Rindo de nossa própria miséria | Guilherme Conte | Digestivo Cultural

busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Dentre Nós Cia de Dança estreia “Sagrado Seja o Caos”
>>> Teatro: Sesc Santo André traz O Ovo de Ouro, espetáculo com Duda Mamberti no elenco
>>> PianOrquestra fecha a temporada musical 2021 da Casa Museu Eva Klabin com o espetáculo online “Colet
>>> Primeira temporada da série feminina “Never Mind” já está completa no Youtube da Ursula Monteiro
>>> Peça em homenagem à Maria Clara Machado estreia em teatro de Cidade Dutra, na periferia de São Paulo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sem música, a existência seria um erro
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Disciplinas isoladas
>>> Meus encontros e desencontros com Daniel Piza
>>> Pai e Filho
>>> Solaris, o romance do pesadelo da ciência
>>> E o Doria virou político...
>>> A ABSTRATA MARGEM
>>> Salvem os jornais de Portugal
>>> Irmãos Amâncio
Mais Recentes
>>> Tex Nº 63 de G. L. Bonelli pela Vecchi (1981)
>>> Rei Branco e Rainha Vermelha de Daniel Johnson pela Record (2013)
>>> Manual de Defesa da Concorrência de José Matias Pereira pela Atlas (2014)
>>> Além da Fumaça e dos Espelhos (lacrado) de Burton Richter pela Ltc (2012)
>>> Direito na Atualidade – Volume III (lacrado) de André Vicente Freitas, Fernanda Paula Diniz pela Lumen Juris (2016)
>>> Emil and the Detectives de Erich Kastner pela Red Fox (1995)
>>> Ewigkeit Will Meine Liebe de Taylor Caldwell pela Heyne (1973)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Náufragos da Esperança de Paulo Roberto de Moraes Rego Figueiredo pela Grafisa (2017)
>>> Mitos da Gestão de Stefan Stern, Cary Cooper pela Autêntica Business (2018)
>>> Tex Nº 81 de G. L. Bonelli pela Vecchi (1982)
>>> Pedidos Implícitos (lacrado) de Rafael Calmon pela Foco (2020)
>>> Camélias de luz de Cirinéia Iolanda Maffei pela Boa Nova (2011)
>>> Um Sol Cravado no Céu da Boca e Esboço pra uma Quase Paisagem de Drika Nery pela Patuá (2014)
>>> A Memória de Todos Nós (lacrado) de Eric Nepomuceno pela Record (2015)
>>> Wasabi de Alan Pauls pela Iluminuras (1996)
>>> Guerra Secreta de Mark Mazzetti pela Best Seller (2016)
>>> O Quinto Risco (lacrado) de Michael Lewis pela Intrinseca (2019)
>>> Os Pensadores Abril Cultural de Friederich Nietzsche pela Abril Cultural (1978)
>>> Lindos casos de bezerra de menezes de Ramiro Gama pela Lake (1995)
>>> Epifanias (lacrado) de James Joyce pela Iluminuras (2012)
>>> Outras do Analista de Bagé de Luis Fernando Veríssimo pela L&pm Editores, Rs (1982)
>>> Circulação Global de Precedentes - Vol 1 (lacrado) de Ruitemberg Nunes Pereira pela Lumen Juris (2010)
>>> The Wise Up Series Book 5 de Sergio Barreto pela Wise Up
>>> Tex Nº 88 de G. L. Bonelli pela Vecchi (1978)
COLUNAS

Quarta-feira, 21/9/2005
Rindo de nossa própria miséria
Guilherme Conte

+ de 5700 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Foto: Luis Doroneto

Há certos espetáculos que pegam no fígado. Te deixam com aquela sensação de incômodo, um certo embrulho no estômago. O aplauso é constrangido, você ainda está atônito com o que acabou de assistir. É o caso da excelente Prego na testa, de Eric Bogosian, com o parlapatão Hugo Possolo, em cartaz no SESC Belenzinho até o dia 2 de outubro. A direção, a tradução e a adaptação ficam por conta de Aimar Labaki.

É um desfile em ritmo frenético de nove personagens. Entre eles, um mendigo, um diretor de filmes pornográficos, um morador de condomínio feliz com sua nova churrasqueira e um ator "alternativo". Pessoas comuns, que poderiam ser seus vizinhos, o mendigo que fala alto no metrô, seu tio ou seu corretor de seguros. Poderia ser você. Em comum, o desespero cotidiano de cada um na vida nas grandes cidades. Um olhar ácido, de precisão cirúrgica.

O texto de Bogosian (cujas peças Talk Radio e Suburbia, que teve boa montagem por aqui, já renderam ótimos filmes), de 1994, é de uma violência aterradora. Provoca aquele riso nervoso, que cala fundo em nossas pequenezas. E ele ganha nova dimensão na tradução e na adaptação de Labaki, inteligentes e perspicazes. A atualidade e a sensibilidade para as problemáticas contemporâneas - como a paranóia em relação à violência, a filantropia e a ética - são incontestáveis.

"Ele não só encontra ressonâncias na atual situação política que vivemos, mas é toda uma crítica da classe média", diz Possolo. "Que rumos nós queremos tomar?"

O talento, a versatilidade e a técnica apuradíssima de Possolo são notáveis. Não é à toa que a companhia Parlapatões, Patifes e Paspalhões, capitaneada por ele, tornou-se referência em humor inteligente e bem feito. E esse é - frisa Possolo - um espetáculo dos Parlapatões, embora solo. "É uma vertente não menos importante, mas pouco explorada por nós", explica.

Foto: Luis Doroneto

O desafio, ele conta, foi conduzir o espetáculo sem trazer o público ao palco. "Sempre considerei o teatro um jogo, no sentido do improviso, da brincadeira, do humor. A grande dificuldade, aqui, foi jogar aparentemente sozinho". Mas só aparentemente, uma vez que a platéia reage num interessante contraponto entre o riso e o silêncio. O silêncio angustiado, do tapa recebido.

E é mais por este caminho, o da angústia, que o público tem recebido Prego na testa. É a prova de que o brilhante texto, nas mãos de dois hábeis artistas, atingiu seu objetivo. A platéia volta para casa cheia de interrogações na cabeça.

E o que pensa um comediante sobre o poder do humor como elemento questionador? "Nem todo riso é transformador. Deve-se tomar muito cuidado para não se tornar um mero reforço de preconceitos. Mas eu acredito e aposto no riso transformador."

Nada como uma boa dose de ironia precisa para percebermos o quanto ridículos e reacionários podemos ser em nosso dia-a-dia. Com as feridas expostas, saímos do espetáculo bambos, algo desnorteados. Com um prego bem no meio da testa.

Para ir além
Prego na testa - SESC Belenzinho - Av. Doutor Álvaro Ramos, 991 - Belenzinho - Sexta, 21h; sábado e domingo, 20h - R$ 15,00 - Até 2/10.

Sangue na Barbearia (foto: Gal Oppido)

Pretensão trôpega

É difícil fazer bom teatro, especialmente com textos complicados. Há uma série de armadilhas que se impõem ao diretor e aos atores que podem tirar o foco de um espetáculo. A pretensão filosófica pode acabar suplantando a própria mensagem - é desse mal que padece Sangue na Barbearia. Com direção e atuação de Darson Ribeiro, que divide o palco com Antonio Petrin, a peça segue em cartaz no auditório do SESC Pinheiros até 1º de outubro.

Inspirada em dois textos argentinos - Dizer Sim (1981), de Griselda Gambaro, e O Acompanhamento (1988), de Carlos Gorostiza; ambos tiveram dores de cabeça com a ditadura -, a peça levanta uma série de questionamentos existencialistas. Ela se divide em dois atos. No primeiro, Tuco (Ribeiro) cria uma série de barreiras entre ele e o mundo para perseguir o objetivo de ser ator. Enclausurado em um espaço difuso (uma barbearia, um sótão?), recebe a visita do velho amigo Zé (Petrin). Ambos se questionam em diálogos cortantes.

No segundo ato, somos transportados até a barbearia de Zé, que recebe um cliente. Há uma inversão, na qual o barbeiro obriga o cliente a lhe fazer a barba. Os papéis se confundem em meio a uma atmosfera opressiva, com certa violência latente.

É no questionamento levantado que a peça perde o pé. Ela exagera no simbolismo, nos diálogos repetidos, esbarrando por vezes no nonsense gratuito. Pontos instigantes são sugeridos mas não se desenvolvem, esgotam-se no ensaio. Ao querer segurar muita coisa, as possibilidades escapam por entre os dedos.

A atuação de Ribeiro - melhor no segundo ato - é fraca. As frases soam artificiais, truncadas. Petrin, aqui em papéis ingratos, sai-se melhor. Deixa, porém, muito a desejar frente a grandes atuações que já desempenhou, como no recente Barrela, de Plínio Marcos.

A direção, também de Ribeiro (que também dirigiu As mentiras que os homens contam), em alguns momentos é confusa, com opções que dificultam a fluidez. Destaque para o belo e inteligente cenário de Ulisses Cohn, que ajuda muito na caracterização da atmosfera, e para a iluminação correta de Mirella Brandi. E há uma canção inédita de Ney Matogrosso, que mesmo não sendo uma de suas melhores encaixa-se muito bem.

Sai-se do teatro com a sensação de que a peça não disse a que veio.

Para ir além
Sangue na Barbearia - Auditório do SESC Pinheiros - Rua Paes Leme, 195 - Pinheiros - Sexta, 20h; sábado, 19h - R$ 15,00 - (11) 3095-9400 - Até 1º/10.

Notas

* Uma boa oportunidade para conhecer o bom trabalho da jovem dramaturgia brasileira é a mostra da Cia. dos Dramaturgos, em cartaz no Espaço Cênico Ademar Guerra, no Centro Cultural São Paulo (R. Vergueiro, 1000 / Paraíso / (11) 3277-3611 / Até 9/10). A companhia é formada por jovens autores que participaram de um workshop de dramaturgia promovido pela Royal Court Theatre, em 2003. Eles se reuniram, depois de voltarem, sob a tutela de Silvana Garcia, coordenadora do projeto no Brasil, e aí nasceu o grupo. Estão sendo montados quatro textos: O Mata Burro, de Fabio Torres, A Degola, de Paula Chagas, Mais Um, de Cássio Pires, e [ainda sem título], de Ana Roxo. São textos instigantes, com criações cênicas interessantes (A Degola, por exemplo, passa-se toda dentro de uma sala armada no centro do palco). Mais informações no blog da companhia.

* Quem perdeu a temporada no SESC Belenzinho tem a chance de ver, agora no Teatro Vivo, a boa Baque, do norte-americano Neil LaBute (Av. Dr. Chucri Zaidan, 860 - Morumbi - Sexta, 21h30; Sábado, 21h; Domingo, 18h - R$ 40,00 - (11) 3188-4147 - Até 30/10). LaBute é mais conhecido por estas bandas por seu ótimo filme Na companhia de homens. A peça - que tem no elenco os irmãos Débora e Carlos Evelyn e o ótimo Emilio de Mello - traz três histórias de violência à flor da pele que bebem na fonte das tragédias gregas. São três verdadeiros baques que sacodem o espectador e o fazem refletir sobre a violência na sociedade contemporânea, a culpa, a crueldade e a própria natureza humana. A direção, competente, é de Monique Gardenberg, responsável pelo belíssimo Os Sete Afluentes do Rio Ota, que logo deve voltar aos palcos. Vale a pena conferir. Mas vá preparado: não é uma peça fácil de ser engolida.

* Acontece, no Teatro Folha, o Nunca se Sábado... (Shopping Pátio Higienópolis - Av. Higienópolis, 618, piso 2 - Sábados, meia-noite - R$ 20,00 - (11) 3823-2323 - Até 17/12). É um projeto interessante, com uma fórmula simples: a cada semana três companhias humorísticas se apresentam, ciceroneadas por personalidades diversas, como Dalton Vigh, Bárbara Paz e Débora Evelyn. Ao final, o público avalia o que viu e determina a composição do espetáculo da semana seguinte. Os convidados trabalham em cima de textos de quatro autores: Fabio Torres, Laert Sarrumor, Luiz Henrique Romagnoli e Mario Viana. Já entre as companhias participantes, com altos e baixos, estão grupos do calibre dos Parlapatões, Cia. de Comédia Os Melhores do Mundo e o Pessoal do Vacalhau. Um programa diferente para o horário, boa pedida para quem gosta de teatro humorístico.


Guilherme Conte
São Paulo, 21/9/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. Existem vários modos de vencer de Fabio Gomes
03. Nós o Povo de Marilia Mota Silva
04. Repensando a esquerda de Celso A. Uequed Pitol
05. Wilhelm Reich, éter, deus e o diabo (parte I) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Guilherme Conte
Mais Acessadas de Guilherme Conte em 2005
01. Fantasmas do antigo Recife - 31/8/2005
02. Um rio para lavar a dor - 12/10/2005
03. Crônicas de solidão urbana - 30/6/2005
04. Sobre o gênio que é Harold Pinter - 26/10/2005
05. Rindo de nossa própria miséria - 21/9/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/10/2005
14h24min
Viver neste mundo de hoje se torna uma coisa absurda, mesmo quando a gente tenta acertar só comete erros. Como seria bom que as coisa acontecessem sempre da maneira que a gente planejasse...
[Leia outros Comentários de Maria das Graças]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Batalha do Apocalipse
Eduardo Spohr
Verus
(2010)



Box Com 2 Livros: Zac Power V. 1 e Teste Drive
H. I. Larry; Giovana Esmanhotto Ribas
Fundamento
(2016)



Seu Sonho Tem Futuro
Candice Pascoal
Gente
(2017)



Cristianismo e Criminalidade
Lucas Medrado
Fonte
(2016)



O Constante Correr das Horas
Justin Go
Intrinseca
(2015)



A Noite Rompida: a Insolita Aventura de Seu Levercuz
Carlos Patati
Estronho
(2014)



Pedaços de Mim
Rosa Maria Cosentino de Camargo
Do Autor
(1980)



The Blue Bicycle
Regine Deforges
Charter
(1985)



Matemática nas séries iniciais
Tânia Michel Pereira org.
Unijui
(1989)



As Cartas dos Orixás
Pensamento
Pensamento
(2021)





busca | avançada
66255 visitas/dia
1,9 milhão/mês