Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar | Daniel Aurelio | Digestivo Cultural

busca | avançada
54101 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
>>> Ensaios Perversos traz papo cabeça com drag, performances e festa pra dançar
>>> Chega a São Paulo projeto cultural que vai levar teatro a crianças de seis estados
>>> Clube do Disco - Os Saltimbancos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dia do Rock em São Paulo
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Debret e o Brasil, pela editora Capivara
>>> Lula e o Mensalão Cultural
>>> Vascaíno vota em vascaíno
>>> I’ve been up, I’ve been down
>>> Colunismo em 2005
>>> O Brasil não é a Seleção Brasileira
>>> Jean Baudrillard
>>> Anotações durante o incêndio
Mais Recentes
>>> O que Deus tem de Melhor para a Minha Vida de Lloyd John Ogilvie pela Vida (1990)
>>> Introdução à sociologia de Armand Cuvillier pela Companhia Nacional (1966)
>>> Sob o Signo de Gêmeos de Rosamunde Pilcher pela Bertrand Brasil (1998)
>>> A Noite do Miraj de Zoe Ferraris pela Record (2009)
>>> The Husband de Dean Koontz pela Bantam Books (2011)
>>> Ramsés - A Batalha de Kadesh de Christian Jacq pela Bertrans Brasil (1999)
>>> Questão do Coração de Emily Giffin pela Novo Conceito (2011)
>>> A Morte Do Super Homem + Retorno do Super Homem Vol. 1-2-3 - Total 4 Und - Hq de Varios pela Dc (1995)
>>> Rebelião de Lúcifer de J. J. Benítez pela Mercuryo (1988)
>>> A Verdadeira História do Fuscão Preto de José Braz / Mariel pela Viseu (2018)
>>> O Crepúsculo do Macho de Fernando Gabeira pela Codecri (1980)
>>> Modern Portuguese-English/English-Portuguese Dictionary de Elbert L - Maria de Lourdes e Milton Sá pela David McKay (1943)
>>> Mémoires interrompus de François Mitterrand pela Odile Jacob (1996)
>>> Como lidar com pessoas dificeis de Alan houel e christian godefroy pela Madras (2011)
>>> Spektro A Revista Do Terror Nr 7 - Macumba e mais 13 historias pavorosas de Shimamoto pela Vecchi (1978)
>>> Liquid Gold dessert Wines of the World de Stephen Brook pela Beech Tree Books (1987)
>>> Calafrio H.Q De Terror Em Nova Dimensão - Volume 5 - Hq O Homem Na Multidão de Edgar A. Poe pela D Arte (1982)
>>> As Aventuras Da Liga Extraordinaria Nr - hq de Alan Moore e Kevin O Neill pela Pandora Book (2001)
>>> Física 1 - Mecânica da Partícula e dos Corpos Rígidos de Sears - Zemansky - Young pela Livros Tecnicos e Cientificos (1985)
>>> Cripta Do Terror - Numero 1 - Hq de Varios pela Record (1991)
>>> Gibi De Ouro Os Classicos Dos Quadrinhos Completo - 6 Volumes - Hq de Varios pela Rge (1985)
>>> Super Homem - Funeral Para Um Amigo - 4 Volumes Completa -Hq de Dan Jurgens pela Abril Jovem (1997)
>>> Na Luz da Verdade - Vol. 3 de Abdruschin pela Ordem do graal na terra (1980)
>>> Cripta Do Terror - Numero 3 - Hq de Varios pela Record (1991)
>>> A Moreninha de Joaquim Manuel de Macedo pela Tecnoprint (1980)
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Sexta-feira, 26/9/2003
Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar
Daniel Aurelio

+ de 16700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Dedicado ao mero estudante de sociologia que o assina.

"Vem que vem cantar/ Vem que vem soprar/ Vem que vai voltar/ Vem que vai trazer/ Tudo aquilo que eu tive/ E o ventou carregou/ Quando eu estava distraído/ a olhar pro meu umbigo/ E o momento já passou"
("Vento Perdido", Pedro Bandeira in Cavalgando o Arco Íris, 1984).

O livro da minha vida chama-se É proibido Miar, do Pedro Bandeira. Uma revelação dessas, iniciativa de alguém que, deduz-se, seja um suposto crítico literário ou congênere, não é lá algo muito positivo para o currículo. Estou disposto a pagar o preço. Não seria honesto renegar que toda minha volúpia - às vezes exacerbada, confesso - pela leitura tenha nascido a partir de suas páginas.

É demasiado humano (e compreensível) que determinada falange de críticos necessite expressar, ad infinitum, seu apreço pelas obras-primas adultas; quando não para encontrar ressonância entre seus leitores, tal ato tem o rasteiro propósito de demonstrar força e enciclopédicos saberes, feito glacê para um bolo de feno.

John Fante, por exemplo. É a bola da vez. O clichê do ramo. Que mais precisamos conhecer sobre ele e seu Pergunte ao Pó (Ask The Dust, 1939) , disparado um dos vinte melhores livros do século XX? Todavia, é o atual número um dos cadernos culturais. Fácil enfrentar a ribalta do palco com uma platéia entupida de amigos.

Mas na medida em que o jovem toma seu primeiro contato com a literatura através dos infanto-juvenis, fico com a impressão de que é espantosa burrice (pequenez intelectual dos doutos) rebaixá-los a divisões intermediárias em pujança artística. Quando muito, fala-se no sazonal Salinger e seu Apanhador no Campo de Centeio. Pior: qual passe de mágica, todos os déspostas esclarecidos da "periferia do capitalismo" (quem pescou a ironia, pescou) iniciaram suas leituras aos 14 anos, com Kafka e Saramago. Aos 16, deglutiam com fluência filosofia alemã: Liebniz, Schoppenhauer, Kant, sempre consideraram as teorias hegelianas de um idealismo carola deprimente e só então passaram a Nietzsche, a espinafrar de pronto seus dualismos e os flertes que sofreu a direita e a esquerda. Um assombro.

Não faz muito, já em vista a confecção deste artigo, cavouquei pelos sites de busca da Internet ensaios ou vestígios relativos a prosa de Pedro Bandeira. Fiquei no vácuo. Em compensação, trabalhos sobre cânones literatos piscavam convidativos na tela. Alguém precisa, urgente, clamar pelo óbvio: Bandeira, ladeado por Ziraldo, é o autor mais adotado pelos colégios brasileiros (supera as badaladas Lygia Bojunga, Ana Maria Machado e Ruth Rocha, três ganhadoras do Hans Christian Andersen Medalhe, equivalente ao Nobel na categoria), e diretamente tem influenciado e formado nossos garotos e garotas desde a década de 80. Modular o discurso pulando um conceito cientifico e pedagogicamente sacramentado é covardia, é achaque.

Pouquíssimas obras mantêm tamanha sintonia com temas relacionados à segregação social e a liberdade de expressão quanto meu favorito. Talvez só encontre similaridades no espetacular Tanto, tanto! (de Trish Cooke, ed. Ática), livrinho infantil que revolucionou as táticas educacionais anti-preconceito (deixo os motivos no vazio como lição de casa: procure-o em livrarias e sebos). Outro perdido na solidão empoeirada das prateleiras.

Lançado pela editora Moderna em 1983, no limiar da ditadura militar, É proibido miar narra a trajetória do cãozinho Bingo, que desde seu nascimento demonstrava certa inabilidade com o espírito de corpo coletivo (ainda que fosse explicitamente doce, afetuoso e peralta), característica que se acentua drasticamente ao estabelecer amizade com um gato misterioso (oras, todo felino é um mistério pardo). Bingo admira seu amigo e decide copiá-lo em seus miados. Um insulto à raça canina, um código estranho ao seu meio. Configura-se a partir desse confronto um pesadelo foucaultiano clássico. Bingo sofre sucessivas tentativas de enquadramento à norma, a começar pelo desgosto e ausência de brilho nos olhos paternos, passando por vizinhos e até pela família que acolhe os cães, que representam todo o peso da super-estrutura que paira sobre o grupo. Acaba aprisionado juntos aos seus "iguais" (errantes em pobreza, sujeira e doença) no Canil Municipal, alegoria dos manicômios, prisões ou linhas ferrenhas de produção as quais um desviante humano será subjugado. Decide fugir. E foge. Para miar em paz.

Daí entra o vetor principal dos infantis de Bandeira: travestido na redentora sensação de happy end, aquele final metafórico, algo ambíguo, que tornam boas histórias em apoteoses artísticas. O mundo exterior a ele pergunta-se, solerte, por onde andarás seu filho desgarrado. Continuará a receber chibatas por ai ou migrou para uma tribo?

"Ninguém mais pôde encontrar o Bingo. Nunca mais se soube para onde ele foi (...) Outros acham que ele foi para uma terra onde todo mundo pode falar à língua que quiser. Uma terra onde é permitido miar. Uma terra onde é permitido ser diferente"

O livro é recomendado para crianças entre oito e nove anos.

Imaginou o quanto isso pode reverberar numa criança dessa idade?

Nos anos 60, Pedro Bandeira fez tudo o que se esperava de um filhote da esquerda contra-revolucionária. Foi jornalista do campeão de matérias decapitadas, o Ultima Hora de Samuel Weiner, meteu-se com teatro e ciências sociais na USP, todas essas atividades cancerígenas ao andamento azeitado de saúde das reformas propostas por militares e dinastias ultra-conservadoras da igreja e da política. Tem, portanto, o pedigree de outros mais incensados pelas altas rodas culturais, vende muito bem, é um mestre do texto, mas estranhamente não rende um debate, uma tese, uma linha. Desleixo, deliberado ou não, vergonhoso.

Antes de um prepotente onanismo acadêmico, autofágico e um tanto canalha, isso aqui é um puxão de orelhas vigoroso em quem se enxerga formador de opinião.

Pois saibam, damas e cavalheiros, que os primeiros filhos da geração Pedro Bandeira cresceram. E agora já começam a soltar seus primeiros miados incômodos de desabono.

É proibido proibir, esqueceram?

Para ir além





Daniel Aurelio
São Paulo, 26/9/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Livros que me Fizeram Mal na Infância de Lisandro Gaertner
02. Michelle Campos e a poesia dentro do oco de Jardel Dias Cavalcanti
03. Deus & Filhos Cia. Ltda. de Adriana Baggio
04. Menos Guerra, Mais Sexo de Adriana Baggio
05. EUA, Ano Zero de Daniela Sandler


Mais Daniel Aurelio
Mais Acessadas de Daniel Aurelio em 2003
01. Canto Infantil Nº 2: A Hora do Amor - 7/11/2003
02. Canto Infantil Nº 1: É Proibido Miar - 26/9/2003
03. O Sociólogo Machado de Assis - 5/9/2003
04. O Calígrafo de Voltaire - 13/6/2003
05. Elogio Discreto: Lorena Calábria e Roland Barthes - 19/12/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
6/10/2003
11h11min
Eu lembro de outros livros, como os vários de Monteiro Lobato, as histórias mais amenas das 1001 Noites, as fábulas dos irmãos Grimm, Esopo e por aí vai. Mas, pelo calor da sua defesa, estarei comprando este para presentear a Damaris, minha filha de 8 anos. É uma leitura útil num tempo em que se discutem tanto as diferenças de credo, de cor, políticas e sexuais. Abraços
[Leia outros Comentários de donizeti costa]
11/2/2004
10h21min
Querido Daniel, Você realmente me tocou com o seu texto. Como agradecer-lhe? Você, que escreve, sabe o quanto é importante saber que algo que se escreveu teve alguma ressonância no coração e na mente de quem leu. É por isso que a gente escreve, não é? Aquele abraço do Pedro Bandeira
[Leia outros Comentários de Pedro Bandeira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Nossos Clássicos 70 Machado de Assis Contos
Nossos Clássicos
Agir
(1970)



Analfabetismo No Brasil
Ana Maria Araújo Freire
Cortez
(1993)



Battle Royale
Koushun Takami
Globo
(2014)



Sentimento do Mundo
Carlos Drummond de Andrade
Companhia de Bolso
(2012)



Alô, Rapaziada!
Bussunda
Record
(1995)



10 Passos para Se Libertar da Obesidade
Padre Cleberson
Mona
(2018)



A coragem de ser autêntico
Emir Calluf
Potencial



Marajas Beduínos e Faraós
Carmen Annes Dias Prudente
Melhoramentos



Ecos Dos Mortos
Johan Theorin
Record
(2011)



Repertorio Teatral Juvenil - Vários Autores (Teatro Juvenil)
Vários Autores
Editorial Pueblo y Educación
(1984)





busca | avançada
54101 visitas/dia
1,8 milhão/mês