Literatura e infância: dois livros, duas viagens | Adriana Baggio | Digestivo Cultural

busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
Colunistas
Últimos Posts
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
>>> Jack Ma e Elon Musk
>>> Marco Lisboa na Globonews
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Redes e protestos: paradoxos e incertezas
>>> 2005: Diário de bordo
>>> Alfa Romeo e os bloggers
>>> Defesa dos Rótulos
>>> O Jovem Bruxo
>>> Sua Excelência, o Ballet de Londrina
>>> O diabo veste Prada
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> Daniel Piza by Otavio Mesquita
>>> The Making of A Kind of Blue
Mais Recentes
>>> México em Transe de Igor Fuser pela Scritta (1996)
>>> Sociologia Política da Guerra camponesa de Canudos - Da destruição do Belo Monte ao aparecimento do MST de Clóvis Moura pela Expressão Popular (2000)
>>> Exclusão Escolar Racializada - Implicações do Racismo na Trajetória de Educandos da EJA de Tayná Victória de Lima Mesquita pela Paco Editorial (2019)
>>> Crítica da Razão Negra de Achille Mbembe pela N-1 Edições (2018)
>>> Esferas da Insurreição - Notas para uma vida não cafetinada de Suely Rolnik pela N-1 Edições (2013)
>>> Arqueofeminismo - Mulheres filósofas e filósofos feministas – Séculos XVII-XVIII de Maxime Rovere (Org.) pela N-1 Edições (2019)
>>> A Doutrina Anarquista ao Alcance de Todos de José de Oiticica pela A Batalha (1976)
>>> Helena de Machado de Assis pela Ática (1994)
>>> A 3° Visão de T. Lobsang Rampa pela Record (1981)
>>> A História Da Indústria Têxtil Paulista de Francisco Teixeira pela Artemeios (2007)
>>> Ciência tecnologia e gênero abordagens Iberoamericanas de Marília Gomes de Carvalho (org.) pela utfPR (2011)
>>> A Jornada de Erin. E. Moulton pela Nova Conceito (2011)
>>> A Melodia Feroz de Victoria Schwab pela Seguinte (2016)
>>> Despertar ao Amanhecer de C.C. Hunter pela Jangada (2012)
>>> Sussurro - Coleção Hush Hush de Becca Fitzpatrick pela Intrínseca (2009)
>>> Holocausto Nunca mais de Augusto Cury pela Planeta
>>> Lusíada (Nº 1): Revista Ilustrada de Cultura.- Arte.- Literatura.- História.- Crítica de Martins Costa/ Portinari/ Texeira Pascoaes (obras de) pela Simão Guimarães & Filhos./ Porto (1952)
>>> Fábulas que Ajudam a Crescer de Vanderlei Danielski pela Ave Maria (1998)
>>> Ninguém é igual a ninguém de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> Você Pode Escolher de Regina Rennó pela Do Brasil (1999)
>>> Apelido não tem cola de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (2019)
>>> Coração que bate, sente de Regina Otero e Regina Rennó pela Do Brasil (1994)
>>> A galinha que criava um ratinho de Ana Maria Machado pela Ática (1995)
>>> Pinote, o fracote e Janjão, o fortão de Fernanda Lopes de Almeida pela Ática (2000)
>>> A lenda da noite de Guido Heleno pela José Olympio (1997)
>>> A História de uma Folha de Leo Buscaglia pela Record (1999)
>>> Chapeuzinho Amarelo de Chico Buarque pela José Olympio (1999)
>>> O último judeu: uma história de terror na Inquisição de Noah Gordon pela Racco (2000)
>>> Confissões de um Torcedor: Quatro copas e uma Paixão de Nelson Motta pela Objetiva (1998)
>>> Controle de Infecções e a Prática Odontológica em Tempos de Aids de Vários pela Brasília (2000)
>>> A Roda do Mundo de Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Aleixo pela Mazza/ Belo Horizonte (1996)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> Roda Mundo de Fanny Abramovich/ Ilustrações: Paulo Bernardo Vaz pela Formato/ Belo Horizonte (1993)
>>> A Propagação do Amor: Sobre o Plantio e a Colheita do Bem de Betty J. Eadie pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Auto- Estima: Amar a Si Mesmo para Conviver Melhor Com os Outros de Christophe André - Françoise Lelord pela Nova Era/ Record (2003)
>>> Os Lusíadas: Reprodução Paralela das duas Edições de 1572 / Ed. Ltd. de Luis de Camões pela Impr. Nac. Casa da Moeda/ Lis (1982)
>>> Administração de Marketing: Desvendando os segredos de: Vendas. Promoç de Stephen Morse pela McGraw Hill (1988)
>>> Obras Completas de Álvares de Azevedo - 02 Tomos ) de Álvares de Azevedo/ Org. Notas: Homero Pires pela Companhia Ed. Nacional (1942)
>>> Obras Completas (Poesia, Prosa e Gramática) de Laurindo José da Silva Rabelo/ Org: O. de M. Braga pela Companhia Ed. Nacional (1946)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Sempre Em Desvantagem de Walter Mosley pela Record (2001)
>>> Os Anos 80: Contagem Regressiva para o Juízo Final de Hall Lindsey pela Record/ RJ.
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> Na Linha de Frente de Lawrence Block pela Companhia das Letras/ SP. (2010)
>>> O Fator Psicológico na Evolução Sintática (Encadernado) de Cândido Jucá (filho)/ Autografado pela Organização Simões/ Rio (1958)
>>> Príncipe das Trevas, Ou Monsieur - o Quinteto de Avignon- I de Lawrence Durrell pela Estação da Liberdade (1989)
>>> Pare de Engordar- Obesidade: um Problema Psicológico de Dr. Nelson Senise pela Record/ RJ.
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
>>> Os Hospedeiros de Belém de Maria Pires (autografado) pela Imprensa Oficial/ B. Horizonte (1984)
COLUNAS

Quinta-feira, 18/8/2005
Literatura e infância: dois livros, duas viagens
Adriana Baggio

+ de 2800 Acessos

Eu adoro ler. Credito à minha mãe o desenvolvimento do meu gosto pelas letras. Eu e meu irmão crescemos rodeados de livros. Ouvíamos histórias antes de dormir, lidas em edições de capa dura e lombada dourada, ricamente ilustradas. Até hoje, as imagens desses livros aparecem em flashes na minha mente, disparadas pela visão de uma cor, de um desenho, de um cheiro ou de uma palavra.

Depois da infância, meu irmão se afastou um pouco dos livros. Como eu era a rata-de-biblioteca-mor da casa, por ser a mais velha, ele deve ter perdido um pouco o estímulo. As crianças têm um senso de posicionamento de marca bem interessante, que deveria ser observado melhor pelos estudiosos de marketing. Quando percebe que não pode competir pela atenção dos pais em algum segmento, já que o irmão mais velho se apossou do "primeiro lugar", a criança escolhe outro caminho, ao mesmo tempo em que rejeita a atividade que os pais valorizam no irmão. Aconteceu isso com o meu irmão, mas depois passou. Naquela época, porém, não bastasse parecer um querubim de cachinhos loiros e olhos bem azuis, ele foi em busca de outro "segmento" em que fosse o primeiro para, dessa forma, atrair a atenção dos meus pais para seus talentos.

Lembrei disso quando estava lendo um dos ensaios de Marina Colasanti em Fragatas para terras distantes, publicado em 2004 pela editora Record. No texto "Erros e acertos de uma mãe contaminada", ela conta suas experiências na relação entre os filhos e as letras. Em uma casa repleta de livros, onde a mãe e o pai vivem de e com a literatura, é normal que se espere dos rebentos a mesma afinidade. Foi tudo bem com a primeira filha, mas a segunda não seguiu o mesmo caminho. Marina faz uma autocrítica, especula os motivos para essa rejeição, abre seu coração de mãe-escritora. Para qualquer mãe, é (ou deveria ser) um motivo de preocupação se um dos filhos não gosta de ler. Para alguém como ela, no entanto, o incômodo é muito maior. A resposta que a filha deu aos questionamentos dos pais reforça minha teoria do posicionamento aplicado às crianças: "Nessa família não preciso ler. Vocês já estão cobrindo a minha cota".

Eu já estava grudada na história antes mesmo de chegar a esse clímax. Não é ficção, mas mesmo assim eu sabia que Marina não iria decepcionar seus leitores com um final infeliz. É fácil concluir que ela não falaria desse assunto se a menina tivesse se transformado em alguém como a ex-Spice Girl Victoria Beckham que confessou nunca ter lido um livro na vida (prefere ouvir música, como se uma coisa excluísse a outra...). Portanto, percorri avidamente o restante do texto para saber como a filha finalmente tornou-se uma leitora voraz e orgulho dos pais. Foi simples e o acaso contribuiu. Uma hepatite deixou a menina de 15 anos presa à cama, longe de todos os interesses típicos de uma adolescente. Ela descobriu o prazer da leitura com Eu, Christiane F., drogada e prostituída. De repente, ela vivenciava nos livros o que muitos de seus colegas experimentavam na prática. A partir daí, não parou mais de ler.

Nesse ponto, sem que o leitor perceba, Marina Colasanti une experiência pessoal e teoria literária. Da situação com a filha emergem conceitos sobre a relação dos jovens e das crianças com os livros e de como isso é importante para o seu amadurecimento. Os livros representam uma "viagem segura", uma forma de passar por experiências sem os prejuízos inerentes a algumas delas. Os monstros dos contos de fadas ensinam as crianças a lidar com o medo; a realidade das histórias podem ajudar a diminuir a ansiedade que a curiosidade provoca nos jovens.

Essa transição entre uma boa história, que envolve, emociona, prende, para o aspecto "teórico", acontece em todos os ensaios do livro. Sem a arrogância ou a insegurança de quem se apoia no hermetismo para valorizar a intelectualidade, Marina Colasanti aborda diversos tópicos da literatura de forma leve e agradável, entrelaçados em suas experiências pessoais. Dessa forma, a escritora fala da desvalorização do imaginário, de livros e infância, do problema da "literatura feminina", de Harry Potter e similares, etc.

Terminei o último ensaio extasiada, apaixonada por Marina Colasanti. Só um ponto me incomodava: a recorrência de algumas passagens da vida da escritora, como a infância na Itália em meio à Guerra, o evocar de certos personagens, o estilo marcante de escrever. Para quem leu de uma vez, a sensação era de repetição. Mas, no fim do livro, um pequeno texto esclareceu tudo. Ela explica que também ficou incomodada pela presença marcante do seu lado pessoal. É um risco que se corre quando se agrupam textos elaborados em épocas e situações diferentes - os dela são prefácios e discursos proferidos em congressos e seminários de literatura. Já falei sobre isso em relação a um livro do Ruy Castro. Acho que Marina resolveu melhor. Mas vale como observação para os editores. Muito da significação de um texto está atrelada ao tempo e espaço de sua produção e divulgação. O perigo das coletâneas é que agrupar vários deles em um único suporte altera essa significação.

Na mesma época de Fragatas..., li uma história dirigida para adolescentes, que conta um pouco da São Paulo do século XIX. Em Viagem virtual (Larousse, 2004), a autora Vera Carvalho Assumpção embala fatos históricos em um contexto atraente para o público jovem. No livro, Camila e sua avó Francisca descrevem a vida da senhora no computador, escaneiam fotos antigas, navegam na internet em busca de informações. Quando a avó morre, Camila veste as luvas e os óculos da velha senhora e faz uma viagem até a época da chegada da primeira estrada de ferro em São Paulo. Encontra uma Francisca jovem, que também viajou no tempo para uma época anterior ao seu nascimento. A autora não se preocupa muito com essa questão, mas não significa que ignora. Camila questiona a avó sobre isso, que responde: "na imaginação, podemos ir aonde queremos".

Através de Camila, o jovem leitor pode refletir sobre as brigas entre irmãos, a perda de um parente querido, as diferenças entre a vida de antigamente e a de hoje (e como hoje tudo é mais fácil e confortável, em termos de tecnologia), a importância da memória dos mais velhos. Vera também aborda, com delicadeza, o amor e as sensações que provoca nos adolescentes. Nesse aspecto, o ponto de vista é bem feminino. Nem por isso, no entanto, precisaria ser piegas. Acho que a autora abusa um pouco das metáforas quando se refere ao que Camila sente por um primo. O "bater de asas de pássaros e borboletas", utilizados repetidamente como metáforas para o amor, não combina muito bem com as referências que fazem parte do mundo desse público.

Embarcar nessas duas viagens, a Virtual de Vera Assumpção e a Fragata de Marina Colasanti, quase ao mesmo tempo, foi muito interessante. Alguns aspectos que Marina aborda em seus ensaios estão presentes nas aventuras de Camila e da vó Francisca. Mais do que nunca, é importante considerar o modo como as crianças e os jovens têm no livro um apoio para refletir e aprender sobre a vida. Fico tentando encaixar esse princípio na minha experiência, mas não consigo fazer nenhuma relação pontual. No entanto, tenho certeza de que os livros da minha infância, inclusive os que me eram proibidos, me ajudaram e me fizeram muita companhia - assim como fazem até hoje.

Para ir além









Adriana Baggio
Curitiba, 18/8/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A cidade e o que se espera dela de Luís Fernando Amâncio
02. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho de Renato Alessandro dos Santos
03. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
04. 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis de Ana Elisa Ribeiro
05. Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras de Elisa Andrade Buzzo


Mais Adriana Baggio
Mais Acessadas de Adriana Baggio em 2005
01. Traficante, sim. Bandido, não. - 16/6/2005
02. Por que eu não escrevo testimonials no Orkut - 6/10/2005
03. A importância do nome das coisas - 5/5/2005
04. O erótico e o pornográfico - 20/10/2005
05. É preciso aprender a ser mulher - 4/8/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CUPIDO E PSIQUE E OUTRAS NARRATIVAS DA LITERATURA MUNDIAL
PAULO SERGIO DE VASCONCELLOS (ORG)
OBJETIVO
R$ 6,00



TRABALHO VOCÊ E SUAS RELAÇÕES PROFISSIONAIS
BRUNO PORTO E OUTROS
SENAC
(2014)
R$ 10,00



FIND FENÔMENO INTERVENIENTE DE NATUREZA DESCONHECIDA
J. KAUFFMANN
NOVA ERA
(2003)
R$ 58,00



OS NÚMEROS NA HISTÓRIA DA CIVILIZAÇÃO - VIVENDO A MATEMÁTICA
LUIZ MÁRCIO IMENES MARCELO LELLIS
SCIPIONE
(2006)
R$ 12,00



INFÂNCIA DOS MORTOS
JOSÉ LOUZEIRO
CÍRCULO DO LIVRO
(1977)
R$ 20,97



DESENVOLVIMENTO DA METODOLOGIA LOPA-BAYESIANA EM DOIS ESTÁGIOS
EDLAINE CORREIA SINÉZIO MARTINS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 454,00



100 DÚVIDAS DE CARREIRA PARA EXECUTIVOS DE FINANÇAS
JOSÉ CLÁUDIO SECURATO / LUIZ ROBERTO CALADO
SAINT PAUL
(2009)
R$ 5,00



LA CRISIS DE LA INVESTIGACION EN EL CAMPO DE LA DIALÉCTICA MATERI
MAURO OLMEDA
VILLALAR
(1977)
R$ 28,28



OS 55 MAIORES JOGOS DAS COPAS DO MUNDO
PAULO VINICIUS COELHO
PANDA BOOKS
(2010)
R$ 19,90



STALINE: LE DERNIER DES TSARS
PIERRE NOUAILLE, CLAUDE GUILLAUMIN, A MANEVY
FAMOT (GENEVE)
(1974)
R$ 19,82





busca | avançada
46744 visitas/dia
1,1 milhão/mês