Soy loco por ti, America | Daniela Sandler | Digestivo Cultural

busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
Colunistas
Últimos Posts
>>> Brandenburg Concertos (1 - 6)
>>> 100 nomes da edição no Brasil
>>> Eu ganhei tanta coisa perdendo
>>> Toda forma de amor
>>> Harvard: o que não se aprende
>>> Pedro Cardoso em #Provocações
>>> Homenagem a Paulo Francis
>>> Arte, cultura e democracia
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
Últimos Posts
>>> João Gilberto: o mito
>>> Alma em flor
>>> A mão & a luva
>>> Pesos & Contra-pesos
>>> Grito primal II
>>> Calcanhar de Aquiles
>>> O encanto literário da poesia
>>> Expressão básica II
>>> Expressão básica
>>> Minha terra, a natureza viva.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Frankenstein de Mary Shelley
>>> Christian Barbosa no MitA
>>> Obama e o oba-oba
>>> E se Amélia fosse feminista?
>>> O que é ser jornalista?
>>> Toda forma de amor
>>> O filósofo da contracultura
>>> Oderint Dum Metuant
>>> Beleza e barbárie, ou: Flores do Oriente
>>> A fragilidade dos laços humanos
Mais Recentes
>>> Trotski - O Profeta Banido de Isaac Deutscher pela Civilização Brasileira (1984)
>>> Nos Tempos de Getúlio: Da Revolução de 30 ao Fim do Estado Novo de Sonia de Deus Rodrigues Bercito pela Atual/ Sp. (1995)
>>> De Getulio a Getúlio: o Brasil de Dutra e Vargas (1945 a 1954) de Francisco Fernando Monteoliva Doratioto (e outro) pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1996)
>>> Indústria, Trabalho e Cotidiano: Brasil (1889-1930) de Maria Auxiliadora Guzzo de Decca pela Atual/ Sp. (1991)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1995)
>>> Império do Café: a Grande Lavoura do Brasil (1850 a 1890) de Ana Luiza Martins pela Atual/ Sp. (1994)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Código da Vida - Fantástico Litígio Judicial de Uma Família de Saulo Ramos pela Planeta (2008)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Independência Ou Morte: a Emancipação Política do Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos /Lui Affonso Seigneur de Albuquerque pela Atual/ Sp. (1991)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1993)
>>> O Império da Boa Sociedade: a Consolidação do Estado Imperial Brasil de Ilmar Rohloff de Mattos / Marcia de A. Gonçalves pela Atual/ Sp. (1992)
>>> Contabilidade introdutória de Sergio Iudicibus, Stephen e outros pela Atlas (1977)
>>> Language Its Nature - Development and Origini de Otto Jespersen, (Prof. Univ. Coppenhagen)./ pela George Allen & UnwinnLtd/London (1949)
>>> El Espejo y La Lámpara: Teoría Romántica y Tradición Clásica de M. H. Abrams pela Eitorial Nova/ Argentina (1962)
>>> Clause Sauf Encaissement de Casimir Pajot pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1891)
>>> Catolicismo para Leigos de John Trigilio e Kenneth Brighenti pela Altabooks (2008)
>>> Estudos Sobre Sucessões Testamentária de Orosimbo Nonato pela Forense (1957)
>>> Los Caminos Actuales de La Critica (Encadernado) de René Girard/ G. W. Ireland/ Jacques Leenhardt... pela Planeta/ Barcelona (1969)
>>> Instituições de Direito Civil Portuguez de M.A. Coelho da Rocha pela Garnier Livreiro (1907)
>>> Régimen Argentino de la Propiedad Horizontal de José A. Negri pela Arayú (1953)
>>> Enciclopédia de Cultura de Joaquim Pimenta pela Freitas Bastos (1963)
>>> Direitos de Família de Lafayette Rodrigues Pereira pela Freitas Bastos (1945)
>>> Demarcação Divisão Tapumes de Alfredo de Araujo Lopes da Costa pela Bernardo Alves S.A. (1963)
>>> Consultor Civil de Carlos Antonio Gordeiro pela Garnier (1913)
>>> El Derecho de Familia en La Legislacion Comparada de Luis Fernandez Clerico pela Hispano Americana (1947)
>>> Estudos de Direito Civil de Manoel Martins Pacheco Prates pela São Paulo (1926)
>>> Direitos Reaes de Garantia de J.L. Ribeiro de SouSa pela C. Teixeira
>>> Obrigações de Pagamento em Dinheiro (Três Estudos) de Paulo Barbosa de Campos Filho pela Jurídica e Universitária (1971)
>>> Teoria e Pratica dos Testamentos de Manoel Ubaldino de Azevedo pela Saraiva (1965)
>>> Les Groupements D' Obligataires de Albert Buisson pela Librairie Générale de Droit et de Jurisprudence (1930)
>>> Novo Código Civil Anotado Volume II ( Direito das Obrigações) de J.M.Leoni Lopes de Oliveira pela Lumen Juris (2002)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 6 ) Direito das Sucessões de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 5 ) (Direto das Obrigações 2ª parte) de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 4 ) Direito das Obrigações de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (2019)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 3 ) Direito das Coisas de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1991)
>>> Curso de Direito Civil ( Volume 2 ) Direito Família de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1992)
>>> Curso de Direito Civil ( Parte Geral) Volume 1 de Washington de Direito Monteiro pela Saraiva (1964)
>>> Usucapião de Imóveis de Lourenço Mario Prunes pela Sugestões Literárias S/A
>>> Instituições de processo Civil (Volume VI) de Caio Mário da Silva Pereira pela Forense (2007)
>>> Direito Civil Volume 6 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2004)
>>> O Pensamento Vivo de Einstein (Edição Ilustrada) de José Geraldo Simões Jr.: (Pesquisa e Tradução) pela Martin Claret (1986)
>>> Direito Civil Volume 2 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2002)
>>> Posse o Direito e o Processo de Guido Arzua pela Revista dos Tribunais (1957)
>>> Estudo da Posse e das Acções Possessorias de Leopoldino Amaral Meira pela Livraria Academica (1928)
>>> Acção Possessória de J.M. de Azevedo Marques pela São Paulo (1923)
>>> O Direito de Ação e o Modo de Execê-lo de Ataliba Vianna pela Forense (1969)
>>> O Pensamento Vivo de Darwin (Edição Ilustrada) de Eide M. Murta Carvalho (Pesquisa/Org. Tradução) pela Martin Claret (1986)
COLUNAS

Quarta-feira, 18/7/2001
Soy loco por ti, America
Daniela Sandler

+ de 3400 Acessos

Na semana retrasada, falei do "valor monetário cultural" e do prestígio que acompanha, por exemplo, filmes asiáticos. Depois fiquei pensando. Por que é, então, que o Irã ou Taiwan ganharam esse prestígio e o Brasil, não?

Muitos fatores entram na conta, claro. O cinema brasileiro "ressurgiu" - para o Brasil e para o mundo, nos festivais internacionais - mais tarde e mais discretamente que outras cinematografias. Será só isso? O que torna mais palatável a aridez da paisagem dos filmes iranianos, por exemplo, que a do sertão nordestino? Desde que fui estudar nos Estados Unidos, em 99, comecei a ter a sensação crescente de que as pessoas lá sabem muito pouco sobre o Brasil. Somos muito pouco familiares.

Não estou falando de dados concretos, do nome do presidente, da língua que falamos, que muita gente não sabe mesmo (bom, eu não sei o nome de todos os presidentes do mundo de cor). Uma vez, estava conversando com a curadora da coleção de imagens da biblioteca de arte da minha universidade. Ela é culta, fala alemão, japonês, francês, tem mestrado em Biblioteconomia, é especialista em história da arte. Bem, no meio da conversa, ela diz que seria bom que eu a ajudasse com os slides de obras brasileiras, já que ela não fala espanhol ... Mas falo de outra coisa - de um sentimento geral, mais que aspectos específicos. Por isso usei a idéia de familiaridade.

Nos Estados Unidos, a "consciência latina" é superaguçada. Está presente em todos os aspectos da vida - comunidades de imigrantes mexicanos ou porto-riquenhos; os muito populares clubes de música latina, em que cada vez mais gente se aperta para dançar salsa, mambo, tango; restaurantes e bares mexicanos e "Tex Mex" (a comida do Texas); out-doors e programas de televisão em espanhol; lojas de artesanato da América Central e do Sul. Não é só nessas instâncias declaradamente latinas que a "latinidade" aparece. Cada vez mais gente fala espanhol; quase todo bar serve tequila e margaritas; "quesadillas" e "burritos" já viraram prato de lanchonete; Bart Simpson solta "ay caramba" e "no problema" várias vezes por episódio. Sobrenomes latinos já estão incorporados à cena norte-americana, devidamente associados a curvas, sensualidade e bumbuns bem fornidos - da Lopez à Aguillera.

No começo, achei simpática, até hospitaleira essa presença penetrante de elementos latinos. Que diferença de alguns anos atrás, quando, em minhas visitas ao exterior, latino era sinônimo de chicano (termo que, quando surgiu, era pejorativo, ofensivo e preconceituoso - tipo "cabeça-chata" ou "preto") e Brasil, de futebol e Pelé. Depois comecei a perceber que toda a propagandeada "latinidade" - presente tanto no cotidiano quanto na academia, em várias correntes de estudo, dos Latin American Studies à Post-Colonial Theory, todos ligados ao Politicamente Correto - tem, na verdade, nacionalidade e abrangência muito específicas. México, Cuba e Porto Rico - é basicamente essa a carne da identidade latino-americana nos Estados Unidos. Há razões para isso, que não devem ser ignoradas. Geograficamente, são esses os países latino-americanos mais próximos dos Estados Unidos. Historicamente (no que pesa tanto a geografia quanto o passado político e cultural da região), são essas as principais fontes de imigrantes para a América do Norte. As comunidades de imigrantes mexicanos, cubanos e porto-riquenhos não são apenas mais numerosas que as de outras nacionalidades da América - são também mais antigas, mais bem organizadas politicamente, mais visíveis socialmente e mais influentes culturalmente. Natural que a popularidade de coisas latinas tenha raiz nessas, e não em outras, culturas do continente. Tanto é assim que, nas cidades em que a comunidade imigrante brasileira é mais numerosa, presente e visível, como Miami e Nova York, os elementos culturais brasileiros são também mais conhecidos. Um amigo de Nova York contou ser apaixonado por pão-de-queijo e queijo-de-minas fresco (como o nosso queijo branco, lá não há). "White cheese", ele repetia, desolado por não poder achá-lo em Rochester.

Mas, na maior parte dos casos e dos lugares, é a tríade acima mencionada - com predominância do México - que define o que é "latinidade". Esse fato, porém, não é nunca reconhecido. Muito significativo dessa generalização vaga é o personagem Fez, da série de TV That 70's Show. Fez é um estudante de intercâmbio do qual se sabe que:

a) tem o espanhol como língua nativa

b) vem de algum país da América Latina, nunca revelado

Fez, como convém, tem cabelos e olhos negros e pele morena (o que, para a gente, é variação da raça branca, para eles é nitidamente "escuro" e sinal de "outra raça"). O ator, Wilmer Valderrama, é venezuelano. Mas, na série, seu país de origem é um mistério. A indefinição, aliás, motiva inúmeras piadas e situações engraçadas - para os norte-americanos, pelo menos. Duas personagens dialogam.

- De onde vem mesmo Fez?

- Panamá, eu acho... - responde a outra, com ar pensativo, sublinhando a palavra "Panamá" com uma entonação intrigada, como se estivesse pronunciando algo esquisito ou engraçado.

- Será? Hum.... sei lá!

A audiência cai na gargalhada - menos eu, claro. Aliás, se algum de vocês descobrir a graça dessa piada, por favor, me explique. Para além do humor, no entanto, acho revelador que um dos protagonistas de uma das séries de maior sucesso nos Estados Unidos seja um "representante" latino (assim como toda propaganda ou programa agora inclui um representante "negro" ou "oriental") genérico, para cuja caracterização não faz diferença a nação, a cultura específica ou o sotaque com que fala espanhol. Pensemos que os mexicanos, para dizer calle (rua), pronunciam "caie", e os argentinos, "caje". Pensemos no físico tão diverso de argentinos, chilenos, paraguaios, bolivianos... não só as diferenças entre as nações, mas dentro das nações. Pensemos em nós! Por que a versão pasteurizada do latino - as cores que se encaixam sem surpresa nas expectativas formadas por estereótipos e preconceitos - deveria servir de emblema para todo o continente?

Talvez "identidade latino-americana" seja uma bandeira mais forte do que, por exemplo, "mexicanidade" ou "identidade cubana". Talvez não seja nem por escolha própria que essas nacionalidades específicas tenham vindo a significar o continente inteiro. Talvez haja até vantagens nisso - vou deixar tudo isso em aberto, mesmo porque, na ressaca da guerra dos Bálcãs, não quero fomentar nacionalismos sectários ou patriotada.

Mas talvez seja também o caso de concluir que "latinidade" não significa nada - ou nada daquilo que imaginamos. Somos a América Latina, originalmente, porque fomos colonizados por povos latinos e porque falamos línguas latinas. Até aí, nossa filiação ao Lácio nos irmanaria aos franceses, italianos e romenos. Aliás, outro estereótipo, o de que povos latinos são sensuais e abertos, faz com que muita gente associe, por exemplo, brasileiros e franceses. "Nós somos dois povos calorosos", ouvi uma vez de um francês. O quê? Só se eu considerar que há vários graus de temperatura! Mas talvez melhor diríamos que "somos duas pessoas calorosas" - e os povos teriam pouco a ver com isso.

Voltando à América. Temos, sim, muito em comum. Talvez não seja o que desejamos ver. Somos países do terceiro mundo, subdesenvolvidos, desiguais e injustos. Temos Histórias de repressão e ditaduras. O primeiro mundo nos vê tão próximos nesse sentido que, se a Argentina vai para o buraco, para lá vamos todos nós... Não é à toa que, na Guerra Fria, para garantir que o continente ficasse do lado certo, os Estados Unidos batizaram sua linha de montagem de ditadores (a despeito das diferenças sócio-políticas de cada país) de Escola das Américas. Por esse e outros motivos, acho que o intercâmbio, a tolerância e a convivência dos diferentes povos e culturas do continente americano é desejável. Essas intersecções, aliás, já ocorrem nas zonas de fronteira - ainda mais no Brasil, país continental, em que um gaúcho, um pantaneiro e um maranhense hão de ser tão diferentes (às vezes, não).

De fora, aquele que exclui acha que o excluído, o outro, é "tudo igual". Só nós podemos sentir a falsidade e a incorreção dessas generalizações vagas. Sim, sou pela integração dos povos; não acho que nossas diferenças e particularidades sejam estáticas, imutáveis ou essenciais. Mas não é ignorando as diferenças (menos ainda em troca de uma identidade irreal) que vamos nos entender ou contribuir uns com os outros. Acho que, para isso, precisamos ter a consciência histórica de nossas diferenças, passadas e presentes. Não se fala espanhol no Brasil, não se comem enchiladas, não se dança merengue por aqui. Como cantaria o Karnac, falando justamente de integração e entendimento: peruano não é mexicano, guatemalteca não é cubano e hondurenho não é brasileiro.

Para saber mais

That 70s Show


Daniela Sandler
São Paulo, 18/7/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel de Renato Alessandro dos Santos
02. O jornalismo cultural na era das mídias sociais de Fabio Gomes
03. Longa vida à fotografia de Fabio Gomes
04. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
05. Na hora do batismo de Marta Barcellos


Mais Daniela Sandler
Mais Acessadas de Daniela Sandler em 2001
01. O primeiro Show do Milhão a gente nunca esquece - 8/8/2001
02. Quiche e Thanksgiving - 21/11/2001
03. A língua da comida - 29/5/2001
04. Mas isso é arte??? - 29/8/2001
05. Notícias do fim-do-mundo - 24/10/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TOQUE - MÉTODOS E MILAGRES DE CURA
M. A. DOUG HEYES
MADRAS
(2018)
R$ 34,90



INTRODUÇÃO ÀS CIÊNCIAS SOCIAIS
PIERRE JACCARD
LIVROS HORIZONTE
(1977)
R$ 24,82



DO MEU AO TEU CORAÇÃO
PE. PAULO H. MOURA
ED. LOYOLA
R$ 15,00



THE HOLLOW EARTH
RAYMOND BERNARD
ADVENTURES UNLIMITED PRESS
(2009)
R$ 35,00



ORAÇÃO QUE TRANSFORMA
SUELY BEZERRA
FÔLEGO
(2009)
R$ 10,00



A 8 SERIE C
ODETTE DE BARROS
MUNDO JOVEM
(1987)
R$ 11,00



OS TERRITÓRIOS DO REINO DE DEUS:
MARCUS CASTRO FARIA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 258,00



O SELF ESSENCIAL
WILL SELF
ALFAGUARA BRASIL
(2014)
R$ 35,00
+ frete grátis



CLARA-COMO-O-SOL, ESCURO-COMO-A-NOITE 2º EDIÇÃO
JOSÉ BORTOLINI
PAULUS
(2005)
R$ 4,00



SÓCRATES ENCONTRA SARTRE
PETER KREEFT
VIDE EDITORIAL
(2013)
R$ 150,00





busca | avançada
28584 visitas/dia
1,0 milhão/mês