Guia para viajar sem sair da poltrona | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Apresentação
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
Mais Recentes
>>> A Deusa Dourada de Elizabeth Peters pela Madras
>>> A Deusa Dourada de Elizabeth Peters pela Madras
>>> Um Traidor da Memoria de Elizabeth George pela Rocco
>>> Um Traidor da Memoria de Elizabeth George pela Rocco
>>> Voce acredita em Destino? de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> Voce acredita em Destino? de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> O Segundo Silencio de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> O Segundo Silencio de Eileen Goudge pela Bertrans Brasil
>>> As Marcas Diabolicas de Douglas Preston & Lincoln Child pela Rocco
>>> As Marcas Diabolicas de Douglas Preston & Lincoln Child pela Rocco
>>> Gala de Dominique Bona pela Record
>>> Gala de Dominique Bona pela Record
>>> O Negociador de Diogenes Lucca pela HSM
>>> O Negociador de Diogenes Lucca pela HSM
>>> Depois da Meia Noite de Diana Palmer pela Harlequin
>>> Depois da Meia Noite de Diana Palmer pela Harlequin
>>> Sustentabilidade da Lideranca de David Ulrich Norm Smallwood pela HSM
>>> Sustentabilidade da Lideranca de David Ulrich Norm Smallwood pela HSM
>>> Monstro de Deus - Feras Predadoras: historia, ciência e mito de David Quammen pela Companhia das Letras
>>> Monstro de Deus - Feras Predadoras: historia, ciência e mito de David Quammen pela Companhia das Letras
>>> Levando as Pessoas com Voce de David Novak pela HSM
>>> Levando as Pessoas com Voce de David Novak pela HSM
>>> Atlantis de David Gibbins pela Planeta
>>> Atlantis de David Gibbins pela Planeta
>>> A Estranha Maldição de Dashiell Hammett pela Civilizacao Brasileira
COLUNAS >>> Especial Biblioteca Básica

Quarta-feira, 15/10/2003
Guia para viajar sem sair da poltrona
Adriana Baggio

+ de 5000 Acessos

Estaria sendo muito pretensiosa se ousasse indicar os dez livros mais importantes que alguém deve ler. A quantidade de obras consagradas e novas é tão grande que seria impossível, mesmo para um leitor que só fizesse isso na vida, selecionar as primeiras entre todas as que existem. Justamente pela quantidade e variedade de títulos é importante que, em determinado momento da vida, a gente possa contar com uma espécie de guia, alguém que já tenha lido muito e que possa orientar: isso vale a pena, isso não. É como se você fosse à Europa com tempo limitado. Para aproveitar bem a viagem, seria legal poder contar com as indicações de alguém que tenha os mesmos interesses que você, que saiba o que realmente vale a pena ser visto. Mas reservar um tempo para fazer as suas próprias descobertas também é importante. O gosto e a afinidade das pessoas é diferente. O que é bom para mim, pode não ser bom para você.

O meu orientador nessa viagem foi um professor, como é muito comum acontecer. Pessoas que têm a sorte de contar com professores capazes, generosos e interessantes normalmente tomam atalhos para as melhores obras literárias, de arte, música, cinema, etc. O meu guia nesse caminho foi Cristóvão Tezza, que além de ótimo professor, é um escritor fantástico. Lembro que, nos primeiros dias de aula, ele passou uma lista enorme com sugestões de livros. A gente tinha que escolher um deles e apresentar um seminário, uma performance, não lembro direito. O que é importa é que, mais do que um roteiro para uma atividade didática, aquela lista foi um guia para algumas das minhas escolhas literárias. Sempre fui uma leitora voraz, e aquele index do bem só fez canalizar essa vontade para boas leituras.

No entanto, não acho que as leituras de lazer ou aquelas consideradas superficiais devam ser deixadas de lado. Existe momento para tudo. Fazer da leitura um programa de lazer é uma coisa deliciosa. Um livro que consegue fazer a pessoa deixar de comer, dormir e ir ao banheiro tem seus méritos. É por isso que começo minhas sugestões não com um livro, mas com a obra de Agatha Christie. Muita gente torce o nariz para o gênero de mistério, policial ou suspense, como se a leitura fácil e de lazer não valesse à pena. Não é porque os livros de Agatha Christie são agradáveis que são superficiais. Só não se aprofunda quem não quer. A autora escreveu do início do século XX até 1970. Ler seus livros é acompanhar a decadência do conservadorismo inglês e a tentativa de manter a imponência e o glamour de uma instituição tão deslocada como a monarquia.

É o início do século XX, mais precisamente a década de 1920, e também a Inglaterra, o tempo e cenário de outro romance marcante para mim: Contraponto, de Aldous Huxley. Bastante conhecido pela ficção científica e pelas experiências psicodélicas, nesse livro o autor retrata temas mais cotidianos. Aborda os conflitos dos relacionamentos humanos e também faz uma crítica à sociedade inglesa da época. Folhas secas também segue na mesma linha, e prova a pluralidade desse escritor.

Na minha lista de indicações não pode faltar Dorothy Parker. Frágil e corajosa ao mesmo tempo, ela soube rir da condição feminina na primeira metade do século XX, sem delicadeza nem pudor. Seus contos são irônicos, sarcásticos e divertidos, mas ao mesmo tempo deprimentes e realistas. Não tem mulher que não se identifique com alguns dos comportamentos ridículos retratados por ela. Uma coletânea, Big Loira e outras histórias, reúne o melhor de Dorothy Parker.

Entre os nacionais, colocaria Rubem Fonseca e Nelson Rodrigues. Os dois, cada uma à sua maneira, retratam o podre da sociedade. Nelson Rodrigues colocou em prática, através de seus personagens, todas aquelas coisas que Freud falou sobre nós e que odiamos admitir. Exagerado, talvez. Mas como temos um lado podre, que adora o escatológico, o sórdido e a tragédia, através de Nelson Rodrigues sublimamos nossos desejos inconfessáveis e nos tornamos aptos para a vida em sociedade. Rubem Fonseca também aborda a banda podre, mas seu foco é mais aberto. Se Nelson mostra o lado interior, Rubem desnuda o materialismo, o submundo, o crime, a podridão exterior.

Tem um livro que parece não envelhecer: A arte da sabedoria mundana: um oráculo de bolso, de Baltasar Gracián. Ele era um padre, viveu na corte, e observando as situações pode compilar uma espécie de manual de conduta para a vida social, política e para os negócios. Incrível a sensatez e a visão desse homem. É um livro para ler inteiro, uma vez, e depois deixar bem à mão, para consultas periódicas.

Entre os clássicos, coloco Victor Hugo. A trajetória do escritor, do conforto da burguesia à revolta contra a política monarquista, se expressa em sua obra. Um de seus livros, Os trabalhadores do mar, mostra o orgulho, a determinação e a força de um homem que, como os rochedos, permanece firme apesar das ondas, mas traz em sua vida as marcas deixadas pelo vai e vem das marés.

Especialmente para as mulheres, é interessante ler Simone de Beauvoir. Ela viveu, com Sartre, um relacionamento "aberto", onde ambos tinham o direito de manter relações extraconjugais. As sensações da autora em relação a essa situação estão apresentadas em A convidada, um romance que tem muito de autobiográfico. Simone de Beauvoir foi uma das precursoras do feminismo. No entanto, ao ter o direito de agir como os homens em uma época em que o adultério era inadmissível para as mulheres, Beauvoir antecipou um dos conflitos que o sexo feminino teria que resolver mais tarde, não só em relação ao amor, mas também aos papéis sociais: até que ponto compensa ser como os homens? Não seria melhor admitir as diferenças e exigir respeito a elas?

A França, como espaço, e a década de 1920, como tempo, parecem ser a combinação perfeita para a produção de bons livros. Hemingway viveu na França por essa época e o seu dia-a-dia é retratado nos contos de Paris é uma festa. Mesmo para quem nunca esteve na cidade, é fácil visualizar os locais por onde o autor passeia, as lojas, as livrarias, os cafés.

E por falar em passear por locais e épocas onde nunca estivemos, encerro minha lista com On the road, de Jack Kerouac. Esse livro é um hit entre estudantes de comunicação. Acho que todo mundo, em algum momento da vida, pensou em largar tudo e sair por aí, sem destino. Se a idade, o conforto e as responsabilidades fizeram você perder a coragem, aventure-se de forma segura com o livro de Kerouac. As passagens sobre os bares do sul dos Estados Unidos onde os negros tocavam jazz quase faz com que você sinta-se lá, de corpo e alma.

Se ler é viajar por épocas, lugares e pensamentos desconhecidos, fica aqui uma sugestão de roteiro. Quando a grana anda curta, apele para os livros nas horas de lazer. De quebra, você aumenta seu vocabulário, exercita o cérebro e ainda pode impressionar os amigos com descrições de lugares onde nunca esteve.


Adriana Baggio
Curitiba, 15/10/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. E+ ou: O Estadão tentando ser jovem, mais uma vez de Julio Daio Borges
02. Ler Oswald Spengler em 2014 de Celso A. Uequed Pitol
03. Cleópatra, a rainha enigmática de Gian Danton
04. Educação de Verdade de Daniel Bushatsky
05. Anarquia brasileira de Luiz Rebinski Junior


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2003
01. Ser bom é ótimo, mas ser mau é muito melhor* - 24/4/2003
02. Aventuras pelo discurso de Foucault - 30/1/2003
03. Carga mais leve para Pedro e Bino - 8/5/2003
04. Apesar da Barra, o Rio continua lindo - 9/1/2003
05. Encontro com o peixe-boi - 16/1/2003


Mais Especial Biblioteca Básica
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Destino, Liberdade e Alma
Osho
Planeta
(2017)



Árvores e Madeiras Úteis do Brasil - Manual de Dendrologia Brasil
Carlos Toledo Rizzini
Blucher
(2019)



The Complete Sherlock Holmes Ii
Sir Arthur Conan Doyle
Barnes & Noble Classics
(2007)



Depressao Doenca: o Grande Mal do Seculo Xxi
Carlos Vieira
Vozes
(2016)



Paris Legal
Cynthia Camargo
Best Seller
(1998)



Historia dos Martyres da Liberdade
A. Esquiros
Instituto Historico
(1872)



Levementeleve
Laura Medioli
Leitura
(2010)



Cérebros e Computadores a Complementaridade Analógico Digital
Robinson Moreira Tenório
Escrituras
(1998)



Artrogripose - Minha Vida, Minha História!
Jacqueline Mendonça
Do Autor
(2012)



Um Caminho de Esperança - uma Autobiografia
Lech Walesa
Best Seller
(1987)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês