As Pérolas Que Eram Teus Olhos | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 14/5/2003
As Pérolas Que Eram Teus Olhos
Alessandro Silva

+ de 3400 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O SESI Av Paulista está homenageando a cultura negra em uma exposição de suas obras de arte. A coisa em si está bacana, bem arranjada, e as paredes estão decoradas por poemas. A mostra não pretende nada além de criar um ambiente caseiro para que os negros sintam-se mais fortes. Com efeito, as obras são de fatura clássica, e eu diria mesmo artesanal.

Duas coisas.

Primeiro, não há razões suficientes do ponto de vista do espírito para que as obras pertencentes a um certo povo sejam categorizadas. Se entre as máscaras de madeira tivéssemos posto uma obra daquele Picasso de vinte anos influenciado pela escultura negra, a coisa passaria sem ser notada. Sabemos que Picasso foi um homem branco, ocidental, careca e machista: portanto, biologicamente ( para usar um advérbio de fatura pedante ) um ser universal.

Isso é como pensar em literatura gay.

A CULT deve ser a revista responsável pela criação filosófico-estética dessa categoria, pois há dois ou três meses atrás trazia esse assunto como reportagem de capa. ( E depois falam que a irrealidade não existe ).

Jean Cocteau, Marcel Proust, Oscar Wilde, André Gide e Jean Genet não foram literatos gays, mas sim "homens" brancos, ocidentais, europeus, escrevendo acerca de emoções universais, que tanto o chinês, como o angolano, como o argentino tem. A faceta boa da grande arte é que ela é universal. Enganou-se Nabokov na histórica entrevista à Paris Review quando sugeriu que uma emoção presente em todos os povos deveria ser investigada empiricamente. Ora, porque complicar? Dorian Gray está desesperado com o tempo porque terá sua beleza roubada; igualmente o tempo é matéria para uma multidão de sonetos de Shakespeare. Desesperar-se com o tempo destruindo a beleza é privilégio de um tipo de homem, e propriamente do homem ocidental?

"Suave é a Noite" trata de um exuberante psiquiatra idealista derrotado pelo álcool. Essa situação é passível de acometer apenas brancos ocidentais ou japoneses e russos não padecem desse vício?

"Os Prêmios", do escritor argentino Julio Cortazar trata de homens amotinados num navio durante um cruzeiro. Amotinar-se diante de um mistério é privilégio de brancos?

Se a literatura trata de sentimentos universais, não existe algo como "literatura negra" e muito menos "literatura gay".

Com efeito, o que seria literatura gay? Seriam escritores gays tratando de situações encontradas por gays?

Gays não amam, não lastimam a passagem do tempo e não podem ser vítimas do vício? Esses conflitos não são centrais em suas vidas?

Não há literatura gay, não existe escritor gay e vamos fazer de conta que "literatura gay" não foi algo cunhado pela revista CULT de dois ou três meses atrás para vender mais revistas.

( O problema é que a polêmica gerada por esses termos é tão dispendiosa e gartuita! )

Mas falávamos da exposição de arte produzida pela cultura negra.

Não precisa nem ser um Picasso entre aquelas; pode ser um Modigliani. Quem mais universal que ele que da pintura renascentista herdou a elegância dos pescoços e cabeças alongados, da escultura grega a palidez dos olhos e da arte negra o aspecto escultórico das máscaras?

Curadoria em negócios de arte é algo que não deveria existir. Aliás, ficaria melhor ( e mais autêntico ) se as sociedades adotassem uma forma mais primitiva de dar-se com o artista, sacrificando-o depois de um tempo de criação ( e para que não comece a se repetir, como Salvador Dali )como um bruxo e bebendo seu sangue em honra à natureza. Aliás, inclino-me a pensar que a feitiçaria é mais desembaraçada do que os sindicatos de trabalhadores.

Isso de organizar arte por nação, língua, credo, cultura, gene, DNA, pigmentação dos tecidos ( boa essa não? ) só pode ser coisa de gente preconceituosa. É como se antes de entrarmos num diálogo carimbássemos a testa do indivíduo de acordo a subclassificação aristotélica da categoria bípede em gênero, espécie e grau a que pertence. Os curadores do SESI não passam então de caras sádicos que muito hipocritamente fazem questão de expor cultura negra?

Enquanto caras como Picasso diziam:

- Quando visitei o museu do Trocadero, compreendi que a humanidade havia matado a arte.

Porque "matou"? Porque os objetos de arte são feitos para conviver com os indivíduos.

Alguma coisa está errada quando nem sequer sabemos - nós, na condição de brasileiros - o nome das duas senhoras que vão nos representar na próxima Bienal, em Veneza.

E aqui chegamos ao segundo ponto de que eu gostaria de tratar.

Toda a questão da alienação da arte em relação a sociedade prende-se a outra questão mais profunda: o grau de desenvolvimento ( ou de pedantismo ) a que essa chegou.

O filósofo romeno Emil Cioran, falecido em 1998, ao mencionar a "nossa" arte, usou o termo "esquizofrenia". Com isso, ele se referia ao status do artista. Jackson Pollock evocava seus oráculos para produzir num estado de transe; Francis Bacon criava a partir do álcool e das drogas, cultivando uma angústia deveras bizarra. E esses fatos tornam a nossos olhos o artista mais admirado: sua vida, as transgressões coisa e tal.

Em termos de arte, há mais dela em qualquer exposição dessas que acontecem no SESI do que em qualquer Bienal. Com efeito, a arte de fatura clássica é ainda muito difundida e também apreciada pelo público comum: e esse é o divisor de águas. Pois a arte moderna não consegue agradar os "sentidos educados tradicionalmente". Na realidade, a contradição, está presente em nós mesmos. Eu mesmo senti-me profundamente dividido na mostra de arte do SESI, tendendo ao respeito e ao sarcasmo.

Quando me deparei com "Doze Espaços Com Nuvens", de fatura clássica e meio surrealista, tendi à reverência; mas quando me deparei com "São Domingo de Gusmão", coisa maneirista, barroca, identificando o cão cuja a cabeça era a de um jovem branco e as orelhas seus cabelos lisos empastelados, diante dessa figura senti-me então inclinado à zombaria.

Para os sentidos de um jovem artista sério, deixar de produzir arte com pincel é deveras tolo, pois sem o pincel, os "arranjos", as "disposições" ou "instalações" produzidas com outros materiais dificilmente são finais.

Porque será que Picasso não se decidiu pela mais evoluída Arte Abstrata depois de sua fase mais crucial do cubismo analítico? Depois que havia introduzido todo tipo de material em sua tela alimentando-a com meios espúrios? Se Picasso teve necessidade de retornar ao desenho, ele que fartou-se da tarefa desde criança, então algo está errado com a arte moderna, que pode assumir o nome que quisermos, abstrata, não-figurativa ou pós-moderna: algo está errado com o fazer moderno da arte. E é aqui que nos cabe uma conclusão.

Se a arte hoje perdeu o respeito por suas ferramentas abandonando seu público é justo que seu público a abandone: daí não vermos interesse por noventa e nove por cento dos bípedes racionais e naquilo que denominamos "arte moderna" ( as piadas que partem dos salões são mais interessantes muitas vezes que a arte: bom esse vinho não? ).

É que a arte hoje está demasiado engajada na luta política. Até Siron Franco, com toda a Amazônia diante de si para matá-lo asfixiado de tanto oxigênio e exuberância, faz "arte ecológica". Os materiais empregados pelos jovens artistas são "reciclados"; estão "reaproveitando o lixo utilizado no planeta": são os serventes sofisticados bancando os espertalhões. E isso para gente comum, que gosta de bife e ervilhas com azeite não passa de basbaquice.

Com efeito, criou-se um círculo tão fechado de admiração pela arte quanto o formado pelos velhos anacrônicos em torno do xadrez no Clube Paulista. De tal modo que a arte ganhou a importância de uma coleção de tampinhas.

Como um pouquinho de machismo não pode ser muito prejudicial, quero dizer, juntamente com as pessoas que gostam de bifes acebolados e ervilhas: ora, deixe de frescura rapaz! O que nós, os verdadeiros amantes da arte, nós os que admiramos a linha Cézanne-Picasso-Bacon - por extensão, senão a arte completamente figurativa, mas a que é grata às possibilidades do desenho - o que devemos fazer é dar uns chacoalhões nessa pivetada estudada empoleirando-se em bienais. Pois não há coisa mais chata do que artista explicando sua obra: nisso conseguem ser mais superficiais que os estilistas.

Quanto à exposição do SESI, é só mais uma coisa caseira, como aquele tipo de romance familiar tão criticado pelo saudoso senhor Sigmund Freud.


Alessandro Silva
São Paulo, 14/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Qual é a alma da cidade? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. O Telhado de Vidro - 9/7/2003
05. Até tu, Raquel! - 12/11/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/6/2003
20h32min
prezado alexandre, assino em baixo tudo o que voce disse, com uma sugestao: gostaria que desse uma olhada na producao atual do nosso melhor filosofo atual (e vivo, graças!), olavo de carvalho. muito do que voce falou, desta arte de minorias, é só mais uma projecao de um estado infernal de coisas que estao se processando desde os anos 70. as 'minorias' politicas, étnicas e 'raciais' (veja a contradicao) agora evoluíram para uma minoria artística. tadinho deles... parabéns pela conviccao de suas idéias, rapaz. gostaria de me corresponder contigol, se possivel. tenho uns escritos sobre portishead, oscar wildeXseriados americanos, rock, que vc irá gostar. abraços
[Leia outros Comentários de roberto]
17/6/2003
21h45min
Alessandro, parabéns pelo seu texto. já está na hora de realmente tocar nesta questão. quando perguntaram ao inteligentíssimo Miles Davis porque não tocava na Africa, ele respondeu: "porque não sou africano". ou seja, não é porque descendia de africanos que, nascido no EUA, se sentiria africano ou com dívidas de consciência com esse povo. a questão é séria e perigosa. pois se a arte é avaliada simplesmente por seu conteúdo (político, sexista, etc), a liberdade do artista vai por água abaixo. a arte, sim, deve ser um lugar do inconstante, do inseguro, do susto - afinal, todo bom artista cria assim, sem saber na certa qual o próximo passo que dará. via a arte a abaixo à ditadura da ideologia. não existe arte gay, nem arte negra, nem art emachista - existe, sim, como ensinou Wilde, arte boa ou ruim. abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DE TUDO UM POUCO: SOBRE EDIFÍCIOS E CIDADES.
SORKIN, MICHAEL
MARTINS
(2014)
R$ 56,10



ENCLAVE
ANN AGUIRRE
CALLIS
(2016)
R$ 26,00



BISA BIA, BISA BEL (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
ANA MARIA MACHADO
MODERNA
(2001)
R$ 8,00



IDENTIDADE FEMININA
ZELITA SEABRA & MALVINA MUSZKAT
VOZES
(1985)
R$ 15,00



UM JEITO DE VIVER
ANGELA LEITE DE SOUZA
FTD
(1991)
R$ 6,00



ALORS? LIVRE DE LÉLÈVE. PER LE SCUOLE SUPERIORI. (+ CD & DVD)
MARCELLA DI GIURA & JEAN-CLAUDE BEACCO
DIDIER
(2009)
R$ 100,00



NOVO ATLAS DO CORPO HUMANO
PIER LUIGI CABRA TRADUÇÃO
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 15,00



A ESSÊNCIA DE O CAPITAL - RESUMO DAS ANÁLISES DE KARL MARX
MARIA CRISTINA GARCIA
EDICON
(1994)
R$ 13,90



HISTÓRIA DA PEDIATRIA BRASILEIRA
ALVARO AGUIAR E REINALDO M MARTINS (EDITORES)
SBP
(1996)
R$ 19,28



MENSAGEIROS DA ESPERANÇA
ELLEN G. WHITE
CASA PUBLICADORA BRASILEIRA
(2007)
R$ 6,90





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês