Alberto da Cunha Melo: o imortal que não vemos | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
>>> A princesa insípida e o caçador
Mais Recentes
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
>>> Para Todos os Amores Errados de Clarissa Corrêa pela Gutenberg (2012)
>>> A relíquia de Eça de Queirós pela Principis (2019)
>>> Antologia poetica de fernando pessoa de Walmir ayala pela Ediouro
>>> Sermões de Padre Antônio Vieira pela Principis (2019)
>>> Minha Paris de Gail Scott pela Autêntica (2014)
>>> Uma longa Jornada de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O Ciclista de Walter Moreira Santos pela Autêntica (2008)
>>> Dark Eden de Patrick Carman pela Gutenberg (2012)
>>> A primeira vista de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Querido John - de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Sete Minutos no Paraíso de Rafaella Vieira pela Gutenberg (2012)
>>> Matemática e Arte de Dirceu Zaleski Filho pela Autêntica (2013)
>>> O presidente negro de Monteiro Lobato pela Principis (2019)
>>> Da Etnomatemática a Arte-design e Matrizes Cíclicas de Paulus Gerdes pela Autêntica (2010)
>>> Porque ele vive de Pe. Gustavo Sampaio pela Dll
COLUNAS

Segunda-feira, 15/3/2004
Alberto da Cunha Melo: o imortal que não vemos
Urariano Mota

+ de 3000 Acessos

Há uma crença não escrita de que não se deve escrever bem, falar bem sobre poetas vivos. De que os melhores poetas são mortos. De que, em palavras de Buffalo Bill/Custer ressurreto, poeta bom é poeta morto. Às vezes, algum amigo, alguma caridosa alma concede, e admite, e fala, e propaga que aquele sujeito que comete uns poeminhas é até um bom poeta. Concede e fica a esperar o supremo agradecimento, do poetinha. Mas a melhor homenagem sempre se deixa, sempre será feita depois do poeta morto. Então ele será único, inesquecível, rival dos deuses.

Isto não é novo. É tão velho e humano, desumano, que se repete em todas as latitudes. Alguém concebia Lorca em vida com os olhos que souberam depois do seu fuzilamento? Alguém alcançava o gênio de Baudelaire com os olhos que o vêem depois do seu fogo e sofrimento? E Cruz e Sousa, no Brasil, o genial poeta negro, sempre lembrado com esse adjetivo, negro, para fazê-lo um gênio menor, como a dizer "para negro foi um gênio muito grande"? Em Cruz e Sousa difícil é saber o que é maior, se o seu talento, se o seu sofrimento, a sua luta heróica para se fazer um homem.

Nelson Cavaquinho, num samba antológico, já pedia que "me dêem as flores em vida, o carinho, a mão amiga, para aliviar meus ais". Bem dito. O comum da gente já mata os artistas, os poetas, de descaso ou de fome. Quando não, das duas maneiras. Descaso? Sim, até quando os aceita. Por exemplo, contenham o riso pois o que vou dizer não é anedota. A um escritor eu vi e ouvi dizerem: "Você é poeta! Então sabe as palavras certas para a coroa de flores para um defunto amigo. Que palavras escrevo?". E senti, ouvi-o responder baixinho: "Escreva: Vá para o inferno". A outro, eu já ouvi pedirem, melhor dizendo, exigirem: "Você, que é poeta, improvise agora. Vamos, se é poeta, improvise...". O comum da gente tem da poesia e dos poetas a mais funda e desprezível e desprezadora ignorância. Dizem de alguém que vive nas nuvens, "é um poeta". E aqui e ali, os mais letrados, acrescentam, "é um filósofo". Vêem no poeta um alambicado, afeminado, emasculado. Ou um homem, quando concedem, que lhe basta viver de brisa, para assim melhor comer poesia.

Compreendam, por favor: o escrito até aqui não é um nariz-de-cera. É uma introdução ao poeta Alberto da Cunha Melo.

Se aqui irrompesse o breve, de espírito, de magoado sem lágrima a correr, seco, que se molha a conhaque e se queima a cigarro, até atingir um câncer flor verdade, então eu escreveria:

"Moro tão longe, que as serpentes
morrem no meio do caminho.
Moro bem longe: quem me alcança
para sempre me alcançará.

Não há estradas coletivas
com seus vetores, suas setas
indicando o lugar perdido
onde meu sonho se instalou.

Há tão somente o mesmo túnel
de brasas que antes percorri,
e que à medida que avançava,
foi-se fechando atrás de mim.

É preciso ser companheiro
do Tempo e mergulhar na Terra,
e segurar a minha mão
e não ter medo de perder.

Nada será fácil: as escadas
não serão o fim da viagem:
mas darão o duro direito
de, subindo-as, permanecermos."

Mas isto apenas consigo como uma cópia, porque são versos de Alberto, no poema "Um Cartão de Visita". "Moro tão longe que as serpentes morrem no caminho...". Todos os dias eu o encontro no ônibus. Somos quase vizinhos. Que sorte a minha, que infelicidade a sua, de ter uma cascavel com o meu veneno alcançando-o. Com o chocalho da minha voz, chamo-o. Ele vem e senta ao meu lado. "Como vai a saúde, Alberto?", pergunto, porque vejo em seus olhos uma sombra. "Boa, para a minha idade", responde. E conversamos. Melhor dizendo, escuto-o. Melhor, aprendo. Porque Alberto, alheio à assistência do ônibus que se enche, sem medo da zombaria ou do motejo da gente, põe-se a falar sobre poesia, com a mais pura sinceridade e desarmamento. E me fala da estupidez da distinção entre rimas ricas e rimas pobres. E me abre os olhos para os versos belíssimos de Camões cheios de rimas "pobres". E me ensina, quase me grita:

- O Camões ruim está muito acima da média da poesia em língua portuguesa.

No ônibus, as pessoas me olham. Quem é o interlocutor? Eu, covardemente, quase lhes imploro: eu não tenho culpa. E me dá vontade de lhes dizer: esse homem com a idade de 62 anos, que vocês ouvem com a voz gasta por milhares de cigarros, esse Alberto da Cunha Melo no ônibus de Casa Caiada, às sete horas da manhã, esse homem em que não enxergo roupas, corpo, cabelos, só os seus olhos com uma névoa, esse homem é um clássico da nossa poesia. Vocês duvidam?

"Cai um silêncio de ondas longas
e sucessivas como a chuva.
E que silêncio será esse
que cai assim antes de mim?

Fauna marinha, gestos lentos
de anjos calados golpeando
um polvo em fúria que me espera
(sob os sonhos). Há quanto tempo?

Poucos amigos, tudo salvo,
ainda temos nossas raivas
e uma esperança ilimitada
nos setembros. Mas, até quando?

Caem livros silenciosos
das prateleiras: baixa a luz
morna e abundante sobre as capas.
Que foi feito de tanta noite?

A esperança nova se agarra
entre as barreiras e as ossadas
de nossos morros. E por que
morremos antes de salvá-la?"

Este Alberto que me fala enquanto o motorista estronda a música no rádio, num brega infernal, esse Alberto que me fez interromper, bem, a leitura de As Flores do Mal, é o poeta que não se dá conta do aperto de gente em volta, porque a essa altura faz uma mesura, com um pedido de desculpa aos parnasianos, que estão há quilômetros deste coletivo:

- Olavo Bilac tinha razão ao dizer que a rima pode revelar um verso novo, que antes não sabíamos. Eu descobri isso, na prática.

Ele não precisa repetir essa verdade em versos de memória (a sua não é de caminhos trilhados, mas de caminhos que virão):

"Só agora sabemos, quando
outro século bate à porta:
tudo tocado pelo Homem
tem o cheiro de coisa morta,

e o som do réquiem, som da nênia
dos morteiros sobre a Chechênia,

e dos vagidos africanos
sobre as favelas tropicais,
som de escopeta de dois canos,

anunciando-nos, com susto,
que ainda impera César Augusto."

Os versos brancos não são uma invenção moderna, nem sempre a poesia teve rima, ele me diz. Então eu, como um novo Burguês Fidalgo, lhe pergunto: Então os clássicos antigos faziam poesia sem rima? (Me dá vontade de perguntar se existe poesia em prosa, mas me calo):

- Não. A rima vem da Idade Média, com a grande influência árabe, talvez.

Então ele se levanta, para descer do ônibus. Além do fato de ser um falante esquisito, as pessoas não o vêem, sinto. O poeta não vêem. De O Homem Invisível de Wells me lembro. O poeta é o homem invisível. E penso, sem mais vontade nenhuma de voltar a Flores do Mal, que essa ignorância vai além do círculo de trabalhadores que viajam neste ônibus. Alcança o próprio poder público. O poeta Alberto da Cunha Melo, aos 62 anos, recebe a graça, a condescendência, a generosidade dos governantes que lhe permitem trabalhar em uma biblioteca pública. O pagamento para tão alta distinção não chega a dois salários mínimos. Este é o prêmio para a sua poesia. Então me lembro, vendo-o assim partir para o trabalho doado, óbolo governamental, me lembro do que um dia escreveu, antes desta viagem em 2004.

"Tudo que levamos a sério
torna-se amargo. Assim os jogos,
a poesia, todos os pássaros,
mais do que tudo: todo o amor.

De quando em quando faltaremos
a algum compromisso na Terra,
e atravessaremos os córregos
cheios de areia, após as chuvas.

Se alguma súbita alegria
retardar o nosso regresso,
um inesperado companheiro
marcará o nosso cartão.

Tudo que levamos a sério
torna-se amargo. Assim as faixas
da vitória, a própria vitória,
mais do que tudo: o próprio Céu.

De quando em quando faltaremos
a algum compromisso na Terra,
e lavaremos as pupilas
cegas, com o verniz das estrelas."

Obrigado, poeta. Eu também, à minha maneira, sigo para o meu relógio de ponto. E compreendo bem, como compreendo, que tudo que levamos a sério torna-se amargo. Até a poesia, e mais precisamente o amor. Mas isto só saberei dizer em prosa.

Para ir além






Urariano Mota
Olinda, 15/3/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. O Rei Roberto Carlos e a Ditadura - 19/4/2004
03. A nova escola - 29/8/2003
04. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
05. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cleópatra - Rainha e Mulher
Terenci Moix
Globo
(1989)



O Homem na Sociedade
George Simpson
Bloch
(1967)



Festa e Identidade Como Se Faz a Festa da Uva
Cleodes Maria Pizza Julio Ribeiro
Educs
(2002)



Uma Bomba no Quintal
Luiz Galdino
Ftd
(1994)



Ortopedia e Traumatologia - Conseitos Básicos
João A. Rossi
E. P. U
(1984)



I Canti Della Montagna
Dario Albani Barbieri
Roberto Napoleone
(1983)



Embrulhando o Peixe: crônicas de um empresário do sanatório Brasil
Ricardo Semler
Best Seller
(1992)



Feminismos, Identidades, Comparativismos: Vertentes Nas Literaturas De
Peonia Viana Guedes (org) Volume V
Elphos
(2007)



Pior Que Watergate
John W. Dean
Francis
(2004)



A Cor Tem Alma
Emerson Luiz W. Schulz
Bibla
(1997)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês