We the Media, de Dan Gillmor | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
42708 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 2/12/2005
We the Media, de Dan Gillmor
Julio Daio Borges

+ de 8600 Acessos

Para quem fica sentado atrás do computador, esperando que o mercado consagre determinadas práticas, o mundo parece andar a uma velocidade razoável - de cruzeiro -, relativamente fácil de acompanhar. Mas para quem persegue as novidades, sobretudo para quem acompanha (ou tenta acompanhar) a internet e seu desenvolvimento, o mundo nunca avançou de forma tão vertiginosa, a ponto de causar dores de cabeça e tonturas diárias. Porque enquanto a mídia estabelecida vai encolhendo em termos de conteúdo de qualidade (pelo menos, no Brasil), a internet vai se expandindo como nenhuma outra mídia - já que é a única mídia, na História, em que virtualmente qualquer pessoa pode dar sua contribuição.

We the Media (2004, O'Reilly, 299 págs.), o livro que já é uma referência, de Dan Gillmor, tenta dar conta dessa transformação, que nos levou de uma mídia velha, viciosa e falida, para uma mídia nova, promissora e rica. Dan Gillmor não contém, claro, o mundo - nem seria essa sua pretensão -, mas condensou em quase trezentas páginas as mudanças que se anunciaram desde o século XX e que estão se consolidando, de maneira irrevogável, neste século XXI. A idéia básica de Gillmor, um "colunista conhecido nacionalmente" do San Jose Mercury News - um jornal do mítico Vale do Silício -, é que estamos passando de uma era em que os jornalistas (inclua aqui marqueteiros, publicitários e relações públicas) "palestravam" para uma platéia geralmente dócil e pouco reativa - a "massa", ou seja, nós - para uma nova era em que as pessoas fazem a notícia (eu, você, seu vizinho), gerando, em vez de "palestras", "seminários" e "conversações" (a tradução aqui é livre, portanto os termos vão todos entre aspas).

E o que Dan Gillmor entende por "palestras"? Comunicação unilateral basicamente. Sem querer entrar muito na teoria, podemos usar os conceitos de "emissor" e "receptor". Antigamente (na cabeça de muito jornalistas do Brasil, até hoje), a mídia ditava e era lei. Ninguém discutia. Ou as discussões eram abafadas, ou eram então "conduzidas" - não havia real reação por parte do público. Com exceção de algumas famílias (caso do Brasil), ou de alguns governos, que detinham os meios de produção de notícias - para ser um pouco marxista na terminologia -, as pessoas não tinham acesso direto à mídia. As pessoas mal reagiam, e ficavam à mercê da benevolência dos veículos, que podiam, mais por obrigação de ofício do que pelo bem da discussão, reproduzir suas "cartas" na seção respectiva. (A isso, chamavam "democracia".) Como coloca Gillmor, era mais uma "palestra". Com algumas objeções, óbvio, uma pergunta aqui, outra ali, mas uma palestra ainda. Alguém falava e você simplesmente ouvia; a gente aqui embaixo, eles lá em cima.

Com a internet, esse modelo ruiu. Dan Gillmor nos mostra que, desde a sua fundação, a internet foi uma mídia colaborativa (ao contrário das demais, sempre limitadas a um grupo restrito). Se inicialmente restringida àqueles que dominavam a tecnologia de publicação, a internet foi evoluindo no sentido de uma democracia plena, sobretudo na década de 90, onde todo mundo tem voz, se quiser. Não poderia haver pior cenário para a mídia estabelecida, pois se reinara tranqüila durante décadas sem contestação, de repente era atingida diretamente nos seus brios, por réplicas, ataques e provocações - que, na internet, não poderia jamais conter, nem deixar de publicar. Que alternativa sobrou então à velha mídia? Combater a nova. É o que os homens-de-mídia-com-cabeça-antiga vêm tentando fazer, sem sucesso, desde o boom. Os mais inteligentes já perceberam (a tempo?) que vão ter de dialogar com os novos "atores" desse espetáculo; os mais burros, ainda não - e estão progressivamente sendo ultrapassados.

A linguagem soa como a do ativismo de esquerda chomskiano, mas não é, não. Pelo simples fato de que a internet não é, como a histeria de esquerda, um "clamor" por participação popular: a internet é uma realidade, estabelecida naturalmente, à revelia daqueles que antes detinham o monopólio da informação e da discussão de idéias (a esquerda, inclusive, entra aqui). Dan Gillmor mostra isso com dados e esse talvez seja o grande mérito de We the Media: compilar, de forma sistemática, instigante e efetiva, os argumentos a favor dessa revolução e as realizações que ela já trouxe, para o jornalismo, que é o seu campo de atuação. Pode-se considerar, ainda, que We the Media é a primeira história, não-oficial, da nova mídia - contrapondo-a à antiga (até para justificar porque é "nova") e traçando sua trajetória de sucessos (e insucessos), sem exagerar na nomenclatura e sempre estabelecendo paralelos que auxiliam a compreensão de qualquer leitor.

Um dos pilares centrais na construção de Gillmor são os blogs. Os blogs são a primeira ferramenta a permitir livre acesso, a qualquer cidadão ("digitalmente incluído", digamos), ao que ele chama de "conversações". Com um blog, que pode ser criado por qualquer pessoa em menos de cinco minutos, é possível reportar, comentar e editar, fundamentalmente como se fazia na mídia antiga. Não exatamente igual - falo tecnicamente e profissionalmente igual -, mas o blog, pela primeira vez na História, poderia ser uma mídia, ou uma parcela dela, acessível a qualquer cidadão, que não pertencesse a famílias, ou a governos ou a detentores dos antigos meios de produção. Obviamente isso gerou reações. Reações, até previsíveis, dos antigos detentores do monopólio da informação: jornalistas, marqueteiros, publicitários, relações públicas - profissionais de mídia (antiga) em geral. Tentaram, e até hoje tentam, desqualificar a conversação.

O mérito de Gillmor, mais uma vez, é reconhecer a importância desse novo fenômeno - apesar de jornalista, apesar de profissional da antiga mídia. Gillmor, num exercício de humildade inédito, coloca-se na seguinte posição: "Parto do pressuposto que meus leitores sabem mais do que eu: eles são em maior número - eu sou um só" (grifo nosso). Quem poderia imaginar uma declaração desse teor saindo da boca de um ex-detentor do monopólio da informação no Brasil? Qual jornalista se acha, efetivamente, mais ignorante do que seu público? Dan Gillmor argumenta que o jornalismo feito por mais pessoas, por mais "conversações", tende a ser muito melhor, muito mais acurado, a longo prazo. E o The New York Times já corrobora sua tese: com um blog surgindo a cada segundo (dado da BBC), que redação pode competir com milhões de especialistas espalhados pelo globo? No limite, a blogosfera tende a acertar mais do que a mídia estabelecida.

Não faltam exemplos práticos de comprovação nessa área, e o We the Media não hesita em listá-los. Aqui no Brasil, surpreendentemente, admitiu-se que a internet foi a "mídia revelação" durante os ataques do 11 de Setembro - permitindo um acompanhamento em tempo real, quase com liberdade total na disseminação da informação (embora e-mails tenham escapado com fotos chocantes, o governo Bush, por exemplo, tratou de conter o quanto pôde a sua proliferação). E ninguém nega que, a princípio, a melhor cobertura, mais recentemente falando, do tsunami, dos atentados em Londres e da tragédia de New Orleans, aconteceram on-line: enquanto o poder público estava paralisado e a mídia, inacessível, pululavam relatos, fotos, áudios e vídeos amadores, em blogs e plataformas afins. Dan Gillmor chama a atenção para a eleição norte-americana de 2004, onde os blogs, além de terem produzido uma ameaça real à mídia estabelecida (derrubando um âncora de rede de televisão, entre outras coisas), permitiram mobilizações antes impensáveis a favor de candidatos menos favorecidos (financiando, por exemplo, a campanha de Howard Dean).

Mas nem só de bons sentimentos vive Dan Gillmor. Dedica um capítulo inteiro do seu We the Media ao que chama, no idioma do Tio Sam, The Empire Strikes Back - O Contra-ataque do Império -, fazendo alusão à trilogia Guerra nas Estrelas de George Lucas, e afirmando taxativamente que os detentores do "cartel do entretenimento" (outra expressão sua) não vão deixar por menos. Gillmor cita a "guerra" da indústria do disco contra a pirataria e contra o compartilhamento de arquivos (faixas) via internet. Embora considere a internet um fait accompli, não acredita no "desprendimento" das majors - também do cinema, também do universo editorial -, no sentido de ceder seus "direitos adquiridos" para que tudo caia em domínio público. Ainda assim, Gillmor lançou seu próprio livro dentro do princípio dos Creative Commons, disponibilizando o primeiro capítulo inteiro em PDF, para quem quiser baixar.

We the Media não é, pela natureza mesma do seu assunto principal, a última palavra em matéria de internet - mas é, ainda assim, a melhor tentativa nesse sentido. E se não consegue se manter up-to-date - o que seria um contra-senso, até em termos de internet -, carrega no seu bojo as melhores intenções jamais dedicadas à mídia nova. Desde o título, que remete à abertura da constituição dos Estados Unidos ("We the People...") - sutilmente insinuando que a revolução da internet vai ser tão central na história dessa nação quanto o foram fatos como a Independência e a Guerra de Secessão. Compactuando ou não com as idéias mais "vanguardistas" de Dan Gillmor, e de We the Media, não seria exagero admitir que seu raciocínio se estende para todo o planeta: poucas vezes um fato foi tão central para o desenvolvimento da nossa civilização como está sendo agora a internet.

Para ir além






Julio Daio Borges
São Paulo, 2/12/2005


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Digite seu nome no Google de Ana Elisa Ribeiro
02. Paisagens Originais & Detalhes De Um Pôr do Sol de Ricardo de Mattos
03. Gramado e a ausência de favoritismo de Lucas Rodrigues Pires
04. As décadas são como calças de Daniela Sandler


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2005
01. Melhores Blogs - 20/5/2005
02. Não existe pote de ouro no arco-íris do escritor - 29/7/2005
03. O 4 (e os quatro) do Los Hermanos - 30/12/2005
04. Schopenhauer sobre o ofício de escritor - 9/9/2005
05. É Julio mesmo, sem acento - 1/4/2005


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




SUBSÍDIOS CATECUMENATO CRISMAL
DOM GABRIEL P. BUENO COUTO
NÃO INFORMADA
R$ 10,00



TEX EDIÇÃO HISTÓRICA Nº 79
BONELLI E GALLEPPINI
MYTHOS
(2010)
R$ 12,00



INTRODUÇÃO À VIDA INTELECTUAL
JOÃO BATISTA LIBANIO
LOYOLA
(2002)
R$ 40,00



POSTAIS DO TIBETE QUERO AVISAR O LEITOR QUE O TIBETE NÃO EXISTE. PE...
JAIME ROSEIRA
CONTEXTO
(1998)
R$ 22,33



O ARQUIPÉLAGO 2
ERICO VERISSIMO
GLOBO
(1976)
R$ 7,90



QUERO UM IRMÃOZINHO !
MARÍA MENÉNDEZ PONTE
SM
(2011)
R$ 5,00



THE DHANDHO INVESTOR
MOHNISH PABRAI
WILEY
(2007)
R$ 270,00



INSTITUIÇÕES DE DIREITO CIVIL VOL. III
CAIO MÁRIO DA SILVA PEREIRA
FORENSE
(1990)
R$ 29,90



POESIAS COMPLETAS
DA COSTA E SILVA
NOVA FRONTEIRA
(2000)
R$ 25,00



PARA VIVER SEM SOFRER
LUIZ ANTONIO GASPARETTO
VIDA / CONSCIÊNCIA
(2002)
R$ 12,00





busca | avançada
42708 visitas/dia
1,4 milhão/mês