Festa de família à brasileira | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
>>> Eugène Delacroix, um quadro uma revolução
>>> Meus Livros
Mais Recentes
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
>>> A Igreja Católica de Hans Kung pela Objetiva (2002)
>>> O Comunismo de Richard Pipes pela Objetiva (2002)
>>> Lições para o Cotidiano de Masaharu Taniguchi pela Seicho-No-Ie (1996)
>>> Guerra sem fim – Edição especial de Joe Haldeman pela Aleph (2019)
>>> O Renascimento de Paul Johnson pela Objetiva (2001)
>>> Homeopatia a Ciência e a Cura de Ralph Twentyman pela Círculo do livro (1989)
>>> A Descoberta do Amor em Versos de Diversos pela Cen (2003)
>>> O Islã de Karen Armastrong pela Objetiva (2001)
>>> O Sumiço do Mentiroso de Lourenço Cazarré pela Atual (1998)
>>> A Turma da Tia e os Bilhetes Misteriosos de Ganymédes José pela Ftd (1991)
>>> Camões Os Lusíadas de Luís Vaz de Camões pela L&PM Pocket (2008)
>>> Destruição e Equilíbrio de Sérgio de Almeida Rodrigues pela Atual (1989)
>>> Armadilha para Lobisomem de Luiz Roberto Guedes pela Cortez (2005)
>>> A Menina que Descobriu o Brasil de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2001)
>>> Guerra no Rio de Ganymédes José pela Moderna (1992)
>>> Paraíso de Toni Morrison pela Companhia das Letras (1998)
>>> Introduction à la Psycholinguistique de Hans Hörmann pela Larousse Université (1974)
>>> A idéia de cultura de Victor Hell pela Martins Fontes (1989)
>>> Poesia Concreta de Lumna Mara Simon (Org.) pela Abril (1982)
>>> Las Armas Secretas de Julio Cortazar pela Editorial sudamericana/ Buenos Aires (1970)
>>> Maio Apagou o Inverno de Carlos Roberto Douglas pela Ateniense/ S.P (1994)
>>> Utopia Selvagem de Darcy Ribeiro pela Nova Fronteira (1982)
>>> Twittando o Amor, Contando Uma História em 140 Caracteres de Teresa Medeiros pela Novo Conceito (2014)
>>> Estrela Oculta de Robert A. Heinlein pela Francisco Alves/ RJ. (1981)
>>> O Alimento dos Deuses de H. G. Wells (herbert George - 1866-1946) pela Francisco Alves/ RJ. (1984)
>>> Focus de Arthur Miller pela Ediouro (2001)
>>> Trinta Anos Depois da Volta - o Brasil na II Guerra Mundial de Octávio Costa (ilustr): Carlos Scliar pela Expressão e Cultura (1977)
>>> Tuareg (formato Original) de Alberto Vázquez- Figueiroa pela L&pm, Porto Alegre (2000)
>>> Cenas Noturnas na Bíblia (v. 1) : Tardes e Manhãs Que Conduzem... de Christian Chen pela Tesouro Aberto/ Belo Horizonte (2001)
>>> Fall of the House of Windsor (capa Dura; Sobrecapa) de Nigel Blundell & Susan Blackhall pela Contemporay Books/ L. A. (1992)
>>> Todos os Homens do Presidente de Carl Bernstein & Bob Woodward pela Francisco Alves/ RJ. (1977)
>>> A Primeira Comunhão de Verônica de Vários: Pia Sociedade de S. Paulo pela Edições Paulinas (1959)
>>> O Grande Livramento de Valdemiro Santiago: Apóstolo pela Impd (2009)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> Poema Sujo de Ferreira Gullar/ Pref.: Alcides Villaça pela Livr José Olympio Ed. (2001)
>>> O Poder dos Pais Que Oram de Stormie Omartian pela Mundo Cristão (2001)
COLUNAS

Segunda-feira, 2/8/2004
Festa de família à brasileira
Lucas Rodrigues Pires

+ de 4500 Acessos

Querido Estranho, de Ricardo Pinto e Silva, é um filme da tradição teatral brasileira em que a palavra é basicamente o que conta. Não espere muito em relação a cinema, pois a câmera está ali apenas para registrar o que é dito e feito, nada além disso. A força está no que é falado, não no que é mostrado. Esse artifício, que num primeiro momento pode ser acusado de falta de ousadia, acaba por ser um ponto a favor do texto, pois sem a forma (ou estética) pra chamar a atenção, os diálogos e a interpretação se transformam no único chamariz.

O filme marca a volta de Daniel Filho ao cinema à frente das câmeras. Sua trajetória comandando a Globo Filmes foi a mais bem-sucedida possível e sua empreitada pela direção - em 2001, com A Partilha - foi um sucesso comercial (mas não de crítica). Para o final do ano chega outro longa dirigido por ele, com Antônio Fagundes e Rodrigo Santoro no elenco.

Neste filme modesto que é Querido Estranho, uma adaptação da peça teatral Intensa Magia, de Maria Adelaide Amaral (a mesma que nos presenteou com as melhores minisséries da Rede Globo dos últimos anos - Os Maias e A Casa das Sete Mulheres), Daniel Filho é Alberto, um pai de família sessentão que vai receber os filhos para o almoço no dia de seu 64º aniversário. Ele mora com a esposa, Roma, e a filha caçula, solteira, já na casa dos 30. O dia amanhece com o casal acordando e se preparando para a festa. Em poucos minutos, as personalidades de cada um vão sendo delineadas e já se pressente o que virá. Um certo desgosto toma conta de Alberto, que vai aos poucos destilando suas amarguras. O desenrolar da trama recai na comédia dramática ("seria cômico se não fosse trágico"), com o desabafo de Alberto e um acerto de contas para com todos os integrantes daquela família - desde a mulher, fiel e omissa, até os filhos que se foram de casa. O resultado é o mais familiar possível (trocadilho impossível de escapar), com a identificação do espectador com alguns dos personagens. Querido Estranho, assim, se mostra como um Festa de Família (filme do premiado movimento Dogma 95, que acabou logo depois que começou), só que sem ousadia em termos estéticos e de linguagem cinematográfica.

O filme se passa quase todo dentro daquela casa de classe média num bairro indefinido de São Paulo. Aquela família poderia ser a de qualquer um, mas é a de Alberto e Roma, com os filhos Betinho, Tereza e Zezé. E os dramas de cada um, as frustrações frente ao pai, ao filho, ao marido surgem na tela em forma de palavras confessadas em segredo para posteriormente explodir em cólera, mágoa e rancor. Temos a frustração de Alberto por ser ele um joalheiro muito culto - leitor da melhor literatura existente, que vai de Machado de Assis a Tolstói - e amante da música erudita em contraste com a esposa leitora de Rebeca, Sabrina e outros folhetins similares, a subliteratura vendida em bancas de jornal. O filho que se casou muito cedo com a filha do padeiro para fugir da presença opressora e da convivência com o pai. Para completar o cenário, temos a filha política, candidata a vereadora, acusada pela família de não reconhecer o valor desta para a sua posição atual, e a filha caçula, que vai receber o namorado cinqüentão e ex-seminarista para o almoço e pretende anunciar o noivado ao pai. Um caldeirão de pólvora vai se formando e é Alberto o centro das atenções e dono das farpas mais pontiagudas e afiadas lançadas em cena.

No fundo, o que se vê em cena é mais um capítulo do confronto de gerações, de brigas entre pais e filhos (quase sempre entre as figuras masculinas), de visões de mundo, tal qual vimos recentemente no canadense As Invasões Bárbaras e no argentino Lugares Comuns. Eis um mundo que se esvai com tamanha facilidade e é substituído por outro que, politicamente (caso dos dois filmes estrangeiros citados) e culturalmente (caso de Querido Estranho), é mais pobre e menos radioso. O mundo utópico, das idéias, da cultura efervescente dos anos 60, cedeu lugar ao pragmatismo dos anos 90, do pós-Muro de Berlim, do liberalismo globalizante e generalizante. E essa transição é bem evidenciada na família pela relação pai/filho. Mas não há, em Querido Estranho, nenhuma espécie de enaltecimento da figura do pai. Ao mesmo tempo em que ele é o pai erudito, senhor de uma cultura digna de nota, é também similar ao pai autoritário e opressor da famosa Carta ao Pai de Franz Kafka. Ao final, a amargura contra a família por parte de Alberto nada mais é que uma reação à sua derrota perante a vida.

O tema da família é antigo e por demais conhecido, mas Querido Estranho supera essa sensação de déjà-vu com palavras fortes. Não recai no sentimentalismo, mantém a classe num tom crescente de emoção (tal como se acompanhássemos Alberto em suas doses de uísque) até o clímax final do conflito, que é de uma força emotiva e até certo ponto chocante. A atuação dos atores - principalmente da mãe, interpretada por Suely Franco, e de Daniel Filho - neste final é fundamental para esse clima. A expressão com que Roma fita Alberto depois de todas as patadas por ele dadas é de cortar o coração e faz o mais insensível dos mortais verter ao menos uma lágrima.

Após o clímax há uma espécie de prólogo, em que vemos o que de fato aconteceu e sentimos o verdadeiro espírito daquele dia chuvoso (e estranho) de aniversário. A vitória de Alberto, sua superioridade e sua absoluta independência de todos é revertida pela simplicidade da mulher, por sua postura diante da vida, ou seja, saber vivê-la conformada com o que lhe foi destinado. E aí temos a fala, proferida por Alberto, que fecha o filme e que é sem dúvida a mais forte, triste e que, de certa forma, admite sua derrota diante da vida. Ele diz à esposa: "Sabe o que eu mais admiro em você, Roma? É a sua incrível capacidade de ser infeliz".

Ser feliz é fácil, difícil é conformar-se com a infelicidade e seguir vivendo.


Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 2/8/2004


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LITERATURA BRASILEIRA EM DIÁLOGO COM OUTRAS LIT E LING
WILLIAM ROBERTO CEREJA E THEREZA COCHAR MAGALHÃES
ATUAL
(2005)
R$ 18,00



VEJA 25 ANOS REFLEXÕES PARA O FUTURO
HEBERT DE SOUZA E OUTROS
ABRIL
R$ 12,00



DIE LANDUNG IN DER NORMANDIE
DR. CHRISTIAN ZENTNER
MOEWIG
(1998)
R$ 55,00



CONTOS CLASSICOS-PATINHO FEIO, O
VÁRIOS AUTORES
CIRANDA CULTURAL
(2011)
R$ 9,90



ESTUDOS DE LÍNGUA E LITERATURA
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(1978)
R$ 5,00



TRANSPORTES, SEGUROS E A DISTRIBUIÇÃO FÍSICA INTERNACIONAL DE MERCADOR
MARCOS MAIA PORTO; CLÁUDIO FERREIRA DA SILVA
ADUANEIRAS
(2000)
R$ 45,00



O SEGREDO DOS SONHOS
PEDRO MESEGUER
PAULINAS
(1965)
R$ 12,00



O MAPA DO AMOR
AHDAF SOUEIF
EDIOURO
R$ 12,80



VEDA - VISÃO CONTEMPORÂNEA DA MILENAR CULTURA VÉDICA
ISWARA SWAMI COORD. / EDITOR
BHAKTIVEDANTA
R$ 10,00



VOCÊ É INSUBSTITUÍVEL
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2002)
R$ 7,00





busca | avançada
32696 visitas/dia
1,3 milhão/mês