Festa de família à brasileira | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Livro beneficente ensina concurseiros a superar desafios e conquistar sonhos
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Queen na pandemia
>>> A história do Olist
>>> Kubrick, o iluminado
>>> Mr. Sandman
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Reflexões na fila
>>> Papo com Alessandro Martins
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
Mais Recentes
>>> Oreficeria Moderna Tecnica-pratica de L Vitiello pela Hoepli (1963)
>>> A pretexto do combate e globalizaçao Renasce a luta de classes de Gregorio vivanco lopes pela Cruz de cristo (2002)
>>> Um Mergulho no Inferno das Drogas de Maria Célia Ribeiro Cesar pela Do Autor (2001)
>>> Um copo de cerveja de Affonso heliodoro pela brasilia (2001)
>>> Felicidade Roubada de Augusto Cury pela Benvira (2014)
>>> Actores, redes y desafíos : juventudes e infancias en América Latina de Alberto Hernandez Hernandez Amalia E. Campos Delgado pela Clacso (2015)
>>> Instituições Direito Público e Privado de Nelson Goday pela Nelpa
>>> Tom Jones de Henri Fielding pela Abril Cultural (1971)
>>> Stories of Mystery and Suspense (sem Cd) de Edgar Allan Poe pela Hub (2000)
>>> As Relações Perigosas - Biblioteca Folhas de Choderlos de Lacros pela Ediouro (1998)
>>> Contos do Rio - Filosofia do rio em sete dimensões de Saturnino Braga pela Record (1999)
>>> O Fator Decisivo da Lombalgia Prática e Teoria de Sadakazu Nakata pela Andemo (1982)
>>> Paddy Clarke Ha Ha Ha de Roddy Doyle; Lidia Cavalcante Luther pela Estação Liberdade (2002)
>>> Testa de Ferro de Carlos Bohn pela Livro Que Constroem (2010)
>>> A Imperfeição no Evangelho de Ricardo Peter pela Paulus (2000)
>>> Pcc a Facção de Fatima Souza pela Record (2007)
>>> Tom Jones de Henry Fielding pela Abril Cultural
>>> Diretrizes e Praticas da Gestaão Financeiras de Roberto Bohlen Selene pela Ibpex (2010)
>>> Essencialismo - a Disciplinada Busca por Menos de Greg Mckeown pela Sextante (2014)
>>> Deusa do Mar - Série Goodess de P. C Cast pela Novo Século (2011)
>>> Viver Melhor Em Família de Elizabeth Monteiro pela Mescla (2016)
>>> Discover the World Wide Web With Your Sportster de John December pela Sams Net (1995)
>>> A Vida Secreta Grandes Autores de Robert Schnakenberg pela Ediouro (2008)
>>> Assumindo A sua Personalidade de Leo Buscaglia pela Record (1978)
>>> Educação Superior - Expansão e Reformas Educativas - Sebo Tradicao de Deise Mancebo pela Uen (2012)
COLUNAS

Segunda-feira, 2/8/2004
Festa de família à brasileira
Lucas Rodrigues Pires

+ de 5100 Acessos

Querido Estranho, de Ricardo Pinto e Silva, é um filme da tradição teatral brasileira em que a palavra é basicamente o que conta. Não espere muito em relação a cinema, pois a câmera está ali apenas para registrar o que é dito e feito, nada além disso. A força está no que é falado, não no que é mostrado. Esse artifício, que num primeiro momento pode ser acusado de falta de ousadia, acaba por ser um ponto a favor do texto, pois sem a forma (ou estética) pra chamar a atenção, os diálogos e a interpretação se transformam no único chamariz.

O filme marca a volta de Daniel Filho ao cinema à frente das câmeras. Sua trajetória comandando a Globo Filmes foi a mais bem-sucedida possível e sua empreitada pela direção - em 2001, com A Partilha - foi um sucesso comercial (mas não de crítica). Para o final do ano chega outro longa dirigido por ele, com Antônio Fagundes e Rodrigo Santoro no elenco.

Neste filme modesto que é Querido Estranho, uma adaptação da peça teatral Intensa Magia, de Maria Adelaide Amaral (a mesma que nos presenteou com as melhores minisséries da Rede Globo dos últimos anos - Os Maias e A Casa das Sete Mulheres), Daniel Filho é Alberto, um pai de família sessentão que vai receber os filhos para o almoço no dia de seu 64º aniversário. Ele mora com a esposa, Roma, e a filha caçula, solteira, já na casa dos 30. O dia amanhece com o casal acordando e se preparando para a festa. Em poucos minutos, as personalidades de cada um vão sendo delineadas e já se pressente o que virá. Um certo desgosto toma conta de Alberto, que vai aos poucos destilando suas amarguras. O desenrolar da trama recai na comédia dramática ("seria cômico se não fosse trágico"), com o desabafo de Alberto e um acerto de contas para com todos os integrantes daquela família - desde a mulher, fiel e omissa, até os filhos que se foram de casa. O resultado é o mais familiar possível (trocadilho impossível de escapar), com a identificação do espectador com alguns dos personagens. Querido Estranho, assim, se mostra como um Festa de Família (filme do premiado movimento Dogma 95, que acabou logo depois que começou), só que sem ousadia em termos estéticos e de linguagem cinematográfica.

O filme se passa quase todo dentro daquela casa de classe média num bairro indefinido de São Paulo. Aquela família poderia ser a de qualquer um, mas é a de Alberto e Roma, com os filhos Betinho, Tereza e Zezé. E os dramas de cada um, as frustrações frente ao pai, ao filho, ao marido surgem na tela em forma de palavras confessadas em segredo para posteriormente explodir em cólera, mágoa e rancor. Temos a frustração de Alberto por ser ele um joalheiro muito culto - leitor da melhor literatura existente, que vai de Machado de Assis a Tolstói - e amante da música erudita em contraste com a esposa leitora de Rebeca, Sabrina e outros folhetins similares, a subliteratura vendida em bancas de jornal. O filho que se casou muito cedo com a filha do padeiro para fugir da presença opressora e da convivência com o pai. Para completar o cenário, temos a filha política, candidata a vereadora, acusada pela família de não reconhecer o valor desta para a sua posição atual, e a filha caçula, que vai receber o namorado cinqüentão e ex-seminarista para o almoço e pretende anunciar o noivado ao pai. Um caldeirão de pólvora vai se formando e é Alberto o centro das atenções e dono das farpas mais pontiagudas e afiadas lançadas em cena.

No fundo, o que se vê em cena é mais um capítulo do confronto de gerações, de brigas entre pais e filhos (quase sempre entre as figuras masculinas), de visões de mundo, tal qual vimos recentemente no canadense As Invasões Bárbaras e no argentino Lugares Comuns. Eis um mundo que se esvai com tamanha facilidade e é substituído por outro que, politicamente (caso dos dois filmes estrangeiros citados) e culturalmente (caso de Querido Estranho), é mais pobre e menos radioso. O mundo utópico, das idéias, da cultura efervescente dos anos 60, cedeu lugar ao pragmatismo dos anos 90, do pós-Muro de Berlim, do liberalismo globalizante e generalizante. E essa transição é bem evidenciada na família pela relação pai/filho. Mas não há, em Querido Estranho, nenhuma espécie de enaltecimento da figura do pai. Ao mesmo tempo em que ele é o pai erudito, senhor de uma cultura digna de nota, é também similar ao pai autoritário e opressor da famosa Carta ao Pai de Franz Kafka. Ao final, a amargura contra a família por parte de Alberto nada mais é que uma reação à sua derrota perante a vida.

O tema da família é antigo e por demais conhecido, mas Querido Estranho supera essa sensação de déjà-vu com palavras fortes. Não recai no sentimentalismo, mantém a classe num tom crescente de emoção (tal como se acompanhássemos Alberto em suas doses de uísque) até o clímax final do conflito, que é de uma força emotiva e até certo ponto chocante. A atuação dos atores - principalmente da mãe, interpretada por Suely Franco, e de Daniel Filho - neste final é fundamental para esse clima. A expressão com que Roma fita Alberto depois de todas as patadas por ele dadas é de cortar o coração e faz o mais insensível dos mortais verter ao menos uma lágrima.

Após o clímax há uma espécie de prólogo, em que vemos o que de fato aconteceu e sentimos o verdadeiro espírito daquele dia chuvoso (e estranho) de aniversário. A vitória de Alberto, sua superioridade e sua absoluta independência de todos é revertida pela simplicidade da mulher, por sua postura diante da vida, ou seja, saber vivê-la conformada com o que lhe foi destinado. E aí temos a fala, proferida por Alberto, que fecha o filme e que é sem dúvida a mais forte, triste e que, de certa forma, admite sua derrota diante da vida. Ele diz à esposa: "Sabe o que eu mais admiro em você, Roma? É a sua incrível capacidade de ser infeliz".

Ser feliz é fácil, difícil é conformar-se com a infelicidade e seguir vivendo.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 2/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ao leitor, com estima e admiração de Ana Elisa Ribeiro


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Conquista Divina
A. W. Tozer
Mundo Cristão
(1987)



Metrópole e Globalização - Conhecendo a Cidade de São Paulo
Maria Adélia Aparecida de Souza e Outros
Cedesp
(1999)



Um Pequeno Segredo
Linda Goodnight
Nova Cultural
(2003)



Shout! the True Story of the Beatles
Philip Norman
Pan
(2004)



O Nascimento da Imprensa Brasileira
Isabel Lustosa
Jorge Zahar
(2003)



Política Fiscal e Desenvolvimento no Brasil
Márcio Percival Alves Pinto e Geraldo Biasoto Jr
Unicamp
(2006)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Histoire de Lart - L Art Moderne
Élie Faure
Libraire Plon
(1948)



Disciplina: Limite na Medida Certa 34ª Edição.
Içami Tiba
Gente
(1996)



Vida Com Esperança
Mark Finley; Peter Landlees
Do Autor
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês