O império marítimo português para aquém da cultura | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Rodolpho Parigi participa de live da FAAP
>>> Para fugir de ex-companheiro brasileira dá volta ao mundo com pouco dinheiro
>>> Zé Guilherme encerra série EntreMeios com participação da cantora Vania Abreu
>>> Bricksave oferece vistos em troca de investimentos em Portugal
>>> Projeto ‘Benzedeiras, tradição milenar de cura pela fé’ é lançado em multiplataformas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alívios diamantinos
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Ser intelectual dói
>>> Simone de Beauvoir: da velhice e da morte
>>> Alice in Chains, Rainier Fog (2018)
>>> Distribua você também em 2008
>>> A proposta libertária
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> As fronteiras da ficção científica
Mais Recentes
>>> Com Olhos de Criança de Francesco Tonucci pela Instituto Piaget (1988)
>>> Revista Neuro Educação – Nº 4 – Dormir Bem Para Aprender Melhor de Vários Autores pela Segmento (2015)
>>> de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2018)
>>> Revista Ciência & Vida Psique – Ano 1 – Nº 2 – Psicopedagogia Pra Que? de Vários Autores pela Escala
>>> Revista Crescer em Família – Ano 7 – Nº 74 - Primeiro Ano do Bebê de Vários Autores pela Globo (2000)
>>> Revista Mente e Cérebro – Ano XVI – Nº 197 – As 5 Idades do Cérebro de Vários Autores pela Duetto (2009)
>>> Poder, Política e Partido de A. Gramsci pela Brasiliense (1992)
>>> Gramsci : Cem anos de um pensamento vivo - coleção P&T de J. Luiz Marques e Luiz Pilla Vares (Orgs.) pela Palmarica (1991)
>>> Memórias da Resistência de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2019)
>>> Supercapitalismo Como o capitalismo tem transformado os negócios, a democracia e o cotidiano de Robert B. Reich pela Campus (2008)
>>> Marx Engels - História -Coleção Grandes Cientistas Sociais 36 de Florestan Fernandes (Org.) pela Ática (1983)
>>> Começo de Conversa – Orientação Sexual de Osny Telles Marcondes Machado pela Saraiva (1996)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1999)
>>> Ciclos de Formação Proposta Político-Pedagógica da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 9 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> A dieta dos 17 dias Um método simples para perder barriga de Mike Moreno pela Sextante (2011)
>>> O Especialista em Educação na Perspectiva da Escola Cidadã - Cadernos Pedagógicos 10 de Vários Autores pela SmedPoA (1996)
>>> Dez Leis Para Ser Feliz - Ferramentas par se apaixonar pela vida de Augusto Cury pela Sextante (2008)
>>> Projeto Revista de Educação – Nº 1 - Ano 1 de Vário Autores pela Projeto (1999)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Dicionário do Pensamento Marxista de Tom Bottomore - Editor pela Jorge Zahar (2001)
>>> Um tango para 5 Rainhas de Jony Wolff pela Edição do autor (2018)
>>> O Carvalho de Jorge Carvalho do Nascimento pela Criação (2020)
>>> Os Clássicos da Política vol. 1- Mquiavel-Hobbes-Montesquieu- Rousseau de Francisco C. Welfort (Org.) pela Ática (2006)
>>> Nacionalismos - O estado nacional e o nacionalismo no século XX de Montserrat Guibernau pela Jorge Zahar (1997)
>>> Bibliografia Estudos Sobre Violência Sexual Contra a Mulher:1984-2003 de Kátia Soares Braga - Elise Nacimento (Orgs.) pela Letras Livres - UNB (2004)
>>> O reino de James T. harman pela Restauração (2013)
>>> A importancia da cobertura de Lance Lambert pela Classicos (2013)
>>> O Reino Entre Nós de Não Informado pela O Lutador
>>> Como Realizar a Aprendizagem de Robert M. Gagné pela Mec (1974)
>>> Yoga para a Saúde do Ciclo Menstrual de Linda Sparrowe/ Patrícia Walden pela Pensamento (2004)
>>> Pequenos Segredos da Arte de Escrever de Luiz A. P. Victoria pela Ouro (1972)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1988)
>>> Deus Cristo e Caridade Reformador Revista de Espiritismo Cristão de Federação Espírita pela Federação Espírita (1989)
>>> Paca, Tatú...Contos Infantis de Malba Tahan pela Cruzada da Boa Imprensa (1939)
>>> A Marquesa de Reval de May Logan pela Anchieta (1944)
>>> Camilo Compreendido Tomo 1 e 2 de Gondim da Fonseca pela Martins (1953)
>>> Técnicas de Yoga de Dr.M.L.Gharote pela Phorte (2007)
>>> A Essência da Alma de Sônia Tozzi (psicografia) pela Lúmen (2006)
>>> Minutos de Oração de Legrand (coord) pela Soler (2007)
>>> A Norma Jurídica de Tercio Sampaio Ferraz Jr. E Outros pela Freitas Bastos (1980)
>>> Le Bateau Ivre Análise e Interpretação de Augusto Meyer pela São José (1955)
>>> Franz Kafka Os Filhos Rossmann Bendemann e Samsa de Ruth Cerqueira de Oliveira Röhl pela Universidade de São Paulo (1976)
>>> Fios de Ariadne - Ensaios de interpretação marxista de Centro de Estudos Marxistas pela Universidade de Passo Fundo (1999)
>>> Três Momentos Poéticos de Nelly Novaes Coelho pela Conselho Estadual de Cultura
>>> A Luz Perdida de Murillo Araujo pela Pongetti (1952)
>>> História e Consciência Social de Leôncio Basbaum pela Globo (1985)
>>> Dostoievsky de David Magarshack pela Aster
>>> Asanas de Swami Kuvalayananda pela Phorte (2009)
>>> A Ciência do Yoga de J.K.Taimni pela Teosófica (2006)
>>> Osso no seu Osso indo além da imitação de cristo de F. j. Huegel pela Restauração (2019)
COLUNAS

Segunda-feira, 31/3/2003
O império marítimo português para aquém da cultura
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 9300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

mapa português de navegação (sec. XVI)

Quando estive em Paris, anos atrás, percebi que os franceses falavam, além de sua própria língua, inglês, italiano, espanhol e até alemão. Quanto ao português, parece que havia um descaso pela língua de Camões. Mesmo sendo Portugal um país europeu, não havia interesse por sua língua e nem mesmo por sua cultura. Notei o mesmo problema quando estive em Roma. Isso deve acontecer também em outros países europeus.

Portugal surge para os europeus, pelo que me parece, como um país periférico, que não dever ser levado em consideração, devido a sua cultura irrelevante. Para o resto da Europa, de um ponto de vista cultural, é como um país quase "não europeu" que Portugal se afigura.

No Brasil sempre circulou a idéia de que se tivéssemos sido colonizados por ingleses ou alemães, e não por portugueses, seríamos uma nação de verdade. Portugal e os portugueses, sabemos, são motivo de piada para nós.

Um dos capítulos do livro O império marítimo português, de Charles Boxer, editado pela editora Companhias das Letras, trata dessa característica portuguesa: o desdém pelo universo cultural, artístico e intelectual.

A questão acima citada não vem de hoje. Desde padre Antonio Vieira (1608-1697), um português patriota, Portugal é denominado o "cafre da Europa". A falta de curiosidade intelectual parece ser uma das marcas do português. Segundo Boxer, "humanistas destacados do Renascimento português, como João de Barros, Sá de Miranda e Luís de Camões, afirmaram todos em termos quase idênticos que o sangue e os bens materiais contavam mais do que a instrução e a literatura para os seus compatriotas, tanto na metrópole como no ultramar".

O atraso cultural português é notável historicamente. Segundo Adolfo Coelho, o primeiro filólogo português dos tempos modernos, "entre as classes sociais, em Portugal, as atividades intelectuais e científicas, ou mesmo a simples curiosidade a respeito delas, só vieram a se desenvolver tardia e parcamente, em comparação com outros países".

Giacomo Leopardi chegou ao ponto de dizer que "ninguém pensaria em incluir os espanhóis e os portugueses entre os povos civilizados do mundo". As críticas ao atraso intelectual dos portugueses, devido ao fato histórico de que a educação superior esteve quase toda concentrada nas mãos da Igreja, chegou ao ponto de produzir a idéia de que "os padres reduziram Portugal ao nível intelectual dos negros da África e dos índios da América".

Mais terrível, conclui-se, através das pesquisas de Boxer, que os cléricos portugueses da metrópole e do ultramar tinham um baixo nível intelectual, sendo que a educação propiciada pelos jesuítas não acompanhou o ritmo da expansão do conhecimento e da fermentação de idéias do século XVII, tornando-se formalista, pedante e conservadora. Seus objetivos educacionais, que impediam a emancipação intelectual, não ultrapassavam os limites da mais estrita ortodoxia católico-romana.

Segundo Boxer, "tanto professores como alunos em geral eram desestimulados a cultivar juízo crítico independente, ou avançar proposições que não estivessem em tudo apoiadas em fontes autorizadas e reconhecidas, ou que pudessem pôr em dúvida a autoridade e os princípios filosóficos de Aristóteles e São Tomás de Aquino. (...) A ênfase nos estudos clássicos era um dos aspectos do humanismo adotado pelos jesuítas, mas o cultivo entusiástico do latim não os levou a aceitar as idéias filosóficas gregas ou romanas que pudessem se contrapor ao cristianismo católico romano ortodoxo, como definido pelo concílio de Trento."

Foi, inclusive, o ramo português da Inquisição que promulgou a primeira lista de livros proibidos em 1547, sucessivamente aumentada nas edições posteriores, culminando com uma extrema abrangência em 1624. A perseguição aos livros foi uma prática constante, quando não só autores portugueses heréticos ou livre-pensadores eram perseguidos, mas também a importação de livros era cuidadosamente controlada por fiscais encarregados pelo Santo Ofício de receber todos os navios que chegavam e pela inspeção periódica nas livrarias e bibliotecas. Conclusão, a idéia única da Igreja e do Estado foi proibir todos os livros estrangeiros, excetos os de direito canônico, hagiografia e de outros assuntos inofensivos.

Está ai uma das explicações para o fracasso do Renascimento em Portugal. Segundo Boxer, "a imposição de controle tão rígido e eficaz na publicação e circulação de livros, a força permanente da ortodoxia religiosa portuguesa (Portugal foi o único país que aceitou de imediato e sem hesitação todas as decisões finais do Concílio de Trento), a índole naturalmente conservadora do povo - todos esses fatores ajudam a explicar por que o Renascimento teve um florescimento relativamente tão breve em Portugal". Com o poder dos jesuítas e da Inquisição, os ideais erasmianos que floresceram modestamente nas cortes de dom Manuel I e Dom João III foram abandonados em 1580.

Quando sabemos, segundo Boxer, que "nenhuma cultura nacional pode ter crescimento saudável e contínuo sem ser periodicamente fertilizada por uma inspiração e por idéias recentes vindas do exterior", imaginamos o quão provinciano o Estado e a sociedade portuguesa se tornaram. Para exemplificar, enquanto "as descobertas científicas e as idéias filosóficas de Galileu, Bacon, Descartes, Newton, Hobbes, Leibnitz estavam sendo livremente discutidas no Norte da Europa e Itália, os jesuítas de Portugal (assim como os da Espanha) recusavam-se a difundi-las em suas aulas e proibiram expressamente a sua discussão até 1746."

Por isso os portugueses não aproveitaram adequadamente as descobertas científicas para os quais seus navegadores dos séculos XV e XVI haviam dado contribuições tão notáveis. Na feliz avaliação de Boxer, "de pioneiros na vanguarda da teoria e da prática da navegação, os portugueses passaram a retardatários que prosseguiam na retaguarda."

Não só no pensamento português se nota o atraso. Também no universo da arte a coisa caminha na mesma direção. "Uma vez que a influência eclesiástica era tão forte em todas as esferas da educação, durante séculos a pintura portuguesa consagrou-se quase inteiramente à representação de temas religiosos, sendo os retratos laicos muito raros e as paisagens, praticamente desconhecidas". Sendo os patronos das artes os homens da Igreja, somente a pintura religiosa existiu, tanto em Portugal como no Brasil (e não vamos comparar aqui a arte brasileira com a italiana, para não nos envergonharmos: seria covardia comparar o escultor, arquiteto, poeta e pintor Michelângelo com nosso minúsculo Aleijadinho; ou nossa arquitetura de caixinhas de fósforo - de Minas e do nordeste - com a sublime arquitetura européia).

Portugal tratava desdenhosamente os pintores como seres de baixo status social. Francisco de Holanda, amigo português de Michelângelo, queixava-se amargamente da falta de patrocínio dos aristocratas emburrecidos de sua época. Talvez por isso na arte portuguesa não exista um nome como o de Da Vinci, como no Brasil também não o há.

Para além desta questão da mediocridade intelectual dos portugueses, o livro de Charles Boxer trata de forma significativa de várias outras questões. A principal, sem dúvida, a questão dos descobrimentos. Adam Smith escreveu que "a descoberta da América e a da passagem para as Índias orientais, através do cabo da Boa Esperança, são os dois maiores e mais importantes acontecimentos de que se tem registro na história da humanidade". Essa importância, assinala Boxer, também foi dada por Francisco López de Gómara, cronista espanhol, que descrevia os descobrimentos como "o maior acontecimento desde a criação do mundo, depois da encarnação e da morte Daquele que o criou". E em se tratando de descobrimentos, Portugal foi um dos pioneiros "que uniram, para melhor e para pior, os ramos enormemente diversificados da grande família humana".

E quem eram esses descobridores portugueses que abriram o caminho "por mares nunca dantes navegados"? Boxer responde: "Uma nobreza e uma fidalguia turbulentas e traiçoeiras; um clero ignorante e lasso; camponeses e pescadores trabalhadores, mas imbecis; e uma ralé urbana de artífices e empregados diaristas, como a plebe lisboeta descrita pelo maior dos romancistas portugueses, Eça de Queiroz, como "beata, suja e feroz"; tais eram as classes sociais de que advieram os descobridores pioneiros".

Sim, caro leitor, não adianta se assustar, pois foram eles que fundaram a nação que hoje chamamos, sem muita alegria e com pouca honra, de Brasil.

O livro de Boxer é grande, no sentido de uma história total. Trata com competência de questões relativas à economia, política, cultura e mentalidades. Prática abandonada pelos historiadores contemporâneos, que tratam de forma fragmentada e desconexa questões como gênero, mentalidades, política, economia, costumes, etc.; não conseguindo conectar instâncias variadas da cultura histórica, o que é necessário a uma reflexão mais profissional da história, os historiadores contemporâneos tornaram-se superficiais.

O trabalho de Boxer faz parte daquele costume antigo, que consistia em permitir aos pensadores que seus trabalhos amadurecessem em paz e que só depois do amadurecimento completo viessem a público. O contrário do que acontece hoje, quando um excesso de publicações que nada têm a acrescentar insiste em vir à público.

O livro O império marítimo português nos faz sentir saudades das reflexões sobre a história, quando teses não eram feitas a toque de caixa, ao sabor do tempo exigido pelas agências de fomento à pesquisa, para serem esfriadas como cadáveres solitários em gavetas de bibliotecas universitárias jamais visitadas pela sociedade. Talvez porque não mereçam mesmo serem visitadas.

Para ir além





Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 31/3/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As pedras de Estevão Azevedo de Wellington Machado
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
03. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
04. Malcolm, jornalismo em quadrinhos de Luís Fernando Amâncio
05. Afinidade, maestria e demanda de Fabio Gomes


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2003
01. Felicidade: reflexões de Eduardo Giannetti - 3/2/2003
02. Entrevista com o poeta Augusto de Campos - 24/3/2003
03. John Fante: literatura como heroína e jazz - 21/7/2003
04. Os Dez Grandes Livros - 15/10/2003
05. O Fel da Caricatura: André de Pádua - 3/3/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/4/2003
11h51min
Hmmm.... o fato de Charles Boxer ter sido inglês talvez indique, em parte, pelo menos, as razões de ele ter temperado as viagens ultramarinas portuguesas, os escritos de Camões, João de Barros e outros, com um tempero tão amargo, azedo e indigestivo.
[Leia outros Comentários de Regina Igel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONHECEREIS A VERDADE E A VERDADE VOS LIBERTARÁ
THEREZINHA BITTENCOURT E VITOR LIMA RAIMUNDO
ODORIZZI
(2011)
R$ 10,00



TEM AQUELA DO...
CHICO ANÍSIO
CÍRCULO DO LIVRO
(1978)
R$ 8,38



SOMBRAS QUE ASSOMBRAM - O EXPRESSIONISMO NO CINEMA ALEMÃO
SESC
SESC
(2013)
R$ 7,27



NOVAS GEOPOLÍTICAS
JOSÉ WILLIAM VESENTINI
CONTEXTO
(2011)
R$ 18,00



PROSPERIDADE EM 42 DIAS
HUMBERTO PAZIAN
BUTTERFLY
(2008)
R$ 19,00



FILHOTES - OS CUIDADOS NOS PRIMEIROS ANOS DE VIDA DO SEU CÃO
SCOTT MILLER
MANOLE
(2008)
R$ 25,00



EXEGESE DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL-04 VOLUMES-CRÍTICA-INTER-JUR 9429
ANTONIO PEREIRA BRAGA
MAX LIMONAD
R$ 143,00



OS SEIS LIVROS DA REPÚBLICA - LIVRO SEGUNDO - 1ª EDIÇÃO
JEAN BODIN
ÍCONE
(2011)
R$ 34,95



O CRIME DO PADRE AMARO
EÇA DE QUEIRÓS
W. BUCH
(2009)
R$ 14,90



OS EXTRATERRESTRES - OS PRIMEIROS POVOADORES DA TERRA ?
HEBER CASAL SÁENZ
PLANETA
(2005)
R$ 12,90





busca | avançada
64948 visitas/dia
2,1 milhões/mês