Crônica da Mostra e as 10 lições de Kiarostami | Lucas Rodrigues Pires | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição A Tragédia do Holocausto
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
>>> Big Bang
>>> 2013: mulheres escritoras e suas artes
>>> Les Misérables
Mais Recentes
>>> Guia Completo Do Tricô de Denise Gianoglio pela Escala (2019)
>>> Livro Literatura Estrangeira Um luxo de Perfume de Roberto DAngelo pela Caravana
>>> Educação Escolar das Relações Étnico-raciais de José Antônio Marçal, Silvia Maria Amorim Lima pela Intersaberes (2015)
>>> Batman - A Maldição do Caveliro Branco de Sean Murphy pela Panini Comics (2020)
>>> A Guardia Da Minha Irma de Jodi Picoult pela Verus (2011)
>>> Livro Psicologia Motivação, Liderança e Lucro A trilogia para uma empresa de sucesso de Marco Aurélio Ferreira Vianna pela Gente (1999)
>>> Heróis De Verdade: Pessoas Comuns Que Vivem Na Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Leonardo Da Vinci E Seu Supercérebro de Michael Cox pela Seguinte (2004)
>>> Ponto de Criação - Contos e Crônicas de Temáticas Livre de Alfer Medeiros pela Andross (2016)
>>> Finding Sky Die Macht Der Seelen: Roman de Joss Stirling pela Dtv Verlagsgesellschaft (2014)
>>> A Menina Que Contava Histórias de Jodi Picoult pela Verus (2015)
>>> Livro Filosofia Platão de Nova Cultural Ltda. pela Nova Cultural Ltda. (2004)
>>> Prosperity? de Ken, Maura, Michael, Piper, John, Grudem, Wayne, Mbewe, Conrad Mbugua pela Acts Kenya (2016)
>>> Introdução a psicologia de Donald Olding Hebb pela Atheneu (1971)
>>> Livro Literatura Estrangeira Meridian Um romance sobre o movimento dos direitos civis e a luta das mulheres negras de Alice Walker pela José Olympio (2022)
>>> O Despertar de Snyder, Murphy pela Panini Comics
>>> Ensaios de Michel De Montaigne pela Edit 34 (2016)
>>> Livro Turismo Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Coleção Biblioteca Infantil Encyclopedia Britânica do Brasil 10 Livros do Eu + Das Cores + Animais + Formas + Palavras + Números + Animais + Tempo de Christine Timmons pela Encyclopedia Britannica do Brasil Publicações (1979)
>>> Diálogos Da Perplexidade de Bernardo Kucinski pela Fundacao Perseu Abramo (2009)
>>> Livro Literatura Brasileira O Sedutor do Sertão de Ariano Suassuna pela Nova Fronteira (2020)
>>> Introducao À Leitura De Hegel de Alexandre Kojève pela Contraponto (2014)
>>> Encontrando Deus em O Senhor dos Anéis de Kurt Bruner, Jim Ware pela Bompastor (2002)
>>> O Poder Da Mente de R. Stanganelli pela Martin Claret (2006)
>>> Livro Poluição do Ar Polêmica Coleção Polêmica de Samuel Murgel Branco; Eduardo Murgel pela Moderna (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 1/11/2004
Crônica da Mostra e as 10 lições de Kiarostami
Lucas Rodrigues Pires
+ de 4100 Acessos

Enfim, tive tempo para ir ver algum filme da Mostra. Tentei ver Bens Confiscados, do Carlos Reichenbach (o mesmo diretor de Garotas do ABC, sobre o qual escrevi aqui recentemente), mas não consegui porque a sala do cinema (Cinearte) alterou o horário da sessão. Preparei-me todo para a sessão das 20 horas, mas quando chego lá o meu filme seria só às 22 horas. É de desanimar qualquer um. Mas Mostra Internacional de Cinema é isso mesmo. São quase 300 filmes em menos de 15 dias. É tão incrível o que esse pessoal traz para cá que chega a ser ruim para nós ter tanta oferta. Embaralha tanto que dificulta uma escolha. Há aqueles que buscam os nomes carimbados (nesta diria que são Almodóvar, Bertolucci e Wim Wenders), mas há aqueles que buscam descobrir alguma pérola de um país inusitado. São as opções de cada um.

Meu primeiro filme nesta 28ª edição da Mostra, na verdade, não foi nenhum inédito - 10 (Ten), do Abbas Kiarostami. Para quem não conhece, esse diretor é o homem que popularizou o cinema iraniano no mundo na década de 80. Seus filmes viraram cult e presença garantida em mostras e festivais pelo mundo. De fato, o meu maior interesse era em outro filme do Kiarostami - 10 Sobre 10, uma obra metalingüística em que o diretor, de dentro de um carro, explica coisas de seu filme anterior (10) e fala sobre sua forma de fazer cinema. No fundo, seria uma aula de cinema em 10 passos (daí o título). Eis que pensei: "Preciso ver o 10 antes para poder ver o 10 Sobre 10". Foi o que fiz, no mesmo dia acabei vendo os dois.

A sessão era às 19h30 horas. Às 21 horas o diretor - o homenageado da Mostra com a retrospectiva - estaria na sala para uma conversa com o público. Daí o auditório da FAAP estar lotado e a organização da faculdade deixar parte do público esperando lá fora para ver se teria lugar para todos. A direção informou que os alunos teriam prioridade de assento. Depois de passar frio esperando, pudemos entrar e consegui me aconchegar lá na frente, um lugar bom para quem não enxerga as legendas com nitidez. Enquanto aguardava o início, uma menina sentou na fileira da frente. Jovem, bonita, virou pra mim e perguntou: "Que filme que vai passar, hein, você sabe?". Estranhei a pergunta, mas respondi educadamente que seria um filme iraniano e que o diretor estaria aí depois. Em seguida, foi minha vez de perguntar: "Você não estuda aqui na FAAP? Não veio para a palestra do Kiarostami?". Ouvi de volta: "Não faço Cinema, estudo Publicidade. Nem sabia o que ia ter, mas do que se trata esse filme?". Sentindo o desastre que se aproximava, tentei explicar para ela o que viria a ser um filme iraniano. "Olha, filme iraniano é meio parado, nesse filme o diretor vai, em 10 planos fixos, falar sobre o que é cinema para ele. E tudo isso de dentro de um carro". E ela: "Xi, não gosto disso. Estou vendo que vou sair na metade". Aí terminou nosso papo. 5 minutos depois, antes de começar o filme, ela se levantou e foi embora.

Mas enfim a vida não é, nunca foi e nem nunca será um sistema ideal. Estamos nela para vivenciar a diversidade e na diversidade encontrar algumas semelhanças que nos aproximem de outro alguém. Antes de iniciar a projeção, Kiarostami foi apresentado à platéia. Muitas palmas para ele e para o cineasta português Manoel de Oliveira, outra figurinha carimbada de Mostra que estava na platéia para a exibição do filme do colega. O diretor iraniano, em um discurso rápido aos presentes, disse que acreditava ser aquele público ali presente o mais adequado para ver o seu filme (acho que ele não viu a menina do parágrafo anterior saindo da sala...).

10 e 10 Sobre 10 têm a mesma estrutura: divididos em 10 blocos, se passam dentro de um carro em movimento. A câmera é fixa e filma apenas um personagem. No primeiro, uma mulher dirige e cada plano é uma pessoa com quem ela conversa: seu filho (três vezes), uma prostituta, uma mulher em crise com o noivo, uma outra senhora. Nesse trajeto, que não acontece num único dia, os temas do cotidiano aparecem e o que chama a atenção é a briga da motorista com seu filho, o que acaba com o menino indo morar com o pai.

O mais interessante na verdade é o outro filme, 10 Sobre 10. Aqui, Abbas Kiarostami faz uma reflexão sobre o que é o cinema de hoje e o que ele entende por cinema. Abordando tópicos como direção, cinema digital, atores, roteiro e locação, vai explicando seu método de trabalho e o que busca com seus filmes. Dentro de seu discurso, e explicitamente no último plano, ele polariza seu cinema com o cinema de Hollywood.

Para Kiarostami, cinema é arte e é feito de seres humanos. Daí seu cinema refletir a condição humana, ser um tanto existencialista e baseado no cotidiano. Ele afirma ser um vício o que se criou em torno do cinema: de que o mesmo deve contar uma história. Confundem contar uma história com grandes acontecimentos, ação, aventura, etc. Para seu propósito, um garoto levar um livro esquecido pelo amigo até a casa deste na vila vizinha é uma grande história (Onde Fica a Casa do Meu Amigo?). Tudo que fala sobre o homem é matéria para seu cinema, que ficou mais fácil e espontâneo com a tecnologia digital. Em sua fala, o diretor se entusiasma com a naturalidade e espontaneidade de filmagens feitas com câmera digital. Cita seu filme ABC África, um documentário sobre crianças com Aids em Uganda, como exemplo disso. Seu maior objetivo é buscar a realidade no cinema, fazer um cinema neo-realista. Seus atores não são profissionais e ele faz com que tentem ao máximo interpretar a si mesmos (a mãe e o filho de 10 são mãe e filho na vida real).

Kiarostami fala também sobre angulação de câmera, que nenhum corte ou plano deve ser sem objetivos, e que nunca deu ordens para seus atores ou mandou que se vestissem assim, que não usassem isso ou aquilo. Afirma que seus atores são aquilo que aparece em cena, mais uma tentativa de se aproximar daquela realidade que ele frisou almejar. Ao final, o diretor explica como se fazia e se faz cinema. "A primeira geração de cineastas, de quando nasceu o cinema, olhava a vida e fazia filmes. A segunda olhava para esses filmes e para a vida e fazia filmes. A terceira voltava seus olhos para os filmes até então feitos para fazer seus filmes. A quarta, que é a nossa, não olha nem para os filmes e nem para a vida para fazer seus filmes. Ela vê só o que é possível fazer em termos de efeitos e tecnologia".

Terminadas as 10 lições de cinema, Kiarostami aconselha os jovens: "Se querem fazer sucesso, sigam as fórmulas americanas de cinema" (basicamente: emocionar, fazer chorar e não dar tempo para pensar). Depois disso, volta-se para a câmera e diz ao público que aproveitasse a paisagem enquanto ele daria a volta no carro para desligar o equipamento. Ele sai de cena, mas não a desliga ainda. Pega a câmera, tira-a do carro e filma em close um buraco de formiga na estrada de terra em que parara o carro e do qual formigas saíam e entravam carregando comida. Eis a metáfora ideal de Kiarostami: seus filmes são como pequenas formigas.

Post Scriptum
Como são bonitas e criativas as apresentações da Mostra de Cinema baseadas nos cartazes de cada ano. Eu me refiro àquele vídeo que é exibido antes de cada sessão. Um primor, um primor. Vale tanto quanto os filmes. O deste ano (cartaz abaixo) foi criado pelo israelense Amos Gitai, que apresenta nesta edição da Mostra o filme Terra Prometida.



Lucas Rodrigues Pires
São Paulo, 1/11/2004

Quem leu este, tambm leu esse(s):
01. HQs sombrias, anjos e demônios de Carla Ceres
02. Procure saber: os novos donos da história de Gian Danton
03. Game of Thrones, Brasil e Ativismo Social de Guilherme Mendes Pereira
04. Boas histórias — e de verdade de Verônica Mambrini
05. Escândalo na cidade cinzenta de Tais Laporta


Mais Lucas Rodrigues Pires
Mais Acessadas de Lucas Rodrigues Pires em 2004
01. Olga e a história que não deve ser esquecida - 30/8/2004
02. Os narradores de Eliane Caffé - 5/2/2004
03. Quem tem medo de Glauber Rocha? - 19/7/2004
04. As garotas do Carlão - 13/9/2004
05. Cazuza e o retrato do artista quando jovem - 5/7/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Em Busca da Espiritualidade
James Van Praagh
Sextante
(1999)



Os Presidentes - Afonso Pena
Hélio Silva
Grupo de Comunicação Três
(1983)



Arquitetos Do Brasil - Athie/Wohnrath
Varios autores
Victoria Books
(2008)



Tratado de Direito Processual Civil
Celso Marcelo de Oliveira
Juridica Brasileira
(2006)



Padre Nostro: Preghiera Della Liberazione Integrale
Leonardo Boff
Cittadella
(1989)



O Poder do Clímax - Fundamentos de Roteiro de Cinema e Tv
Luiz Carlos Maciel
Record
(2003)



Histórias À Brasileira A Donzela Guerreira e outras
Ana Maria Machado
Companhia Das Letrinhas
(2010)



Um Lugar para Todos
Thrity Umrigar
Nova Fronteira
(2008)



Contabilidade Introdutória - livro texto
Stephen Charles Kanitz; Sérgio De Iudícibus; Luiz Benatti
Atlas
(2011)



O Prazer Do Poema. Uma Antologia Pessoal
Ferreira Gullar
Edições De Janeiro
(2014)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês