Eis o malandro na praça outra vez | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS

Quinta-feira, 14/8/2003
Eis o malandro na praça outra vez
Adriana Baggio

+ de 6000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Parece que nós, brasileiros, temos um talento especial para transformar limão em limonada. Nossas manifestações culturais mais ricas nasceram no bojo da opressão, da exclusão e da crueldade. A feijoada, o samba e o candomblé, por exemplo, são frutos de um sistema escravista que ajudou a formar o perfil atual do Brasil. Pasteurizados, romantizados e devolvidos ao mercado, esses produtos deixam de ser casca de ferida para se tornarem símbolos da nossa riqueza cultural. Passam a fazer parte de um conjunto de elementos que formam o que se chama de "a cara do Brasil" e que alimentam outros produtos da nossa cultura. É esse também o caso do "malandro", um dos mais famosos arquétipos cariocas. Mais do que um personagem, o malandro condensa em suas características o contexto social do Rio de Janeiro de fins do século XIX e início do século XX. Por sua importância histórica e antropológica, mereceu um livro inteiro só sobre ele, escrito pelo jornalista Luiz Noronha e lançado em junho passado pela Prefeitura do Rio de Janeiro, em parceria com a editora Relume Dumará: Malandros: notícias de um submundo distante (2003).

O malandro é uma figura que só poderia ter nascido em uma cidade como o Rio de Janeiro do começo da República. Enquanto capital, o Rio era o centro das manifestações políticas, sociais e culturais do país. Uma cidade grande, com todos os problemas inerentes a essa condição: superpopulação, desemprego, insalubridade. Noronha conta como o processo de transição da escravatura para o capitalismo e do império para a república, teve como sobras uma massa de pobres de diferentes estilos. Desempregados, ex-escravos, imigrantes de outros países, migrantes nordestinos fugindo da seca, ambulantes e desocupados formavam um conjunto de excluídos que se espremiam pelos cortiços e pelas ruas da cidade, que não combinavam com os novos tempos da belle époque carioca. No afã de reformar a cidade para atender ao estilo de vida dos novos capitalistas e dos remanescentes da aristocracia, o presidente Rodrigues Alves empossou como prefeito o engenheiro Francisco Pereira Passos, que tinha assistido à cirurgia realizada em Paris pelo Barão Haussman e que transformou a velha capital medieval na Cidade Luz.

A operação realizada por Passos no centro do Rio foi muito mais de plástica do que propriamente de cura. Ruas foram alargadas e abertas, os cortiços foram destruídos e toda uma vida que acontecia nos espaços públicos passou a ser regulada por novas leis. Apesar de desalojadas, as pessoas não foram realocadas. Nascem as favelas e os bairros pobres vão ficando cada vez mais afastados no novo Rio de Janeiro. Como se não bastasse, ainda chamam um doido que dizia poder prevenir a febre amarela dando uma injeção contendo o vírus da doença. A revolta contra a vacina foi muito mais do que uma rejeição aos métodos sanitários do médico Oswaldo Cruz para controlar a epidemia que se alastrava pelos cortiços da cidade. A campanha de vacinação foi o estopim que fez explodir a indignação da massa de excluídos gerada pela urbanização.

Ao mesmo tempo, o Rio dessa época é um caldeirão cultural em ebulição. Cafés, salões, bares e cinemas nutrem uma cidade ansiosa por lazer e diversão. Existem lugares para todas as classes sociais e para todos os gostos. Aumentam as casas de jogo e prostituição. A capital da república recebe gente de todos os cantos, tipos que ajudam a forjar as novas manifestações culturais. O malandro carioca é fruto desse processo de exclusão social e explosão cultural.

O malandro era um desocupado que vivia de bicos ou serviços de "proteção" para prostitutas ou moradores e comerciantes de determinada região. Ia dormir já com o sol, acordava ao meio-dia e saía para a rua. Carregava sempre consigo o chapéu e a navalha. Os malandros faziam parte de organizações do submundo urbano que tinham origem nas maltas de capoeiristas vindas da Bahia. A capoeira assumiu um aspecto profissional, com hierarquia e regras bem definidas até no que se referia a roupas e atitudes. São essas regras que caracterizaram o malandro que aparece tão romanticamente nos filmes, na literatura e nas músicas brasileiras.

O malandro nunca usava arma de fogo, só navalha, que sempre carregava no bolso fundo de sua calça branca larga e de boca estreita, junto com o dinheiro, baralho de cartas marcadas e fumo. O paletó do malandro deveria estar sempre aberto. Compunham ainda o figurino a camisa e o lenço de seda que, segundo a lenda, cegava o fio da navalha e a botina de bico fino. O jeito de capoeirista fica evidente no gingado do andar, que permite rapidamente a posição de combate. Além da seda, o chapéu na mão esquerda também servia como defesa nas lutas.

O livro de Noronha começa com uma entrevista com Madame Satã, o mais famoso dos malandros cariocas. A entrevista foi feita pelo pessoal do Pasquim em 1971 com o então esquecido bandido. É a partir dessa entrevista que se redescobre o malandro, agora só como mito. As transformações sofridas pelo país na década de 1940 fizeram com que a figura do boêmio desocupado e perigoso desaparecesse, dando origem a bandidos menos românticos. O malandro ficou vivo somente nas letras das músicas, nas crônicas e nos filmes, ajudando a alimentar o imaginário brasileiro. Do malandro restou apenas o figurino e a nostalgia de um outro Rio de Janeiro. Esquecemos que o malandro, assim como outras figuras da mitologia brasileira, é a limonada feita dos acres limões da história do nosso país.

Para ir além





Adriana Baggio
Curitiba, 14/8/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Patriotada às avessas de Luiz Rebinski Junior
02. Maníacos do bem de Ana Elisa Ribeiro
03. O diário de Genet de Marília Almeida
04. O escritor pode de Ana Elisa Ribeiro
05. Que espécie de argumento é uma bunda? de Alexandre Soares Silva


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/8/2003
15h07min
Bom, o que posso dizer? esperava ansiosa por um novo texto. abraços.
[Leia outros Comentários de Marília]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês