Senhor, perdoai a nossa pressa | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Cia Fragmento de Dança lança seminário “Amor Mundi – Pensando com Hannah Arendt”
>>> Realidade e ficção na Terça Aberta na Quarentena de agosto
>>> OBMJazz: OBMJ lança primeiro clipe de novo projeto
>>> Serginho Rezende é entrevistado por Zé Guilherme na série EntreMeios
>>> TOGETHER WE RISE TRAZ UMA HOMENAGEM ÀS PESSOAS QUE FIZERAM PARTE DA HISTÓRIA DO GREEN VALLEY
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> Em Meu Próprio Caminho de Allan Watts pela Siciliano (1992)
>>> Cama de Gato de Kurt Vonnegut pela Record (1991)
>>> A História Secreta de Donna Tartt pela Companhia das Letras (1995)
>>> Os Invictos de William Faulkner pela Arx (2003)
>>> Paralelo 42 de John dos Passos pela Rocco (1987)
>>> Para onde você vai com Tanta Pressa de Christiane Singer pela Martins Fontes (2005)
>>> Carta Sobre o Comércio do Livro de Denis Diderot pela Casa da Palavra (2002)
>>> Rimas da Vida e da Morte de Amos Óz Amós Oz pela Companhia das Letras (2008)
>>> Uma Desolação de Yasmina Reza pela Rocco (2001)
>>> O Fio Perigoso Das Coisas de Michelangelo Antonioni pela Nova Fronteira (1990)
>>> Hacia un Teatro Pobre de Jerzy Grotowski pela Siglo Veintuno (1970)
>>> Este é Orson Welles de Peter Bogdanovich pela Globo (1995)
>>> À Espera do Tempo Filmando Com Kurosawa de Teruyo Nogami pela Companhia das Letras (2010)
>>> Invisible Man de Ralph Ellison pela Penguin (2009)
>>> The Plot Against America de Philip Roth pela Vintage (2005)
>>> Vida, o Filme. Como o Entretenimento Conquistou a Realidade de Neal Gabler pela Companhia das Letras (1999)
>>> Rituais de Sofrimento de Silvia Viana pela Boitempo (2012)
>>> Um Sussuro nas trevas de H. P. Lovecraft pela Francisco Alves (1983)
>>> O Aleph de Jorge Luis Borges pela Globo (1992)
>>> O Deslumbramento (le Ravissement de Lol. V. Stein) de Marguerite Duras pela Nova Fronteira (1986)
>>> O Segredo do Padre Brown de G. K. Chesterton pela Círculo do Livro (1986)
>>> Se Não Agora, Quando? de Primo Levi pela Companhia das Letras (1999)
>>> O compromisso da fé de Emmanuel Mounier pela Duas Cidades (1971)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 6 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> A Doutrina Secreta - Vol. 2 de Helena Petrovna Blavatsky pela Pensamento (1989)
>>> O Livro Tibetano Dos Mortos de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1989)
>>> Milarepa de Hans Evans-Wentz pela Pensamento (1990)
>>> A Jornada do Herói Vida - Obra Joseph Campbell de Phil Cousineau pela Saraiva (1994)
>>> O Tarô Mitológico - uma Nova Abordagem para a Leitura do Tarô de Juliet Sharman-burke e Liz Greene pela Siciliano (2002)
>>> Curso De Psicologia Geral Vol. IV de A. R. Luria pela Civilização Brasileira (1979)
>>> Breton - Trotski: por uma Arte Revolucionaria Independente de Valentim Facioli (org) pela Paz e Terra (1985)
>>> Manifestos do Surrealismo de André Breton pela Moraes (1969)
>>> Os Cantos de Maldoror de Conde de Lautréamont pela Moraes (1970)
>>> Escritos de Antonin Artaud de Artaud e Claudio Willer (org.) pela Lpm (1983)
>>> Memória de um Amnésico de Erik Satie pela Hiena (1992)
>>> Contos Cruéis de Villiers de Lisle-adam pela Iluminuras (1987)
>>> A Cruzada das Crianças de Marcel Schwob pela Iluminuras (1987)
>>> Moralidades Lendárias Fábulas Filosóficas de Jules Laforgue pela Iluminuras (1989)
>>> Caos - Crônicas Políticas de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1982)
>>> Os Jovens Infelizes - Antologia de Ensaios Corsários de Pier Paolo Pasolini pela Martins Fontes (2013)
>>> A Maçã no Escuro de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1992)
>>> As Ultimas Palavras do Herege de Pier Paolo Pasolini pela Brasiliense (1983)
>>> Triângulo das Águas de Caio Fernando Abreu pela Siciliano (1997)
>>> Romanceiro da Inconfidência de Cecília Meireles pela Nova Fronteira (1989)
>>> A Importância do Ato de Ler de Paulo Freire pela Cortez (1989)
>>> As Idades da Vida de Romano Guardini pela Quadrante (1997)
>>> Cruz E Sousa E Baudelaire Satanismo Poético de Márie Helene Catherine Torres pela Ufsc (1998)
>>> A Morte dos Deuses de Michel Henry pela Jorge Zahar (1985)
>>> Vida Emocional dos Civilizados de Melanie Klein / Joan Riviere pela Zahar (1962)
>>> Um Simples Livro De Culinária Para As Classes Trabalhadoras de Charles Elmé Franvatelli pela Angra (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 1/6/2005
Senhor, perdoai a nossa pressa
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2000 Acessos

Certa vez uma amiga (muito querida) me apareceu com um livreto mal-acabado, com cara e jeito de missal antigo, e disse que aquilo era produto da ironia de um poeta itabirano. Como Drummond não tinha essas manias, resolvi ficar curiosa e levei o "missal" de araque para casa. Lastimavelmente, não me lembro do nome do poeta, mas tenho suas frases anotadas pelos cantos do meu escritório até hoje.

Itabira, interior de Minas Gerais, ficou conhecida pelo cheiro de minério e pelos poemas de Drummond, que cascou fora da cidade e zarpou para o Rio de Janeiro, ser secretário, importante, escritor, alguma coisa mais do que virar o lunático poeta da cidade. Depois que ficou famoso, virou rua, casarão, estátua. E qualquer guardanapo de boteco em que ele tenha deixado uma garatuja virou peça caríssima de museu.

Mas Itabira tem outros poetas. E tem também professores, editores, joalheiros. Todo itabirano reconhece um conterrâneo e até lhe sabe a genealogia. No final, todo itabirano é primo. E eles se reproduzem em proporção geométrica, porque a minha amiga vê mais itabiranos em Belo Horizonte do que belo-horizontinos.

O poeta de cujo nome me esqueci escreveu poemas marginais e produziu com eles um livrinho com cara de missal. Isso foi coerente porque a maior parte dos textos faz alguma referência sacana aos textos da Igreja ou às frases da Bíblia. E um poemeto que me ficou na cabeça foi esse aí, que dá título a esta crônica: "Senhor, perdoai a nossa pressa".

Há algumas semanas, lembro-me de haver lido neste site um texto do gaúcho Fabrício Carpinejar em que ele falava, com certo nojo, das pessoas que não assinam as histórias de suas próprias vidas. E como aquele texto me demoliu! Passei dias e dias tentando não me melindrar com aquelas palavras do poeta e, por fim, sucumbi à idéia de que talvez eu esteja deixando a autoria dos meus passos para outros. E então resolvi me corrigir antes que fosse tarde. E como se faz isso? Decidindo. E como decidir? Ouvindo o coração. E como ouvir apenas o coração? Ainda não sei.

Carpinejar falou das relações amorosas e dos casamentos. E enquanto eu lia, assobiava e chupava cana, me dei conta de que o que é mais importante vai ficando para trás.

Atualmente, mandam em mim, no meu tempo e nas minhas prioridades nada mais nada menos do que 4 diretores, 6 coordenadores e alguns colegas de trabalho. Também definem minha agenda quase 400 alunos e todas as probabilidades do semestre que vem. Desses 4 diretores, dois estão em contato direto comigo e sempre me fazem lembrar de horários e atividades extras. Dos 6 coordenadores, 1 tem 2 reuniões semanais comigo, 1 me encontra pelos corredores e sempre tem um recado a dar e 1 conversa comigo ao menos uma vez ao dia por telefone, sem contar os e-mails em série.

Todas essas pessoas têm o espaço da minha vida que meu marido pleiteia desde que se uniu a mim e que meu filho jamais teve desde que nasceu. E eu me pergunto: O que está deslocado do centro de gravidade deste sistema? Quem assina a autoria da minha vida? Por que estou endossando essas assinaturas?

Das 24 horas que um dia costuma ter, passo 16 fora de casa e 5 dormindo e sonhando com formulários e aulas. Sobraram 4 horas? Sim, ao menos 2 delas eu passo dentro do carro, no trânsito, ouvindo músicas de que gosto. As outras 2 horas se distribuem, necessariamente, em fragmentados momentos de almoço, conversa telefônica, idas ao banheiro e alguma troca de palavras com meu filho e meu marido. E se não fosse o fone de ouvido para falar no celular enquanto dirijo (eu sei que é proibido!), eu gastaria mais tempo resolvendo perrengues por telefone.

Isso tudo para que minha conta bancária cresça morbidamente pouco a cada mês, para que eu dê conta das manutenções e dos débitos e para que eu consiga pagar impostos no início do ano.

Enquanto isso, algumas pessoas fazem jardinagem, vão à academia de ginástica esculpir os quadríceps ou fazem aulas de canto lírico. Algumas mulheres se arvoram a ter 2 ou 3 filhos e os homens têm hora marcada para a "pelada" da semana. E eu penso: como conseguem? Não têm remorso? Não se sentem "perdendo tempo"?

Mas aí eu me lembro do Fabrício Carpinejar e também dos poetas do Carpe Diem e dos poemas do Fernando Pessoa. E então eu me lembro do poeta itabirano que pedia perdão a Deus pela pressa obsessiva e neurótica. E eu peço perdão de joelhos pelas horas que meu filho passou na minha ausência, enquanto eu dava aulas quase indomáveis para os filhos dos outros. Também peço perdão ao marido que se casou com uma esposa de intervalos. E espero a cura desta doença da pressa, que, afinal, não deve ter sentido algum, a não ser o de transformar em fragmento o que deveria ser a razão do meu universo.

Conto
Janine Hospeda Cães e Gatos Durante as Férias. Janine cuida do gato que apanhei na rua. Quando meu pai foi embora e disse a minha mãe que se fodesse sozinha, eu tomava café e me divertia com umas bolachas coloridas. Ele saiu sem bater a porta e isso não se parecia com as cenas que eu via em filmes sobre abandono. E então eu percebi em mim uma jura lastimosa. Jamais deixei minha mãe dormir sozinha e não lhe permiti lágrimas próximas umas das outras. Não me casei, mal me enamorei de umas meninas, não abandonei ninguém e não suportei histórias como a minha. Quando vi Jaguar na rua, pensei que embora fosse gato e pudesse viver livre, talvez sentisse falta de um ambiente aconchegante onde dormir e comer. Adotei meu gato numa tarde quente e dei a ele o leite das histórias de ficção. Jaguar comia carne e era forte, apesar da aparência frágil. E não se parecia com minha mãe, que ameaçava chorar passados mais de dez anos da saída de meu pai, tão sem glamour, pela porta da frente. Jaguar ficou sendo nosso menino de estimação e dávamos a ele o tratamento que os humanos não se dispensam, mesmo no amor declarado. Jaguar tinha liberdade e também saía pela porta da frente, quando desejava a rua, mas voltava pelas janelas, pelos basculantes, pela mesma porta, pelo serviço, sempre que tinha o desejo de retornar. E nossos sorrisos não eram poupados quando ele miava com sono e fome. Jaguar remoçou minha mãe, quase perdida, e apagou meu pai da memória da casa, aos poucos, como os felinos costumam amar. Mas minha mãe morreu de velha, aos 93 anos, deitada no sofá. E foi Jaguar quem me deu a notícia, miando chorado, como uma carpideira consciente e sentida. Respondi à morte dela como ao abandono de meu pai, com sensação de oco e ar de improviso. Resolvi viajar. Comprei uns tíquetes que me levavam, por terra, a São Luís, e aprontei duas malas com camisetas, bermudas e uns livros de receitas. Deixei a Bíblia de capa dura encostada aos catálogos e queimei os jornais velhos na despensa. Retirei as lâmpadas e guardei numa gaveta perdida, dessas que a gente não pode mais encontrar quando volta. Se eu retornasse, queria iluminar tudo com luzes novas. Desmontei o armário da cozinha e não removi o lodo do box de acrílico. Dispensei os perfumes velhos na privada e saí sem trancar a porta, para dar à casa chances de que algo lhe ocorresse. Mas não abandonei Jaguar. Entreguei meu gato a Janine, a menina que cuidava de animais enquanto as famílias viajavam de férias. E Janine me atendeu com sorriso de aeromoça. Disse a ela que não sabia quando ia voltar, mas que acertaria tudo na volta. Deixei o endereço onde me hospedaria em São Luís. Janine me manda cartas de vez em quando. Me conta dos incidentes da vida cotidiana, dos estudos, dos desejos e às vezes fala de Jaguar, que se sentiu abandonado quando parti, pulou do telhado e não tinha sete vidas.

Nota do Editor
Leia também a entrevista de Ana Elisa Ribeiro, concedida a Marcelino Freire, na revista "Idiossincrasia" do Portal Literal.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 1/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Vamos pensar: duas coisas sobre home office de Fabio Gomes
02. Ler, investir, gestar de Ana Elisa Ribeiro
03. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
04. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
05. Raio-X do imperialismo de Celso A. Uequed Pitol


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COMPARATIVE CRIMINOLOGY: V. 1
HERMANN MANNHEIM
ROUTLEDGE
(1967)
R$ 85,28



POR FORA DA COPA
EDUARDO MENEZES
DUBLINENSE
(2014)
R$ 18,00



SETE FACES DO AMOR
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(1992)
R$ 10,00
+ frete grátis



MARIO, O CAMISA 10
JOACHIM MASANNEK; JAN BIRCK
VIDA E CONSCIENCIA
(2012)
R$ 12,00



MEU MONSTRO DE ESTIMAÇÃO- LEIA DESCRIÇÃO
DICK KING-SMITH
RECORD
(2008)
R$ 9,00



LOUCURA E OBSESSÃO
DIVALDO P. FRANCO
FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA
(1997)
R$ 20,00



AMIGOS DE VERDADE
BRADLEY TREVOR GREIVE
SEXTANTE
(2006)
R$ 8,90



MÉTODOS E TEMPOS - ABORDAGEM GERENCIAL - RACIONALIZANDO A PRODUÇÃO DE BENS E SERVIÇOS
ROBSON SELEME
INTERSABERES
(2012)
R$ 6,00



REFORMA NA PAULISTA E UM CORAÇÃO PISADO
ELISA ANDRADE
OITAVA RIMA
(2013)
R$ 7,90



A ARTE DA GUERRA OS TREZE CAPÍTULOS COMPLETOS
SUN TZU
EDIOURO
(2009)
R$ 20,00





busca | avançada
75359 visitas/dia
2,6 milhões/mês