Máquinas inteligentes | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/4/2003
Máquinas inteligentes
Urariano Mota

+ de 2900 Acessos

Em artigo recente na Folha de São Paulo, sob o título de Ciência e Moralidade, o físico Marcelo Gleiser escreveu que “no início do século 21, a clonagem e a possibilidade de construirmos máquinas inteligentes prometem até mesmo uma redefinição do que significa ser humano. Na medida em que será possível desenhar geneticamente um indivíduo ou modificar a sua capacidade mental por meio de implantes eletrônicos, onde ficará a linha divisória entre homem e máquina, entre o vivo e o robotizado? ...”, e mais adiante, ao fim, “no futuro não muito distante, teremos de lidar com o que significa ter uma máquina que pensa...”. Importa-nos por ora o que transcende, no citado artigo, o mundo das ciências que se chamavam de exatas.

Freqüentes vezes, e tão freqüentes que de um ponto de vista estatístico poderíamos dizer sempre, cientistas fracassam quando tentam ir mais longe do que lhes autoriza seu trabalho em áreas especializadas. Nem é preciso lembrar Laplace, que ao fim de uma demonstração matemática concluiu que Deus existe. Bastaria lembrar a concepção em voga no início do século XX de que nada mais havia a descobrir no mundo da física. Foi preciso que um filósofo lhes puxasse as orelhas, ao expor o luminoso pensamento de que “a realidade é inesgotável”. Puxão que pareceria de um bruxo, de tal maneira as descobertas posteriores só vieram e vêm a lhe comprovar o acerto, se não se fundasse em algo mais histórico, portanto mais humano, do que as limitadas relações de fatos pesquisados. O espaço breve deste artigo, para não dizer a (in)competência intelectual de quem lhes fala, impede o aprofundamento da exposição dos erros da ciência física que ambiciona a totalidade.

De passagem, anotemos que poetas, escritores, por vezes têm sido mais brilhantes descobridores que os próprios cientistas. A passagem não-linear do tempo, por exemplo, a retomada de acontecimentos idos sem que se entre numa artificial e artificiosa máquina do tempo, encontrou sua acabada expressão no romance de Marcel Proust. A fina lâmina que separa o prazer do sofrimento, verso de um soneto de Shakespeare, antecipa em séculos o conhecimento da ação das drogas sobre um dependente. A Metamorfose, de Kafka, é mais eloqüente, e eterna, que o melhor tratado sobre relações familiares, ao narrar o trato que a família dá a seus excluídos. Goethe, em Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister, alcança as modernas teorias pedagógicas, ao realizar um romance que é uma teoria do conhecimento encarnada. (“Não é obrigação do educador de homens preservá-los do erro, mas orientar o errado; a sabedoria dos mestres está em deixar que o errado sorva de taças repletas o seu erro”). Diríamos que os exemplos se sucedem ao infinito, se a palavra infinito não trouxesse um cheiro de sucessão numérica. Digamos então: esses exemplos, pinçados ao acaso na lembrança, já não insinuam que melhor acertam os criadores das artes porque não amesquinham o objeto que estudam?

Dizendo de outra maneira: incorre também em amesquinhamento, em portanto fragoroso erro, o cientista que eleva coisas à altura do homem. E esta crítica que fazemos não é um simples imperativo moral. Ou um bater de pés birrento para berrar contra o que por força vem. Esta crítica, permitam o abuso da palavra, é ciência. Pois o que viria a ser uma “máquina pensante”? – Ora, aquela máquina que raciocinasse, que tomasse decisões, conversasse, e escrevesse ela própria este artigo. Isto significa que essa máquina relacionaria fatos de sua própria história, perdão, queremos dizer, organizaria os dados gravados em sua memória, perdão, queremos dizer, ordenaria dados em seu arquivo, e desses dados arquivados tiraria conclusões, perdão, geraria um novo dado que não estava gravado, e desse novo produziria ações, perdão, optaria, perdão, daria manifestação absolutamente imprevisível, vale dizer, manifestaria o que não estava programado.

Ou seja, a máquina pensante é um produto que se autoconstrói, que se faz a si mesma. Vale dizer, ainda, a máquina pensante é, ela própria, uma criadora de outra máquina. E essa reprodução não é aquela de dois espelhos frente à frente. Ela se reproduziria melhor do que se produziu, mas à margem da história, das relações com o ambiente físico: ela seria um abstrato ideal numa sala ideal, sala solta, suspensa, num espaço tão ideal que se tornaria vazio. Compreendam, isto não é um paradoxo. Isto é uma abstração oca do conhecimento do fenômeno humano. Lembra uma projeção bárbara. À antiga divinização do homem, ao presente antropomorfismo dos deuses, põe-se em seu lugar a espera de uma humanização dos circuitos integrados. É qualquer coisa mais que bárbaro.

Lá no fim do seu artigo, o professor Marcelo concede, ao escrever, “no futuro não muito distante, teremos de lidar com o que significa ter uma máquina que pensa ou, mais realisticamente, uma máquina tão veloz que simula o pensamento.”. Esta é a concessão de quem antes esperou tudo, de quem esperou o impossível, mas agora se satisfaz com o que lhe parece razoável. Concede em receber em lugar da máquina realmente pensante uma simulação, ele quer dizer, uma imitação de pensamento.

Se fosse possível uma evolução das máquinas, se pensarmos nas máquinas desde a maquininha de calcular de Pascal, a coisa mais natural, perdão, a coisa mais maquinal seria um inteligentíssimo micro que usasse todos nós, idiotas humanos, para executar as aborrecidas tarefas de somar, multiplicar e dividir números. Vale dizer, alcançaríamos uma inversão de piada. Mas no reino das possibilidades que se materializam, há problemas, se não me engano em razão de falhas dos meus próprios circuitos. Num curto, queremos dizer: o que seria essa imitação do pensamento? Executar operações maçantes, trabalhosas, que demandam tempo sem acrescentar um mínimo de criação à tarefa? – Não, isto já se faz, e nem em pensamento poderia ser um. O quê, então?

Para não cair numa enfiada retórica, numa imitação miserável de Vieira, imaginemos o que seria a máquina de imitar pensamentos: ela seria aquela que imitasse a reflexão, o voltar ao passado, para dele extrair, ver o que antes não vira, concluir, antever, criar e criar-se. Sentimos, neste passo, que descrevemos ações do pensamento apenas, a natureza mesma da imitação ainda não. Apenas descrevemos o modelo a ser copiado. Seria algo que reproduzisse o já feito? Não falo de fotografia, falo de algo que reproduzisse o processo de “fabricar” a Mona Lisa. Seria isto? Permitam: um clone de Da Vinci em chips coordenados e autônomos? Perdão, pois a nossa intenção não é a de fazer rir. Sejamos então mais primários: deveríamos ter um objeto que reproduzisse o processo de a partir de duas informações conhecidas gerar uma terceira, até então desconhecida. Mas isto ainda não é o reproduzir, porque seria uma coordenação típica do pensamento. Então voltemos: a imitação do pensamento, para ser imitação, seria a reprodução de processos realizados fora da máquina. Mas para que isto se desse, é imperioso que conhecêssemos antes como, de que forma, isto se dá. Teríamos portanto que estudar mais o homem, no governo do homem, para o homem e pelo homem.

E para isto jamais seremos, como espécie, obsoletos. Somos imprescindíveis para nossa superação, para nós mesmos. Somente para o amesquinhamento somos dispensáveis.


Urariano Mota
Olinda, 4/4/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vespeiro silencioso: "Mayombe", de Pepetela de Renato Alessandro dos Santos
02. Aula de Português I: texto X gramática de Marcelo Spalding
03. Pequenos combustíveis para leitores e escritores. de Guilherme Pontes Coelho
04. Exógeno & Endógeno de Guilherme Pontes Coelho
05. Jornalismo domina Feira do Livro de Ribeirão de Luiz Rebinski Junior


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS MELHORES CONTOS
RUBEM BRAGA
GLOBAL
(1985)
R$ 9,90



NUNCA PARE DE LUTAR
LUDMILA FERBER
THOMAS NELSON
(2012)
R$ 10,00



MADAME BOVARY
GUSTAVE FLAUBERT
MARTIN CLARET
(2015)
R$ 10,00



MÁXIMAS E MÍNIMAS DO BARÃO DE ITARARÉ
BARÃO DE ITARARÉ
RECORD
(1986)
R$ 15,00



UMA MULHER ADORADORA
DEE BRESTIN
BV BOOKS
(2010)
R$ 5,00



DIDÁTICA E EPISTEMOLOGIA
MARIA DA PENHA VILLALOBOS
GRIJALBO
(1969)
R$ 12,00



IRONIA - FRASES SOLTAS QUE DEVERIAM SER PRESAS
JOSÉ FRANCISCO DE LARA
CÓCEGAS
(2005)
R$ 6,30



ITALIAN FOLK TALES
ITALO CALVINO
PENGUIM BOOKS
(1982)
R$ 50,00



ADOBE ILLUSTRATOR CS4
ADOBE CREATIVE TEAM
BOOKMAN COMPANHIA ED
(2010)
R$ 39,00



FRANGÓ (UM BOTECO DE ALMA PRÓPRIA)
RICARDO CASTILHO
TEXTO & DESIGN
(2005)
R$ 14,00





busca | avançada
44847 visitas/dia
1,1 milhão/mês