chuteiras, vai se transformando em pátria de garfos, facas e colheres. Bon apetit. [Comente esta Nota]
>>> Revista dos Bares & Restaurantes
 



Cinema >>> The lowest form of celebrity
Não existe exagero em afirmar que o DVD é a única tecnologia (até agora) que permitiu ao cinema das primeiras décadas competir em pé de igualdade com as produções atuais. O formato VHS era pleno em limitações técnicas, de som e de imagem, prejudicando mais acentuadamente o que se fez em preto e branco e nos primórdios do cinema falado. Assim, não existe base de comparação entre as interpretações de Bette Davis, Anne Baxter e George Sanders em “A Malvada” (All About Eve) e qualquer coisa que esteja em cartaz neste momento. É impressionante a preocupação cênica ao longo da fita, revelando uma presença de palco (do elenco) que nem no teatro de hoje é possível encontrar. As atuações são impecáveis ou, no mínimo, convincentes – destacando-se a disputa à la Oscar Wilde, entre Margo Channing (Bette Davis) e seus antagonistas. Na história, ela é o modelo de atriz consagrada que, adotando uma protegida mais jovem (Anne Baxter), sente-se ameaçada por ela. É claro que a última é puro lobo-em-pele-de-cordeiro, e vai seduzindo, aos poucos, todos os que se devotavam à primeira. Todo mundo conhece a patologia: a admiração obsessiva que converte, paulatinamente, o “admirador” em “objeto admirado”. Como em toda a realização que preza a “vida como ela é”, o bem não triunfa sobre o mal. Mas os derradeiros minutos apontam para um ciclo que se fecha, introduzindo uma fã no camarim de Eve (a malvada) e sugerindo, portanto, conseqüências cármicas. Para os que precisam de um estímulo a mais, também consta do “cast” uma Marilyn Monroe em início de carreira, recém-chegada da Copacabana School of Dramatic Art (é sério). Talvez anunciando que a forma prevaleceria sobre o conteúdo. Enfim, não se fazem mais "bettes davis" como antigamente. [Comente esta Nota]
>>> All About Eve
 
>>> SUGESTÃO ESPECIAL DO CHEFE
Clique aqui e leia a entrevista do seu Conselheiro preferido, sobre o Digestivo Cultural, no site VendaMais
 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/1/2002
10h21min
Droga é droga, seja maconha, álcool, cocaína. A única verdade é que ainda teríamos Elis Regina e Cássia Eller entre nós, não houvesse acontecido esse desastre mundial, de incentivo às drogas, especialmente após a década de 1960. Liberar geral? É o que querem muitos. Já que não dá para derrotar o inimigo, vamos dormir com ele – prega a nova cartilha liberal de distribuição de drogas e seringas a viciados. Dizem os defensores da idéia que é uma “redução de danos”, já que a distribuição de seringas descartáveis evitaria também o compartilhamento da AIDS entre os drogados. Teoricamente, muito correto. Mas... A Holanda fez isso e hoje compete com o Marrocos na “exportação” de maconha para a União Européia. O país fatura mais com maconha do que com tulipa. Não resolveu o problema interno, ao contrário, piorou, pois todos podem fumar seu baseado nos milhares de cafés-com-maconha abertos nas cidades. Além de chamar drogados de toda a União Européia. E da maconha, todos sabem, se vai à cocaína, à heroína, ao crack. A continuar assim, teremos na “Voz do Brasil” e nas publicidades da TV chamadas de alerta para as cidades que irão receber a “Bolsa-maconha” ou “Cesta-cocaína”. A Senad seria transformada em uma COBRAZEM – Cocaína Brasileira de Armazenamento. Peça logo sua “cesta-cocaína”, antes que paraguaios, uruguaios, chilenos e argentinos apareçam aos milhões para furar a fila.
[Leia outros Comentários de Félix Maier]
9/1/2002
12h27min
CASSIA ELLER FOI UMA JÓIA DO CENÁRIO MUSICAL , MORREU SIMPLESMENTE PELA OPÇÃO DE UM CAMINHO SEM VOLTA , O CAMINHO DAS DROGAS , POR OUTRO PRISMA CÁSSIA FOI ASSASSINADA POR UM TRAFICANTE QUE LHE DEU UM VENENO , MORTA TAMBÉM PELA INCOMPETÊNCIA DE NOSSOS GOVERNANTES QUE SÃO INERTES NO COMBATE AS DROGAS . O MAIS PREJUDICADO NO CONTEXTO É CHICÃO QUE VAI SER CRIADO POR UMA LÉSBICA ,COM GRANDES POSSIBILIDADES DE QUE QUANDO FOR UM ADOLESCENTE SER UM HOMOSSEXUAL FABRICADO PELO CONVÍVIO TRANSVIADO DE SUA MÃE POSTIÇA .
[Leia outros Comentários de DOUG Mc LURE]
9/1/2002
13h16min
Caro amigo Julión: Não posso crer que um homem tão culto, conhecedor de tantos compositores pelo mundo afora, possa se impressionar com o talento de Cássia Eller a ponto de escrever no Digestivo. Não enxergo talento algum nessa pretenciosa revolucinária dos anos 90. Acho que lhe falta voz, letra e música. Já a vi no palco, ao vivo na abertura do show dos Rolling Stones em 1998. Sua apresentação não me decepcionou, apenas confirmou minhas impressões sobre essa medíocre artista: ela é realmente medíocre mas pensa que é revolucionária. A mim não convence e agora, definitivamente, não convencerá nunca mais. Um grande abraço. Fê.
[Leia outros Comentários de Alfredo Fê]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - O Mundo Segundo Garp
John Irving
Circulo do Livro
(1978)



Amigos do Folclore Brasileiro - Mundo Mirim
Jonas Ribeiro
Mundo Mirim
(2010)



A Vida na Escola e a Escola da Vida 9ªed(1996)
Claudius Ceccon, Miguel Darcy de Oliveira
Vozes
(1996)



O Mundo é Eu
João Mohana
Agir
(1963)



Ninguém É de Ninguém
Harold Robbins
Record
(1967)



O Livro Verde - the Green Book - Pequenos Passos Que Cada um Pode Dar
Elizabeth Rogers e Thomas M. Kosti
Sextante
(2009)



A Herança Scarlatti - Confira !!!
Robert Ludlum
Rocco
(2006)



Entre o Amor e a Guerra (1997)
Zibia Gasparetto
Vida & Conciência
(1997)



Amor de Salvação - Coleção Jabuti
Camilo Castelo Branco
Saraiva
(1996)



O Livreiro de Cabul
Asne Seierstad, Grete Skevik
Record
(2006)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês