Alberto da Cunha Melo: o imortal que não vemos | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 15/3/2004
Alberto da Cunha Melo: o imortal que não vemos
Urariano Mota

+ de 2800 Acessos

Há uma crença não escrita de que não se deve escrever bem, falar bem sobre poetas vivos. De que os melhores poetas são mortos. De que, em palavras de Buffalo Bill/Custer ressurreto, poeta bom é poeta morto. Às vezes, algum amigo, alguma caridosa alma concede, e admite, e fala, e propaga que aquele sujeito que comete uns poeminhas é até um bom poeta. Concede e fica a esperar o supremo agradecimento, do poetinha. Mas a melhor homenagem sempre se deixa, sempre será feita depois do poeta morto. Então ele será único, inesquecível, rival dos deuses.

Isto não é novo. É tão velho e humano, desumano, que se repete em todas as latitudes. Alguém concebia Lorca em vida com os olhos que souberam depois do seu fuzilamento? Alguém alcançava o gênio de Baudelaire com os olhos que o vêem depois do seu fogo e sofrimento? E Cruz e Sousa, no Brasil, o genial poeta negro, sempre lembrado com esse adjetivo, negro, para fazê-lo um gênio menor, como a dizer "para negro foi um gênio muito grande"? Em Cruz e Sousa difícil é saber o que é maior, se o seu talento, se o seu sofrimento, a sua luta heróica para se fazer um homem.

Nelson Cavaquinho, num samba antológico, já pedia que "me dêem as flores em vida, o carinho, a mão amiga, para aliviar meus ais". Bem dito. O comum da gente já mata os artistas, os poetas, de descaso ou de fome. Quando não, das duas maneiras. Descaso? Sim, até quando os aceita. Por exemplo, contenham o riso pois o que vou dizer não é anedota. A um escritor eu vi e ouvi dizerem: "Você é poeta! Então sabe as palavras certas para a coroa de flores para um defunto amigo. Que palavras escrevo?". E senti, ouvi-o responder baixinho: "Escreva: Vá para o inferno". A outro, eu já ouvi pedirem, melhor dizendo, exigirem: "Você, que é poeta, improvise agora. Vamos, se é poeta, improvise...". O comum da gente tem da poesia e dos poetas a mais funda e desprezível e desprezadora ignorância. Dizem de alguém que vive nas nuvens, "é um poeta". E aqui e ali, os mais letrados, acrescentam, "é um filósofo". Vêem no poeta um alambicado, afeminado, emasculado. Ou um homem, quando concedem, que lhe basta viver de brisa, para assim melhor comer poesia.

Compreendam, por favor: o escrito até aqui não é um nariz-de-cera. É uma introdução ao poeta Alberto da Cunha Melo.

Se aqui irrompesse o breve, de espírito, de magoado sem lágrima a correr, seco, que se molha a conhaque e se queima a cigarro, até atingir um câncer flor verdade, então eu escreveria:

"Moro tão longe, que as serpentes
morrem no meio do caminho.
Moro bem longe: quem me alcança
para sempre me alcançará.

Não há estradas coletivas
com seus vetores, suas setas
indicando o lugar perdido
onde meu sonho se instalou.

Há tão somente o mesmo túnel
de brasas que antes percorri,
e que à medida que avançava,
foi-se fechando atrás de mim.

É preciso ser companheiro
do Tempo e mergulhar na Terra,
e segurar a minha mão
e não ter medo de perder.

Nada será fácil: as escadas
não serão o fim da viagem:
mas darão o duro direito
de, subindo-as, permanecermos."

Mas isto apenas consigo como uma cópia, porque são versos de Alberto, no poema "Um Cartão de Visita". "Moro tão longe que as serpentes morrem no caminho...". Todos os dias eu o encontro no ônibus. Somos quase vizinhos. Que sorte a minha, que infelicidade a sua, de ter uma cascavel com o meu veneno alcançando-o. Com o chocalho da minha voz, chamo-o. Ele vem e senta ao meu lado. "Como vai a saúde, Alberto?", pergunto, porque vejo em seus olhos uma sombra. "Boa, para a minha idade", responde. E conversamos. Melhor dizendo, escuto-o. Melhor, aprendo. Porque Alberto, alheio à assistência do ônibus que se enche, sem medo da zombaria ou do motejo da gente, põe-se a falar sobre poesia, com a mais pura sinceridade e desarmamento. E me fala da estupidez da distinção entre rimas ricas e rimas pobres. E me abre os olhos para os versos belíssimos de Camões cheios de rimas "pobres". E me ensina, quase me grita:

- O Camões ruim está muito acima da média da poesia em língua portuguesa.

No ônibus, as pessoas me olham. Quem é o interlocutor? Eu, covardemente, quase lhes imploro: eu não tenho culpa. E me dá vontade de lhes dizer: esse homem com a idade de 62 anos, que vocês ouvem com a voz gasta por milhares de cigarros, esse Alberto da Cunha Melo no ônibus de Casa Caiada, às sete horas da manhã, esse homem em que não enxergo roupas, corpo, cabelos, só os seus olhos com uma névoa, esse homem é um clássico da nossa poesia. Vocês duvidam?

"Cai um silêncio de ondas longas
e sucessivas como a chuva.
E que silêncio será esse
que cai assim antes de mim?

Fauna marinha, gestos lentos
de anjos calados golpeando
um polvo em fúria que me espera
(sob os sonhos). Há quanto tempo?

Poucos amigos, tudo salvo,
ainda temos nossas raivas
e uma esperança ilimitada
nos setembros. Mas, até quando?

Caem livros silenciosos
das prateleiras: baixa a luz
morna e abundante sobre as capas.
Que foi feito de tanta noite?

A esperança nova se agarra
entre as barreiras e as ossadas
de nossos morros. E por que
morremos antes de salvá-la?"

Este Alberto que me fala enquanto o motorista estronda a música no rádio, num brega infernal, esse Alberto que me fez interromper, bem, a leitura de As Flores do Mal, é o poeta que não se dá conta do aperto de gente em volta, porque a essa altura faz uma mesura, com um pedido de desculpa aos parnasianos, que estão há quilômetros deste coletivo:

- Olavo Bilac tinha razão ao dizer que a rima pode revelar um verso novo, que antes não sabíamos. Eu descobri isso, na prática.

Ele não precisa repetir essa verdade em versos de memória (a sua não é de caminhos trilhados, mas de caminhos que virão):

"Só agora sabemos, quando
outro século bate à porta:
tudo tocado pelo Homem
tem o cheiro de coisa morta,

e o som do réquiem, som da nênia
dos morteiros sobre a Chechênia,

e dos vagidos africanos
sobre as favelas tropicais,
som de escopeta de dois canos,

anunciando-nos, com susto,
que ainda impera César Augusto."

Os versos brancos não são uma invenção moderna, nem sempre a poesia teve rima, ele me diz. Então eu, como um novo Burguês Fidalgo, lhe pergunto: Então os clássicos antigos faziam poesia sem rima? (Me dá vontade de perguntar se existe poesia em prosa, mas me calo):

- Não. A rima vem da Idade Média, com a grande influência árabe, talvez.

Então ele se levanta, para descer do ônibus. Além do fato de ser um falante esquisito, as pessoas não o vêem, sinto. O poeta não vêem. De O Homem Invisível de Wells me lembro. O poeta é o homem invisível. E penso, sem mais vontade nenhuma de voltar a Flores do Mal, que essa ignorância vai além do círculo de trabalhadores que viajam neste ônibus. Alcança o próprio poder público. O poeta Alberto da Cunha Melo, aos 62 anos, recebe a graça, a condescendência, a generosidade dos governantes que lhe permitem trabalhar em uma biblioteca pública. O pagamento para tão alta distinção não chega a dois salários mínimos. Este é o prêmio para a sua poesia. Então me lembro, vendo-o assim partir para o trabalho doado, óbolo governamental, me lembro do que um dia escreveu, antes desta viagem em 2004.

"Tudo que levamos a sério
torna-se amargo. Assim os jogos,
a poesia, todos os pássaros,
mais do que tudo: todo o amor.

De quando em quando faltaremos
a algum compromisso na Terra,
e atravessaremos os córregos
cheios de areia, após as chuvas.

Se alguma súbita alegria
retardar o nosso regresso,
um inesperado companheiro
marcará o nosso cartão.

Tudo que levamos a sério
torna-se amargo. Assim as faixas
da vitória, a própria vitória,
mais do que tudo: o próprio Céu.

De quando em quando faltaremos
a algum compromisso na Terra,
e lavaremos as pupilas
cegas, com o verniz das estrelas."

Obrigado, poeta. Eu também, à minha maneira, sigo para o meu relógio de ponto. E compreendo bem, como compreendo, que tudo que levamos a sério torna-se amargo. Até a poesia, e mais precisamente o amor. Mas isto só saberei dizer em prosa.

Para ir além






Urariano Mota
Olinda, 15/3/2004


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. O Rei Roberto Carlos e a Ditadura - 19/4/2004
03. A nova escola - 29/8/2003
04. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
05. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ONDE ESTIVESTE ADÃO?
HEINRICH BOLL
EXPRESSÃO E CULTURA
(1973)
R$ 10,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO INGLÊS
HUNTER BOOKS (ORG)
HUNTER
(2014)
R$ 20,00



SEM MEDO DE TER MEDO
TITO PAES DE BARROS NETO
CASA DO PSICOLOGO
(2000)
R$ 90,00



RICK E A GIRAFA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
ÁTICA
(2012)
R$ 5,00



É TUDO VERDADE - ITS ALL TRUE 2001
AMIR LABAKI (ORG.)
CCBB
(2001)
R$ 8,11



CARNAVAL E SAMBA EM EVOLUÇÃO NA CIDADE DE SÃO PAULO
MARIA APPARECIDA URBANO
PLÊIADE
(2006)
R$ 23,00



UM MEDO POR DEMAIS INTELIGENTE, AUTOBIOGRAFIAS PESSOAIS
AMERICO LINDEZA DIOGO E ROSA SIL MONTEIRO
ANGELUS NOVUS
(1994)
R$ 33,07



CAVERNA DOS MONSTROS
STELLA CARR
MELHORAMENTOS
(1993)
R$ 5,00



JOGOS E BRINCADEIRAS
VARIOS
VOZES
(2018)
R$ 26,95



DA GORDURA À FORMOSURA EM QUALQUER IDADE
SARÍ HARRAR ALISA BAUMAN
PLÁTANO
(2000)
R$ 77,00





busca | avançada
44557 visitas/dia
1,2 milhão/mês