Literatura e infância: dois livros, duas viagens | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Lewis Wolpert explica como os organismos multicelulares se formam a partir de um simples óvulo
>>> Festival Aparecida Criativa surge para transformar a produção cultural de Sorocaba
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário celebra presença da literatura nas artes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A importância da virtude
>>> Deus ex machina
>>> Mulher-Flamingo
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Marchand da resistência
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> Cinema em 2002
>>> Ser intelectual dói
Mais Recentes
>>> Garota Pare de Mentir Pra Você Mesma de Rachel Hollis pela Sextante (2018)
>>> Mundo das Sombras 1 - Vampiro Secreto de L. J. Smith pela Record
>>> It a Coisa de Stephen King pela Suma de Letras (2017)
>>> Obras Completas de Antonio Machado - Manuel Machado pela Biblioteca Nueva (1984)
>>> Iniciação à Administração Financeira de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1990)
>>> Diário de Perséfone de Heloisa Seixas pela Record (1998)
>>> Iniciação à Administração de Materiais de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1991)
>>> Iniciação à Administração de Pessoal de Idalberto Chiavenato pela McGraw-Hill (1990)
>>> Estrutura e Funcionamento da Educação Básica - Leituras de Varios pela Pioneira (1999)
>>> Câncer nos Cólons e no Reto de Pedro Henrique Saraiva Leão pela Ufc (1984)
>>> As Muitas Vistas de uma Rua - histórias e políticas de uma paisagem - Curitiba e a Rua Riachuelo de Aline Fonseca Iubel - Daiana Cordova - Fabiano Stolev pela Máquina de Escrever (2014)
>>> A condição humana de Hannah Arendt pela Forense Universitaria (1995)
>>> Mar de Histórias (Antologia do Conto Mundial 4º Volume) de Aurélio Buarque de Holanda e Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1980)
>>> Coleção Só Testes – Língua Portuguesa 1.000 Exercícios Questões Simuladas de Central dos Concursos pela Degrau cultural
>>> Língua Portuguesa Ensino Fundamental Unidade II Educação de Jovens e Adultos de Ceteb 2002 pela 0 (2002)
>>> Língua Portuguesa Ensino Fundamental Unidade I Educação de Jovens e Adultos de Ceteb pela 0 (2002)
>>> Mar de Histórias (Antologia do Conto Mundial - 2º Volume) de Aurélio Buarque de Holanda e Paulo Rónai pela Nova Fronteira (1979)
>>> O Século do Cinema de Glauber Rocha pela Alhambra (1983)
>>> Na diagonal do campo de Carlos Simon pela Unisinos (2004)
>>> Guia e recursos didáticos: português 7 ensino fundamental de nove anos de Áurea Regina Kanashiro pela Moderna
>>> Conversas com quem gosta de ensinar de Rubem Alves pela Cortez (1987)
>>> 8º Ano – Ensino Fundamental : Grupo 6 – Teoria e Atividade de Sistema de Ensino COC pela Coc
>>> As formas do silêncio - no movimento dos sentidos de Eni Puccinelli orlandi pela Da Unicamp (1993)
>>> 8º Ano – Ensino Fundamental : Grupo 5 – Teoria e Atividade de Sistema de Ensino COC pela Coc
>>> A estrutura das revoluções científicas de Thomas S. Kuhn pela Perspectiva (1992)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/8/2005
Literatura e infância: dois livros, duas viagens
Adriana Baggio

+ de 3200 Acessos

Eu adoro ler. Credito à minha mãe o desenvolvimento do meu gosto pelas letras. Eu e meu irmão crescemos rodeados de livros. Ouvíamos histórias antes de dormir, lidas em edições de capa dura e lombada dourada, ricamente ilustradas. Até hoje, as imagens desses livros aparecem em flashes na minha mente, disparadas pela visão de uma cor, de um desenho, de um cheiro ou de uma palavra.

Depois da infância, meu irmão se afastou um pouco dos livros. Como eu era a rata-de-biblioteca-mor da casa, por ser a mais velha, ele deve ter perdido um pouco o estímulo. As crianças têm um senso de posicionamento de marca bem interessante, que deveria ser observado melhor pelos estudiosos de marketing. Quando percebe que não pode competir pela atenção dos pais em algum segmento, já que o irmão mais velho se apossou do "primeiro lugar", a criança escolhe outro caminho, ao mesmo tempo em que rejeita a atividade que os pais valorizam no irmão. Aconteceu isso com o meu irmão, mas depois passou. Naquela época, porém, não bastasse parecer um querubim de cachinhos loiros e olhos bem azuis, ele foi em busca de outro "segmento" em que fosse o primeiro para, dessa forma, atrair a atenção dos meus pais para seus talentos.

Lembrei disso quando estava lendo um dos ensaios de Marina Colasanti em Fragatas para terras distantes, publicado em 2004 pela editora Record. No texto "Erros e acertos de uma mãe contaminada", ela conta suas experiências na relação entre os filhos e as letras. Em uma casa repleta de livros, onde a mãe e o pai vivem de e com a literatura, é normal que se espere dos rebentos a mesma afinidade. Foi tudo bem com a primeira filha, mas a segunda não seguiu o mesmo caminho. Marina faz uma autocrítica, especula os motivos para essa rejeição, abre seu coração de mãe-escritora. Para qualquer mãe, é (ou deveria ser) um motivo de preocupação se um dos filhos não gosta de ler. Para alguém como ela, no entanto, o incômodo é muito maior. A resposta que a filha deu aos questionamentos dos pais reforça minha teoria do posicionamento aplicado às crianças: "Nessa família não preciso ler. Vocês já estão cobrindo a minha cota".

Eu já estava grudada na história antes mesmo de chegar a esse clímax. Não é ficção, mas mesmo assim eu sabia que Marina não iria decepcionar seus leitores com um final infeliz. É fácil concluir que ela não falaria desse assunto se a menina tivesse se transformado em alguém como a ex-Spice Girl Victoria Beckham que confessou nunca ter lido um livro na vida (prefere ouvir música, como se uma coisa excluísse a outra...). Portanto, percorri avidamente o restante do texto para saber como a filha finalmente tornou-se uma leitora voraz e orgulho dos pais. Foi simples e o acaso contribuiu. Uma hepatite deixou a menina de 15 anos presa à cama, longe de todos os interesses típicos de uma adolescente. Ela descobriu o prazer da leitura com Eu, Christiane F., drogada e prostituída. De repente, ela vivenciava nos livros o que muitos de seus colegas experimentavam na prática. A partir daí, não parou mais de ler.

Nesse ponto, sem que o leitor perceba, Marina Colasanti une experiência pessoal e teoria literária. Da situação com a filha emergem conceitos sobre a relação dos jovens e das crianças com os livros e de como isso é importante para o seu amadurecimento. Os livros representam uma "viagem segura", uma forma de passar por experiências sem os prejuízos inerentes a algumas delas. Os monstros dos contos de fadas ensinam as crianças a lidar com o medo; a realidade das histórias podem ajudar a diminuir a ansiedade que a curiosidade provoca nos jovens.

Essa transição entre uma boa história, que envolve, emociona, prende, para o aspecto "teórico", acontece em todos os ensaios do livro. Sem a arrogância ou a insegurança de quem se apoia no hermetismo para valorizar a intelectualidade, Marina Colasanti aborda diversos tópicos da literatura de forma leve e agradável, entrelaçados em suas experiências pessoais. Dessa forma, a escritora fala da desvalorização do imaginário, de livros e infância, do problema da "literatura feminina", de Harry Potter e similares, etc.

Terminei o último ensaio extasiada, apaixonada por Marina Colasanti. Só um ponto me incomodava: a recorrência de algumas passagens da vida da escritora, como a infância na Itália em meio à Guerra, o evocar de certos personagens, o estilo marcante de escrever. Para quem leu de uma vez, a sensação era de repetição. Mas, no fim do livro, um pequeno texto esclareceu tudo. Ela explica que também ficou incomodada pela presença marcante do seu lado pessoal. É um risco que se corre quando se agrupam textos elaborados em épocas e situações diferentes - os dela são prefácios e discursos proferidos em congressos e seminários de literatura. Já falei sobre isso em relação a um livro do Ruy Castro. Acho que Marina resolveu melhor. Mas vale como observação para os editores. Muito da significação de um texto está atrelada ao tempo e espaço de sua produção e divulgação. O perigo das coletâneas é que agrupar vários deles em um único suporte altera essa significação.

Na mesma época de Fragatas..., li uma história dirigida para adolescentes, que conta um pouco da São Paulo do século XIX. Em Viagem virtual (Larousse, 2004), a autora Vera Carvalho Assumpção embala fatos históricos em um contexto atraente para o público jovem. No livro, Camila e sua avó Francisca descrevem a vida da senhora no computador, escaneiam fotos antigas, navegam na internet em busca de informações. Quando a avó morre, Camila veste as luvas e os óculos da velha senhora e faz uma viagem até a época da chegada da primeira estrada de ferro em São Paulo. Encontra uma Francisca jovem, que também viajou no tempo para uma época anterior ao seu nascimento. A autora não se preocupa muito com essa questão, mas não significa que ignora. Camila questiona a avó sobre isso, que responde: "na imaginação, podemos ir aonde queremos".

Através de Camila, o jovem leitor pode refletir sobre as brigas entre irmãos, a perda de um parente querido, as diferenças entre a vida de antigamente e a de hoje (e como hoje tudo é mais fácil e confortável, em termos de tecnologia), a importância da memória dos mais velhos. Vera também aborda, com delicadeza, o amor e as sensações que provoca nos adolescentes. Nesse aspecto, o ponto de vista é bem feminino. Nem por isso, no entanto, precisaria ser piegas. Acho que a autora abusa um pouco das metáforas quando se refere ao que Camila sente por um primo. O "bater de asas de pássaros e borboletas", utilizados repetidamente como metáforas para o amor, não combina muito bem com as referências que fazem parte do mundo desse público.

Embarcar nessas duas viagens, a Virtual de Vera Assumpção e a Fragata de Marina Colasanti, quase ao mesmo tempo, foi muito interessante. Alguns aspectos que Marina aborda em seus ensaios estão presentes nas aventuras de Camila e da vó Francisca. Mais do que nunca, é importante considerar o modo como as crianças e os jovens têm no livro um apoio para refletir e aprender sobre a vida. Fico tentando encaixar esse princípio na minha experiência, mas não consigo fazer nenhuma relação pontual. No entanto, tenho certeza de que os livros da minha infância, inclusive os que me eram proibidos, me ajudaram e me fizeram muita companhia - assim como fazem até hoje.

Para ir além









Adriana Baggio
Curitiba, 18/8/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Doida pra escrever de Ana Elisa Ribeiro
02. Mulheres fantásticas e futuristas de Carla Ceres
03. J.M. Coetzee e o romance de formação de Julio Daio Borges
04. Jornalismo político ontem e hoje de Luis Eduardo Matta
05. O abismo olhou de Rafael Lima


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2005
01. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005
02. Por que eu não escrevo testimonials no Orkut - 6/10/2005
03. A importância do nome das coisas - 5/5/2005
04. O erótico e o pornográfico - 20/10/2005
05. É preciso aprender a ser mulher - 4/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




La Nouvelle Nationalité des Entreprises
Commissariat Général Du Plan
Editions de La Martinière
(2000)
R$ 41,28



Meu Filho é uma Bagunça
Anthony Cleaver; Martin L. Kutschere
Harper Collins Br
(2014)
R$ 9,00



Giocondo Dias, Uma Vida na Clandestinidade
Ivan Alves Filho
Mauad
(1997)
R$ 15,00



Eu e a Sorte
Cariê Lindenberg
Gryphus
(2001)
R$ 6,00



Luzia-homem
Domingos Olímpio
Moderna
(1995)
R$ 8,00



Escalado para Morrer
Trevanian
Artenova
(1974)
R$ 89,90



Livro das Sombras - Coven - Volume 1
Cate Tiernan
Galera Record
(2015)
R$ 10,00



A Revelia e a Suspensão do Processo Penal
André Felipe a da Costa Tredinnick
Lumen Juris (rj)
(1997)
R$ 24,82



Cozinha Pais a Pais Egit
Pão de Açucar
Folha de S. Paulo
R$ 5,00



Gramática Aplicada ao Texto Com Todas as Resoluções Comentadas
Fernando Moura
Vesticon
(2006)
R$ 10,00





busca | avançada
75143 visitas/dia
2,1 milhões/mês