Rubem Braga nos Cadernos de Literatura Brasileira, do IMS | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Historia do Brasil Vol. 1 de Helio Vianna pela Melhoramentos
>>> Livro dos Sonetos: 1500 - 1900 de Sérgio Faraco pela L e Pm (2002)
>>> O Novo Acordo Ortogáfico da Linguaportuguesa de Maurício Silva pela Contexto (2011)
>>> Onze Minutos de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> Toda Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2012)
>>> Solteira - O insuperável fascínio da mulher livre de Patrizia Gucci pela Prestígio (2004)
>>> Filha é Filha de Agatha Christie pela Lpm (2011)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record
>>> Taureg de Alberto Vazquez Figueróa pela L&pm (2002)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queirós pela Atica (2006)
>>> Bases da Biologia Celular e Molecular de De Robertis & Der Robertis Jr pela Guanabara Koogan (1993)
>>> Nas Asas da Ilusão de Kely Vyanna pela Brasília (2011)
>>> Você é Mais Forte do Que o Câncer de Susan Sorensen e Laura Geist pela Thomas Nelson Brasil (2007)
>>> As Cinco Estações do Corpo de João Curvo & Walter Truche pela Rocco (2001)
>>> The Feast of All Saints de Anne Rice pela Ballantine Books (1991)
>>> Geografia dos Estados Unidos de Pierre George pela Papirus (2010)
>>> The Diamond as Big as the Ritz and Other Stories de F. Scott Fitzgerald pela Longman (1974)
>>> O Caminho dos Sonhos de Mauro Lucido da Silva pela Mauro Lucido da Silva (2010)
>>> The Amen Corner de James Baldwin pela Corgi (1970)
>>> Menino de Engenho - 83ª Edição de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Em Missão de Socorro de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Lumen Editorial (2012)
>>> Enquanto Houver Vida Viverei de Julio Emilio Braz; Rogério Borges pela Ftd (1996)
>>> Aprenda Ingles Comercial e Turístico de José Luiz Rodrigues pela On Line (2012)
>>> Plenitude de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2000)
>>> The Vampire Diaries de L. J. Smith pela Harper Teen (1991)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Imprensa

Quarta-feira, 3/8/2011
Rubem Braga nos Cadernos de Literatura Brasileira, do IMS
Julio Daio Borges

+ de 7100 Acessos




Digestivo nº 481 >>> Apesar dos recentes jornalistas na Academia Brasileira de Letras, um jornalista, ou melhor, um cronista nos Cadernos de Literatura Brasileira ainda pode chamar a atenção. Mas, não, Rubem Braga. Primeiro, porque não foi simplesmente jornalista. Depois, porque não foi apenas cronista ― foi o maior cronista que o Brasil produziu. Convertendo-se numa espécie de sábio instantâneo das folhas. A ponto de Millôr Fernandes confessar, quando de sua morte, ter sido Rubem Braga não apenas o jornalista, o cronista ou o artista, mas, sim, o "ser humano" que ele mais admirou em vida. Nesta edição dos Cadernos de Literatura Brasileira, reuniram Danuza Leão, Boris Schnaiderman, José Castello e Sérgio Augusto para homenageá-lo. Danuza, para falar do homem, já que Braga, com seu jeito matreiro, conquistou só as mais belas e desejadas. Castello, para falar, justamente, dos aspectos literários. E S.A., para converter Braga em ensaio. Há, ainda, Humberto Werneck, um cronista nosso, mostrando porque Rubem Braga fundou um gênero, e porque, indiscutivelmente, ele se coloca entre os grandes das nossas letras no século passado. A prova dos nove, contudo, é deixar que o próprio Braga fale. E, para isso, somos brindados com uma edição de, novamente, Humberto Werneck e do escritor Michel Laub. Sobre sua escrita, por exemplo, Braga era modesto (e lapidar): "Confesso que escrevo de palpite, como outras pessoas tocam piano de ouvido". Sem muitos elogios para o gênero que inventou: "A crônica é a subliteratura que o cronista usa para desabafar perante os leitores". Imitando, em termos de estilo, o pavão: ao buscar "o máximo de matizes com o mínimo de elementos". Sendo seu objetivo final sempre o mesmo: ansiava "[pela] joia de uma palavra preciosa, [pelo] diamante de um gesto puro". Vendo a grandeza no cotidiano ― pois: "Naufragamos a todo instante no mar bobo do tempo e do espaço, entre as ondas de coisas e sentimentos de todo dia". Solitário empedernido: "Às vezes me sinto mais sozinho quando estou acompanhado". Não acreditava, como Sêneca, nos grandes deslocamentos (atrás da espiritualidade perdida): "Eu poderia mudar de cidade, mas afinal eu não mudo de pessoa". Reclamando, até, do jornalismo (que lhe dava o pão): "No fundo talvez não seja muito bom negócio vender a alma. A alma às vezes faz falta". Profissional de "viver em voz alta", Werneck evoca, com Laub, Montaigne (para explicar o fenômeno Braga): "Pintando-me para outrem, pintei-me em cores mais nítidas do que minhas cores originais". E Sérgio Augusto conclui a polêmica de um cronista, ou de um jornalista, nos Cadernos de Literatura Brasileira: "Não existem gêneros menores, apenas autores menores".
>>> Rubem Braga nos Cadernos de Literatura Brasileira
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. A aquisição do Whatsapp, pelo Facebook, por 19 bilhões de dólares (Internet)
02. Julian Assange, o homem por trás do WikiLeaks (Internet)
03. O iPad, da Apple e de Steve Jobs (Internet)
04. Literatura em 2009 (Literatura)
05. A arte do romance, por Milan Kundera (Literatura)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Sedutor sem Coração - Box 5 Livros
Lisa Kleypas
Arqueiro
(2018)



Psicologia da Criança
Karl G. Garrison & Outros
Ibrasa
(1971)



Turma da Mônica Jovem Nº 70- Nosso Filhote
Mauricio de Sousa
Panini
(2014)



Minha 1ª Biblioteca Larousse Enciclopédia 2
Larousse
Laurousse
(2007)



Quem Tem Medo de Vampiro?
Dalton Trevisan
Ática
(2013)



Elo
James Capelli
Escritorio de Midia



Como Ganhar Mais Dinheiro e Viver Melhor!
Fernando Veríssimo
Seles
(2003)



Independência ou Morte - A emancipação política do Brasil
Ilmar Rohloff e Luis Affonso
Atual
(1991)



O Leão e o Rato
Maria Espluga (ilustrações)
Sm
(2000)



Cheiro de Goiaba - 8ª Ed.
Gabriel Garcia Marquez
Record
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês