Máquinas inteligentes | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Vamos comer Wando - Velório em tempos de internet
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
Mais Recentes
>>> Bipolar: Memórias de Extremos de Terri Cheney pela Larousse (2008)
>>> O Psicótico: Aspectos da Personalidade de David Rosenfeld pela Vozes (1993)
>>> O Efeito Sombra de Deepak Chopra pela Lua de Papel (2010)
>>> Dicionário Técnico de Psicologia de Álvaro Cabral pela Cultrix (1997)
>>> Gerações: Mal-entendimento e Verdades Históricas de Haydée Faimberg pela Sp (2001)
>>> Aspectos Clínicos do Desenvolvimento na Infância e Adolescência de Melvin Lewis pela Artes Medicas (1993)
>>> Teoria Psicanalítica das Neuroses de Fenichel pela Atheneu
>>> Adolescência: Uma Interpretação Psicanalítica de Peter Blos pela Martins (1994)
>>> Introdução á Metapsicologia Freudiana - 3 Volumes de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Jorge Zahar (1991)
>>> Psicologia da Conduta de José Bleger pela Artes Medicas (1984)
>>> Sol Nas Almas de Waldo Vieira pela Boa Nova (2010)
>>> Como Freud Trabalhava de Paul Roazaen pela Companhia das Letras (1999)
>>> Não é Fácil Ser Jovem de Rando Kim pela Sextante (2013)
>>> Crônicas do Mundo aos Revés de Flávio Aguiar pela Boitempo (2011)
>>> Guia de Bolso do Gerente de Stephen G. Haines pela Hrd (2002)
>>> Neuromarketing de Alex Born pela Uprema (2007)
>>> Aline 2: TPM - Tensão Pré Monstrual de Adão Iturrusgarai pela LPM Pocket (2007)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Pioneiro (2000)
>>> O Mala de Mario Kostzer pela BelasLetras (2011)
>>> Pergunte a Alice de Cristina Barczinsky pela Record (1971)
>>> A Queda de Diogo Mainardi pela Record (2012)
>>> Os Quinzes Anos de Carol de Patricia de Freitas Barboza pela Rbg (2002)
>>> Revista Brasileira de Psicoterapia Volume 6 N. 1 de Dpml pela Dpml (1999)
>>> Dez Quase Amores de Claudia Tajes pela Lpm (2001)
>>> Homens São de Marte Mulheres São de Vênus de John Gray pela Rocco (1997)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/4/2003
Máquinas inteligentes
Urariano Mota
+ de 3800 Acessos

Em artigo recente na Folha de São Paulo, sob o título de Ciência e Moralidade, o físico Marcelo Gleiser escreveu que “no início do século 21, a clonagem e a possibilidade de construirmos máquinas inteligentes prometem até mesmo uma redefinição do que significa ser humano. Na medida em que será possível desenhar geneticamente um indivíduo ou modificar a sua capacidade mental por meio de implantes eletrônicos, onde ficará a linha divisória entre homem e máquina, entre o vivo e o robotizado? ...”, e mais adiante, ao fim, “no futuro não muito distante, teremos de lidar com o que significa ter uma máquina que pensa...”. Importa-nos por ora o que transcende, no citado artigo, o mundo das ciências que se chamavam de exatas.

Freqüentes vezes, e tão freqüentes que de um ponto de vista estatístico poderíamos dizer sempre, cientistas fracassam quando tentam ir mais longe do que lhes autoriza seu trabalho em áreas especializadas. Nem é preciso lembrar Laplace, que ao fim de uma demonstração matemática concluiu que Deus existe. Bastaria lembrar a concepção em voga no início do século XX de que nada mais havia a descobrir no mundo da física. Foi preciso que um filósofo lhes puxasse as orelhas, ao expor o luminoso pensamento de que “a realidade é inesgotável”. Puxão que pareceria de um bruxo, de tal maneira as descobertas posteriores só vieram e vêm a lhe comprovar o acerto, se não se fundasse em algo mais histórico, portanto mais humano, do que as limitadas relações de fatos pesquisados. O espaço breve deste artigo, para não dizer a (in)competência intelectual de quem lhes fala, impede o aprofundamento da exposição dos erros da ciência física que ambiciona a totalidade.

De passagem, anotemos que poetas, escritores, por vezes têm sido mais brilhantes descobridores que os próprios cientistas. A passagem não-linear do tempo, por exemplo, a retomada de acontecimentos idos sem que se entre numa artificial e artificiosa máquina do tempo, encontrou sua acabada expressão no romance de Marcel Proust. A fina lâmina que separa o prazer do sofrimento, verso de um soneto de Shakespeare, antecipa em séculos o conhecimento da ação das drogas sobre um dependente. A Metamorfose, de Kafka, é mais eloqüente, e eterna, que o melhor tratado sobre relações familiares, ao narrar o trato que a família dá a seus excluídos. Goethe, em Os Anos de Aprendizado de Wilhelm Meister, alcança as modernas teorias pedagógicas, ao realizar um romance que é uma teoria do conhecimento encarnada. (“Não é obrigação do educador de homens preservá-los do erro, mas orientar o errado; a sabedoria dos mestres está em deixar que o errado sorva de taças repletas o seu erro”). Diríamos que os exemplos se sucedem ao infinito, se a palavra infinito não trouxesse um cheiro de sucessão numérica. Digamos então: esses exemplos, pinçados ao acaso na lembrança, já não insinuam que melhor acertam os criadores das artes porque não amesquinham o objeto que estudam?

Dizendo de outra maneira: incorre também em amesquinhamento, em portanto fragoroso erro, o cientista que eleva coisas à altura do homem. E esta crítica que fazemos não é um simples imperativo moral. Ou um bater de pés birrento para berrar contra o que por força vem. Esta crítica, permitam o abuso da palavra, é ciência. Pois o que viria a ser uma “máquina pensante”? – Ora, aquela máquina que raciocinasse, que tomasse decisões, conversasse, e escrevesse ela própria este artigo. Isto significa que essa máquina relacionaria fatos de sua própria história, perdão, queremos dizer, organizaria os dados gravados em sua memória, perdão, queremos dizer, ordenaria dados em seu arquivo, e desses dados arquivados tiraria conclusões, perdão, geraria um novo dado que não estava gravado, e desse novo produziria ações, perdão, optaria, perdão, daria manifestação absolutamente imprevisível, vale dizer, manifestaria o que não estava programado.

Ou seja, a máquina pensante é um produto que se autoconstrói, que se faz a si mesma. Vale dizer, ainda, a máquina pensante é, ela própria, uma criadora de outra máquina. E essa reprodução não é aquela de dois espelhos frente à frente. Ela se reproduziria melhor do que se produziu, mas à margem da história, das relações com o ambiente físico: ela seria um abstrato ideal numa sala ideal, sala solta, suspensa, num espaço tão ideal que se tornaria vazio. Compreendam, isto não é um paradoxo. Isto é uma abstração oca do conhecimento do fenômeno humano. Lembra uma projeção bárbara. À antiga divinização do homem, ao presente antropomorfismo dos deuses, põe-se em seu lugar a espera de uma humanização dos circuitos integrados. É qualquer coisa mais que bárbaro.

Lá no fim do seu artigo, o professor Marcelo concede, ao escrever, “no futuro não muito distante, teremos de lidar com o que significa ter uma máquina que pensa ou, mais realisticamente, uma máquina tão veloz que simula o pensamento.”. Esta é a concessão de quem antes esperou tudo, de quem esperou o impossível, mas agora se satisfaz com o que lhe parece razoável. Concede em receber em lugar da máquina realmente pensante uma simulação, ele quer dizer, uma imitação de pensamento.

Se fosse possível uma evolução das máquinas, se pensarmos nas máquinas desde a maquininha de calcular de Pascal, a coisa mais natural, perdão, a coisa mais maquinal seria um inteligentíssimo micro que usasse todos nós, idiotas humanos, para executar as aborrecidas tarefas de somar, multiplicar e dividir números. Vale dizer, alcançaríamos uma inversão de piada. Mas no reino das possibilidades que se materializam, há problemas, se não me engano em razão de falhas dos meus próprios circuitos. Num curto, queremos dizer: o que seria essa imitação do pensamento? Executar operações maçantes, trabalhosas, que demandam tempo sem acrescentar um mínimo de criação à tarefa? – Não, isto já se faz, e nem em pensamento poderia ser um. O quê, então?

Para não cair numa enfiada retórica, numa imitação miserável de Vieira, imaginemos o que seria a máquina de imitar pensamentos: ela seria aquela que imitasse a reflexão, o voltar ao passado, para dele extrair, ver o que antes não vira, concluir, antever, criar e criar-se. Sentimos, neste passo, que descrevemos ações do pensamento apenas, a natureza mesma da imitação ainda não. Apenas descrevemos o modelo a ser copiado. Seria algo que reproduzisse o já feito? Não falo de fotografia, falo de algo que reproduzisse o processo de “fabricar” a Mona Lisa. Seria isto? Permitam: um clone de Da Vinci em chips coordenados e autônomos? Perdão, pois a nossa intenção não é a de fazer rir. Sejamos então mais primários: deveríamos ter um objeto que reproduzisse o processo de a partir de duas informações conhecidas gerar uma terceira, até então desconhecida. Mas isto ainda não é o reproduzir, porque seria uma coordenação típica do pensamento. Então voltemos: a imitação do pensamento, para ser imitação, seria a reprodução de processos realizados fora da máquina. Mas para que isto se desse, é imperioso que conhecêssemos antes como, de que forma, isto se dá. Teríamos portanto que estudar mais o homem, no governo do homem, para o homem e pelo homem.

E para isto jamais seremos, como espécie, obsoletos. Somos imprescindíveis para nossa superação, para nós mesmos. Somente para o amesquinhamento somos dispensáveis.


Urariano Mota
Olinda, 4/4/2003

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Conte a sua versão da história, uai de Ana Elisa Ribeiro


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tabelas Estatísticas para Biologia Medicina e Agricultura
Fisher e Yates
Polígono
(1971)



Livro - Do Espírito Geométrico-pensamentos: Grandes Obras do Pensamento-61
Blaise Pascal
Escala
(2006)



Cuidando do Seu Planeta - Eca! o Lixo
Ciranda Cultural
Ciranda Cultural
(2010)



Rota dos Amantes
Roberto Brant Campos
Asadepapel
(2012)



No Fundo do Rio Amazonas
Glorinha Novaes
Melhoramentos
(1986)



Ler e Escrever, Muito Prazer!
Beatriz Cardoso e Madza Ednir
Atica
(2002)



How We Believe, 2nd Edition: Science, Skepticism, and the Search
Michael Shermer
Holt Paperbacks
(2003)



Namoro Relacao de Amor e Sexo 2ªed
Flavio Gikovate
Moderna
(1997)



Por um Fio
Drauzio Varella
Cia das Letras
(2004)



O País dos Mexíveis
Carlos Eduardo Novaes
Nordica
(1990)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês