Rindo de nossa própria miséria | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
>>> A massa e os especialistas juntos no mesmo patamar
>>> Entrevista com Jacques Fux, escritor e acadêmico
>>> Nuno Ramos, poesia... pois é
>>> Literatura e interatividade: os ciberpoemas
Mais Recentes
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
>>> O Espião que saiu do Frio de John Le Carré pela Abril cultural (1980)
>>> A Primeira Reportagem de Sylvio Pereira pela Ática (1988)
>>> Distúrbios Psicossomáticos da Criança de Haim Grunspun pela Atheneu
>>> Aprenda Xadrez com Garry Kasparov de G. Kasparov pela Ediouro (2003)
>>> Poemas para Viver de P. C. Vasconcelos Jr. pela Salesiana Dom Bosco (1982)
>>> A Casa dos Bronzes de Ellery Queen pela Círculo do livro (1976)
>>> Warcraft Roleplaying Game de Christopher Aylott e outros pela Blizzard / Arthaus / wizards (2004)
>>> A Dama do Lago de Raymond Chandler pela Abril cultural (1984)
>>> ABC do Vôo Seguro de Manoel J. C. de Albquerque Filho pela O Popular (1981)
>>> A Relíquia de Eça de Queirós pela Klick (1999)
>>> Manual Completo de Aberturas de Xadrez de Fred Reinfeld pela Ibrasa (1991)
>>> Para Sempre - Os Imortais - volume 1 de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> A Máscara de Dimítrios de Eric Ambler pela Abril cultural (1984)
>>> Rômulo e Júlia - Os Caras-Pintadas de Rogério Andrade Barbosa pela Ftd (1993)
>>> O Nariz do Vladimir de José Arrabal pela Ftd (1989)
>>> Perigosa e Fascinante de Merline Lovelace pela Nova Cultural (2002)
>>> Brincar de Viver de Maggie Shayne pela Nova Cultural (2001)
>>> O Grande Conquistador de Rita Sofia Mohler pela Escala (1978)
>>> Comédias para se Ler na Escola de Luis Fernando Veríssimo pela Objetiva (2001)
>>> As 21 Irrefutáveis Leis da Liderança de John C. Maxwell pela Agir (2007)
>>> Dungeon master guide de Jonathan Tweet / Skip Williams pela Core Rulebook II (2000)
>>> Disfunção Cerebral Mínima de Antonio Branco Lefévre - Beatriz Helena Lefevre pela Sarvier (1983)
>>> Viagem Fantástica II - Rumo ao Cérebro de Isaac Asimov pela Best Seller (1987)
>>> Tpm Número 57 Maio 2009 de Caetano Veloso pela Trip (2009)
>>> Incorporações Imobiliárias de J. Nascimento Franco/ Nisske Gondo pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Cavalo-Marinho no Céu de Edmund Cooper pela Hemus
COLUNAS

Quarta-feira, 21/9/2005
Rindo de nossa própria miséria
Guilherme Conte

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Foto: Luis Doroneto

Há certos espetáculos que pegam no fígado. Te deixam com aquela sensação de incômodo, um certo embrulho no estômago. O aplauso é constrangido, você ainda está atônito com o que acabou de assistir. É o caso da excelente Prego na testa, de Eric Bogosian, com o parlapatão Hugo Possolo, em cartaz no SESC Belenzinho até o dia 2 de outubro. A direção, a tradução e a adaptação ficam por conta de Aimar Labaki.

É um desfile em ritmo frenético de nove personagens. Entre eles, um mendigo, um diretor de filmes pornográficos, um morador de condomínio feliz com sua nova churrasqueira e um ator "alternativo". Pessoas comuns, que poderiam ser seus vizinhos, o mendigo que fala alto no metrô, seu tio ou seu corretor de seguros. Poderia ser você. Em comum, o desespero cotidiano de cada um na vida nas grandes cidades. Um olhar ácido, de precisão cirúrgica.

O texto de Bogosian (cujas peças Talk Radio e Suburbia, que teve boa montagem por aqui, já renderam ótimos filmes), de 1994, é de uma violência aterradora. Provoca aquele riso nervoso, que cala fundo em nossas pequenezas. E ele ganha nova dimensão na tradução e na adaptação de Labaki, inteligentes e perspicazes. A atualidade e a sensibilidade para as problemáticas contemporâneas - como a paranóia em relação à violência, a filantropia e a ética - são incontestáveis.

"Ele não só encontra ressonâncias na atual situação política que vivemos, mas é toda uma crítica da classe média", diz Possolo. "Que rumos nós queremos tomar?"

O talento, a versatilidade e a técnica apuradíssima de Possolo são notáveis. Não é à toa que a companhia Parlapatões, Patifes e Paspalhões, capitaneada por ele, tornou-se referência em humor inteligente e bem feito. E esse é - frisa Possolo - um espetáculo dos Parlapatões, embora solo. "É uma vertente não menos importante, mas pouco explorada por nós", explica.

Foto: Luis Doroneto

O desafio, ele conta, foi conduzir o espetáculo sem trazer o público ao palco. "Sempre considerei o teatro um jogo, no sentido do improviso, da brincadeira, do humor. A grande dificuldade, aqui, foi jogar aparentemente sozinho". Mas só aparentemente, uma vez que a platéia reage num interessante contraponto entre o riso e o silêncio. O silêncio angustiado, do tapa recebido.

E é mais por este caminho, o da angústia, que o público tem recebido Prego na testa. É a prova de que o brilhante texto, nas mãos de dois hábeis artistas, atingiu seu objetivo. A platéia volta para casa cheia de interrogações na cabeça.

E o que pensa um comediante sobre o poder do humor como elemento questionador? "Nem todo riso é transformador. Deve-se tomar muito cuidado para não se tornar um mero reforço de preconceitos. Mas eu acredito e aposto no riso transformador."

Nada como uma boa dose de ironia precisa para percebermos o quanto ridículos e reacionários podemos ser em nosso dia-a-dia. Com as feridas expostas, saímos do espetáculo bambos, algo desnorteados. Com um prego bem no meio da testa.

Para ir além
Prego na testa - SESC Belenzinho - Av. Doutor Álvaro Ramos, 991 - Belenzinho - Sexta, 21h; sábado e domingo, 20h - R$ 15,00 - Até 2/10.

Sangue na Barbearia (foto: Gal Oppido)

Pretensão trôpega

É difícil fazer bom teatro, especialmente com textos complicados. Há uma série de armadilhas que se impõem ao diretor e aos atores que podem tirar o foco de um espetáculo. A pretensão filosófica pode acabar suplantando a própria mensagem - é desse mal que padece Sangue na Barbearia. Com direção e atuação de Darson Ribeiro, que divide o palco com Antonio Petrin, a peça segue em cartaz no auditório do SESC Pinheiros até 1º de outubro.

Inspirada em dois textos argentinos - Dizer Sim (1981), de Griselda Gambaro, e O Acompanhamento (1988), de Carlos Gorostiza; ambos tiveram dores de cabeça com a ditadura -, a peça levanta uma série de questionamentos existencialistas. Ela se divide em dois atos. No primeiro, Tuco (Ribeiro) cria uma série de barreiras entre ele e o mundo para perseguir o objetivo de ser ator. Enclausurado em um espaço difuso (uma barbearia, um sótão?), recebe a visita do velho amigo Zé (Petrin). Ambos se questionam em diálogos cortantes.

No segundo ato, somos transportados até a barbearia de Zé, que recebe um cliente. Há uma inversão, na qual o barbeiro obriga o cliente a lhe fazer a barba. Os papéis se confundem em meio a uma atmosfera opressiva, com certa violência latente.

É no questionamento levantado que a peça perde o pé. Ela exagera no simbolismo, nos diálogos repetidos, esbarrando por vezes no nonsense gratuito. Pontos instigantes são sugeridos mas não se desenvolvem, esgotam-se no ensaio. Ao querer segurar muita coisa, as possibilidades escapam por entre os dedos.

A atuação de Ribeiro - melhor no segundo ato - é fraca. As frases soam artificiais, truncadas. Petrin, aqui em papéis ingratos, sai-se melhor. Deixa, porém, muito a desejar frente a grandes atuações que já desempenhou, como no recente Barrela, de Plínio Marcos.

A direção, também de Ribeiro (que também dirigiu As mentiras que os homens contam), em alguns momentos é confusa, com opções que dificultam a fluidez. Destaque para o belo e inteligente cenário de Ulisses Cohn, que ajuda muito na caracterização da atmosfera, e para a iluminação correta de Mirella Brandi. E há uma canção inédita de Ney Matogrosso, que mesmo não sendo uma de suas melhores encaixa-se muito bem.

Sai-se do teatro com a sensação de que a peça não disse a que veio.

Para ir além
Sangue na Barbearia - Auditório do SESC Pinheiros - Rua Paes Leme, 195 - Pinheiros - Sexta, 20h; sábado, 19h - R$ 15,00 - (11) 3095-9400 - Até 1º/10.

Notas

* Uma boa oportunidade para conhecer o bom trabalho da jovem dramaturgia brasileira é a mostra da Cia. dos Dramaturgos, em cartaz no Espaço Cênico Ademar Guerra, no Centro Cultural São Paulo (R. Vergueiro, 1000 / Paraíso / (11) 3277-3611 / Até 9/10). A companhia é formada por jovens autores que participaram de um workshop de dramaturgia promovido pela Royal Court Theatre, em 2003. Eles se reuniram, depois de voltarem, sob a tutela de Silvana Garcia, coordenadora do projeto no Brasil, e aí nasceu o grupo. Estão sendo montados quatro textos: O Mata Burro, de Fabio Torres, A Degola, de Paula Chagas, Mais Um, de Cássio Pires, e [ainda sem título], de Ana Roxo. São textos instigantes, com criações cênicas interessantes (A Degola, por exemplo, passa-se toda dentro de uma sala armada no centro do palco). Mais informações no blog da companhia.

* Quem perdeu a temporada no SESC Belenzinho tem a chance de ver, agora no Teatro Vivo, a boa Baque, do norte-americano Neil LaBute (Av. Dr. Chucri Zaidan, 860 - Morumbi - Sexta, 21h30; Sábado, 21h; Domingo, 18h - R$ 40,00 - (11) 3188-4147 - Até 30/10). LaBute é mais conhecido por estas bandas por seu ótimo filme Na companhia de homens. A peça - que tem no elenco os irmãos Débora e Carlos Evelyn e o ótimo Emilio de Mello - traz três histórias de violência à flor da pele que bebem na fonte das tragédias gregas. São três verdadeiros baques que sacodem o espectador e o fazem refletir sobre a violência na sociedade contemporânea, a culpa, a crueldade e a própria natureza humana. A direção, competente, é de Monique Gardenberg, responsável pelo belíssimo Os Sete Afluentes do Rio Ota, que logo deve voltar aos palcos. Vale a pena conferir. Mas vá preparado: não é uma peça fácil de ser engolida.

* Acontece, no Teatro Folha, o Nunca se Sábado... (Shopping Pátio Higienópolis - Av. Higienópolis, 618, piso 2 - Sábados, meia-noite - R$ 20,00 - (11) 3823-2323 - Até 17/12). É um projeto interessante, com uma fórmula simples: a cada semana três companhias humorísticas se apresentam, ciceroneadas por personalidades diversas, como Dalton Vigh, Bárbara Paz e Débora Evelyn. Ao final, o público avalia o que viu e determina a composição do espetáculo da semana seguinte. Os convidados trabalham em cima de textos de quatro autores: Fabio Torres, Laert Sarrumor, Luiz Henrique Romagnoli e Mario Viana. Já entre as companhias participantes, com altos e baixos, estão grupos do calibre dos Parlapatões, Cia. de Comédia Os Melhores do Mundo e o Pessoal do Vacalhau. Um programa diferente para o horário, boa pedida para quem gosta de teatro humorístico.


Guilherme Conte
São Paulo, 21/9/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os olhos de Ingrid Bergman de Renato Alessandro dos Santos
02. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
03. Viena expõe obra radical de Egon Schiele de Jardel Dias Cavalcanti
04. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
05. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2005
01. Fantasmas do antigo Recife - 31/8/2005
02. Um rio para lavar a dor - 12/10/2005
03. Crônicas de solidão urbana - 30/6/2005
04. Sobre o gênio que é Harold Pinter - 26/10/2005
05. Rindo de nossa própria miséria - 21/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/10/2005
14h24min
Viver neste mundo de hoje se torna uma coisa absurda, mesmo quando a gente tenta acertar só comete erros. Como seria bom que as coisa acontecessem sempre da maneira que a gente planejasse...
[Leia outros Comentários de Maria das Graças]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PROSPECÇÃO DE JAZIDAS LÍTICAS EM ARQUEOLOGIA: PROPOSTA METODOLÓGICA
ULISSES CYRINO PENHA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 321,00



ASSISTENTES VIRTUAIS INTELIGENTES E CHATBOTS
LEÔNCIO TEIXEIRA CRUZ, ANTONIO JUAREZ ALENCAR, EBER ASSIS SCHMITZ
BRASPORT
R$ 80,00



O EVANGELHO SEGUNDO O FILHO
NORMAN MAILER
RECORD
(1998)
R$ 13,39



ATUALIDADES VESTIBULAR GUIA DO ESTUDANTE
GUIA DO ESTUDANTE - VÁRIOS AUTORES
ABRIL
(2009)
R$ 5,00



A QUESTÃO AMBIENTAL E AS CIÊNCIAS SOCIAIS
IDÉIAS ANO 8 (2) DE 2001
UNICAMP (CAMPINAS SP)
(2001)
R$ 26,82



MÁRIO DE ANDRADE - LITERATURA COMENTADA
JOÃO LUIZ LAFETA
NOVA CULTURAL
(1990)
R$ 5,00



CADERNO DE APOIO ESTATÍSTICA APLICADA À GESTÃO
CRISTINA VILHENA DE MENDONÇA J. CALDEIRA
UNIVERSIDADE ABERTA
(1997)
R$ 73,64



GUIA COMPLETO DO FUNCION DE UMA EMPRESA : MICRO MÉDIA E GRANDE 7239
ROGR BARKI JOSY ALZOGARAY
VOZES
(1985)
R$ 11,00



SEM TEMPO PARA CHORAR
MARILUSA MOREIRA VASCONCELLOS
RADHU
R$ 28,00



RAIO X DO LIVRO ESPIRITA
EURÍPEDES KUHL
ALIANÇA
(2003)
R$ 5,00





busca | avançada
29791 visitas/dia
1,1 milhão/mês