Brincando de aventura | Eduardo Carvalho | Digestivo Cultural

busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nasi in blues no Bourbon
>>> De vinhos e oficinas literárias
>>> Michael Jackson: a lenda viva
>>> Gente que corre
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Reinaldo Azevedo no Fórum CLP
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Companheiro dileto
>>> O Vendedor de Passados
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 27/8/2004
Brincando de aventura
Eduardo Carvalho

+ de 3300 Acessos

Da esquerda para a direita, a formação da Equipe Pi: Luiz Eduardo Pereira, Eduardo Carvalho e Rogério Carneiro

Esportes de aventura sempre me pareceram artificiais. Aventura que é aventura precisa ser solitária ou, pelo menos, independente de uma organização oficial, com suporte técnico ou resgate em caso de emergência. Essa assistência profissional descaracteriza uma atividade que se pretende mais arriscada. É por isso que não me sinto atraído por rappel ou bungee-jumping, mas me sinto à vontade para entrar numa floresta canadense para conhecer o lugar onde dormem ursos carnívoros.

Mas a corrida de aventura não é praticada em um ambiente tão forçado como, digamos, o do rappel - apesar de essa modalidade, às vezes, estar incluída na corrida. E a diversão acaba não sendo assim tão falsificada. Ao contrário: os desafios durante a corrida são reais e inesperados, e a organização não propõe um único roteiro para você completar a prova. Você corre, nada e pedala num total de, no mínimo, 40 quilômetros - no caso das corridas de um dia (pode chegar a sete, para os mais profissionais). Isso exige um preparo físico considerável e, mais do que isso, articulação entre os quatro membros da equipe, habilidade para navegar com uma bússola, velocidade e racionalidade para tomar decisões estratégicas (quando comer, correr, falar, virar, etc.).

É mais ou menos o que eu fazia, em menor escala, dos 9 aos 14 anos, em Colina, na fazenda dos meus primos, durante as férias: entre lama, bois e pés-de-laranja, a gente apostava corridas enormes, de bicicleta, correndo ou à cavalo. E é por isso que não acho que corrida de aventura seja um esporte artificial: porque é, na verdade, uma brincadeira também, só que de gente um pouco mais velha. A escolha dos equipamentos é uma diversão complementar, que inclui bicicleta, calça, tênis, mochila, etc., tudo especial - até a alimentação e hidratação, que precisa ser leve e completa, ou você se desintegra no meio da prova.

O meio da prova, aliás, oscila entre extremos: pode ser uma caverna escura e gelada ou uma praia vazia e limpa. As corridas podem atravessar desertos ou florestas tropicais, passando por vilas remotas e caminhos históricos, há anos inutilizados. Você atravessa rios transparentes e pontes frágeis, saindo de cidades do interior ou de praias movimentadas. Todos os lugares são cenários para uma corrida: principalmente os mais distantes e perdidos, onde ninguém, num parque nebuloso ou num pasto aberto, vai ajudar você a se encontrar.

A exigência física de uma prova dessas, para alguém razoavelmente preparado, é enorme. Você corre, pedala, nada - e recebe pancadas de todos os lados, quando tropeça numa pedra ou se raspa numa árvore com espinhos. Acontece: você vai em frente, e percebe que ainda não está esgotado. Que sobra um pouco de força para concluir a prova. Parece bobagem, mas é verdade que esse tipo de esforço, que beira o limite físico, empurra esse limite um pouco mais para frente. Para depois, na segunda-feira, as escadas da faculdade, que sempre foram evitadas, parecerem fáceis de subir - mesmo com o corpo dolorido, depois de um fim-de-semana ligeiramente cansativo.

Outras aventuras

Havia em Oxford, no anos 70 e 80, The Dangerous Sports Club, de uma molecada erudita que fugia dos touros de Pamplona andando de skate, saltavam mesas com garrafas em cima, se arremessavam de catapultas - até que um dia erraram a pontaria, e um participante se esborrachou no chão. E a diversão acabou, porque seus membros foram acusados de terem forçado o principiante a topar a brincadeira. Uma reportagem sobre as atividades do clube saiu na Vanity Fair de fevereiro, para quem quiser conferir. Com o comentário: "vinte anos antes de Jackass", que mais expõem o mau gosto do que assumem riscos. Os membros do Dangerous, por exemplo, desciam uma montanha coberta de neve em Saint-Moritz, com um conjunto de mesa e cadeiras Luis XIV, carregando taças e garrafas de champagne, trajados em black tie - com cartola na cabeça. Cada lugar com as suas brincadeiras.

Entre aventuras

O Itaim sempre foi, para mim, um bairro de passagem: entre a Vila Nova Conceição, Morumbi, Jardim Europa e Alto de Pinheiros, onde passei minha juventude (já acabou?) - entre a escola, o clube e a casa em que morava. É basicamente esse o triângulo que orientava minha rotina. Eu nunca precisei muito parar no Itaim, a não ser para visitar alguns amigos ou, à noite, alguns bares. Dificilmente, portanto, caminhei pelo bairro, procurando restaurantes ou entrando em lojas mais escondidas. Mas meu estágio me puxou para cá: e agora faz aproximadamente um ano que, antes ou depois da faculdade, passo meio período trabalhando no Itaim. Aprendi, por acaso, então, a me divertir por aqui.

Para começar: parece que metade da faculdade de administração onde estudo faz estágio ou trabalha em um perímetro de mais ou menos dez quarteirões. Você encontra todo mundo na rua. O que é agradável e, em certo sentido, importante. O Itaim, principalmente perto da Avenida Nova Faria Lima, é hoje o centro comercial de São Paulo - mais do que a Paulista, decadente, e a Berrini, distante. Bairrismo? São Paulo é assim: cada um dorme em um lado da cidade, à noite, mas de dia todo mundo se concentra no mesmo quarteirão. Os bancos de investimento - BBA, Merrill Lynch, Credit Suisse - já se transferiram ou já estavam por aqui, na Avenida Nova Faria Lima, seguindo ou sinalizando essa tendência.

O Shopping Iguatemi está ao lado, e muita gente ainda almoça lá, mas eu prefiro as opções da rua: que vão desde um vegetariano simples, na Cachoeira Paulista, a opções como o Parigi, na Amauri. O cardápio do bairro se acomoda em todos os bolsos e gostos. A Rua Amauri, aqui ao lado, tem também boas alternativas, como o Gula Gula e o Forneria São Paulo. O Deli Diet, na Jesuíno Arruda, não é de todo fresco, apesar do nome, e serve pratos balanceados sem comprometer o sabor. Os restaurantes japoneses do Itaim - Koi, Ayoama, Massao - não são lá grande coisa, mas são honestos, no geral. O Rubayat, do outro lado da Nova Faria Lima, é hoje um clássico, e continua servindo uma carne espetacular. Tem agora, mais para cima, o Kinoplex, com vários restaurantes mais baratos e decentes - como o Prime Burger, do Sérgio Arno, do outro lado da rua. Muita gente se encontra, depois do almoço, no Cafeeira, na Pedroso Alvarenga, que começou em silêncio e agora é visita quase indispensável para quem almoça na região.

Já a Casa do Saber funciona, há pouco tempo, na Rua Mário Ferraz. É das melhores livrarias da cidade, com uma seleção modesta mas de qualidade, sem deixar escapar o que interessa: os clássicos bem editados e os lançamentos relevantes, que às vezes fazem falta em grandes livrarias. E serve, de quebra, um café bem tirado, para depois das compras. Outra livraria que está no Itaim - esta há bastante tempo - é a Correa do Lago. Seu forte são edições preciosas, mas os lançamentos à venda são escolhidos também com cuidado: suas prateleiras são ocupadas apenas pelo que de fato merece ser publicado em português. No segundo andar da casa funciona uma loja de documentos históricos - como um autógrafo do Aldous Huxley e uma carta do Ruy Barbosa - e de gravuras importantes, que preenchem, com os livros, as paredes do ambiente. É o clima de uma biblioteca clássica, que muita gente nem conheceu.

Não me pergunte de outras lojas ou camisarias. Não conheço. A não ser, claro, a Origem, que vende jogos exóticos de tabuleiro. É um lugar bacana para se distrair, depois de um dia pensando em números. Mas minhas atividades no Itaim, além do trabalho, se resumem basicamente a almoçar - ou jantar - fora e, para descansar de vez em quando, visitar livrarias. Para isso, o bairro tem sido comigo, há um ano, bem generoso.


Eduardo Carvalho
São Paulo, 27/8/2004


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Precisa-se de empregada feia. Bem feia. de Yuri Vieira


Mais Eduardo Carvalho
Mais Acessadas de Eduardo Carvalho em 2004
01. A melhor revista do mundo - 8/10/2004
02. Como mudar a sua vida - 21/5/2004
03. O chinês do yakissoba - 5/3/2004
04. De uma volta ao Brasil - 23/7/2004
05. Por que não estudo Literatura - 24/9/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DECIDA-SE PELO SUCESSO
NOAH ST. JOHN
CULTRIX
(2003)
R$ 29,90



TEEN VILLAGE 1
DAVID SPENCER
MACMILLAN
(2008)
R$ 10,00



DO FUTURO - FATOS, REFLEXÕES, ESTRATÉGIAS
ANTONIO PASQUALI
UNISINOS
(2004)
R$ 7,90



RECIFE DOS HOLANDESES
JULIETA DE GODOY LADEIRA
ÁTICA
(1990)
R$ 4,42



O HÓSPEDE DE DRÁCULA COLEÇÃO MINI BIBLIOTECA
BRAM STOKER
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1996)
R$ 21,78



O CAVALEIRO DOS SETE REINOS HISTÓRIAS DO MUNDO DE GELO E FOGO
GEORGE R.R. MARTIN
LEYA
(2017)
R$ 42,00



A VERDADEIRA HISTÓRIA DE MARIA MADALENA
DAN BURSTEIN J. DE KEIJZER
EDIOURO
(2006)
R$ 74,00



O LAVATER DAS SENHORAS
EDOUARD HOCQUART
IMPRENSA OFICIAL
(2010)
R$ 31,99



O CANTOR PRISIONEIRO
ROGÉRIO BORGES; ASSIS BRASIL
MODERNA
(2004)
R$ 10,00



JUSTIÇA E COMPORTAMENTOS DE CIDADANIA NAS ORGANIZAÇÕES UMA ABORD
ARMÉNIO REGO
SÍLABO
(2000)
R$ 39,70





busca | avançada
38320 visitas/dia
1,3 milhão/mês