Alberto da Cunha Melo: o imortal que não vemos | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cigarro, apenas um substituto da masturbação?
>>> De volta às férias I
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
Mais Recentes
>>> Organize-se num Minuto de Donna Smallin pela Gente (2005)
>>> Assassinato no Expresso do Oriente de Agatha Christie pela Nova Fronteira (2011)
>>> Quatrocentos Contra Um - Uma História do Comando Vermelho de William da Silva Lima pela Vozes (1991)
>>> Confronto pedagógico: Paulo Freire e Mobral de Gilberta Martina Jannuzi pela Cortez & Moraes (1979)
>>> Escravidão, Homossexualidade e Demonologia de Luiz Mott pela Icone (1988)
>>> Socialismo Síntese das origens e doutrinas de Edgar Rodrigues pela Porta Aberta (2003)
>>> Sentença: Padres e Posseiros do Araguaia de Rivaldo Chinem pela Paz E terra (2019)
>>> Pancho Villa O revolucionário Mexicano de Earl Shorris pela Francisco Alves (1983)
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/3/2004
Alberto da Cunha Melo: o imortal que não vemos
Urariano Mota

+ de 2800 Acessos

Há uma crença não escrita de que não se deve escrever bem, falar bem sobre poetas vivos. De que os melhores poetas são mortos. De que, em palavras de Buffalo Bill/Custer ressurreto, poeta bom é poeta morto. Às vezes, algum amigo, alguma caridosa alma concede, e admite, e fala, e propaga que aquele sujeito que comete uns poeminhas é até um bom poeta. Concede e fica a esperar o supremo agradecimento, do poetinha. Mas a melhor homenagem sempre se deixa, sempre será feita depois do poeta morto. Então ele será único, inesquecível, rival dos deuses.

Isto não é novo. É tão velho e humano, desumano, que se repete em todas as latitudes. Alguém concebia Lorca em vida com os olhos que souberam depois do seu fuzilamento? Alguém alcançava o gênio de Baudelaire com os olhos que o vêem depois do seu fogo e sofrimento? E Cruz e Sousa, no Brasil, o genial poeta negro, sempre lembrado com esse adjetivo, negro, para fazê-lo um gênio menor, como a dizer "para negro foi um gênio muito grande"? Em Cruz e Sousa difícil é saber o que é maior, se o seu talento, se o seu sofrimento, a sua luta heróica para se fazer um homem.

Nelson Cavaquinho, num samba antológico, já pedia que "me dêem as flores em vida, o carinho, a mão amiga, para aliviar meus ais". Bem dito. O comum da gente já mata os artistas, os poetas, de descaso ou de fome. Quando não, das duas maneiras. Descaso? Sim, até quando os aceita. Por exemplo, contenham o riso pois o que vou dizer não é anedota. A um escritor eu vi e ouvi dizerem: "Você é poeta! Então sabe as palavras certas para a coroa de flores para um defunto amigo. Que palavras escrevo?". E senti, ouvi-o responder baixinho: "Escreva: Vá para o inferno". A outro, eu já ouvi pedirem, melhor dizendo, exigirem: "Você, que é poeta, improvise agora. Vamos, se é poeta, improvise...". O comum da gente tem da poesia e dos poetas a mais funda e desprezível e desprezadora ignorância. Dizem de alguém que vive nas nuvens, "é um poeta". E aqui e ali, os mais letrados, acrescentam, "é um filósofo". Vêem no poeta um alambicado, afeminado, emasculado. Ou um homem, quando concedem, que lhe basta viver de brisa, para assim melhor comer poesia.

Compreendam, por favor: o escrito até aqui não é um nariz-de-cera. É uma introdução ao poeta Alberto da Cunha Melo.

Se aqui irrompesse o breve, de espírito, de magoado sem lágrima a correr, seco, que se molha a conhaque e se queima a cigarro, até atingir um câncer flor verdade, então eu escreveria:

"Moro tão longe, que as serpentes
morrem no meio do caminho.
Moro bem longe: quem me alcança
para sempre me alcançará.

Não há estradas coletivas
com seus vetores, suas setas
indicando o lugar perdido
onde meu sonho se instalou.

Há tão somente o mesmo túnel
de brasas que antes percorri,
e que à medida que avançava,
foi-se fechando atrás de mim.

É preciso ser companheiro
do Tempo e mergulhar na Terra,
e segurar a minha mão
e não ter medo de perder.

Nada será fácil: as escadas
não serão o fim da viagem:
mas darão o duro direito
de, subindo-as, permanecermos."

Mas isto apenas consigo como uma cópia, porque são versos de Alberto, no poema "Um Cartão de Visita". "Moro tão longe que as serpentes morrem no caminho...". Todos os dias eu o encontro no ônibus. Somos quase vizinhos. Que sorte a minha, que infelicidade a sua, de ter uma cascavel com o meu veneno alcançando-o. Com o chocalho da minha voz, chamo-o. Ele vem e senta ao meu lado. "Como vai a saúde, Alberto?", pergunto, porque vejo em seus olhos uma sombra. "Boa, para a minha idade", responde. E conversamos. Melhor dizendo, escuto-o. Melhor, aprendo. Porque Alberto, alheio à assistência do ônibus que se enche, sem medo da zombaria ou do motejo da gente, põe-se a falar sobre poesia, com a mais pura sinceridade e desarmamento. E me fala da estupidez da distinção entre rimas ricas e rimas pobres. E me abre os olhos para os versos belíssimos de Camões cheios de rimas "pobres". E me ensina, quase me grita:

- O Camões ruim está muito acima da média da poesia em língua portuguesa.

No ônibus, as pessoas me olham. Quem é o interlocutor? Eu, covardemente, quase lhes imploro: eu não tenho culpa. E me dá vontade de lhes dizer: esse homem com a idade de 62 anos, que vocês ouvem com a voz gasta por milhares de cigarros, esse Alberto da Cunha Melo no ônibus de Casa Caiada, às sete horas da manhã, esse homem em que não enxergo roupas, corpo, cabelos, só os seus olhos com uma névoa, esse homem é um clássico da nossa poesia. Vocês duvidam?

"Cai um silêncio de ondas longas
e sucessivas como a chuva.
E que silêncio será esse
que cai assim antes de mim?

Fauna marinha, gestos lentos
de anjos calados golpeando
um polvo em fúria que me espera
(sob os sonhos). Há quanto tempo?

Poucos amigos, tudo salvo,
ainda temos nossas raivas
e uma esperança ilimitada
nos setembros. Mas, até quando?

Caem livros silenciosos
das prateleiras: baixa a luz
morna e abundante sobre as capas.
Que foi feito de tanta noite?

A esperança nova se agarra
entre as barreiras e as ossadas
de nossos morros. E por que
morremos antes de salvá-la?"

Este Alberto que me fala enquanto o motorista estronda a música no rádio, num brega infernal, esse Alberto que me fez interromper, bem, a leitura de As Flores do Mal, é o poeta que não se dá conta do aperto de gente em volta, porque a essa altura faz uma mesura, com um pedido de desculpa aos parnasianos, que estão há quilômetros deste coletivo:

- Olavo Bilac tinha razão ao dizer que a rima pode revelar um verso novo, que antes não sabíamos. Eu descobri isso, na prática.

Ele não precisa repetir essa verdade em versos de memória (a sua não é de caminhos trilhados, mas de caminhos que virão):

"Só agora sabemos, quando
outro século bate à porta:
tudo tocado pelo Homem
tem o cheiro de coisa morta,

e o som do réquiem, som da nênia
dos morteiros sobre a Chechênia,

e dos vagidos africanos
sobre as favelas tropicais,
som de escopeta de dois canos,

anunciando-nos, com susto,
que ainda impera César Augusto."

Os versos brancos não são uma invenção moderna, nem sempre a poesia teve rima, ele me diz. Então eu, como um novo Burguês Fidalgo, lhe pergunto: Então os clássicos antigos faziam poesia sem rima? (Me dá vontade de perguntar se existe poesia em prosa, mas me calo):

- Não. A rima vem da Idade Média, com a grande influência árabe, talvez.

Então ele se levanta, para descer do ônibus. Além do fato de ser um falante esquisito, as pessoas não o vêem, sinto. O poeta não vêem. De O Homem Invisível de Wells me lembro. O poeta é o homem invisível. E penso, sem mais vontade nenhuma de voltar a Flores do Mal, que essa ignorância vai além do círculo de trabalhadores que viajam neste ônibus. Alcança o próprio poder público. O poeta Alberto da Cunha Melo, aos 62 anos, recebe a graça, a condescendência, a generosidade dos governantes que lhe permitem trabalhar em uma biblioteca pública. O pagamento para tão alta distinção não chega a dois salários mínimos. Este é o prêmio para a sua poesia. Então me lembro, vendo-o assim partir para o trabalho doado, óbolo governamental, me lembro do que um dia escreveu, antes desta viagem em 2004.

"Tudo que levamos a sério
torna-se amargo. Assim os jogos,
a poesia, todos os pássaros,
mais do que tudo: todo o amor.

De quando em quando faltaremos
a algum compromisso na Terra,
e atravessaremos os córregos
cheios de areia, após as chuvas.

Se alguma súbita alegria
retardar o nosso regresso,
um inesperado companheiro
marcará o nosso cartão.

Tudo que levamos a sério
torna-se amargo. Assim as faixas
da vitória, a própria vitória,
mais do que tudo: o próprio Céu.

De quando em quando faltaremos
a algum compromisso na Terra,
e lavaremos as pupilas
cegas, com o verniz das estrelas."

Obrigado, poeta. Eu também, à minha maneira, sigo para o meu relógio de ponto. E compreendo bem, como compreendo, que tudo que levamos a sério torna-se amargo. Até a poesia, e mais precisamente o amor. Mas isto só saberei dizer em prosa.

Para ir além






Urariano Mota
Olinda, 15/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
02. América Latina, ainda em construção de Heloisa Pait
03. Por quem os sinos dobram em Paris? de Vicente Escudero
04. Na toca dos leões de Gian Danton
05. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. O Rei Roberto Carlos e a Ditadura - 19/4/2004
03. A nova escola - 29/8/2003
04. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
05. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VOCÊ DIZ QUE SABE MUITO BORBOLETA SABE MAIS
RICARDO AZEVEDO
MODERNA
(2007)
R$ 20,00



O GRANDE SOL DE MERCÚRIO
ISAAC ASIMOV
HEMUS
R$ 25,00



O TESOURO DO TEMPLO
ELIETTE ABÉCASSIS
EDIOURO
(2003)
R$ 13,50



UM MODELO PREDITIVO DE PROVISIONAMENTO DE CRÉDITO COM REDE NEURAL
FRANCISCO JACKSON DOS SANTOS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



PROCESSAMENTO DE BLENDAS PET/LCPS: PROPRIEDADES E ORIENTAÇÃO MOLECULAR
LUCINEIDE BALBINO DA SILVA UND ROSARIO E. S. BRETAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 419,00



11 : 11 - INSIDE THE DOORWAY
SOLARA
STAR BORNE
(1992)
R$ 25,00



MICHAELIS DICIONÁRIO ESCOLAR ESPANHOL/PORTUGUÊS - PORTUGUÊS/ESPANHOL
EQUIPE MELHORAMENTOS
MELHORAMENTOS
(2009)
R$ 49,00



VOCÊ PODE CONQUISTAR TUDO O QUE SEMPRE QUIS...
ADRIAN CALABRESE
UNIVERSO DOS LIVROS
(2009)
R$ 9,90



BRASÍLIA 3° LIVRO PRIMÁRIO
DAISY BRÉSCIA
LIVRARIA FRANCISCO ALVES
(1971)
R$ 20,00



BUSH NA BABLÔNIA.
TARIQ ALI
RECORD
(2003)
R$ 29,90
+ frete grátis





busca | avançada
39185 visitas/dia
1,1 milhão/mês