O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
31161 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/11/2005
O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7300 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Desde 2003 tenho escutado muito falar em José Cândido de Carvalho, autor de O Coronel e o Lobisomem. Deve-se essa exumação do nome à sorte que o destino tem traçado para mim. Em primeiro lugar, casei-me com um campista, ex-cidadão de Campos dos Goytacazes, cidade de José Cândido. Parece-me que por lá todo aspirante a escritor tem no criador do coronel Ponciano uma espécie de deus olímpico. Dizia meu marido que Campus tem lá poucas referências. A única literária teria sido o dono do volumoso O Coronel e o Lobisomem.

Sempre que se fala em Campos, interior do estado do Rio, alguém levanta as sobrancelhas e lembra da bacia ou da Petrobrás. Petróleo, terra de dinheiro. Engraçado que quando visitei a cidade, fiquei pensando que o dinheiro deve escoar direto dos poços para os bolsos dos felizardos. Não houve vista de riqueza assim tão desbragada em nenhum lugar para onde eu tenha olhado. Para a cultura, então, muito menos.

Também quando se fala em Campos, há quem se sacuda para dizer que é a maior cidade do interior do Rio. Campista não é carioca, alerta meu marido aos mineiros mais conservadores. A fama de malandro não lhe cai bem, então ele dá aula de patronímicos em português: campista é fluminense. Carioca é quem mora na cidade do Rio.

O assunto é controverso, já que os arredores da Cidade Maravilhosa se acham cariocas, assim como muitos dos que nascem em Juiz de Fora. Também é previdente alertar que fluminense é que nasce no interior do estado, e não apenas o time de futebol, que é bem mais conhecido.

E José Cândido de Carvalho, autor campista, caiu no vestibular. A expressão "cair no vestibular" é precisa. Para alguns, isso é motivo de alegria. Pode ser a única chance de vender bem um livro. Há quem consiga essa proeza em vida. Há quem deixe a felicidade para os parentes de gerações adiante, gente que não fez nada para merecer a grana que caiu do céu porque um tio-avô era escritor. Algumas famílias cobram de 500 a 1000 reais para que se publique um único texto. Ah, eu também queria ter parentes famosos nesta era do direito do autor.

Para outros, "cair no vestibular" é uma arapuca para pegar bobo. Para quem já morreu, o máximo que pode acontecer é o editor ter que reeditar livro já esgotado, pagar uma mixaria para herdeiros sem noção e ver as legiões de estudantes (mais sem noção ainda) comprando o livro para fazer prova. Isso para aqueles que são mais cuidadosos, porque quem vende mesmo é professor de cursinho que escreve ensaios do tipo "o que o autor quis dizer" e vira best-seller.

Uma terceira maneira de enxergar o "caimento" é verificar que os sebos se enchem de livros novos depois que passam as provas. Com José Cândido não foi diferente. Visite-se um sebo belo-horizontino e estarão lá as edições mais recentes do Coronel. O que não é de todo mal para quem gosta de literatura, que pode conseguir o volume bem mais barato do que nas livrarias.

Mais uma: "cair no vestibular", para escritor vivo, pode ser uma confusão imensa. São comuns as histórias de quem já teve a experiência de ser convidado para dar palestra em cursinho. Chegando lá, depara com um delírio em horas/aula de alunos e professores fanáticos pela superinterpretação. Dá que o autor cai na bobagem de fazer a prova sobre o próprio livro e toma bomba. Reza a lenda que isso teria acontecido com Roberto Drummond, quando Hilda Furacão virou best-seller. E também com Ignácio de Loyola Brandão, quando Não verás país nenhum esteve na lista das universidades.

José Cândido agora ganhou status de autor-que-virou-cinema. O filme, com estética e produção globais, deu ao Coronel Ponciano e ao agregado Nogueira os rostos de, respectivamente, Diogo Vilela e Selton Melo. No caso do primeiro, a escolha ainda se justifica. Apesar da cansativa narrativa com voz de ogro, Vilela faz cara de doido e tudo. Mas no caso de Selton, dificílimo convencer algum espectador com aquela voz de novela das seis e aquele jeito de menino-que-não-envelhece-nunca.

Ana Paula Arósio faz bem a cena da moça de época. Para a decepção de muitos, o filme não teve sequer uma ceninha na cidade de Campos. O centro de Belo Horizonte é que aparece nas cenas urbanas, coisa que, aliás, enfureceu parcela dos belo-horizontinos, que não estão acostumados a enfrentar engarrafamento por causa de gravação de novela. Os motivos costumam ser bem outros.

Está lá, O Coronel e o Lobisomem, para quem já fez vestibular e para quem quer entretenimento despretensioso. Para quem gosta de literatura, é interessante assistir ao longa para conhecer a linguagem do livro, já que foi transplantada, em grande parte, para a tela, no português preciso e bem-arranjado do autor campista.

Literatura é...

Certa vez um aluno pequeno me disse que literatura parecia o nome da bisavó dele. Achei aquilo bonito. Não entrei em detalhes, mas imaginei uma bisavó como a minha: esguia, elegante, bem-penteada e velha, bem velha. Os cabelos brancos, muito brancos, pelas espáduas, como diria Caminha, e um olhar que parecia já ter nascido com ela, assim como a idade e os cabelos imensamente brancos.

Alimentei por muito tempo a mesma idéia do menino. A de que a literatura era uma espécie de arte morta, dessas que só são feitas por gente condenada. Todo escritor estava morto, assim como suas obras sempre pareciam empoeiradas nas estantes das bibliotecas. Os livros vendidos em lojas eram como mercadorias encalhadas em armazéns de luxo.

Até que um dia deparei com um poema de Leminski, aquele quase oriental curitibano que tocava notas curtas com os dedos. Não gostei do modelo de bigode que usava e nem da pose de agressor, mas fiquei imensamente apaixonada pelas rimas que ele assobiava. Pareciam, todas elas, ter saído de uma gaita fácil. Pensei até que eu mesma pudesse tocar um instrumento assim.

Depois disso, descobri uns escritores vivos. Seus livros também pareciam vivos. Sua literatura era a expressão de que o mundo poderia ser contemporâneo a essa arte de palavras. Dali em diante passei a cultivar os livros de quem respirava fundo todos os dias.

O primeiro escritor vivo que conheci de perto deve ter sido Marçal Aquino. Deve ter sido. Na mesma mesa de bar estavam outros. Também Carlos Herculano Lopes, que eu admirara na adolescência, aparecia piscando pelas esquinas da capital mineira. A literatura ganhara, para mim, um golpe de vida.

Há pouco tempo um aluno mais velho me disse que literatura era alguma coisa da ordem do impossível. Também outro aluno me disse que literatura era uma espécie de plástica que os insanos faziam na linguagem, para parecer que ela não serve para nada.

Nova literatura

Mas acontece que essa vida literária é muito cansativa, e eu já estava quieta, quando conheci o livro de Elisa Andrade Buzzo, uma paulista que caiu do céu na minha caixa de e-mails e enviou um livro de poemas, lançado pela 7lettras, do Rio. Não é que a poesia ótima da autora me tenha surpreendido, não. Mas é que havia tempos que eu não lia um livro gostando tanto.

O volume bem-cuidado se chama Se lá no sol, pela coleção Guizos. A moça tem esse assobio leve de que tratam os poetas mais distraídos. São também esses que levam a poesia adiante, sem marteladas.

Em breve, muito breve, trarei aqui outros comentários sobre livros da estante nova. Renato Negrão também me deixou um volume vermelho. Rosângela Vieira Rocha me deixou suas Pupilas ovais. Mas vou devagar. E longe.

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 30/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Inquietações de Ana Lira de Fabio Gomes
02. O cinema de Weerasethakul de Guilherme Carvalhal
03. Cidade-sinestesia de Elisa Andrade Buzzo
04. O chamado de Cthulhu de Gian Danton
05. A feira ao longe de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/12/2005
11h30min
Nossa... lindo o texto "Literatura é..."
[Leia outros Comentários de juliana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LOCAÇÃO PREDIAL URBANA E SUA INTERPRETAÇÃO JURISPRUDENCIAL
WALDIR DE ARRUDA MIRANDA CARNEIRO
EDIPRO (BAURU SP)
(1991)
R$ 9,28



DECODIFICANDO O CORPO BIOENERGÉTICO - 1ª EDIÇÃO
PETER H. FRASER
CULTRIX
(2010)
R$ 49,95



TREM DE ISTAMBUL
GRAHAM GREENE
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1961)
R$ 10,00



A MULHER DAS MARAVILHAS
ALBERTO BEVILACQUA
MARCO ZERO
R$ 7,00



O DIAMANTE ETERNO: BIOGRAFIA DE LEÔNIDAS DA SILVA
ANDRÉ RIBEIRO
GRYPHUS
(1999)
R$ 19,00



PALAVRAS DE UM REVOLTADO - 1ª EDIÇÃO 
PIOTR KROPOTKIN 
ÍCONE
(2005)
R$ 46,95



O QUE JUNG DISSE REALMENTE
EDWARD ARMSTRONG BENNET
JORGE ZAHAR
(1985)
R$ 17,00



MODERNO ATLAS GEOGRÁFICO
GRAÇA MARIA LEMOS FERREIRA
MODERNA
(1993)
R$ 10,00



GETÚLIO VARGAS
ANDRÉ CARRAZZONI
JOSÉ OLYMPIO
(1939)
R$ 17,91



A HISTÓRIA DA FILOSOFIA
ANNE ROONEY
M. BOOKS
(2015)
R$ 60,00





busca | avançada
31161 visitas/dia
1,3 milhão/mês