Eis o malandro na praça outra vez | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/8/2003
Eis o malandro na praça outra vez
Adriana Baggio

+ de 5800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Parece que nós, brasileiros, temos um talento especial para transformar limão em limonada. Nossas manifestações culturais mais ricas nasceram no bojo da opressão, da exclusão e da crueldade. A feijoada, o samba e o candomblé, por exemplo, são frutos de um sistema escravista que ajudou a formar o perfil atual do Brasil. Pasteurizados, romantizados e devolvidos ao mercado, esses produtos deixam de ser casca de ferida para se tornarem símbolos da nossa riqueza cultural. Passam a fazer parte de um conjunto de elementos que formam o que se chama de "a cara do Brasil" e que alimentam outros produtos da nossa cultura. É esse também o caso do "malandro", um dos mais famosos arquétipos cariocas. Mais do que um personagem, o malandro condensa em suas características o contexto social do Rio de Janeiro de fins do século XIX e início do século XX. Por sua importância histórica e antropológica, mereceu um livro inteiro só sobre ele, escrito pelo jornalista Luiz Noronha e lançado em junho passado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, em parceria com a editora Relume Dumará: Malandros: notícias de um submundo distante (2003).

O malandro é uma figura que só poderia ter nascido em uma cidade como o Rio de Janeiro do começo da República. Enquanto capital, o Rio era o centro das manifestações políticas, sociais e culturais do país. Uma cidade grande, com todos os problemas inerentes a essa condição: superpopulação, desemprego, insalubridade. Noronha conta como o processo de transição da escravatura para o capitalismo e do império para a república, teve como sobras uma massa de pobres de diferentes estilos. Desempregados, ex-escravos, imigrantes de outros países, migrantes nordestinos fugindo da seca, ambulantes e desocupados formavam um conjunto de excluídos que se espremiam pelos cortiços e pelas ruas da cidade, que não combinavam com os novos tempos da belle époque carioca. No afã de reformar a cidade para atender ao estilo de vida dos novos capitalistas e dos remanescentes da aristocracia, o presidente Rodrigues Alves empossou como prefeito o engenheiro Francisco Pereira Passos, que tinha assistido à cirurgia realizada em Paris pelo Barão Haussman e que transformou a velha capital medieval na Cidade Luz.

A operação realizada por Passos no centro do Rio foi muito mais de plástica do que propriamente de cura. Ruas foram alargadas e abertas, os cortiços foram destruídos e toda uma vida que acontecia nos espaços públicos passou a ser regulada por novas leis. Apesar de desalojadas, as pessoas não foram realocadas. Nascem as favelas e os bairros pobres vão ficando cada vez mais afastados no novo Rio de Janeiro. Como se não bastasse, ainda chamam um doido que dizia poder prevenir a febre amarela dando uma injeção contendo o vírus da doença. A revolta contra a vacina foi muito mais do que uma rejeição aos métodos sanitários do médico Oswaldo Cruz para controlar a epidemia que se alastrava pelos cortiços da cidade. A campanha de vacinação foi o estopim que fez explodir a indignação da massa de excluídos gerada pela urbanização.

Ao mesmo tempo, o Rio dessa época é um caldeirão cultural em ebulição. Cafés, salões, bares e cinemas nutrem uma cidade ansiosa por lazer e diversão. Existem lugares para todas as classes sociais e para todos os gostos. Aumentam as casas de jogo e prostituição. A capital da república recebe gente de todos os cantos, tipos que ajudam a forjar as novas manifestações culturais. O malandro carioca é fruto desse processo de exclusão social e explosão cultural.

O malandro era um desocupado que vivia de bicos ou serviços de "proteção" para prostitutas ou moradores e comerciantes de determinada região. Ia dormir já com o sol, acordava ao meio-dia e saía para a rua. Carregava sempre consigo o chapéu e a navalha. Os malandros faziam parte de organizações do submundo urbano que tinham origem nas maltas de capoeiristas vindas da Bahia. A capoeira assumiu um aspecto profissional, com hierarquia e regras bem definidas até no que se referia a roupas e atitudes. São essas regras que caracterizaram o malandro que aparece tão romanticamente nos filmes, na literatura e nas músicas brasileiras.

O malandro nunca usava arma de fogo, só navalha, que sempre carregava no bolso fundo de sua calça branca larga e de boca estreita, junto com o dinheiro, baralho de cartas marcadas e fumo. O paletó do malandro deveria estar sempre aberto. Compunham ainda o figurino a camisa e o lenço de seda que, segundo a lenda, cegava o fio da navalha e a botina de bico fino. O jeito de capoeirista fica evidente no gingado do andar, que permite rapidamente a posição de combate. Além da seda, o chapéu na mão esquerda também servia como defesa nas lutas.

O livro de Noronha começa com uma entrevista com Madame Satã, o mais famoso dos malandros cariocas. A entrevista foi feita pelo pessoal do Pasquim em 1971 com o então esquecido bandido. É a partir dessa entrevista que se redescobre o malandro, agora só como mito. As transformações sofridas pelo país na década de 1940 fizeram com que a figura do boêmio desocupado e perigoso desaparecesse, dando origem a bandidos menos românticos. O malandro ficou vivo somente nas letras das músicas, nas crônicas e nos filmes, ajudando a alimentar o imaginário brasileiro. Do malandro restou apenas o figurino e a nostalgia de um outro Rio de Janeiro. Esquecemos que o malandro, assim como outras figuras da mitologia brasileira, é a limonada feita dos acres limões da história do nosso país.

Para ir além





Adriana Baggio
Curitiba, 14/8/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O homem visto do alto de Guilherme Conte
02. A caixa de confeitos da literatura contemporânea de Marcelo Spalding
03. Busca ao Santo Graal de Juliano Maesano


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/8/2003
15h07min
Bom, o que posso dizer? esperava ansiosa por um novo texto. abraços.
[Leia outros Comentários de Marília]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IMAGES OF FRIDA KAHLO PAPERBACK
IMAGES OF FRIDA KAHLO PAPERBACK
REDSTONE PRESS
(1989)
R$ 195,00
+ frete grátis



NINGUEM É CULPADO UM NOVOPARADIGMA PARA O BRASIL
FRANCISCO OZEAS
ARMAZEM DE IDEIAS
(2000)
R$ 11,00



VIDA DE ARTISTA
FLÁVIO MOREIRA DA COSTA
SULINA
(1990)
R$ 10,00



ACONTECEU - 2ª REIMPRESSÃO
VERA LÚCIA MARINZECK DE CARVALHO
PETIT
(1995)
R$ 9,00



EDUCA NOS TERREIROS: E COMO A ESCOLA SE RELACIONA COM CRI
STELA GUEDAS CAPUTO
PALLAS
(2012)
R$ 33,30



PARA SEMPRE ( A HISTÓRIA QUE INSPIROU O FILME)
KIM E KRICKITT CARPENTER
NOVO CONCEITO
(2012)
R$ 12,00



EUGÉNIE GRANDET
HONORÉ DE BALZAC
FOLHA
(1998)
R$ 4,00



O QUE É LÍNGUA - COL. PRIMEIROS PASSOS - 1ª EDIÇÃO
ANTONIO HOUAISS
BRASILIENSE
(1990)
R$ 9,00



OS XENES E O FUTURO HUMANO
DANIEL SOUTULLO
LAIOVENTO
(1998)
R$ 22,33



MARLEY E EU
JOHN GROGRAN
PRESTÍGIO
R$ 28,00





busca | avançada
37024 visitas/dia
1,4 milhão/mês