Um raio-x da violência | Fabio Silvestre Cardoso | Digestivo Cultural

busca | avançada
63997 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 19/1/2006
Um raio-x da violência
Fabio Silvestre Cardoso

+ de 2200 Acessos

As notícias sobre crimes nos jornais e na TV causam desconforto na população, e surpreendem até mesmo os mais calejados com o chamado mundo-cão (repórteres, apresentadores de TV dos programas sensacionalistas e também policiais civis e militares). Só neste mês de janeiro, na semana em que escrevo esta coluna, os jornais destacam: a tentativa frustrada de resgate de presos no presídio de segurança máxima de Presidente Bernardes (foram apreendidos mísseis e armas de grosso calibre); uma série de atentados às bases da Polícia Militar em São Paulo (foram feitos inúmeros disparos em direção às cabines); sem mencionar a prisão dos envolvidos no caso do incêndio a um ônibus no Rio de Janeiro. Como se vê, a gravidade dos crimes já não pode mais ser medida segundo o mais estarrecedor. Em verdade, as atrocidades até mesmo se igualam pelos requintes de crueldade, seja pelo número de mortos, seja pela "modalidade" de crime escolhido. Para entender a lógica dos assassinatos, o jornalista Bruno Paes Manso assina O Homem X (Record, 2005, 364 págs.), livro-reportagem que busca trazer à luz a alma do assassino em São Paulo.

O fato de ser um livro-reportagem (cujo título é uma alusão à série X-Men, graças ao depoimento de um entrevistado) pode fazer com que os leitores imaginem um texto mais enviesado e estilístico, uma vez que está livre das amarras dos manuais de redação dos jornais, abrindo, assim, espaço para uma verve literária. De fato, muitos jornalistas enveredam por esse caminho, talvez mais atraente, porém quase sempre subjetivo e repleto de imperfeições conceituais que, grosso modo, são esquecidas pelos críticos porque a forma de contar a história é bonita. Para o bem ou para o mal, Bruno Paes Manso manda o novo-jornalismo às favas. Faz, antes, um trabalho árduo de pesquisa e apuração que dá conta do tema de maneira fora do comum. Nesse caso, há de se levar em conta o fato de o autor utilizar como metodologia de pesquisa jornalística os parâmetros da academia. O resultado, assim, é um ensaio acadêmico com tema de relevância geral e com linguagem acessível.

Desde o início, o autor apresenta para o leitor qual é o tema de sua pesquisa, mas não pára por aí. Uma vez relatado o objetivo a ser alcançado, Paes Manso sai à cata dos elementos necessários para transformar a idéia em texto; a intenção em conclusão; o abstrato em real. Desse modo, os números, que, na maioria das vezes, funcionam mais como peça decorativa do que documento ilustrativa são interpretados de maneira a evidenciar a gravidade de alguns casos, assim como o absurdo de outros. Boa parte dos leitores se surpreende ao descobrir que a violência, em determinadas áreas da cidade, está de igual para igual com algumas regiões dos Estados Unidos. Da mesma maneira, os índices nas regiões mais calamitosas, como Parelheiros, atinge a incrível marca de 106 mortos para cada 100 mil habitantes.

Além dos números, o jornalista calibra a reportagem com o relato dos principais personagens do livro: os próprios assassinos. Para isso, Paes Manso quebra o protocolo e vai encontrá-los. Aqui, provavelmente, o código de ética jornalístico provavelmente diria que o repórter foi imprudente ao se expor. Em outro momento, não só o código de ética, mas a patrulha do jornalismo politicamente correto também diria que Paes Manso errou ao manter o nome dos envolvidos em sigilo, respeitando o desejo de sua fonte. Nos dois casos, muito embora o autor tenha plena consciência disso, é como se seu trabalho respondesse: "a teoria, na prática, é outra".

Jornalismo de interpretação
Entre todas as virtudes, a que mais se destaca é a aposta interpretativa feita por Bruno Paes Manso. Graças a seu respaldo intelectual, o jornalista é capaz de desvendar as falácias elementares que constituem o discurso raso da maioria dos formadores de opinião e também da sociologia pseudo-humanista, aquela que formula a intelligentsia das ONGs e dos grupos de direitos humanos. Em outras palavras, Paes Manso analisa os crimes para além de querer justificar a intenção dos assassinos, mas não cessa de buscar as causas que direcionam as pessoas a cometerem tais crimes.

É o que se observa o autor quando analisa o argumento de alguns assassinos quando estes tentam explicar a razão de seus crimes. No caso, alguns entrevistados alegam que, na primeira vez, matam num ato impensado, como se não tivessem premeditado a ação. Daí, o argumento fácil de muitos analistas é o de minimizar esses crimes, como se fossem de menor gabarito. Paes Manso descarta esse argumento. "O sujeito não mataria simplesmente porque estava bêbado, por não ser civilizado e não conter seus impulsos, mas porque acredita que matar faz parte das regras do jogo e lhe traz benefícios, crença que o leva a tomar decisões incompreensíveis para quem observa de fora. (...) é forte a cultura da justiça privada".

De fato, essa cultura da justiça privada, segundo o autor, é, num primeiro momento, fomentada pelas organizações criminosas, mas o motor dos assassinatos prossegue independente das bancas ou das máfias, pelo menos em São Paulo. E isso está indicado nos dados (novamente as estatísticas) apresentados na reportagem. Segundo consta, a maioria dos homicídios tem como principal causa um problema pessoal, e não uma questão ligada ao pagamento de dívidas ou a guerras de gangues, como ocorre no Rio de Janeiro.

A comparação com o Rio de Janeiro, aliás, é precisa, conforme mostra o autor, para não só acentuar as diferenças como também para entender a complexa engrenagem do crime. Tomando como base os primórdios da violência no país, ainda no século XX, Paes Manso explica como o crime evoluiu de um modus operandi mais amador, quase ingênuo, numa época em que se matava por crimes ligados à honra (lembrar da história de Euclides da Cunha e seu algoz, Dilermando) a um período em que a vida está tão banalizada que a chacina se justifica simplesmente pelo seu custo benefício.

Homem X é um livro que tinha tudo para ser mais uma tese repleta com os clichês da academia e o discurso dos Direitos Humanos sobre a violência. Felizmente, não é. A obra dá um panorama ímpar e completo do atual estado de coisas da criminalidade - dos assassinatos, sobretudo - na cidade de São Paulo. Uma reportagem para ler com atenção e sem medo.

Para ir além






Fabio Silvestre Cardoso
São Paulo, 19/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Minha finada TV analógica de Elisa Andrade Buzzo
02. Um mês depois de Julio Daio Borges
03. E se Amélia fosse feminista? de Ana Elisa Ribeiro
04. O fim da revista Bravo! de Rafael Rodrigues
05. Impressões do jovem Engels de Celso A. Uequed Pitol


Mais Fabio Silvestre Cardoso
Mais Acessadas de Fabio Silvestre Cardoso em 2006
01. Orgulho e preconceito, de Jane Austen - 5/5/2006
02. Por que quero sair do Orkut (mas não consigo) - 2/2/2006
03. Desejo de Status - 21/4/2006
04. As crônicas de Ivan Lessa - 30/3/2006
05. Google: aprecie com moderação - 2/3/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PALAIS ET RÉSIDENCES DÉTÉ DE LA RÉGION DE TUNIS
JACQUES REVAULT
ÉDITIONS DU CENTRE NATIONAL D
(1974)
R$ 300,00



PERRY RHODAN - CICLO BARDIOC 1 EPISÓDIOS 800 801
WILLIAM VOLTZ
SSPG
(2006)
R$ 20,00



SOCIOLOGIA DE MAX WEBER
JULIEN FREUND
FORENSE
(1970)
R$ 10,00



PINÓQUIO
NAO TEM
SCIPIONE
(2013)
R$ 9,90



CANÇAO PARA DEBORA
LUCI GUIMARAES WATANABE
FTD
R$ 8,00



OS BEIJA-FLORES DO BRASIL
ROLF GRANTSAU
EXPRESSÃO E CULTURA
(1988)
R$ 190,00



ROMA LEGADO DE UM IMPÉRIO 2 VOLUMES
TIM CORNELL E JOHN MATTHEWS
DEL PRADO
(1996)
R$ 30,00



O QUE É COMUNIDADE ECLESIAL DE BASE
FREI BETTO
BRASILENSE
(1981)
R$ 6,90



VEJA 45 ANOS OS 45 PRIMEIROS ANOS DE VEJA
VARIOS AUTORES
VEJA
(2013)
R$ 9,00



PERCEBENDO O SER
SAULO CÉSAR DA SILVA
LCTE
(2009)
R$ 55,00





busca | avançada
63997 visitas/dia
1,8 milhão/mês