Ciclones sobre a cruz | Guga Schultze | Digestivo Cultural

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa de Fábio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Contratos e Atos Unilaterais vol. 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2012)
>>> Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia de Murilo Bastos da Cunha- Cordélia Robalinho Cavalcanti pela Briquet de Lemos (2008)
>>> A Year of Being Single de Fiona Collins pela Hq (2016)
>>> The Brightest Star in the Sky de Marian Keyes pela Penguin Books (2011)
>>> Contos Sombrios de Gabriel Maia pela Linhas Tortas (2019)
>>> Essentials of Marketing de McCarthy e Perreault pela Sixth Edition
>>> Java como Programar de Deitel pela Prentice Hall (2005)
>>> Leis do Amor de Francisco Candido Xavier pela Feb (1965)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Candido Xavier pela Feb (1985)
>>> Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim de Valter Turini pela O Clarim (2009)
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> A Segunda Chance... de Alfredo Pardini pela O Clarim (2009)
>>> O Segredo das Bem Aventuranças de José Lázaro Boberg pela Eme (2009)
>>> Sementes e Contos de Lauro Pereira pela Procriart (1985)
>>> Segue-Me!... de Francisco Cândido Xavier pela O Clarim (1978)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito Família vol. 6 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2013)
>>> A Caçada Ao Lobo de Wall Street de Jordan Belfort pela Planeta (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito das Coisas vol 5 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2007)
>>> Diário do Chaves de Roberto Gomez Bolanos pela Suma (2006)
>>> O Aliciador - Ele está sempre um passo à Frente de Donato Carrisi pela Record (2019)
>>> Isaac Newton e Sua Maçã de Kjartan Poskitt pela Cia. das Letras (2021)
>>> A riqueza da vida simples - Como escolhas mais inteligentes podem antecipar a conquista de seus sonhos de Gustavo Cerbasi pela Sextante (2019)
>>> Fênix: A Ilha - Livro 1 de John Diox pela Novo Conceito (2014)
>>> Direito do Trabalho 23 ª ed. de Sérgio Pinto Martins pela Atlas (2007)
COLUNAS >>> Especial Deus tem futuro?

Quarta-feira, 30/1/2008
Ciclones sobre a cruz
Guga Schultze

+ de 5200 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Uma das melhores leituras, em 2007, foi o best-seller de Richard Dawkins, Deus, um delírio (Companhia das Letras, 2007, 528 págs.). Julio Daio Borges, nosso editor, já escreveu sobre ele aqui, no Digestivo Cultural. A ousadia de Dawkins é bastante explícita, a ponto de protegê-lo da acusação de pretensioso ou arrogante, porque Dawkins se coloca de cara na linha de tiro, declarando a intenção de converter o leitor ao ateísmo. Não dá pra acusá-lo de tentar uma catequese invertida, ou de fazer um proselitismo escuso. Ele diz, com todas as letras, que é isso mesmo o que ele está tentando fazer.

Dawkins tem coragem, ao mexer numa casa de marimbondos. Uma casa bem menor, hoje, do que nos tempos de Bertrand Russell, quando este lançou, por volta de 1957, Porque não sou cristão (Livraria Exposição do Livro, 1972) ou quando Herman Hesse cometeu pequenas mas instigantes heresias e apostasias em Demian. De qualquer forma, é preciso um mínimo de coragem para afrontar uma "insensatez generalizada, erguida em consenso, a ferro e fogo, sobre o Ocidente".

As críticas que Dawkins recebeu pela sua "virulência" são infundadas. Deus, um delírio é um livro suave, bastante bem-humorado, tranqüilo, até. Pese as falhas da tradução, que tornam muitas passagens mal articuladas, o livro é bastante claro, no seu todo. O tradutor parece que não acompanha bem o que Dawkins está dizendo, ou não entende bem o que ele diz, de forma que às vezes é literal demais, uma coisa perigosa quando se traduz do inglês, particularmente.

Dawkins vai contra a idéia de "deus", no geral. Por tabela, ataca a religião. A culpa não é de Dawkins apenas, já que a religião se apossou quase que totalmente de "deus", de forma que fica difícil pra qualquer um falar em deus fora da esfera da influência religiosa. As religiões se proclamaram, desde sempre, porta-vozes exclusivas da questão, não dando espaço para nenhuma outra forma de se tratar o assunto, a não ser nos próprios moldes, ou seja, transformaram "deus" em uma questão de fé, apenas.

O darwinismo de Dawkins é sofisticado e maleável ao ponto de ser uma interpretação a posteriori daqueles princípios básicos. Ele não repete Darwin, apenas se orienta por onde Darwin abriu caminho. E, evidentemente, Dawkins apresenta o evolucionismo como ferramenta para a compreensão da natureza, não como verdade em si. Dawkins pareceria dizer que "deus" também pode ser uma questão de investigação científica. Mas nem Dawkins escapou totalmente da imposição religiosa de "deus", de maneira que, quando descarta a idéia, está descartando o novelo religioso por inteiro.

No livro Cem anos de solidão, de García Márquez, o padre de Macondo vem visitar o velho patriarca, José Arcadio Buendía, que está meio louco, preso por cordas debaixo de uma castanheira. O padre vem humanitariamente fazer companhia ao velho e tenta ensinar o jogo de xadrez. Ao perceber que o jogo é uma batalha, o patriarca confunde o padre ao dizer que não concebe como duas facções inimigas podem concordar com as mesmas regras.

Algo parecido está em jogo no livro de Dawkins, na medida em que a religião apresenta apenas duas alternativas, como uma regra única para o jogo do ser humano à procura de suas origens: crer ou não crer em deus. Ou seja, crer, segundo a religião, é a única forma de encarar a hipótese de um criador. E, uma vez aceita a hipótese, apresenta-se ao crente a imagem religiosa de deus, com todas as suas implicações extremamente humanas e, por que não, absurdas. Dawkins escolhe não crer.

Dawkins recebeu pelo menos uma resposta, O delírio de Dawkins, livro de um casal de teólogos, Alister e Joanna McGrath. Bem escrito mas cheio de evasivas, não tem, nem de longe, o impacto natural que Dawkins provoca. Talvez mereça uma resposta de Dawkins, e os autores podem agradecer à boa sorte por ser Dawkins o debatedor e não Christopher Hitchens.

O livro de Dawkins é até um livro calmo. O mesmo não se pode dizer de Deus não é grande, do jornalista inglês, citado acima, Christopher Hitchens. Hitchens não é cientista e não tenta calmamente provar que está certo. Apenas detona a religião, baseado em suas experiências como jornalista, em sua capacidade de pensar por si mesmo e em seu desprezo agudo por enganações de toda espécie. Um verbo que Hitchens deve odiar, sem culpa, é "tergiversar".

Em comum, Hitchens e Dawkins defendem a moralidade natural do ser humano, em contraste com a necessidade dessa moral ser "soprada" dos altos escalões celestes, como insistem os pastores para o rebanho. Para Hitchens o comportamento das altas cúpulas celestiais, eclesiásticas e do rebanho inteiro chega a ser imoral.

Até aí eles estão parelhos, mas enquanto Dawkins se esforça pela volta de um iluminismo científico e, provavelmente, está atento às repercussões positivas do seu livro, Hitchens não está nem aí. Demarca friamente sua distância da procissão dos crentes, é brilhante sem tentar ser persuasivo e contundente até onde sua experiência nas letras (ou no jornalismo) lhe permite. Aceita tranqüilamente que "o mal", digamos assim, está presente no homem e independe da religião. Mas ridiculariza esse mesmo argumento quando é usado para justificar atrocidades cometidas em nome de deus. Hitchens não aceita irresponsabilidades e exige responsabilidade assumida.

Não pretendo me estender demais sobre os dois livros. Não caberia aqui. Basta apontá-los como boas leituras, de certa forma originais na medida em que são poucos os livros que "peitam" as crenças em geral.

Existem mais alguns dignos de nota, como o ótimo romance Um riso na catedral, do brasileiro Dalmy Gama, professor de literatura, que apresenta uma visão esclarecedora e original sobre crenças, crendices e o que pode estar por trás disso tudo. Outros, mais antigos (e surpreendentes por isso mesmo) como o já citado Porque não sou cristão, de Bertrand Russell e La desilusion de un sacerdote, de um ex-teólogo alemão radicado na Argentina, Franz Griese, são leituras pra lá de esclarecedoras.

A pergunta que geralmente se faz diante dessa controvérsia toda é: por que se preocupar com este assunto? Por que se ocupar com esse debate pró ou contra a religião e qual seria, afinal, a importância desse mesmo debate?

Há várias respostas pertinentes a essa pergunta. Uma delas, talvez a mais abrangente, é que pode mesmo ser necessário ao homem um aprofundamento da velha questão "quem somos, de onde viemos e para onde vamos". Na medida em que a religião pretende que essas perguntas fiquem inteiramente sob sua órbita de influência ou, pior, pretende responder de modo arbitrário a essas indagações, fornecendo nomes, datas, tamanho, modus operandi, endereço, objetivos e idéias da própria entidade conhecida como "o criador", o debate já se justifica.

Só o tamanho absurdo do cosmos, crescendo ao longo das últimas seis décadas (quando foi brutalmente ampliado), depõe, e de uma forma cada vez mais categórica, contra a pretensão humana de ser o centro das atenções do suposto criador desse mesmo cosmos.

Outra resposta possível, mais na esteira do livro de Hitchens, é que a religião, principalmente no Ocidente, firmou-se em bases extremas de ódio. Seis séculos de Inquisição são mais do que suficientes para qualquer religião ter criado seus opositores ferrenhos.

Ao contrário dos europeus, que sofreram diretamente vários flagelos religiosos, o cristão brasileiro não leva tão a sério sua própria fé. "Ouso dizer" (como diz Hitchens) que o o cristão tupiniquim é, geralmente, um despreocupado sem-vergonha. Menos mal. Não frequenta muito a igreja, não se confessa, escolhe no que acreditar, mistura crenças diversas, mantém comércios pessoais com santinhos, conhece a Bíblia de ouvir falar. Em suma, não conhecem bem a religião que professam e ficam meio perplexos com essa "tempestade em copo d'água", promovida por esses autores estrangeiros.

O próprio Leonardo Boff, figura que me parece a síntese do catolicismo brasileiro mais esclarecido ― ameno, humanista e bem-intencionado ―, molha a camisa tentando esclarecer para si e para outros cristãos a realidade da Inquisição, num longo prefácio ao livro mor do Tribunal do Santo Ofício, o Manual dos Inquisidores, usado pela Igreja durante alguns meros séculos. A herança dessa realidade ainda não se dissipou de todo.

Deus parece um tabu. Podemos sentir, em qualquer lugar, o desconforto gerado pela simples menção da divindade. A gente tolera, ainda com razoável simpatia, as expressões tipo "graças a deus" ou "pelo amor de deus" mas, mesmo essas, precisam ser instintivamente dosadas. Seu uso constante não faz bem pra imagem pessoal. Normalmente essas expressões são acompanhadas de rápidos olhares para cima e igualmente rápidas expressões faciais de desamparo. Suportáveis ainda numa tia sabidamente carola, mas não numa pessoa de quem se espera ouvir alguma coisa interessante. Basta alguém olhar para cima e dizer, com convicção, "deus seja louvado" para que a sua próxima frase sofra uma queda enorme no seu percentual de credibilidade.

São razões que talvez não interessem tanto a todo mundo. Ainda que praticamente todo mundo tenha sofrido pelo menos os ecos meio aterrorizantes de palavras cheias de ameaça contra sua integridade física, mental ou espiritual, como queiram. Mas, como diz a Bíblia, "tempo de semear, tempo de colher". E sem colher de chá.

Para ir além






Guga Schultze
Belo Horizonte, 30/1/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A decadência do herói de André Graciotti
02. O leitor que escreve de Ricardo de Mattos
03. Eleição local, disputa nacional? de Vicente Escudero
04. Batom, kichute e literatura de Pilar Fazito
05. Literatura solidária de Marcelo Barbão


Mais Guga Schultze
Mais Acessadas de Guga Schultze em 2008
01. Sobre o som e a fúria - 26/3/2008
02. Dançando com Shiva - 5/3/2008
03. Don Corleone e as mulheres - 24/9/2008
04. Contra reforma ortográfica - 10/9/2008
05. Algumas notas dissonantes - 16/1/2008


Mais Especial Deus tem futuro?
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/1/2008
00h25min
beleza, Guga! você já leu o "Tratado de ateologia", do Michel Onfray? uma obra legal, cheia daquelas ironias corrosivas (às vezes, infelizmente, mesmo arrogantes e maniqueístas, mas no geral é uma ótima leitura). não li o Dawkins nem o Hitchens, mas pelo que li do teu texto, diria que M. Onfray está mais para Hitchens. Abraço.
[Leia outros Comentários de Daniel]
20/1/2008
13h03min
Interessante sua observação sobre o jeito tupiniquim de crer. Não obstante ter uma certa aversão a dogmas, parece que esse livro assume um papel importante, quando há incontáveis outros que pregam justamente o contrário. É preciso que haja mais cientistas que explorem o tema, é preciso que a humanidade se lembre do horror da inquisição, do enriquecimento indecente de pastores, de líderes religiosos, etc, etc à custa da crença ingênua de milhões de fiéis, na busca da salvação de suas almas. Sem devaneios, queria saber como seria o mundo sem a religião. Seguramente, os paradigmas seriam outros. Talvez tivéssemos encontrado respostas para essas perguntas que tanto atormentam o ser humano. A religião retrocede a mente, impede avanços maiores em todos os níveis. Tantos séculos de obscurantismo. Não apenas no Ocidente, mas em todos os lugares do mundo. Delírio seria presenciar um mundo sem religião. dEUs, um delírio.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
2/3/2008
15h26min
Uma questão mui instigante. Muitos preferem não discuti-la: aceitam e pronto. Isso de entender a religião é com os pastores, os padres, o bispo, o papa. A estes, se errarem, o perdão, a recondução ao cargo, um tapinha nas costas. Àqueles, o inferno, o purgatório, o cão em pessoa. Dawkins acerta o alvo quando logo no início diz a que veio: quero te converter ao agnosticismo puro: não creia. Hitchens está na vez. Valeu pela referência a Bertrand, a Hesse, ao Dalmy Gama e ao Franz Griese e, também, a Michel Onfray (valeu, Daniel).
[Leia outros Comentários de Pepê Mattos]
3/3/2008
11h24min
O Guga, quando escreve, deixa resquícios do seu pensamento por bastante tempo. Estou comentando um texto seu de janeiro recém-passado. É que esse assunto me interessa muito, gosto disso, até escrevi um livro, ainda não publicado, como sempre, sobre a intrigante dúvida humana. Penso que religião, política, sexo e outros temas que são feitos tabus, devem sim ser discutidos, analisados e se possível renovados e melhorados. Caso contrário, seremos sempre os acomodados. O Richard Dawkins escreveu um livro bom, apesar de muito longo; outros já falaram sobre isso e estão corretos, precisamos alertar para os grilhões religiosos que nos prendem e nos escravizam, como faz a política. Política e religião são os maiores responsáveis pela escravidão intelectual dos humanos. Em tudo há essas amarras! Acredito, juro, que a Bíblia deveria ser reescrita, tirando o ranço dos ensinamentos errôneos e brutos ditados pelos escritores religiosos, antigos e ignorantes, até pelo tempo em que viveram...
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
18/3/2008
10h59min
Explicar o tal "de onde viemos e para onde vamos" ainda vai render um bocado de dinheiro para os sabidos, que pedem a restituição de parte do que "deus deu a cada crente", para continuar a sua "obra". O livro do Dawkins é imperdivel, assim como este formidável "Ciclone Sobre a Cruz".
[Leia outros Comentários de R Almeida]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Atos de significação
Jerome Bruner
Artes médicas
(1997)



Inflação e Sociedade - Em Apêndice: Inflação na Sociedade Portuguesa
Graham Hutton
Civilização
(1971)



Obstetrícia Fundamental 4ª Edição
Jorge de Rezende Carlos Antonio Barbosa Montenegr
Guanabara
(1984)



Virtude e Aparência
Teixeira Coelho (organização)
Comunique Masp
(2008)



História do Rosto: Exprimir e Calar as Emoções - 1ª Edição
Jean-jacques Courtine & Claudine Haroche
Vozes
(2016)



Cárcere Privado
Elmore Leonard
Rocco
(1999)



Perspectivas Em Fisica Vol 2
Daniel Braz / Reginaldo Tadeu dos Santos
Escala Educacional
(2010)



Primícias do Reino
Divaldo Pereira Franco
Leal
(1987)



Os Assassinos do Buttons Club
Garry Wills
Francisco Alves
(1980)



Pescadores da Tribo - Autografado
Rogério Newton
Pulsar
(2001)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês