A aposentadoria anunciada de Steve Ballmer, sucessor de Bill Gates | Digestivo Cultural

busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Workbook de Carl Honoré é transformado em lives
>>> Experiência Quase Morte é o tema do Canal Angelini
>>> 20 anos de Bicho de Sete Cabeças: Laís Bodanzky, Rodrigo Santoro e Gullane se reúnem em bate-papo
>>> Arquivivências: literatura e pandemia
>>> Festival Mia Cara promove concurso culinário “Receitas da Nonna”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Influências da década de 1980
>>> 20 de Dezembro #digestivo10anos
>>> Poesia e Guerra: mundo sitiado (parte II)
>>> Notas Obsoletas sobre os Protestos
>>> Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
>>> Pode guerrear no meu território
>>> Aconselhamentos aos casais ― módulo II
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> A Vida e o Veneno de Wilson Simonal, por Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Homem Aranha Nº 63 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2007)
>>> Homem Aranha Nº 74 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2008)
>>> La Razon de Mi Vida de Eva Peron pela Peuser (1953)
>>> mem Aranha Nº 67 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2007)
>>> Homem Aranha Nº 44 Marvel Millennium - 5G de Marvell pela Panini (2005)
>>> Nw de Zadie Smith pela Penguin Books (2013)
>>> Homem Aranha Nº 59 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2006)
>>> Oi, Gente: Histórias para Você Ler de Evanildo Bechara pela Edicoes Consultor (2008)
>>> Homem Aranha Nº 58 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2006)
>>> Homem Aranha Nº 69 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2007)
>>> Box - A Segunda Guerra Mundial - 3 Volumes de Martin Gilbert pela Leya (2019)
>>> Pato Donald - Perdidos nos Andes de Carl Barks - Walt Disney pela Abril (2016)
>>> A Língua de fora de Carlos Eduardo Novaes pela Nordica (1979)
>>> Psicologia aplicada à administração de empresas de Cecília Whitaker Bergamini pela Atlas (1988)
>>> Vacas, Porcos, Guerras e Bruxas: Os enigmas da Cultura de Marvin Harris pela Civilização Brasileira (1978)
>>> Nordeste Alternativas da Agricultura de Manuel C. de Andrade pela Papirus (1988)
>>> O Distante Eufrates de Aryeh Lev Stollman pela Bertrand Brasil (2000)
>>> Homem Aranha Nº 25 Marvel Millennium de Marvell pela Panini (2021)
>>> Maravilhas do Conto Francês de Diaulas Riedel (org.) pela Cultrix
>>> O Erotismo: Fantasias e Realidades do Amor e da Sedução de Francesco Alberoni pela Círculo do Livro (1992)
>>> Administração de Marketing: Análise, Planejamento, Implementação e Controle de Philip Kotler pela Atlas (1994)
>>> Ensino Fundamental - 3º Ano, 2ª Série - 1ª Volume de Patrícia Waltiach pela Positivo (2009)
>>> Estudo Geral dos Metais de Bernardo Samu e Chinya Assahina pela Grêmio Politécnico (1953)
>>> Maigret et les Braves Gens de Georges Simenon pela Uge Poche (1996)
>>> Walt Disney World de Walt Disney Company pela Walt Disney Company (1986)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Internet

Segunda-feira, 23/9/2013
A aposentadoria anunciada de Steve Ballmer, sucessor de Bill Gates
Julio Daio Borges

+ de 5300 Acessos




Digestivo nº 494 >>> A década de 1980 foi da Apple e do computador pessoal (PC). Já a década de 90 foi da Microsoft, do Windows e do software. Ocorre que a década de 2000 foi, novamente, da Apple, do iPod, do iPhone, e de Steve Jobs. A década de 2010, por enquanto, tem sido do iPad, ou dos tablets, da Samsung, do Google, do Android, do Facebook, de Jeff Bezos e da Amazon ― de quem, afinal? Ainda não se sabe ao certo. O que se sabe é que não parece ser, novamente, da Microsoft. Reza a lenda que no auge da bolha de tecnologia, na virada do milênio, se passasse uma nuvem de notas de dólares na frente de Bill Gates, ele ganharia mais dinheiro se continuasse fazendo o que já estava fazendo do que se parasse para apanhar as notas. Em 2000, a Microsoft alcançou um valor de mercado de 600 bilhões de dólares. E Bill Gates soube se aposentar na hora certa. Pelo menos, no que diz respeito à sua própria imagem. A verdade é que, já antes da década de 2000, a Microsoft não previu o impacto da internet. O próprio Gates, inicialmente, desprezou a WWW. Posteriormente, reconsiderou, mas elegeu o Yahoo! (?) como uma empresa merecedora de sua admiração. (Vale lembrar que o Yahoo! foi do céu ao inferno na época do boom e da bolha ― e continua existindo até hoje, mas, como uma espécie de AOL, nunca mais foi a mesma coisa.) Bill Gates, apesar do erro inicial de avaliação, soube responder ao desafio da Netscape com o Internet Explorer, mas exagerou na dose, ao embutir o browser no sistema operacional, de modo que a Microsoft foi quase dividida em duas no ano cabalístico de 2000. A Netscape, contudo, deixou de ser uma ameaça. Mas a internet produziu outros "rebeldes" que, sucessivamente, atacaram, e enfraqueceram, o "evil empire". A começar pelo Google ("don't be evil"). A Microsoft respondeu tarde ao desafio das "buscas" na internet, e o Bing nunca foi representativo nesse mercado. Ainda que tenha sido hábil na aquisição do Hotmail, em 1998, a Microsoft "precificou" errado, e nunca conseguiu aproximar seu serviço da qualidade do Gmail "na nuvem" (apesar das suspeitas de "espionagem" da NSA). Fora tudo isso, a Microsoft menosprezou uma ameça a seu core business ― e o MS Office nunca foi páreo para o Google Docs, e seus desdobramentos, na mesma "nuvem". Ray Ozzie, criador do Lotus Notes, era uma esperança nesse sentido: entrou em 2005, substituindo Bill Gates como Chief Software Architect, mas saiu em 2010. Se apanhou do Google na internet, e da Apple no hardware ― incapaz de prever o mundo pós-PC ―, a Microsoft, surpreendentemente, se saiu bem fabricando consoles de videogame (?) Xbox. Se na virada do milênio, o hardware parecia ter ficado para trás e o futuro parecia do software, a Microsoft, o maior símbolo desse momento ("contra" a IBM), de repente, na década posterior, voltava atrás na sua estratégia: estabanadamente "contra a Apple", tentando competir com o iPod; perdendo terreno para o iPhone (e seu sistema operacional, iOS); e, recentemente, estocando tablets (?). Resumindo a ópera: muita gente boa diz que essas e outras trapalhadas tem um artífice, e que ele atende pelo nome de Steve Ballmer ― um ex-diretor de vendas e marketing da Microsoft que Bill Gates outrora chamou de "alma gêmea", mas que nunca teve a visão do mesmo Gates (que dirá de Steve Jobs). O saldo da "década de Ballmer" é um valor de mercado de menos de 300 bilhões de dólares ― ou seja: menos da metade do que a empresa valia no seu auge. A imagem de que Ballmer errou definitivamente a mão ― ao não saber "posicionar" a Microsoft na era da internet (e dos dispositivos móveis) ― é tão consolidada que, ao anunciar sua saída daqui a 12 meses, o mercado respondeu valorizando as ações da empresa, e enriquecendo o próprio Ballmer em quase 1 bilhão de dólares (a mais). Eis o caso ― curiosíssimo ― de um executivo que vale mais fora do que dentro da empresa. Provavelmente foi a decisão mais acertada da vida de Ballmer. Afinal de contas, sua aposentadoria precoce gerou valor para o acionista da Microsoft. E, em sua defesa, ele poderia alegar que Tim Cook, o sucessor de Jobs, provavelmente não fará muito melhor ― lançando a seguinte provocação: "Quanto a Apple valerá 10 anos depois de Steve Jobs?" ("Já sabemos o que aconteceu com a Apple quando Jobs saiu de lá pela primeira vez...", ele poderia completar.)
>>> If Steve Ballmer Ran Apple
 
Julio Daio Borges
Editor

Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Moderna Plus Literatura Volume Unico
Maria Luiza Abaurre
Modernaplus
(2012)



Leyendas - Cuarta Edicion
Gustavo Adolfo Becquer
Alianza Editorial (madri)
(1984)



As pontes de Madison
Robert James Waller
Planeta
(2003)



A Construção de Algoritmos. Solução de Problemas Numéricos
Antônio Marcos de Lima Araújo
Ciência Moderna
(2017)



O Último Trem para Paris
João Paulo dos Reis Velloso
Nova Fronteira
(1986)



Adoráveis Mulheres Outonais
Maria Helena Gouveia
Gente
(1999)



Gravatas de Pedra. Competencias, Mitos e Herois
Marcelo Marques Galvao
Qualitymark
(2006)



Nunca Recusar Ninguém
Roberto Magini
Amparo Material



Persuasion
Jane Austen
Barne & Noble Classics
(2004)



Mulheres Que Fazem São Paulo
Goimar Dantas; Viviane Pereira
Celebris
(2004)





busca | avançada
68231 visitas/dia
2,5 milhões/mês