Festa de família à brasileira | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
>>> A princesa insípida e o caçador
>>> Sobre e-books e caipiras
Mais Recentes
>>> Relações de Gênero, Educação Matemática e Discurso de Maria Celeste Reis Fernandes de Souza pela Autêntica (2010)
>>> Há sempre um recomeço de Sharon pela Companhia das letras
>>> A Formação de Professores Para a Educação de Jovens Adultos de Tania Maria de Melo Moura pela Autêntica (2007)
>>> A flor do tempo de Barbara pela Livro
>>> A Escrita da Clínica - Psicanálise Com Crianças de Tânia Ferreira pela Autêntica (2017)
>>> Filhos do fim do mundo de Fábio Madrigal Barreto pela Casa da Palavra (2013)
>>> Pedagogia Profana - Danças, Piruetas e Mascaradas de Jorge Larrosa pela Autêntica (2007)
>>> Lua Azul - ( os imortais livro 2) de Alyson Noel pela Intrínseca (2021)
>>> Ela disse, Ele disse de Thalita Rebolças pela Rocco (2017)
>>> Bilhete a um Candidato de Rubem Braga pela Autêntica (2017)
>>> Educação Democrática - o Começo de uma História de Yaacov Hecht pela Autêntica (2016)
>>> Doutrinados de Trisha Leaver, Lindsay Currie pela Gutenberg (2016)
>>> Anos roubados de Fiona pela Bestseller
>>> O quarto protocolo de Frederick pela Galera
>>> Lima Barreto para Jovens Leitores de Fernanda Freitas pela Autêntica (2014)
>>> Super aventuras marvel--162--novos guerreiros:nada alem da verdade! de Marvel comics pela Abril
>>> O pastor de Frederick pela Galera
>>> Renascença - a Série de Tv no Século XXI de Rodrigo Seabra pela Autêntica (2016)
>>> Beco sem saída de Helen pela Bestseller
>>> Aventura em bagda de Agatha christie pela Record
>>> A Cunhada de Andrew pela Livros Antigos
>>> Viver Melhor Após os 35 Anos de Gelde Stocchero pela Scipione (1993)
>>> O Mesmo e o Outro - 50 Anos de História da Loucura de Alfredo Veiga-neto, Salma Tannus Muchail pela Autêntica (2013)
>>> Enquanto você dormia de Sandra pela Bestseller
>>> Os Moços Cantam de Rubem Braga pela Autêntica (2017)
COLUNAS

Segunda-feira, 2/8/2004
Festa de família à brasileira
Lucas Rodrigues Pires

+ de 4700 Acessos

Querido Estranho, de Ricardo Pinto e Silva, é um filme da tradição teatral brasileira em que a palavra é basicamente o que conta. Não espere muito em relação a cinema, pois a câmera está ali apenas para registrar o que é dito e feito, nada além disso. A força está no que é falado, não no que é mostrado. Esse artifício, que num primeiro momento pode ser acusado de falta de ousadia, acaba por ser um ponto a favor do texto, pois sem a forma (ou estética) pra chamar a atenção, os diálogos e a interpretação se transformam no único chamariz.

O filme marca a volta de Daniel Filho ao cinema à frente das câmeras. Sua trajetória comandando a Globo Filmes foi a mais bem-sucedida possível e sua empreitada pela direção - em 2001, com A Partilha - foi um sucesso comercial (mas não de crítica). Para o final do ano chega outro longa dirigido por ele, com Antônio Fagundes e Rodrigo Santoro no elenco.

Neste filme modesto que é Querido Estranho, uma adaptação da peça teatral Intensa Magia, de Maria Adelaide Amaral (a mesma que nos presenteou com as melhores minisséries da Rede Globo dos últimos anos - Os Maias e A Casa das Sete Mulheres), Daniel Filho é Alberto, um pai de família sessentão que vai receber os filhos para o almoço no dia de seu 64º aniversário. Ele mora com a esposa, Roma, e a filha caçula, solteira, já na casa dos 30. O dia amanhece com o casal acordando e se preparando para a festa. Em poucos minutos, as personalidades de cada um vão sendo delineadas e já se pressente o que virá. Um certo desgosto toma conta de Alberto, que vai aos poucos destilando suas amarguras. O desenrolar da trama recai na comédia dramática ("seria cômico se não fosse trágico"), com o desabafo de Alberto e um acerto de contas para com todos os integrantes daquela família - desde a mulher, fiel e omissa, até os filhos que se foram de casa. O resultado é o mais familiar possível (trocadilho impossível de escapar), com a identificação do espectador com alguns dos personagens. Querido Estranho, assim, se mostra como um Festa de Família (filme do premiado movimento Dogma 95, que acabou logo depois que começou), só que sem ousadia em termos estéticos e de linguagem cinematográfica.

O filme se passa quase todo dentro daquela casa de classe média num bairro indefinido de São Paulo. Aquela família poderia ser a de qualquer um, mas é a de Alberto e Roma, com os filhos Betinho, Tereza e Zezé. E os dramas de cada um, as frustrações frente ao pai, ao filho, ao marido surgem na tela em forma de palavras confessadas em segredo para posteriormente explodir em cólera, mágoa e rancor. Temos a frustração de Alberto por ser ele um joalheiro muito culto - leitor da melhor literatura existente, que vai de Machado de Assis a Tolstói - e amante da música erudita em contraste com a esposa leitora de Rebeca, Sabrina e outros folhetins similares, a subliteratura vendida em bancas de jornal. O filho que se casou muito cedo com a filha do padeiro para fugir da presença opressora e da convivência com o pai. Para completar o cenário, temos a filha política, candidata a vereadora, acusada pela família de não reconhecer o valor desta para a sua posição atual, e a filha caçula, que vai receber o namorado cinqüentão e ex-seminarista para o almoço e pretende anunciar o noivado ao pai. Um caldeirão de pólvora vai se formando e é Alberto o centro das atenções e dono das farpas mais pontiagudas e afiadas lançadas em cena.

No fundo, o que se vê em cena é mais um capítulo do confronto de gerações, de brigas entre pais e filhos (quase sempre entre as figuras masculinas), de visões de mundo, tal qual vimos recentemente no canadense As Invasões Bárbaras e no argentino Lugares Comuns. Eis um mundo que se esvai com tamanha facilidade e é substituído por outro que, politicamente (caso dos dois filmes estrangeiros citados) e culturalmente (caso de Querido Estranho), é mais pobre e menos radioso. O mundo utópico, das idéias, da cultura efervescente dos anos 60, cedeu lugar ao pragmatismo dos anos 90, do pós-Muro de Berlim, do liberalismo globalizante e generalizante. E essa transição é bem evidenciada na família pela relação pai/filho. Mas não há, em Querido Estranho, nenhuma espécie de enaltecimento da figura do pai. Ao mesmo tempo em que ele é o pai erudito, senhor de uma cultura digna de nota, é também similar ao pai autoritário e opressor da famosa Carta ao Pai de Franz Kafka. Ao final, a amargura contra a família por parte de Alberto nada mais é que uma reação à sua derrota perante a vida.

O tema da família é antigo e por demais conhecido, mas Querido Estranho supera essa sensação de déjà-vu com palavras fortes. Não recai no sentimentalismo, mantém a classe num tom crescente de emoção (tal como se acompanhássemos Alberto em suas doses de uísque) até o clímax final do conflito, que é de uma força emotiva e até certo ponto chocante. A atuação dos atores - principalmente da mãe, interpretada por Suely Franco, e de Daniel Filho - neste final é fundamental para esse clima. A expressão com que Roma fita Alberto depois de todas as patadas por ele dadas é de cortar o coração e faz o mais insensível dos mortais verter ao menos uma lágrima.

Após o clímax há uma espécie de prólogo, em que vemos o que de fato aconteceu e sentimos o verdadeiro espírito daquele dia chuvoso (e estranho) de aniversário. A vitória de Alberto, sua superioridade e sua absoluta independência de todos é revertida pela simplicidade da mulher, por sua postura diante da vida, ou seja, saber vivê-la conformada com o que lhe foi destinado. E aí temos a fala, proferida por Alberto, que fecha o filme e que é sem dúvida a mais forte, triste e que, de certa forma, admite sua derrota diante da vida. Ele diz à esposa: "Sabe o que eu mais admiro em você, Roma? É a sua incrível capacidade de ser infeliz".

Ser feliz é fácil, difícil é conformar-se com a infelicidade e seguir vivendo.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 2/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ad Usum Juventutis de Ricardo de Mattos
02. Circo e teatro se unem em espetáculo de Nanda Rovere
03. Eu & Ferrugem de Adriana Baggio


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Saber, Ciência, Ação
André Morin, Gilles Gadoua e Gérard Potvin
Cortez
(2007)



Mrs. Pinks Pink Sheep
Donaldo Buchweitz
Ciranda Cultural
(2010)



Português Ensino Médio Volume 2
José de Nicola
Scipione
(2009)



San Tiago Dantas: Coletânea de Textos Sobre Política Externa
Renato Lessa e Cristina Buarque de Hollanda (orgs)
Fund Alexandre de Gusmão
(2009)



Un Net Pas Três Net: Reflexions Sur La Criminalité Virtuelle;
Riep, Volume 1 - Número 1 de 1999
Uerjnuseg
(1999)



Direito Processual Civil Resumido - 7ª Edição
Carmine Antonio Savino Filho
Lumen Juris (rj)
(2009)



Las Tribus de Europa
Ramon Luis Acuna (com Dedicatória)
Ediciones Bsa
(1993)



Molecagem
Luiz Claudio Cardoso
Scipione
(1988)



Globalização Mídia e Cultura Contemporânea
Dênis de Moraes (organizador)
Letra Livre
(1997)



Curso de Direito Civil - Vol. 6 Direito das Sucessões
Washington de Barros Monteiro
Saraiva
(1974)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês