A cachorra da vizinha | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
Mais Recentes
>>> Meu dia com Padre Gregório, scj de Padre Gregorio pela N/a
>>> O Primeiro Bilhão de Christopher Reich pela Best Seller (2004)
>>> Poderes do Pensamento de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (2018)
>>> Manual do Astrólogo de Landis Knigh Green pela Pensamento (1975)
>>> Noções de Symbologia Esoterica de Circulo Esotérico pela Circulo Esotérico (1941)
>>> Juventude e Revolução de Hermes Zaneti Junior pela Unb (2001)
>>> Dharma de Annie Besant pela Pensamento (2008)
>>> Fome do Cão de Táki Athanássios Cordás pela Maltese (1993)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Harper Usa (2000)
>>> Gandhi Autobiographie ou mês Expériences de Vérité (Francês) de Gadhi pela Puf (2010)
>>> Tábuas de Casa para o Hemisfério Sul de Carlos Alberto Boton pela Pensamento (1993)
>>> Tao Te King de Lao Tsé pela Attar (1988)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Jacira X Ronaldo de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1980)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Simone X Angela de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1979)
>>> Guia Prático de manobras de Eric Tabarly pela Edições marítimas (1983)
>>> Pegadas de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2005)
>>> Como Planejar sua Carreira de Varios Autores pela Povo (2003)
>>> Perguntas Bíblicas Extrovertidas de Tio Cornélio pela J&f Artes Gráficas (2004)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Macmillan Pub Co (1984)
>>> Gestão Financeira de Negócios de Aurélio Hess pela Cart-Impress (2005)
>>> Luz Emergente A Jornada de Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (2003)
>>> Jesus, um Profeta do Islão de Muhammad Áta Ur-rahim pela Al Furqán (1995)
>>> Buda O Mito e a Realidade de Hérodoto Barbeiro pela Madras (2005)
>>> Gandhi O Apóstolo da Não - Violência de Martin Claret pela Martin Claret (1983)
>>> Concentra-te em Ti Mesmo de Miguel Lucas pela Loyola (1987)
COLUNAS

Quinta-feira, 21/7/2005
A cachorra da vizinha
Adriana Baggio

+ de 6000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O condomínio onde eu moro tem muitos inadimplentes. Alguns deles passam por um aperto momentâneo (como a maioria dos brasileiros), por isso atrasam a taxa de condomínio. Mas existem outros que são safados mesmo. Devem há meses, há anos, mesmo a gente vendo que eles têm condições de pagar. A desculpa que eles dão? São contra pagar condomínio. Acham a taxa absurda, injusta. Têm desavenças com o síndico e com os vizinhos. Discordam das flores que o jardineiro planta e odeiam a marca de desinfetante utilizada pela zeladora. Apesar disso, não abrem mão da TV a cabo e do gás que aquece a água para seus banhos.

O gás eu também uso, mas a TV a cabo, não. Gostaria de ter, mas não é prioridade. Outras coisas vêm na frente e utilizam a verba que eu poderia despender mensalmente com esse serviço. Mas, veja só, eu acabo pagando a assinatura da TV a cabo dos vizinhos inadimplentes! Enquanto eles já nem lembram se a Carrie ficou com Mr. Big no final de Sex and the City, eu acompanho a série com alguns anos de atraso, pela TV aberta (Canal 21, é muito legal!). Garanto que eles também deixam a chama piloto do aquecedor ligada o dia inteiro! Claro, por que se preocupar em economizar, já que somos nós que pagamos a conta?

Felizmente, eu acompanho muito pouco o emocionante dia-a-dia do condomínio. Por isso, não conheço quase nenhum dos inadimplentes. Só sei de uma, e parece que é justamente a mais descarada de todas. Além de assistir Fox, Sony e HBO às minhas custas, tem uma picape na garagem e não esconde de ninguém que possui outros imóveis. Não seria de descer do salto e pular no pescoço da megera?

Às vezes, quando estou regando meu manjericão na varanda, fico mais sociável e interajo um pouco com os outros moradores. Em um belo e inesperado sábado de sol no outono, dediquei algumas horas a cuidar do basílico e das outras plantinhas. Ao mesmo tempo, tentava fazer com que Ferrugem não escapasse pelas aberturas da grade. O perigo não é a altura, já que o apartamento é térreo. O problema é que quando Ferrugem escapa, é muito difícil trazê-lo de volta. Incrível como esses cachorros correm!

Bem, nesse idílico cenário em que eu cumprimentava um morador aqui e outro ali com as mãos sujas de terra, apareceu uma simpática vizinha. Ela tem uma poodle do mesmo tamanho de Ferrugem. Como não podia deixar de ser, a cachorrinha ficou encantada com o meu principezinho e resolveu brincar com ele. Enquanto os dois se divertiam, eu e a vizinha estabelecemos uma cordial conversa sobre os hábitos de cada um deles. Por fim, até deixamos combinado que quando a cachorrinha entrasse no cio, Ferrugem seria convocado para cumprir seu papel de varão da espécie e garantir descendência.

Essa idéia me interessava bastante. Ferrugem já tem 4 anos, mas nunca cruzou. Até tentou uma vez, mas a parceira era muito alta para ele. Inexperiente, o coitado não conseguiu levar a cabo o intento, mesmo com as listas telefônicas que tentávamos colocar sob suas patas. A experiência frustrante deixou Ferrugem estressado. A namorada, que antes era sua amiga, passou a nutrir um grande desprezo por ele. E ele, por sua vez, só queria saber de montar na bichinha toda vez que encontrava com ela, mesmo depois do cio ter terminado. Foi por sorte que ele não levou algumas dentadas nessa confusão toda...

Depois disso, Ferrugem nunca mais teve nenhum encontro. Falha minha, claro, que não fiz muito esforço para procurar uma namorada com o temperamento e altura adequados a ele. Por isso, quando apareceu essa vizinha e sua cachorra, fiquei bastante aliviada e contente. Mas a felicidade durou pouco. Qual não foi minha surpresa ao saber que a mulher era, justamente, a mais famosa e descarada das inadimplentes do condomínio!

Fiquei com muita raiva. Xinguei-me várias vezes por ter sido tão amável, simpática e cordial com uma criatura dessas. Pensei na imagem que as outras vizinhas tiveram de mim, ao me ver conversando animadamente com a inadimplente. Elas, que vivem a rotina do condomínio mais de perto, conhecem o who's who do lugar e podem estabelecer ou cortar relações dependendo da respeitabilidade de cada um. Mas eu não tinha como saber!

O fato é que Ferrugem acabou sofrendo as conseqüências desse equívoco social. Jurei que aquela cachorra nunca mais colocaria suas patas peludas na minha varanda. Por mim, Ferrugem poderia morrer virgem antes de cruzar com aquela desclassificada. Fui muito firme e disse para ele não insistir nem ter esperanças. Ele não falou nada, apenas virou a cabeça um pouquinho de lado e colocou as orelhas pra frente. Quando terminei, levantou e foi comer ração.

Felizmente, junto a mulheres destemperadas como eu existem homens sensatos e muito mais generosos de coração. O meu me fez ver que a pobre da cachorra não tinha nada a ver com o comportamento da dona. Ela não deveria ser alvo do meu desprezo e preconceito só porque teve o azar de morar com uma inadimplente descarada.

Refleti bastante e vi que ele tinha razão. Fiquei envergonhada das minhas atitudes mesquinhas. Resolvi que, caso a dita cuja entre no cio e revire seus olhinhos escuros pelo meu fofucho, vou permitir que ele, finalmente, conheça o amor. Quanto à dona dela, não sei se terei a mesma nobreza. Vou manter a elegância e cumprimentá-la sempre que o destino nos colocar frente a frente. Só espero que ela não me aborde na varanda no próximo sábado de sol.


Adriana Baggio
Curitiba, 21/7/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pomba gíria de Ana Elisa Ribeiro
02. A utopia das paredes de vidro de Carla Ceres
03. Jornalismo literário no SindJor de Tais Laporta
04. Natal S.A. de Luis Eduardo Matta


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2005
01. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005
02. A importância do nome das coisas - 5/5/2005
03. Por que eu não escrevo testimonials no Orkut - 6/10/2005
04. O erótico e o pornográfico - 20/10/2005
05. É preciso aprender a ser mulher - 4/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/7/2005
11h55min
Adriana, ao invés de se preocupar com como tratar vizinha, lembre-se de participar das ações do seu condomínio mais ativamente... todos os inadimplentes podem ser processados pelo condomínio, e o tempo até a execução judicial (tomar o bem para pagar as despesas do condomínio) dura em média um ano. Em geral, no final das contas, nenhum condomínio perde dinheiro com os inadimplentes, a não ser quando a administração é falha. Você não precisa ficar indignada. Escrevo esse comentário não por criticar sua conduta pessoal, mas porque muita gente se encontra na sua posição, e achei que poderia contribuir com outro ponto de vista. São os condôminos adimplentes que decidem o destino dos inadimplentes. Participação é cidadania. Quanto ao Sex and the City, faça como eu: alugue numa boa locadora, sai barato. Abraços, Yara
[Leia outros Comentários de Yara Mitsuishi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mediadas Provisórias
Leon Frejda Szklarowsky
Rt
(1991)



Moçambique Com os Mirage Sul Africanos a 4 Minutos
Licínio Azevedo
Global
(1980)



Entre La Guerre et La Paix: 1944-1949
Roger Céré
Presses Universitaires França
(1949)



Budismo
Dalai Lama
Universo dos Livros
(2005)



Coaching de carreira
Jaques Grinberg, Maurício Sita
Literare Books International
(2019)



A Mãe Judia, o Gênio Cibernético e Outras Histórias
Paulo Wainberg
Age
(2001)



De Pneuzinho a Tanquinho
C. W. Randolph e Genie James
Best Seller
(2011)



Como Não Ser Enganado Nas Eleições
Gilberto Dimenstein
Atica
(1994)



Manifesto do Nada na Terra do Nunca
Lobão
Nova Fronteira
(2013)



Em Defesa do Marxismo
Julio Magri
Outubro
(1992)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês