As Pérolas Que Eram Teus Olhos | Alessandro Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> De Kombi na Praça - Pateo do Collegio
>>> Primeiras edições de Machado de Assis são objeto de exposição e catálogos lançados pela USP
>>> Projeto lança minidocumentário sobre a cultura do Gambá na Amazônia
>>> Cinema itinerante leva sessões gratuitas a cidades do Sudeste e do Sul
>>> Artistas abrem campanha de financiamento para publicação de graphic novel
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Direitos e Deveres, a torto e a direita
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hasta la vista, baby
>>> O amor é importante, porra
>>> Por uma arquitetura de verdade
>>> O criador do algoritmo do YouTube
>>> Cisne Negro: por uma inversão na ditadura do gozar
>>> Filosofia teen
>>> Extraordinary Times
>>> O melhor programa cultural
>>> As estrelas e os mitos
>>> Open Culture
Mais Recentes
>>> Politica. os Textos Centrais de Roberto Mangabeira Unger pela Boitempo (2001)
>>> Perdas e ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Zizek e Seu Diálogo Com Marx, Lacan e Lenin de Claudia Cinatti e Cecilia Feijoo e Gastor Gutie... pela Iskra (2015)
>>> Classe operária, sindicatos e partido no Brasil de Ricardo Antunes pela Cortez (1982)
>>> O lugar do marxismo na história de Ernest Mandel pela Xamã (2001)
>>> Um Brasileiro na China de Gilberto Scofield Jr. pela Ediouro (2007)
>>> Traité Pratique D Iridologie Médicale de Gilbert Jausas pela Dangles (1985)
>>> A inocência e o pecado de Graham Greene pela Verbo
>>> Carlos Marx y Rosa Luxemburgo - La acumulación de capital en debate de Severo Salles pela Peña lillo (2009)
>>> Narcotráfico um jogo de poder nas Américas de José Arbex Jr. pela Moderna (2003)
>>> O Método Em Karl Marx Antologia de Gilson Dantas e Iuri Tonelo Orgs pela Iskra (2010)
>>> China Moderna de Rana Mitter pela L&PM (2008)
>>> Vendedoras boazinhas enriquecem de Elinor Stutz pela Gente (2007)
>>> Gossip Girl - Você sabe que me ama vol 2 de Cecily Von Ziegesar pela Galera (2010)
>>> O Perfume da Folha de Chá de Dinah Jefferies pela Paralela (2017)
>>> O partido Político em Marx e Engels de Orides Mezzaroba pela Paralelo 27 (1998)
>>> Novissima Enciclopedia Mundial de Arte Culinaria de Mestre Cuca pela Formar
>>> Escritos Filosóficos de Leon Trotsky pela Edições Centelha Cultural (2015)
>>> O espírito da coisa de Liber Matteucci pela Prumo (2013)
>>> A Medicina dos Sintomas de Gilson Dantas pela Itacaiúnas (2015)
>>> Pão e Rosas de Andrea D`Atri pela Iskra (2008)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1997)
>>> A Esposa Americana de Curtis Sittenfeld pela Record (2010)
>>> O Marxismo e a Nossa Época de Leon Trotski pela Iskra/centelha Cultural (2016)
>>> Trabalho e proletariado no capitalismo contemporâneo de Sérgio Lessa pela Cortez (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 14/5/2003
As Pérolas Que Eram Teus Olhos
Alessandro Silva

+ de 4000 Acessos
+ 2 Comentário(s)

O SESI Av Paulista está homenageando a cultura negra em uma exposição de suas obras de arte. A coisa em si está bacana, bem arranjada, e as paredes estão decoradas por poemas. A mostra não pretende nada além de criar um ambiente caseiro para que os negros sintam-se mais fortes. Com efeito, as obras são de fatura clássica, e eu diria mesmo artesanal.

Duas coisas.

Primeiro, não há razões suficientes do ponto de vista do espírito para que as obras pertencentes a um certo povo sejam categorizadas. Se entre as máscaras de madeira tivéssemos posto uma obra daquele Picasso de vinte anos influenciado pela escultura negra, a coisa passaria sem ser notada. Sabemos que Picasso foi um homem branco, ocidental, careca e machista: portanto, biologicamente ( para usar um advérbio de fatura pedante ) um ser universal.

Isso é como pensar em literatura gay.

A CULT deve ser a revista responsável pela criação filosófico-estética dessa categoria, pois há dois ou três meses atrás trazia esse assunto como reportagem de capa. ( E depois falam que a irrealidade não existe ).

Jean Cocteau, Marcel Proust, Oscar Wilde, André Gide e Jean Genet não foram literatos gays, mas sim "homens" brancos, ocidentais, europeus, escrevendo acerca de emoções universais, que tanto o chinês, como o angolano, como o argentino tem. A faceta boa da grande arte é que ela é universal. Enganou-se Nabokov na histórica entrevista à Paris Review quando sugeriu que uma emoção presente em todos os povos deveria ser investigada empiricamente. Ora, porque complicar? Dorian Gray está desesperado com o tempo porque terá sua beleza roubada; igualmente o tempo é matéria para uma multidão de sonetos de Shakespeare. Desesperar-se com o tempo destruindo a beleza é privilégio de um tipo de homem, e propriamente do homem ocidental?

"Suave é a Noite" trata de um exuberante psiquiatra idealista derrotado pelo álcool. Essa situação é passível de acometer apenas brancos ocidentais ou japoneses e russos não padecem desse vício?

"Os Prêmios", do escritor argentino Julio Cortazar trata de homens amotinados num navio durante um cruzeiro. Amotinar-se diante de um mistério é privilégio de brancos?

Se a literatura trata de sentimentos universais, não existe algo como "literatura negra" e muito menos "literatura gay".

Com efeito, o que seria literatura gay? Seriam escritores gays tratando de situações encontradas por gays?

Gays não amam, não lastimam a passagem do tempo e não podem ser vítimas do vício? Esses conflitos não são centrais em suas vidas?

Não há literatura gay, não existe escritor gay e vamos fazer de conta que "literatura gay" não foi algo cunhado pela revista CULT de dois ou três meses atrás para vender mais revistas.

( O problema é que a polêmica gerada por esses termos é tão dispendiosa e gartuita! )

Mas falávamos da exposição de arte produzida pela cultura negra.

Não precisa nem ser um Picasso entre aquelas; pode ser um Modigliani. Quem mais universal que ele que da pintura renascentista herdou a elegância dos pescoços e cabeças alongados, da escultura grega a palidez dos olhos e da arte negra o aspecto escultórico das máscaras?

Curadoria em negócios de arte é algo que não deveria existir. Aliás, ficaria melhor ( e mais autêntico ) se as sociedades adotassem uma forma mais primitiva de dar-se com o artista, sacrificando-o depois de um tempo de criação ( e para que não comece a se repetir, como Salvador Dali )como um bruxo e bebendo seu sangue em honra à natureza. Aliás, inclino-me a pensar que a feitiçaria é mais desembaraçada do que os sindicatos de trabalhadores.

Isso de organizar arte por nação, língua, credo, cultura, gene, DNA, pigmentação dos tecidos ( boa essa não? ) só pode ser coisa de gente preconceituosa. É como se antes de entrarmos num diálogo carimbássemos a testa do indivíduo de acordo a subclassificação aristotélica da categoria bípede em gênero, espécie e grau a que pertence. Os curadores do SESI não passam então de caras sádicos que muito hipocritamente fazem questão de expor cultura negra?

Enquanto caras como Picasso diziam:

- Quando visitei o museu do Trocadero, compreendi que a humanidade havia matado a arte.

Porque "matou"? Porque os objetos de arte são feitos para conviver com os indivíduos.

Alguma coisa está errada quando nem sequer sabemos - nós, na condição de brasileiros - o nome das duas senhoras que vão nos representar na próxima Bienal, em Veneza.

E aqui chegamos ao segundo ponto de que eu gostaria de tratar.

Toda a questão da alienação da arte em relação a sociedade prende-se a outra questão mais profunda: o grau de desenvolvimento ( ou de pedantismo ) a que essa chegou.

O filósofo romeno Emil Cioran, falecido em 1998, ao mencionar a "nossa" arte, usou o termo "esquizofrenia". Com isso, ele se referia ao status do artista. Jackson Pollock evocava seus oráculos para produzir num estado de transe; Francis Bacon criava a partir do álcool e das drogas, cultivando uma angústia deveras bizarra. E esses fatos tornam a nossos olhos o artista mais admirado: sua vida, as transgressões coisa e tal.

Em termos de arte, há mais dela em qualquer exposição dessas que acontecem no SESI do que em qualquer Bienal. Com efeito, a arte de fatura clássica é ainda muito difundida e também apreciada pelo público comum: e esse é o divisor de águas. Pois a arte moderna não consegue agradar os "sentidos educados tradicionalmente". Na realidade, a contradição, está presente em nós mesmos. Eu mesmo senti-me profundamente dividido na mostra de arte do SESI, tendendo ao respeito e ao sarcasmo.

Quando me deparei com "Doze Espaços Com Nuvens", de fatura clássica e meio surrealista, tendi à reverência; mas quando me deparei com "São Domingo de Gusmão", coisa maneirista, barroca, identificando o cão cuja a cabeça era a de um jovem branco e as orelhas seus cabelos lisos empastelados, diante dessa figura senti-me então inclinado à zombaria.

Para os sentidos de um jovem artista sério, deixar de produzir arte com pincel é deveras tolo, pois sem o pincel, os "arranjos", as "disposições" ou "instalações" produzidas com outros materiais dificilmente são finais.

Porque será que Picasso não se decidiu pela mais evoluída Arte Abstrata depois de sua fase mais crucial do cubismo analítico? Depois que havia introduzido todo tipo de material em sua tela alimentando-a com meios espúrios? Se Picasso teve necessidade de retornar ao desenho, ele que fartou-se da tarefa desde criança, então algo está errado com a arte moderna, que pode assumir o nome que quisermos, abstrata, não-figurativa ou pós-moderna: algo está errado com o fazer moderno da arte. E é aqui que nos cabe uma conclusão.

Se a arte hoje perdeu o respeito por suas ferramentas abandonando seu público é justo que seu público a abandone: daí não vermos interesse por noventa e nove por cento dos bípedes racionais e naquilo que denominamos "arte moderna" ( as piadas que partem dos salões são mais interessantes muitas vezes que a arte: bom esse vinho não? ).

É que a arte hoje está demasiado engajada na luta política. Até Siron Franco, com toda a Amazônia diante de si para matá-lo asfixiado de tanto oxigênio e exuberância, faz "arte ecológica". Os materiais empregados pelos jovens artistas são "reciclados"; estão "reaproveitando o lixo utilizado no planeta": são os serventes sofisticados bancando os espertalhões. E isso para gente comum, que gosta de bife e ervilhas com azeite não passa de basbaquice.

Com efeito, criou-se um círculo tão fechado de admiração pela arte quanto o formado pelos velhos anacrônicos em torno do xadrez no Clube Paulista. De tal modo que a arte ganhou a importância de uma coleção de tampinhas.

Como um pouquinho de machismo não pode ser muito prejudicial, quero dizer, juntamente com as pessoas que gostam de bifes acebolados e ervilhas: ora, deixe de frescura rapaz! O que nós, os verdadeiros amantes da arte, nós os que admiramos a linha Cézanne-Picasso-Bacon - por extensão, senão a arte completamente figurativa, mas a que é grata às possibilidades do desenho - o que devemos fazer é dar uns chacoalhões nessa pivetada estudada empoleirando-se em bienais. Pois não há coisa mais chata do que artista explicando sua obra: nisso conseguem ser mais superficiais que os estilistas.

Quanto à exposição do SESI, é só mais uma coisa caseira, como aquele tipo de romance familiar tão criticado pelo saudoso senhor Sigmund Freud.


Alessandro Silva
São Paulo, 14/5/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As ruas não estão pintadas. E daí? de Duanne Ribeiro
02. Entrevista da Camille Paglia de Vitor Diel
03. O Natal somos nozes de Pilar Fazito


Mais Alessandro Silva
Mais Acessadas de Alessandro Silva em 2003
01. O Apanhador no Campo de Centeio - 23/4/2003
02. O Príncipe Maquiavel - 7/2/2003
03. A bunda do Gerald Thomas - 3/9/2003
04. Até tu, Raquel! - 12/11/2003
05. O Telhado de Vidro - 9/7/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
16/6/2003
20h32min
prezado alexandre, assino em baixo tudo o que voce disse, com uma sugestao: gostaria que desse uma olhada na producao atual do nosso melhor filosofo atual (e vivo, graças!), olavo de carvalho. muito do que voce falou, desta arte de minorias, é só mais uma projecao de um estado infernal de coisas que estao se processando desde os anos 70. as 'minorias' politicas, étnicas e 'raciais' (veja a contradicao) agora evoluíram para uma minoria artística. tadinho deles... parabéns pela conviccao de suas idéias, rapaz. gostaria de me corresponder contigol, se possivel. tenho uns escritos sobre portishead, oscar wildeXseriados americanos, rock, que vc irá gostar. abraços
[Leia outros Comentários de roberto]
17/6/2003
21h45min
Alessandro, parabéns pelo seu texto. já está na hora de realmente tocar nesta questão. quando perguntaram ao inteligentíssimo Miles Davis porque não tocava na Africa, ele respondeu: "porque não sou africano". ou seja, não é porque descendia de africanos que, nascido no EUA, se sentiria africano ou com dívidas de consciência com esse povo. a questão é séria e perigosa. pois se a arte é avaliada simplesmente por seu conteúdo (político, sexista, etc), a liberdade do artista vai por água abaixo. a arte, sim, deve ser um lugar do inconstante, do inseguro, do susto - afinal, todo bom artista cria assim, sem saber na certa qual o próximo passo que dará. via a arte a abaixo à ditadura da ideologia. não existe arte gay, nem arte negra, nem art emachista - existe, sim, como ensinou Wilde, arte boa ou ruim. abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Depois da Meia Noite
Diana Palmer
Harlequin
(2007)



Enfoques Doutrinários
Danilo C. Villela
Lar Fabiano de Cristo
(2005)



O Mistério da Múmia Sussurrante
Alfred Hitchcock
Clássica
(1988)



Confissões verídicas de um terrorista albino
Breyten Breytenbach
Rocco
(1985)



A Aventura do Universo
Luis E. Navia
Melhoramentos
(1977)



Além do Cordão de Prata, Labirinto dos Sonhos
Patrícia Fernandez
Travassos
(2015)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Europa 1 - Grécia e Chipre
Altaya
Altaya
(1998)



A literatura e os Deuses
Roberto Calasso
Companhia das letras
(2004)



Lendas do Folclore Popular
Beto Brito e Tatiana Móes
Prazer de Ler
(2006)



J. Carlos Em Revista
Julieta Sobral
São Paulo
(2016)





busca | avançada
49702 visitas/dia
2,0 milhão/mês