O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles
>>> São Francisco Xavier II
>>> Rugas e rusgas
>>> Orra, Meu
>>> Uma outra moda
>>> Ler ao acaso
>>> Um ano de reflexões na Big Apple
>>> Steve Jobs apresentando o iPad
>>> De quantos modos um menino queima?
Mais Recentes
>>> Constituição do Estado de Minas Gerais: Estatuto dos Servidores Públic de José do Carmo Veiga de Oliveira: Organizad pela Del Rey/ Belo Horizonte (2003)
>>> Compêndio das Etapas do Processo Eleitoral: ... de J. Nepomuceno Silva: Organizador pela Del Rey/ Belo Horizonte (2010)
>>> (Re) Pensando a Pesquisa Jurídica de Miracy Barbosa de Souza Gustin (...) pela Del Rey/ Belo Horizonte (2006)
>>> A C Repórter - Tempo de Arraes e Vietnã do Norte de Antonio Callado pela Agir (2005)
>>> Mahoma, Profeta y Hombre de Estado de W.M.Watt pela Labor (1967)
>>> Em Risco de Stella Rimington pela Record/ RJ. (2010)
>>> O Círculo dos Eleitos de Vialdi Moreira/ Autogrfado pela Imprensa Oficial/ Belo Hte. (1987)
>>> A Amante de Brecht de Jacques- Pierre Amette pela Record/ RJ. (2005)
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2013)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/11/2005
O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
Ana Elisa Ribeiro

+ de 7200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Desde 2003 tenho escutado muito falar em José Cândido de Carvalho, autor de O Coronel e o Lobisomem. Deve-se essa exumação do nome à sorte que o destino tem traçado para mim. Em primeiro lugar, casei-me com um campista, ex-cidadão de Campos dos Goytacazes, cidade de José Cândido. Parece-me que por lá todo aspirante a escritor tem no criador do coronel Ponciano uma espécie de deus olímpico. Dizia meu marido que Campus tem lá poucas referências. A única literária teria sido o dono do volumoso O Coronel e o Lobisomem.

Sempre que se fala em Campos, interior do estado do Rio, alguém levanta as sobrancelhas e lembra da bacia ou da Petrobrás. Petróleo, terra de dinheiro. Engraçado que quando visitei a cidade, fiquei pensando que o dinheiro deve escoar direto dos poços para os bolsos dos felizardos. Não houve vista de riqueza assim tão desbragada em nenhum lugar para onde eu tenha olhado. Para a cultura, então, muito menos.

Também quando se fala em Campos, há quem se sacuda para dizer que é a maior cidade do interior do Rio. Campista não é carioca, alerta meu marido aos mineiros mais conservadores. A fama de malandro não lhe cai bem, então ele dá aula de patronímicos em português: campista é fluminense. Carioca é quem mora na cidade do Rio.

O assunto é controverso, já que os arredores da Cidade Maravilhosa se acham cariocas, assim como muitos dos que nascem em Juiz de Fora. Também é previdente alertar que fluminense é que nasce no interior do estado, e não apenas o time de futebol, que é bem mais conhecido.

E José Cândido de Carvalho, autor campista, caiu no vestibular. A expressão "cair no vestibular" é precisa. Para alguns, isso é motivo de alegria. Pode ser a única chance de vender bem um livro. Há quem consiga essa proeza em vida. Há quem deixe a felicidade para os parentes de gerações adiante, gente que não fez nada para merecer a grana que caiu do céu porque um tio-avô era escritor. Algumas famílias cobram de 500 a 1000 reais para que se publique um único texto. Ah, eu também queria ter parentes famosos nesta era do direito do autor.

Para outros, "cair no vestibular" é uma arapuca para pegar bobo. Para quem já morreu, o máximo que pode acontecer é o editor ter que reeditar livro já esgotado, pagar uma mixaria para herdeiros sem noção e ver as legiões de estudantes (mais sem noção ainda) comprando o livro para fazer prova. Isso para aqueles que são mais cuidadosos, porque quem vende mesmo é professor de cursinho que escreve ensaios do tipo "o que o autor quis dizer" e vira best-seller.

Uma terceira maneira de enxergar o "caimento" é verificar que os sebos se enchem de livros novos depois que passam as provas. Com José Cândido não foi diferente. Visite-se um sebo belo-horizontino e estarão lá as edições mais recentes do Coronel. O que não é de todo mal para quem gosta de literatura, que pode conseguir o volume bem mais barato do que nas livrarias.

Mais uma: "cair no vestibular", para escritor vivo, pode ser uma confusão imensa. São comuns as histórias de quem já teve a experiência de ser convidado para dar palestra em cursinho. Chegando lá, depara com um delírio em horas/aula de alunos e professores fanáticos pela superinterpretação. Dá que o autor cai na bobagem de fazer a prova sobre o próprio livro e toma bomba. Reza a lenda que isso teria acontecido com Roberto Drummond, quando Hilda Furacão virou best-seller. E também com Ignácio de Loyola Brandão, quando Não verás país nenhum esteve na lista das universidades.

José Cândido agora ganhou status de autor-que-virou-cinema. O filme, com estética e produção globais, deu ao Coronel Ponciano e ao agregado Nogueira os rostos de, respectivamente, Diogo Vilela e Selton Melo. No caso do primeiro, a escolha ainda se justifica. Apesar da cansativa narrativa com voz de ogro, Vilela faz cara de doido e tudo. Mas no caso de Selton, dificílimo convencer algum espectador com aquela voz de novela das seis e aquele jeito de menino-que-não-envelhece-nunca.

Ana Paula Arósio faz bem a cena da moça de época. Para a decepção de muitos, o filme não teve sequer uma ceninha na cidade de Campos. O centro de Belo Horizonte é que aparece nas cenas urbanas, coisa que, aliás, enfureceu parcela dos belo-horizontinos, que não estão acostumados a enfrentar engarrafamento por causa de gravação de novela. Os motivos costumam ser bem outros.

Está lá, O Coronel e o Lobisomem, para quem já fez vestibular e para quem quer entretenimento despretensioso. Para quem gosta de literatura, é interessante assistir ao longa para conhecer a linguagem do livro, já que foi transplantada, em grande parte, para a tela, no português preciso e bem-arranjado do autor campista.

Literatura é...

Certa vez um aluno pequeno me disse que literatura parecia o nome da bisavó dele. Achei aquilo bonito. Não entrei em detalhes, mas imaginei uma bisavó como a minha: esguia, elegante, bem-penteada e velha, bem velha. Os cabelos brancos, muito brancos, pelas espáduas, como diria Caminha, e um olhar que parecia já ter nascido com ela, assim como a idade e os cabelos imensamente brancos.

Alimentei por muito tempo a mesma idéia do menino. A de que a literatura era uma espécie de arte morta, dessas que só são feitas por gente condenada. Todo escritor estava morto, assim como suas obras sempre pareciam empoeiradas nas estantes das bibliotecas. Os livros vendidos em lojas eram como mercadorias encalhadas em armazéns de luxo.

Até que um dia deparei com um poema de Leminski, aquele quase oriental curitibano que tocava notas curtas com os dedos. Não gostei do modelo de bigode que usava e nem da pose de agressor, mas fiquei imensamente apaixonada pelas rimas que ele assobiava. Pareciam, todas elas, ter saído de uma gaita fácil. Pensei até que eu mesma pudesse tocar um instrumento assim.

Depois disso, descobri uns escritores vivos. Seus livros também pareciam vivos. Sua literatura era a expressão de que o mundo poderia ser contemporâneo a essa arte de palavras. Dali em diante passei a cultivar os livros de quem respirava fundo todos os dias.

O primeiro escritor vivo que conheci de perto deve ter sido Marçal Aquino. Deve ter sido. Na mesma mesa de bar estavam outros. Também Carlos Herculano Lopes, que eu admirara na adolescência, aparecia piscando pelas esquinas da capital mineira. A literatura ganhara, para mim, um golpe de vida.

Há pouco tempo um aluno mais velho me disse que literatura era alguma coisa da ordem do impossível. Também outro aluno me disse que literatura era uma espécie de plástica que os insanos faziam na linguagem, para parecer que ela não serve para nada.

Nova literatura

Mas acontece que essa vida literária é muito cansativa, e eu já estava quieta, quando conheci o livro de Elisa Andrade Buzzo, uma paulista que caiu do céu na minha caixa de e-mails e enviou um livro de poemas, lançado pela 7lettras, do Rio. Não é que a poesia ótima da autora me tenha surpreendido, não. Mas é que havia tempos que eu não lia um livro gostando tanto.

O volume bem-cuidado se chama Se lá no sol, pela coleção Guizos. A moça tem esse assobio leve de que tratam os poetas mais distraídos. São também esses que levam a poesia adiante, sem marteladas.

Em breve, muito breve, trarei aqui outros comentários sobre livros da estante nova. Renato Negrão também me deixou um volume vermelho. Rosângela Vieira Rocha me deixou suas Pupilas ovais. Mas vou devagar. E longe.

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 30/11/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Para entender os protestos e o momento histórico de Julio Daio Borges
02. O Anvil e o amor à música de Rafael Fernandes
03. A idade que habito de Marta Barcellos
04. Exceção e regra de Eduardo Mineo
05. Vale a pena publicar de novo de Ram Rajagopal


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2005
01. Mapa da sala de aula - 6/4/2005
02. Para gostar de ler? - 24/8/2005
03. Publicar um livro pode ser uma encrenca - 28/12/2005
04. Sexo pra quê? Texto onde? - 26/1/2005
05. Escrever bem e os 10 Mandamentos - 20/7/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
2/12/2005
11h30min
Nossa... lindo o texto "Literatura é..."
[Leia outros Comentários de juliana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IKEBANA LUXO - ARTE NATURAL EM 103 ARRANJOS
TATIANA ARCOLINI
ON LINE
(2002)
R$ 20,00



IN DUBIOUS BATTLE
JOHN STEINBECK
PENGUIN BOOKS
(1984)
R$ 32,00



PROSA DO ROMANTISMO TEXTOS DE LITERATURA BRASILEIRA PARA ANÁLISE
DOUGLAS TUFANO
MODERNA
(1979)
R$ 5,00



LAS EDADES DE ORO DEL TEATRO - K.MACGOWAN E W.MELNITZ
K.MACGOWAN E W.MELNITZ
FONDO DE CULTURA ECONÓMICA - MÉXICO
(1992)
R$ 25,00



A NOVA CALIFÓRNIA - LITERATURA BRASILEIRA EM QUADRINHOS
BARRETO LIMA
ESCALA EDUCACIONAL
(2006)
R$ 24,28



NÃO CHORES MAIS
SORAYA - MORAES
GRAÇA
(2011)
R$ 9,90



CARACTERIZAÇÃO DAS FONTES DE ÁGUA E DA GERAÇÃO DE EFLUENTES
ALBINO MOURA GUTERRES, NAIRA E. BARBACOVI UND VERA MARIA C. FERNANDES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 391,00



CARA A CARA COM MARÍLIA GABRIELA
MARÍLIA GABRIELA
SICILIANO
(1994)
R$ 4,00



O NOVIÇO O JUIZ DE PAZ NA ROÇA
MARTINS PENA
SOL
R$ 4,90



AS 3 ESCOLHAS PARA O SUCESSO
STEPHEN R COVEY
VIDA MELHOR
(2013)
R$ 15,90





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês