Mens sana... um ano depois | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
>>> O Valhalla em São Paulo
>>> Por dentro do Joost: o suco da internet com a TV
Mais Recentes
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
>>> Suspensão de Liminares e Sentenças Contrárias ao Poder Público de Elton Venturi pela Revista dos Tribunais (2019)
>>> Revista Trip número 184 de Lyoto Machida pela Trip (2009)
>>> Revista Trip número 132 de Melaine, 21, o primeiro ensaio de uma trip girl na cadeia pela Trip (2005)
>>> A Casa do Penhasco de Agatha Christie pela Nova Fronteira (1996)
>>> A Brasileira de Prazins de Camilo Castelo Branco pela Nova Fronteira (1995)
>>> Seitas e Novos Movimentos Religiosos de Coleção Quinta Conferência pela Paulus (2006)
>>> O Dia da Sua Morte de Neimar de Barros pela Shalom (1987)
>>> A Interpretação Sistemática do Direito de Juarez Freitas pela Malheiros (2002)
>>> Tiras de Letra de Diversos pela Virgo (2003)
>>> O Guia dos Curiosos de Marcelo Duarte pela Cia das letras (2001)
>>> Ensaio sobre a Cegueira de José Saramago pela Cia. das Letras (1998)
>>> Quebrando o Código da Vinci de Darrell L. Bock, Ph.D. pela Novo século (2004)
>>> O Caso dos Irmãos Naves de João Alamy Filho pela Círculo do livro (1978)
>>> Hercólubus ou Planeta Vermelho de V. M. Rabolú pela Milenium Edições do Brasil (2003)
>>> Anjo da Morte de Pedro Bandeira pela Moderna (1996)
>>> História Social da Criança e da Família de Philippe Ariès pela Guanabara (1973)
>>> Homo Loquens - O Homem como Animal Falante de Dennis Fry pela Zahar (1977)
>>> Homem Total e Parapsicologia de Albino Aresi pela Albino Aresi (1982)
>>> Ilusões - As Aventuras de um Messias Indeciso de Richard Bach pela Record (1977)
>>> Buddha de Ordem do Graal na Terra pela Círculo do livro (2002)
>>> Você verdadeiramente nasceu de Novo da Água e do Espírito? de Paul C. Jong pela Hefzibá (2002)
>>> Trip número 139 de Danielli Freitas pela Trip (2005)
>>> 500 Perguntas sobre Sexo de Laura Muller e Nélson Vitiello pela Objetiva (2002)
>>> Direito Eleitoral Brasileiro:... (acompanha Cd) de Thales Tácito Pontes Luz de Pádua Cerqueira pela Del Rey/ Belo Horizonte (2004)
>>> Iniciação à Sociologia de Nelson Dacio Tomazi pela Atual (1993)
>>> Memórias do Armandinho Do Bixiga de Depoimento a Júlio Moreno pela Senac de SP./ SP. (1996)
>>> Convite a filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1998)
COLUNAS

Sexta-feira, 10/6/2005
Mens sana... um ano depois
Julio Daio Borges

+ de 2800 Acessos
+ 4 Comentário(s)


4,8 Km, em Angra, no feriado de Ano Novo

Fez mais de um ano que eu voltei do spa. Fez mais de seis meses que eu comecei a academia. Fez mais de três meses que eu participei da minha primeira corrida. Passada, então, a euforia, as pessoas me perguntam: "E, você? Continua com aquele negócio de mens sana in corpore sano [I, II e III]?" - como se fosse uma fase, uma moda passageira e eu, em algum momento, devesse "desencanar". Continuo. E não porque seja um sacrifício, e eu sinta a necessidade de periodicamente me martirizar, mas porque incorporei os princípios como se fosse uma filosofia de vida - a única em que me dou ao luxo de acreditar.

Como um credo religioso, se você quiser pensar, é difícil convencer as pessoas (e eu nem quero), mas eu sou "outro" desde abril do ano passado. Cada vez mais. Confesso que meu maior medo, durante algum tempo, foi voltar atrás. E eu me agarrava às minhas conquistas quando uma tentação aparecia ou quando eu simplesmente saía da linha. Era uma resposta à recaída ou à sua, aparente e recorrente, ameaça.

Com o tempo, fui percebendo que as tentações eram importantes, e as recaídas, também - para poder voltar. E firmar alguns princípios. É quase impossível esquecer alguns sabores e sensações, e você quer voltar a eles nem que seja para confirmar se eles continuam os mesmos e se eles não te dominam mais. Agora não me lembro da primeira vez em que fui ao McDonald's depois de voltar do spa. Mas não foi a única; nem será a última. Acontece, porém, que aquilo vai perdendo a graça, e você vai perdendo a vontade, mesmo que haja - no fundo - um gosto simples de transgressão no ar. Ou seja: você, de repente, quer lembrar do sabor do hambúrguer na boca; experimenta mas aquilo não te diz nada (ou então, vá lá, não te diz mais muita coisa; ou assim taaanta coisa); recorda por um instante; mas se arrepende logo depois - porque o crime, ou o prazer, não compensa, e é só.

Sempre quando eu como um chocolate (ou alguma outra coisa de que eu consulto as calorias antes), depois, correndo, me lembro de quanto eu preciso para queimar aquele negócio. Um Sensação, por exemplo, que eu resolvi (re)experimentar semanas atrás, exige 15 minutos de corrida ou mais, para ser compensado pelo exercício - afinal, são 180 calorias. Um Big Mac ou McChicken, ou Mc-qualquer-coisa, equivale a 40 minutos, 1 hora - e assim vai... Você sabe o que é uma hora correndo? Sabe o que são 15 minutos? Se soubesse, não comeria. Ou pensaria duas vezes. Ou sei lá. (Ou, melhor, sei: sei que não vale 5 minutos, 10 minutos, 15 minutos... 1 hora.)

Mas o peso, puro e simples, deixou de ser importante. Depois que emagreci 10 quilos (os 10 quilos que almejava) vivo oscilando um quilo ou dois, mas não importa. Deixa de importar porque você ganha outros parâmetros. Eu, por exemplo, sei que - mesmo que continue com o mesmo peso - a massa muscular aumenta enquanto a gordura diminui. A corrida me deu uma "definição" que eu nunca tive, principalmente da cintura pra baixo. Com a Carol, brinco que a minha bunda está diminuindo (o sentador não é mais aquele banco amplo; às vezes, preciso me equilibrar para não machucar o osso...). Não quero ser magro campo-de-concentração; muito menos engrosso o coro do visual top model. Até porque, piadas à parte, estou muito longe, e - como quis frisar - a perda de peso deixa de importar.

Também não fico fazendo musculação. Alias, pelo bem do exercício aeróbico, desde o começo do ano, passei a faltar. (Preciso, inclusive, voltar.) Fiquei tão viciado na sensação de limpeza mental depois de 40, 50 minutos de bicicleta ou corrida que abdiquei das atividades "acessórias". Depois de 10, 12 horas trabalhando, é necessário que eu esvazie a mente pelo desgaste do corpo (desgaste entre aspas). Minha imagem preferida é a da torção de um pano, de um tecido ou de uma roupa suja no tanque. Ou imaginar que estou "zipando" meus problemas, meu trabalho e meu dia, reduzindo, na minha cabeça, o "espaço" que eles ocupam (ou que eles deveriam ocupar).

Meu tio falou que se sente jovem de novo e tem dias em que lhe dou razão: volto, por alguns minutos, a ter 17 anos. A juventude pela juventude é idiota, como sabemos todos; para mim, o mais importante é a sensação de poder tudo de novo. De poder qualquer coisa. De poder, simplesmente, realizar o que parecia, até poucas horas, impossível ou improvável. Essa convicção me levou a mudar uma porção de coisas na minha vida e posso dizer que estou sendo bem-sucedido, embora, muitas vezes, me sinta ainda mais sobrecarregado (os superpoderes trazem super-responsabilidades). Mas, no geral, estou caminhando mais para "o lado bom" do que para "o lado ruim". (Sei que está abstrato e vou tentar exemplificar.)

Aqui, no Digestivo. Eu sempre tive a sensação de que estava começando, às 9 horas, tarde. Voltei do spa e mudei para as 8. Entrei na ginástica e, em alguns meses, mudei para as 7. Parece coisa de workaholic, mas só assim estou conseguindo realizar uma porção de projetos que estavam engavetados. De lá pra cá (não cito na ordem), reinaugurei o Blog. Comecei, e reforcei, minhas colaborações com a mídia off-line (Estadão, O Globo, Rascunho... and so on). Escrevi, finalmente, e pus no ar, um "Manual de Estilo" para os Colunistas. Implementei os Anúncios. Lancei novas e melhores Parcerias. Antecipamos a comemoração de 5 anos de site. Louvamos os 4 anos de Colunas. Os acessos bateram recorde. As menções aumentaram. Viramos revista. Viraremos livro logo mais. Virão as Entrevistas. Veio a Busca. Aberta a empresa, faturamos mais do que nunca (até porque, antes, o faturamento praticamente não existia). Editora. Eventos. Mudanças estruturais. Os planos são muitos. E não param de se realizar, o que é fundamental.

Pode ser que não tenha nada a ver com a minha mudança em 2004; mas eu acho que tem. É impossível não associar.

Antes, trabalhava, trabalhava e a impressão era de que não saía do lugar. No linguajar corporativo, estava sempre apagando incêndio. A rotina, as tarefas rotineiras, digo, devem ser uma parte da vida - e só conseguimos aprimorá-las ou, ao menos, olhá-las de fora, em perspectiva, quando saímos dessa roda-vida. A parada, para o exercício físico, traz isso. A oportunidade de entrar e sair do dia-a-dia, todos os dias, e repensar processos e transformá-los no dia seguinte, na semana seguinte, no mês seguinte... Caso contrário, você embarca num ciclo infinito, que vai te consumindo - e você, eternamente esgotado, não consegue explicar, nem entender, por quê. Afinal, estou fazendo tudo certo, estou cumprindo, estou entregando, estou dando o meu melhor... E nada.

O exercício também traz a convicção necessária para ser um agente transformador (você me desculpe seu eu aqui estiver soando como auto-ajuda). Porque todo mundo sabe o que está errado em sua rotina; ou, pelo menos, tem uma vaga noção. Falta força para começar e persistência para continuar. E para colher frutos. Eu lia esse tipo de conselho no livro do Nuno Cobra (sim, depois de muita insistência, de algumas pessoas, eu li) e achava que comparar as transformações na própria vida à conquista de pequenos objetivos numa corrida fosse balela de preparador físico, mas não é, não. Realmente, existe uma similitude. O desenvolvimento da própria capacidade, a superação dos limites, as vitórias mínimas, de cada dia, encontram, sim, eco na existência do indivíduo. As metas que você traça para o "treino" da semana seguinte se convertem, metaforicamente, em metas profissionais e pessoais; os degraus que você sobe em matéria de condicionamento físico podem ser, no futuro, degraus no mundo do trabalho e no universo da família; as bandeiras que você finca em territórios antes inatingíveis podem ser bandeiras na sua geografia íntima de sonhos e realizações.

Eu continuo com a corrida. Há um tempinho, fui ao Rio com a Carol e demos a volta na Lagoa correndo. É indescritível a sensação. São 7,5 Km. Eu vinha de uma prática de 40 minutos, duas ou três vezes por semana, e quando encarei a Lagoa Rodrigo de Freitas, sem saber exatamente o tamanho do percurso, achava que não ia dar. A Lagoa era grande; passava por todas aquelas montanhas; atravessava praias. Depois de menos de uma hora, estávamos no mesmo ponto onde começamos. Havíamos dado a volta. Não era uma prova oficial; ninguém estava filmando ou fotografando; não guardamos registro nenhum. Era mais para nós. Na verdade, não existem testemunhas para as grandes realizações - porque elas começam pequenas, porque ninguém dá bola pra mais um começo (igual aos outros), e porque só assistimos ao desfecho (ou ficamos sabendo que ele se concretizou). Então você me lê e pensa que foi tranqüilo. E, de certa maneira, foi. Mas você tem de ir lá, correr, para saber efetivamente como foi. Ou tem de correr você mesmo. Que tal? Quem sabe, daqui a um tempo, a gente corre junto. E você ainda vai poder escrever o seu próprio "Mens sana in corpore sano"...

Para ir além
Leia também "Salvem as baleias humanas", mais uma polêmica desperdiçada pela Superinteressante (a outra foi "Jornalista virou commodity", que teve principalmente esta e esta repercussão).


Julio Daio Borges
São Paulo, 10/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
02. Sobre e-books e caipiras de Yuri Vieira
03. 2010 e os meus álbuns musicais de Rafael Fernandes
04. A Pixar e Toy Story 3 de David Donato
05. Duas noites, dois momentos culturais de Ricardo de Mattos


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. Melhores Blogs - 20/5/2005
02. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
03. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
04. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005
05. A volta das revistas eletrônicas - 17/6/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/6/2005
08h32min
Querido Julio, parabéns! Realmente as pequenas conquistas, as metas físicas que conseguimos conquistar (infelizmente também sei o quanto isso custa) encontram eco na exitência do indivíduo como um todo. Só depois de experimentarmos é que podemos sentir o bem que o exercício físico traz!
[Leia outros Comentários de Vera C. Assumpcao]
11/6/2005
14h15min
Só posso dizer que tenho inveja da sua disposição, claro uma inveja saudável! Toda sorte do mundo na sua empreitada, ainda vou seguir seus passos! Um abraço.
[Leia outros Comentários de Gutemberg Motta]
11/6/2005
21h37min
Pois é, Julio-sem-u, tá lá no Espinosa: o que conspira contra o poder do corpo conspira contra tudo, conspira contra Deus, por isso, caminhe, caminha, e é bem melhor caminhar com a Carol do que em caminhadas evangélicas, creio, ou talvez, sendo amigo da Daniela, que gás, essa mulher, caminhar com ela por tantas espirais, você é mais retilíneo, parece. Eu tremo de pensar em academias, mas veja, era obrigado a caminhar, até por motivos profissionais, andar, andar, e quando você anda realmente pensa melhor, e talvez por estar assim, meio que andando pouco, fico pensando em academias... Bom mesmo é andar nas ruas de uma cidade, imagino o quanto é privilegiado quem pode andar em cidades imensas, e menos perigosas que São Paulo, se bem que andar por São Paulo é uma aventura que nenhum Baudelaire, Aragon, Breton teve sequer a concepção... Tremem os labirintos de Borges, e quem sabe a gente caminha junto por aqui, Julio, sei lá se é melhor no Butantã, Morumbi ou Jabaquara, mas vamos caminhando, e Baccios!!!
[Leia outros Comentários de Mário G. Montaut]
11/6/2005
23h37min
"Oxigenar o cérebro". É bom. Com o músculo cardíaco à toda eu penso melhor. Fica então combinado uma corridinha no barreiro (2km cada volta) antes daquela pizza... Abraço.
[Leia outros Comentários de Emilio Moura]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PRIMEROS PASOS EN PINTURA ARTÍSTICA
JOSÉ PARRAMÓN
PARRAMÓN
(1991)
R$ 40,00



GRUPOS FAMILIARES A EXPLOSÃO DA IGREJA NOS LARES
ALUÍZIO ANTONIO SILVA
O FRUTO DA VIDE
(1995)
R$ 20,00



MODIFICAÇÃO DE COMPORTAMENTO PRINCÍPIOS BÁSICOS 2
R. VANCE HALL
EPU
(1975)
R$ 4,40



FANTASMA
LUIZ ALFREDO GARCIA-ROZA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2012)
R$ 24,00



SERENDIPITY NEW TESTAMENT FOR GROUPS
VÁRIOS AUTORES
ZONDERVAN
(1987)
R$ 40,00



CARTWHEELS IN A SARI: A MEMOIR OF GROWING UP CULT
JAYANTI TAMM
BROADWAY BOOKS
(2010)
R$ 19,82



DIÁRIO DE UM ZUMBI DO MINECRAFT: UM DESAFIO ASSUSTADOR
HEROBRINE BOOKS
SEXTANTE
(2015)
R$ 23,86



LIVRO DIDÁTICO EM DEBATE
SUZANNA NEVES FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



THE LAST DAYS OF NEWGATE (A PYKE MYSTERY)
ANDREW PEPPER
PHOENIX
(2011)
R$ 19,82



TE CUIDA! GUIA PARA UMA VIDA SAUDÁVEL
DR CLÁUDIO DOMÊNICO
CASA DA PALAVRA
(2012)
R$ 39,00
+ frete grátis





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês