Os diários de uma paixão | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
>>> Pergunte ao Polvo #worldcup
>>> O escandaloso blog de poesia de Maria Bethânia
>>> PosBIZZ com Ricardo Alexandre
>>> A era e o poder do Twitter
Mais Recentes
>>> D. Pedro II de Carvalho, José Murilo de pela Companhia das Letras (2020)
>>> D. Maria I: As perdas e as glórias da rainha que entrou para a história como "a louca" de Priore, Mary del pela Benvirá (2020)
>>> D. João VI de Pedreira, Jorge and Costa, Fernando Dores pela Abc (2020)
>>> Conversa cortada - a correspondência entre Antônio Candido e Angel Rama de Antonio Rocca, Pablo Candido pela Edusp e Ouro sobre Azul (2020)
>>> Constituinte de 1987-1988 de Adriano Pilatti pela Puc (2019)
>>> "Clamar e Agitar Sempre": Os Radicais na Década de 1860 de José Murilo De Carvalho; José Mario Pereira and Miriam Lerner pela Tusquets (2020)
>>> Como o Ser Humano Pode se Tornar e se Manter Produtivo de Paulo Gaudencio pela Palavras e Gestos (2012)
>>> Cidade febril: Cortiços e epidemias na corte imperial de Chalhoub, Sidney pela Companhia das Letras (2020)
>>> Cidade de Deus de Paulo Lins pela Tusquets (2020)
>>> Casa-Grande & Senzala de Freyre, Gilberto pela Global (2020)
>>> Brigada Ligeira de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Brasil: Formação do estado e na nação de Jancsó, István pela Hucitec (2020)
>>> Brasil, geopolítica e poder mundial: O anti-golbery de Martin, André Roberto pela Hucitec (2020)
>>> Bernardo Pereira de Vasconcelos (Português) Capa comum de José Murilo de Carvalho pela 34
>>> Balmaceda - Coleção Prosa do Observatório (Português) Capa comum de Joaquim Nabuco pela Cosacnaify (2020)
>>> Autobiografia de Visconde de Mauá (Irineu Evangelista de Sousa) pela Senado (2020)
>>> Revista Tempo Brasileiro 25 - A Crise do Pensamento Moderno 3 de Vários pela Tempo Brasileiro (1970)
>>> Teatro Moderno = A Moratória de Jorge Andrade pela Agir (1996)
>>> Teatro na Igreja com criatividade de Maria José Resende pela Exodus (1997)
>>> O Furo . . .Que é um Furo que não é um Furo de Everton Capri Freire pela Parma (1981)
>>> A Retornada de Donatella Di Pietrantonio pela Faro Editorial (2019)
>>> O Teatro de Nelson Rodrigues: Uma Realidade em Agonia de Ronaldo Lima Lins pela Francisco Alves (1979)
>>> 525 Linhas de Marcelo Paiva pela Brasiliense (1989)
>>> Sonho interrompido por guilhotina de Joca Reiners Terron pela Casa da Palavra (2006)
>>> Mortos - Vivos = Vivos - Mortos de Walter José Faé pela Burity (1983)
>>> Ana do Maranhão de Lenita de Sá pela Folha Carioca (1982)
>>> Teatro e Paixão de Maria Lombros Comninos/Marta Morais da Costa pela Secretaria de Estado da Cultura e do Esporte (1982)
>>> Teatro de Marionetes de Heinrich Von Kleist pela Ministério da Educação e Saúde (1952)
>>> Teatro - Realidade Mágica de Santa Rosa pela Departamento de Imp. Nacional (1953)
>>> Sonetos em Curitiba de Nylzamira Cunha Bejes pela Planeta (2002)
>>> A Represa / Suburbana de Maria Helena Khuner/Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1933)
>>> Teatro da Vida 2 = Projeto Andarilhus de Eduardo Bolina pela Pallotti (2009)
>>> O Palácio dos Urubus de Ricardo Meireles Vieira pela Funarte (1975)
>>> Helicópteros e Lepidópteros de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1979)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Macacos me Mordam ! de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1987)
>>> Darwin e Kardec Um Diálogo Possivel de Hebe Laghi de Souza pela Centro Espírita Allan Kardec (2002)
>>> Os Infortúnios da Virtude de Marquês de Sade pela Iluminuras (2013)
>>> Joaquim - Minicontos - livrote n. 15 de Eno Teodoro Wanke pela Plaquete (1990)
>>> Administração Aplicada à enfermagem de Sérgio Ribeiro dos Santos pela Ideia (2002)
>>> Antologia de Jeorling J.Cordeiro Cleve pela Artes & Textos (2009)
>>> The Golden Bough: Volume 12 de James Frazer pela Cambridge University Press (2012)
>>> Teatrinho Infantil de Figueiredo Pimentel pela Livraria Quaresma (1958)
>>> Reiki Harmonia Universal de Joel Cardoso pela Tipo (2001)
>>> Saúde de Cães de A a Z de Pedro Zarur Almeida pela Madras (2005)
>>> Pré-Natal de Marcelo Zugaib e Rosa Ruocco pela Atheneu (2005)
>>> Gasparetto Responde! de Luiz Gasparetto pela Vida e Consciência (2015)
>>> O Quarto em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Southernmost - Rumo ao Sul de Silas House pela Faro Editorial (2018)
>>> Vigilância e Controle das Doenças Transmissíveis de Zenaide Neto Aguiar pela Martinari (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 21/6/2005
Os diários de uma paixão
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 5100 Acessos

Começa assim. Interessado por garota, este colunista descobre, via Orkut, não somente seus gostos pessoais, como livros, música e cinema, mas também que ela possui um blog. Para minha surpresa, este blog não é uma plataforma política ou um espaço público para debates. É, tão somente, um diário pessoal, no qual ela fala de seus amores, e eu leio sem pudor. Penso que nem sempre foi assim. Houve uma época, muito antes da Internet, em que os diários pessoais eram....pessoais. Ou seja, ninguém, a não ser o autor, entraria em contato com aquelas confissões extremamente íntimas, como é regra existir nos diários. A poeta norte-americana Sylvia Plath manteve, entre 1950 e 1962, uma série de deles. Pode-se afirmar, inclusive, que os diários eram uma espécie de indício do que estava por vir. Escrevia com afinco e, acima de tudo, para si mesma. Esses relatos podem ser encontrados agora na edição colossal que a Editora Globo fez dos Diários de Sylvia Plath, sob organização de Karin V. Kukil, que também assina o prefácio.

Ao longo de mais de 800 páginas, o leitor descobre os nós sentimentais por trás da misteriosa poeta. Esse ar misterioso, aliás, foi corroborado pelo filme Sylvia: paixão além das palavras, no qual Gwenyth Paltrow representa Plath. Nos diários, quem ficou espantado pela afetação da escritora verá que, por trás daquele jeito hermético e prolixo, há uma escritora latente, pulsante, pronta para dissecar a si própria e aos outros, dos preconceitos aos desejos, caminhando da ingenuidade à maturidade como escritora. Os diários ajudam a compreender uma fase anterior à existência da poeta publicada, que ficaria matizada pelo spleen oriundo de seu relacionamento com o também poeta Ted Hughes.

Na primeira seleção dos diários, que vai de 1950 a 1953, Sylvia Plath expõe em prosa sua ingenuidade e inocência. É certo que essa inocência via de regra se torna em pieguice e opiniões extremamente simplistas acerca do mundo que ela pouco conhece, como política e racismo. Entretanto, é graças a essa mesma inocência que surgem os lampejos de sua poesia, como no trecho que segue: "Meu Deus, a vida é solidão, apesar de todos os opiáceos, apesar do falso brilho das festas alegres sem propósito algum, apesar dos falsos semblantes sorridentes que todos ostentamos". Nessa primeira fase, Sylvia registra o cotidiano não tendo por base uma rotina específica, mas, sim, pela relevância dos acontecimentos. A autora não relata, por exemplo, o nome das amigas, tampouco o seu relacionamento com os professores de colégio. Ela prefere a experiência que transformaria sua vida: "Tenho a impressão de adquirir uma consciência cada vez mais acentuada da rapidez da passagem do tempo conforme fico mais velha. (...) Tornamo-nos embotados, empedernidos e cordialmente passivos, conforme cada dia acrescenta mais uma gota ao poço estagnado de nossos dias".

À medida que avança, Plath se torna mais rígida com sua conduta, tanto na aparência como na sua produção intelectual. De um lado, ela não consegue se desvencilhar do desejo, da atração quase compulsiva por suas paixões arrebatadoras, que, nesse caso, são de fato um problema, uma vez que ela se vê entorpecida por eles. O desejo chega a sufocar, a tal ponto que isso toma forma na sua externação poética: "Desejo ardentemente sentir as costas largas e fortes quando apertá-lo contra meu corpo e fechar os olhos e me abandonar na deliciosa vaga lenta de seus beijos. Será que o sábado não vai chegar nunca?"

Por outro lado, a poeta parece não acreditar no seu talento. Com isso, também ela sofre. Essa aflição, aliás, é objeto constante dos relatos que precedem sua tentativa de suicídio, em agosto de 1953. Ela retomaria os diários apenas em 1955, mas este período, diferentemente do anterior, é composto por trechos de cartas. Nelas, novamente a convulsão poética surge na prosa, ora em forma de dor, ora em forma de indignação: "sinto-me muito doente... Há um ponto em meu estômago que lateja e incomoda (...) Torna-se impossível fitar as pessoas nos olhos: estaria a deterioração de volta? Quem sabe. Conversas banais são desesperadoras."

Como o tamanho do livro pode intimidar o leitor mais desacostumado, a obra contém um ótimo índice remissivo, que ajuda o leitor a encontrar os períodos mais interessantes, ou que, eventualmente, auxiliam na compreensão da personalidade da autora. Os textos são carregados de uma paixão compulsiva. Plath tenta extrair isso aos poucos, mas são inúmeras as vezes em que ela se perde. A razão, poderiam atribuir alguns, seria a falta de objetividade dos poetas. Ocorre que é justamente o contrário que Sylvia Plath mostra ser. Em outras palavras, assim como nos poemas, nos diários, a autora coordena as emoções pelas palavras; as sensações, pelo significado; e a tristeza, pelo silêncio. Desse modo, a digressão é a melhor saída para fugir do assunto. Escondê-lo entre um acontecimento banal e um encontro repentino. Se o leitor verificar com cuidado, verá que as entrelinhas revelam tudo.

Os diários somados atingem oito capítulos. Apesar de passar por momentos importantes, como o casamento e a lua-de-mel com Ted Hughes, as anotações não terminam por aí. Nos apêndices, logo em seguida, aparecem novas revelações, bilhetes, memórias e até mesmo desenhos. Nesse trecho, do ponto de vista intelectual e criativo, o destaque fica para os esboços e rascunhos de contos e poemas. Para os primeiros, a autora desenvolve a idéia, com as personagens e as cenas a serem construídas. Já para os segundos, há o detalhamento do verso que será desenvolvido, como um briefing da frase exata, a expressão certa para o momento adequado. Os poetas não jogam fora as palavras.

Nas telas, o retrato de Sylvia Plath não foi além do estigma e do mito acerca dos escritores, segundo o qual eles são excêntricos e conturbados, não podendo tomar conta dos filhos e do marido sem pensar em suicídio e depressão em todos os momentos. Em certa medida, os diários também mostram isso. Contudo, eles são mais fiéis à figura de sua criadora, e a maior prova disso está na prosa fluida e auto-explicativa da poeta. Ao final, a leveza da leitura alivia o peso do volume.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 21/6/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A forca de cascavel — Angústia (FUVEST) de Renato Alessandro dos Santos
02. Hércules reduzido a lenda de Carla Ceres
03. Contos Gauchescos chega ao cinema de Marcelo Spalding
04. Obsessão por livros de Rafael Rodrigues
05. Ex-míope ou ficção científica? de Ana Elisa Ribeiro


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2005
01. Brasil e Argentina: uma História Comparada - 3/5/2005
02. O século da canção - 5/4/2005
03. Os Clássicos e a Educação Sentimental - 8/2/2005
04. Estudo das Teclas Pretas, de Luiz Faccioli - 22/2/2005
05. O Afeto Autoritário de Renato Janine Ribeiro - 22/11/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS TEMPLARIOS - IRMÃOS EM CAVALARIA
FREDERICK SMYTH
MADRAS
(1991)
R$ 29,00



A TÉCNICA DA REDAÇÃO JURÍDICA OU A ARTE DE CONVENCER
VICENTE DE PAULO SARAIVA
CONSULEX
(2002)
R$ 14,00



BOM-CRIOULO
ADOLFO CAMINHA
ÁTICA
(1999)
R$ 20,00



PENSAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO Á BASE DE CARNE E A PAZ MUNDIAL I - 1ª ED.
SEICHO-NO-IE
SEICHO-NO-IE
(2014)
R$ 10,99



MÃE E MESTRA
MARIA PIA GIUDICI
MONTE ESTORIL
(1964)
R$ 6,90



O CÉU É UM ESPELHO LÁ LONGE
GUILHERME FIGUEIREDO
ATUAL
(1988)
R$ 10,00



O DESENVOLVIMENTO DOS POVOS - CARTA ENCÍCLICA POPULORUM PROGRESSIO
PAULO VI
VOZES
(1968)
R$ 5,00



PRETÉRITO IMPERFEITO
AFONSO FELIX DE SOUSA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1976)
R$ 7,90



ROBINSON CRUSOÉ
DEFOE, DANIEL
GARNIER - ITATIAIA
(2007)
R$ 15,00



PARA EMERGIR NASCEMOS &ESTUDOS EM REMEMORAÇÃO DE JORGE DE SENA
FRANCISCO COTA FAGUNDES E PAULA GÂNDARA
SALAMANDRA
(2000)
R$ 61,41





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês