Orkut, um sonho impossível? | Daniela Castilho | Digestivo Cultural

busca | avançada
49077 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Orkut

Terça-feira, 7/2/2006
Orkut, um sonho impossível?
Daniela Castilho

+ de 29700 Acessos
+ 24 Comentário(s)

Passei quase dez anos da minha vida trabalhando com internet (e com outras coisas também, mas muito com internet, por causa da febre de novidade que a Rede causou de 1995 até 2001), consto nas agendas de e-mail de pessoas que normalmente tem acesso antecipado às novidades da Grande Rede e foi através de uma dessas pessoas, que estão na rede desde a pré-História, que recebi o meu convite para o Orkut. Fui parar no Orkut mais ou menos uns 45 dias depois que o Orkut tinha sido inaugurado. Eu me lembro bem que a minha reação foi "OK, mais uma ferramenta de internet".

Antes que me chamem de blasé -, e podem chamar, por favor; quando o assunto é internet, eu considero um elogio ser chamada de blasé - deixe-me refrescar a memória de quem já leu meus comentários sobre esse assunto e informar quem ainda não me conhece: não tem como eu não ser totalmente cética e blasé quando o assunto é a Grande Rede, a internet é uma excelente ferramenta de comunicação, mas em todos esses anos eu acompanhei o rápido surgimento e desaparecimento de muitas "febres de internet" para levar qualquer uma delas muito a sério.

Primeiro foi o IRC, depois o ICQ, depois os chats baseados em Java que executavam dentro do navegador, depois o Yahoo Instantâneo e dúzias de outros comunicadores pessoa a pessoa. Hoje em dia, o MSN, como toda praga lançada pela Microsoft, domina o mundo; ainda existem outros comunicadores, mas o MSN se tornou uma espécie de "padrão" pelo marketing virótico que a Microsoft adota como política. Meus melhores amigos, cansados de tentar acompanhar essas "novidades tecnológicas" e cansados de perder tempo em conversas inúteis com estranhos (diariamente aparece um desconhecido no meu MSN, eu deleto), hoje são mais encontráveis via e-mail ou via o bom e velho telefone. Por e-mail, claro, entenda-se que praticamente todo mundo hoje tem Hotmail e Gmail, além de uma conta de e-mail em seu provedor de acesso. Eu, além desses todos, ainda tenho meu e-mail particular, com nome de domínio próprio, mas só forneço o endereço para as pessoas com quem realmente quero falar. Chega de junk mail tentando me vender Viagra ou próteses de silicone.

Primeiro vieram as páginas pessoais, veio a Geocities, o Yahoo, vieram os portais PHP e depois os blogs. Como já disse, eu tenho um nome de domínio meu, onde basicamente deixo um portfolio, um curriculum, minha programação de cursos e meu blog (que anda um pouco às moscas devido à minha atual falta de tempo, já teve dias melhores). Meu blog evoluiu do Blogger para o Movable Type e hoje em dia usa WordPress. Provavelmente em um ano ou dois vai trocar de sistema de novo. Cada uma das páginas pessoais teve sua época de febre também, mas sejamos realistas: para quê tantos sites inúteis que muitas vezes nem tem e-mail de contato? Só para dizer que tem um site (ou blog) e reafirmar sua existência? Meu bookmark já teve mais de 1 mil endereços, hoje eu mantenho uns relevantes 150. O resto é lixo virtual, às vezes até divertido, mas sem nenhuma função prática.

Primeiro vieram as mailing lists, as listas de discussão. Ainda faço parte de algumas listas que usam o sistema da VisualNet, acredito que um dos mais antigos do Brasil. As mailing lists evoluíram para os grupos tipo Yahoo (Meu Deus, alguém aqui usa E-groups? Aquilo funciona? Comigo, nunca funcionou!). Depois vieram os fóruns. Tenho uma conta paga no EzBoard desde 2000, é o melhor sistema de fóruns que já usei. Uso muito também os grupos Yahoo, funciona muito bem.

Primeiro vieram os catálogos de endereço (ou bookmarks), depois vieram as search engines. Pode espantar algumas pessoas, mas o Google nem sempre existiu. Antes do Google, existiram o Altavista, o Yahoo (ainda existem), o Cadê, o Surf (não existem mais) e muitas outras search engines. Literalmente, centenas delas. Um belo dia, nasceu o Google, disposto a devorar o mundo virtual, e funciona muito bem, para desespero de seus concorrentes.

E aí, no belo verão de 2004, veio o Orkut (que, por sinal, é do Google).

Tudo isso que eu escrevi aqui foi para chegar no Orkut. O que é o Orkut? O Orkut é um monstro híbrido de internet que funciona muito mal. O Orkut tem mailing lists limitados muito ruins (vida longa aos Grupos Yahoo), tem um fórum só com funções básicas que também funciona muito mal (continuo usando o EzBoard constantemente), tem uma ficha pessoal que você pode preencher com dados reais, irreais ou surreais (eu coloco reais e surreais) e só. Tudo, mas absolutamente tudo funciona muito mal. O Orkut até foi muito legal no começo, porque como tudo quanto é brasileiro que tem internet aderiu - até porque tem o charme extra de só entrar com convite - e como tinha aquela rixa engraçada de conseguir superar os estadunidenses em número de usuários (conseguimos, mas acho que teve gente roubando, abrindo múltiplas contas para contar mais gente), deu para reencontrar alguns colegas de escola, antigos ex-colegas de trabalho e até uns ex-namorados. Deu para conhecer algumas novas pessoas legais (rapaz, eu até namorei uns tempos um cara super-legal que eu conheci no Orkut), fazer propaganda dos meus cursos durante algum tempo, rever os amigos, brincar nos fóruns mas tudo isso já acabou. A febre praticamente passou e sobrou apenas o monstro híbrido de funções variadas, todas muito ruins.

Confesso que eu entendo a febre em torno do Orkut. Novidade é novidade. Quando foi lançado, muitas empresas ficaram entusiasmadas pela possibilidade de construir cadastros imensos para vender coisas, obter anunciantes e ganhar dinheiro com os usuários e tentaram fazer monstros semelhantes. Outras pessoas desejaram fazer similares que não fossem azul-calcinha ou que funcionassem melhor. Alguns dos "sistemas concorrentes" vieram com sistema de blog adicional (veja Multiply, por exemplo), outros com sistemas de cadastramento complicados e burocráticos, outros muito parecidos de maneira geral, mas desertos de gente (é uma pena que o Node não tenha emplacado, era mais bonitinho) ou que conseguiam funcionar ainda pior que o Orkut. Entretanto, tem coisas para qual a internet já provou que tem vocação e tem coisas que a internet já provou que não funciona e não vai funcionar nunca. Entre as vocações bem sucedidas da internet estão a possibilidade de comunicação rápida a longa distância, facilitar qualquer um montar uma vitrine para seu negócio, colocar material de consulta (ou download) para variados assuntos, montar lojas virtuais, usar e-mail. Entre as coisas que não funcionam, cadastro é uma delas. As pessoas mentem muito na internet. Se cadastram mais de uma vez porque esquecem senhas e perdem e-mails. Mas a maior vocação da internet é mesmo acumular lixo virtual, numa velocidade imbatível. (quem discorda de mim, por favor, visite um desses dois sites, aqui e aqui). E o que é o Orkut? Basicamente um site com um cadastro onde a maior parte das pessoas mente, uma grande parte das pessoas está com tempo desocupado e fica se divertindo em criar polêmicas vazias em fóruns, um monte são spammers, uma outra grande parcela de pessoas está apenas interessada em arrumar sexo para o final de semana, outros abrem o cadastro e abandonam lá porque tem outras coisas mais interessantes para fazer do que ficar batendo boca em fóruns ou mandando spams. Tem de tudo um pouco no Orkut, sim, mas infelizmente, mais coisas inúteis do que coisas úteis. Por que o Orkut é assim? Porque a internet inteira é assim. Porque as pessoas são assim.

O que me parece que nunca podemos esquecer quando conversamos sobre internet é que pessoas são sempre pessoas, não importa se no Brasil ou na China, se pessoalmente, por telefone... ou pela internet. Uma pessoa de mau-caráter continuará sendo mau-caráter seja ela aquele vizinho que você evita até no elevador, aquele colega de trabalho que rouba material do almoxarifado, aquele dono da quitanda que rouba no peso ou aquele carinha que deixou um recado no seu scrap "e aih, tudo bem? Vamux xer amigux?"

A internet não faz você achar pessoas melhores ou piores, apenas faz você achar mais pessoas mais rapidamente. Se, digamos, a população do planeta tiver 30% de pessoas mau-caráter, irá aumentar a quantidade de gente mau-caráter com quem você tem contato quando você entra em contato com 10.000 pessoas do que com 100 pessoas. Simples matemática estatística.

Mas eu entendo a febre do Orkut, como entendo qualquer febre de internet que já aconteceu e ainda vai acontecer. A internet se tornou, desde seu surgimento, a máquina de sonhos do final do século XX e início do século XXI, a nova "corrida do ouro". Sempre que dois seres humanos puderem se comunicar, existirá um deles que irá acreditar que estará conhecendo alguém especial que pode lhe ajudar a realizar os sonhos não-realizados, não importa a natureza desse sonho, se é um emprego melhor, morar numa cidade melhor ou viver um grande amor. Sempre existirá aquele aproveitador que antigamente vendia falso bilhete de loteria ou vendia uma ponte e que agora manda spams com oportunidades milagrosas para ficar rico. Sempre existirá quem sonhe em ganhar em alguma loteria ou encontrar uma mina de ouro. Sempre existirá também uma pessoa bem intencionada que quer fazer amigos, contatos, criar oportunidades ou encontrar boas oportunidades. E sempre que um ser humano puder fazer ficção, qualquer ficção, ele tentará inventar alguma coisa melhor, nem que seja reinventar a si mesmo, montando um perfil no Orkut com uma foto de alguém mais bonito, com uma ficha de alguém mais inteligente, mais culto e mais interessante do que realmente é.

A internet continuará seguindo com sua maior vocação: acumular rapidamente lixo virtual. E eu, da minha parte, continuarei na internet, usando o que funciona bem, deletando o que funciona mal e sempre mantendo cautela, porque pessoas são sempre pessoas.

Nota do Editor
Daniela Castilho (aka DaniCast) é Diretora de Arte e assina o blog MadTeaParty.


Daniela Castilho
São Paulo, 7/2/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite de Jardel Dias Cavalcanti
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
03. Mais espetáculo que arte de Guilherme Carvalhal
04. Metallica e nostalgia de Luís Fernando Amâncio
05. A Mão Invisível de Marilia Mota Silva


Mais Daniela Castilho
Mais Acessadas de Daniela Castilho em 2006
01. Hotmail versus Gmail: nem um, nem outro - 27/3/2006
02. Orkut, um sonho impossível? - 7/2/2006
03. Guimarães Rosa e as aulas do professor Aguinaldo - 10/4/2006
04. Mas afinal, o que é podcasting? - 29/8/2006
05. A difícil arte de fazer arte - 27/10/2006


Mais Especial Orkut
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/2/2006
18h22min
Daniela, muito interessante seu argumento, também acho que a atitude nonchalante é a única saída. Aparentemente, sempre vai haver algum fenômeno nos meios digitais que dará às pessoas uma sensação de euforia, e promessas de realização dos desejos. Se no Brasil esse fenômeno agora aparece no formato do Orkut, na América do Norte a euforia se dá pelo jogo World of Warcraft, onde 40 milhões de pessoas participam todos os dias. Um teórico chamado Arthur Kroker chama esse tipo de fenômeno de "tédio tecnológico": essas euforias se constituem a partir do tédio e da insignificância do cotidiano.
[Leia outros Comentários de Yara Mitsuishi]
5/2/2006
12h42min
Dani... não é por acaso que a gente se conheceu e que eu gosto tanto de você. Você escreve lindo! Sabe sobre o que escreve e sabe como colocar isso às pessoas e pessoas (certo?). Em se falando de orkut, concordo que funciona bem mal, mas para mim que somente tenho amigos e conhecidos reais em minha lista de amigos, é mais interessante ainda do que o msn. As mensagens ficam lá (a não ser que eu as apague)! Fotos, recados, testemunhos, acho tão interessante... Mas como tem gente ruim nesse mundo, ham? Que vem com papos sexuais ou surreais, como você mesma disse. E dá-lhes DELET. Ainda bem que temos essa opção... mas deveria ter também o botão de bloqueio, não é? Assim como para você, linda Dani... a internet me encanta! Descobri muita coisa través dela... cursos que realizei, workshop, filmes, peças teatrais, exposições... e muita pesquisa. Enfim... tem seus lados negativos sim, mas se os positivos não tivessem a força que tem, o que estaria eu fazendo se não digitando tudo isso?
[Leia outros Comentários de Lilian]
6/2/2006
21h44min
Você deixou passar muito bem o seu ceticismo e até um pouco de mau humor em relação ao orkut, aos usuários deste, bem como a internet. Eu pergunto: Vc não acha que a diversão também é válida? Ou vc acha que as coisas devem sempre ser levadas a ferro e fogo nos grupos. Vc tem mais de 300 amigos no Orkut... para que servem aquelas pessoas? Vc escreve bem, mas acho que não refletiu bem sobre o que falou.
[Leia outros Comentários de Florisbela]
8/2/2006
08h38min
É óbvio que eu refleti muito antes de escrever. Até parece que alguém escreveria para uma publicação do porte do Digestivo sem pensar. Quer discordar de mim? Encontre um argumento melhor do que me considerar irresponsável ou inconsequente. Aos 39 anos de vida, 364 pessoas é um número pequeno. Incluem meus familiares, amigos, colaboradores de trabalho, alunos. Minha vida toda está no mundo real. É onde deve estar, é onde vivemos. Não existe vida virtual, o virtual é uma extensão do real – ou é ilusão. Enquanto os solitários procuram diversão na frente de computadores – o que não diminui a solidão de ninguém, porque não substitui abraços, sorrisos, risadas, vozes amigas – a minha diversão sempre esteve e sempre estará no mundo real – cinema, jantares, festas – com pessoas de carne e osso, reais como eu. O Orkut é pobre diversão, só vale a pena com pessoas reais por trás das "figurinhas" adicionadas à lista de "meus amigos". Caso contrário é um mero "ghost in the shell"...
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
8/2/2006
14h43min
Pois eu nao considero uma das minhas melhores amigas um "ghost". Inclusive, no Orkut, eu encontrei pessoas que tem muito mais a ver comigo do que muitos dos meus amigos de carne e osso. E, nao, eles nao sao irreais, eles sao bem verdadeiros. As comunidades me auxiliaram a achar pessoas que compartilham dos mesmos pensamentos que eu. E, assim, eu pude crescer em areas que sempre tive muito interesse mas 'as quais nao tinha acesso... Como grupos contra o racismo e organizoes contra a guerra. Todas as discussoes nessas comunidades me trouxeram um conhecimento enorme, me fizeram crescer e descobrir mais do mundo e de mim propria. Talvez, para voce, tudo que o Orkut poderia trazer de bom, ja' trouxe. Isso, porem, eh somente o seu ponto de vista. Se voce escolher achar que todo mundo que frequenta o Orkut so quer fazer propaganda de seus negocios ou arrumar uma fodinha para o final de semana, isso eh so' o seu mundo. Mas saiba que, pelo Orkut afora, tem gente que encontra muito mais do que isso.
[Leia outros Comentários de Karen Vaccaro]
9/2/2006
00h19min
Como eu disse no meu artigo, existem pessoas boas e bem intencionadas pela internet também. E eu disse também que existem pessoas reais por trás dos nomes. A questão é diferenciar o joio do trigo mesmo. Fiz muitos amigos e contatos através da internet, mas não resumo o meu mundo à internet. E isso é que é importante, porque só a virtualidade não é o suficiente. O tempo irá dizer. Eu acredito que o Orkut, como muitos outros locais on-line, acabará tomado pelo lixo virtual – como já está sendo tomado mesmo.
[Leia outros Comentários de Daniela Castilho]
10/2/2006
08h17min
Compreensível seu pessimismo ante o Orkut, Dani. Não tenho a mesma experiência internética que vc, mas posso afirmar que já pude presenciar dias melhores naquele site. Já houve debates interessantes, que além de nos trazerem informação, divertiam. Ainda existem, mas são microscópicos em relação a maciça quantidade de comunidades e fóruns absolutamente inúteis que só servem de palco para intrigas fúteis. Mantenho uma comunidade sobre a área automotiva que até hoje tem conseguido manter um bom nível de troca de informações e reunido pessoas sérias em torno do assunto. Embora pequena, é a minha "menina dos olhos". Pois certa vez uma criatura atreveu-se a criar um daqueles infames joguinhos orkutianos e imediatamente foi rechaçada pelos demais membros. Isso evidencia a seriedade que nos une, ali. Ainda existe esperança. E esperança, também, de que um dia as crianças – tanto as menores quanto as maiores de 18 anos – enjoem-se do "brinquedo" e deixem o Orkut.
[Leia outros Comentários de Ricardo Takeda]
16/2/2006
12h45min
Daniela, fiquei impressionado de forma positiva com sua exposição sóbria a respeito de relações humanas. Os indivíduos não conseguem lidar com suas neuroses, suas idiossincrasias pessoais na vida real, e acreditam que em sites de relacionamento vão encontrar pessoas perfeitas ou a solução de sua solidão. Quanta ilusão. Acesso a internet desde 1996 e já tive a oportunidade de conhecer "todo" tipo de gente e, como foi muito bem posto por você, pessoas são pessoas, só que no caso virtual há o agravante de que "todos são perfeitos". Isso me faz pensar em uma afirmação de que o ser humano adora ser enganado, adora curtir uma ilusão, caso contrário, não conseguirá ser feliz com a sua realidade. Parabéns pela exposição séria do assunto.
[Leia outros Comentários de Rogerio]
17/2/2006
16h58min
Realmente tem que ser muito ingenuo para achar que alguem eh perfeito, imagine soh todo mundo no orkut :) Mas dizer que a internet nao eh um meio real de se conhecer pessoas no mundo atual eh total alienacao... Inclusive, aqui pelos lados da america do norte, se diz que a forma mais segura de se conhecer alguem eh na internet (alem de pratica, afinal vc pode descartar de cara coisas que nao combinam com voce). Por experiencia propria, posso dizer que nunca achei meu marido uma pessoa perfeita e nem ele a eu, mas sim nos nos conhecemos na internet ha' 8 anos e temos um lindo filho de 7 anos. Vale tambem comentar que, morando fora ha' 12 anos, reencontrar meus amigos do Brasil foi uma das coisas mais emocionantes que a vida me trouxe. Deixe o pessimismo pra la'... A vida eh como voce a ve!
[Leia outros Comentários de Karen Vaccaro]
19/2/2006
00h37min
Muito bem, eu a parabenizo, Karen, por teu feliz matrimônio e que isso tenha sido possível graças à Rede Mundial. Mas deixe-me esclarecer que alienação, como tu o disseste, refere-se a alguém obtuso, de visão estreita, que não tenha ponderado a respeito da emissão de uma opinião embasada em experiência pessoal e de observação de algumas dezenas de usuários. Quero chamar-lhe a atençao que expressei minha opinião a respeito do "conteúdo" dos ali presentes, pois, infelizmente, até que, algumas mal avisadas, consigam descobrir se o "Don Juan" é o que diz ser, poderá ter caido no conto do vigário ou ter alguns problemas. O fato é que a exposição em excesso só satisfaz o ego de indivíduos que sentem a necessidade de serem vistos e, em segundo plano, serem encontrados ou localizados. Quero dizer-te que não ajo de forma pessimista, mas cautelosa e prudente, pois escancarar minha vida, a pessoas que nem imagino, não me agrada. "Sempre pensei que a vida fosse o que fazemos dela..."
[Leia outros Comentários de Rogerio]
20/4/2006
12h06min
Oi... achei bem interessante seu comentário... Eu me excluí do orkut justamente por achar uma coisa não necessária pra mim. Acho que a internet realmente têm coisas mais legais e interessantes para pesquisarmos. Esta febre de orkut está mais para falsidade do que outra coisa... No começo até eu fiquei viciada em ver pessoas do passado e etc. mas já passou e percebi que orkut é coisa de quem não têm mais o que fazer. Vc se expõe demais e á toa.
[Leia outros Comentários de Marina]
6/5/2006
16h34min
ola, eu ja' excluí contas de msn, orkut, e-mail e ja' criei outras nem sem o quanto, justamente por frustrações por causa da internet... entrava no orkut, msn e conversava com pessoas desconhecidas e ate' mesmo conhecidas e me apegava demais a essas pessoas, contava coisas da minha vida pra elas, ja' fiz amizades verdadeiras na internet mas tbm tive muitas decepcões, perdi meu emprego por causa da net, e agora ja' estou mais recuperado dessse vicio da net. um abraço pra vc e parabens pela materia. manda resposta pra mim, ta'?
[Leia outros Comentários de Galvan]
2/7/2006
23h30min
Maravilhoso esse texto! Como alguem consegue escrever algo tão bom de ser digerido pelos olhos? Encontrar textos como esse é bem difícil ultimamente! Parabéns, realmente! =D
[Leia outros Comentários de Lucas Macedo]
28/8/2006
12h50min
Interessante o texto, apesar de chover no molhado. Qualquer pessoa com um mínimo de discernimento já sabe que a internet nem sempre é o que parece. Logicamente, como "moça antenada" que é (e como fez questão de deixar claro em vosso texto), vc "ficou" no Orkut durante o "tempo necessário". Só acho que você se esqueceu de dar a devida importância justamente àquele encontro com o velho colega de escola, ou com aquele amigo que desapareceu há tempos. Isso pode ser secundário para você, garota antenada e atualizada que é, mas significa muito para uma boa parcela da população. Quando seu texto começa a cair no lugar comum da crônica (e da postura) brasileira, que é justamente criticar tudo sem propor "solução" alguma, aí desanimei. Infelizmente, sempre haverá divergências, assim o meu passatempo é e sempre será muito melhor do que o seu (e vice-versa). Vc não é blasé. É muito moderna. Abraço!
[Leia outros Comentários de harley]
13/9/2006
09h42min
Seu texto está ótimo. Concordo 100% com você: Orkut é para que não tem o que fazer. Para mim é para pessoas vazias... pessoas que poderiam fazer outras coisas mais úteis, como ajudar o próximo e não tentar "ver o passado" ou preocupar-se em criar laços amorosos, dicussões inúteis etc. Aliás vc foi perfeita nesta parte do texto. Parabéns por se mostrar uma pessoa esclarecida quanto à internet e ao Orkut. Um abraço sincero!
[Leia outros Comentários de alex]
15/9/2006
15h14min
Daniela, depois de ler as críticas negativas que alguns escreveram aqui, concluo: eles não compreenderam sua reflexão. Parabéns pelo texto!
[Leia outros Comentários de Aline]
17/9/2006
20h28min
Gostei muito do que tu escreveu. É verdade, tudo isso. Eu estava no Orkut e saí, por causa das pessoas. Vou entrar no Orkut de novo pois, agora, terei com quem falar: pessoas que conheço estão lá. No Orkut, as pessoas te ignoram por tu não ter foto ou não estar lá atrás de homem... Nunca era adicionada nas comunidades em que entrava. Vou passar a freqüentar este site.
[Leia outros Comentários de Débora Dias Cardozo]
19/9/2006
16h14min
Como eu sou usuário do Orkut, uso-o para comunicação com alunos e amigos, não me importo em receber novos amigos que ainda não conheço, porque pessoalmente não estou em todos os lugares, mas tenho certeza de que meu caráter e conhecimento tornaria aquela pessoa um novo amigo. Também uso o Orkut para trabalho pois tenho uma comunidade de Excel para a troca de ideias. E foi pelo Orkut que descobri amigos virtuais, há meses mantendo contado, o que os torna da família, e sua falta me faria sofrer muito. Estou há 5 anos com um site que era do tempo do HPG, e que o mantenho apenas porque gosto de ervas medicinais. Sou contra condenar a tecnologia da Internet em todos os sentidos, visto que algum fruto ela propicia; alguém sempre terá satisfação e algum desejo realizado. Parabéns pelo teu ponto de vista, mas pelo meu, espero que o Orkut nunca mais acabe porque ainda tem pessoas de coração...
[Leia outros Comentários de Jacques Serafini]
19/9/2006
16h53min
Concordo quando diz que perdeu a graça! Eu, como a maioria das pessoas, já fui viciada no tal do Orkut... Fiz o meu cadastro e não parava de encontrar pessoas da minha infância, familiares que estão longe e até reatei amizades distantes pelo site. Até hoje encontro, porém... O que acho muito mal no orkut são as mulheres/homens vulgares, que ficam mandando scrap maldoso para seu namorado(a) querendo acabar com a sua vida amorosa. Fora as pessoas invejosas que ficam xingando através de scraps... Isso é muito ruim! Outra coisa muito ruim são os inumeros vírus e clonagens... Como não temos como banir essas coisas, acabamos abandonando nosso perfil, pois, o Orkut virou, de certa forma, baixaria... Fez perder a graça!
[Leia outros Comentários de Mariana]
5/10/2006
13h41min
É engraçado! No início era até legal... Era "cool"... Quase ninguém tinha e isso era que dava realmente a graça, saber que estávamos em um grupo restrito. Que, aliás, não passa também de pura infantilidade de nossa parte... rsrs Mas de qualquer forma, essa exposição e vulgarização das informações, se tornou algo tão popular como piercing no umbigo na praia, clichê. Fechei meu perfil e abri no Myspace porque não aguentava mais aquele ciclo de "amigos" sempre mandando mensagens inúteis, das quais, estou sobrevivendo muito bem. Acho que é necessária a exclusão do perfil. Você ficar do lado de fora e avaliar a real necessidade e utilidade dessa comunidade virtual. Putz... Você começa vendo um fulaninho que não via há anos e aquele outro e a outra que está casado e tal tal tal... Pô, meu intuito nunca foi - nem é - ficar bisbilhotando nem ser bisbilhotada. O intuito era apenas compartilhar cultura, informação e sentimento. E, sinceramente, o Orkut se tornou uma central de fofoca.
[Leia outros Comentários de Maristela]
20/10/2006
13h27min
Daniela, você está com a razão. O Orkut não passa de uma ferramenta passageira que pode trazer alguns auxilios, mas tende a ser um mero reflexo do mundo real, incapaz de satisfazer os nossos desejos mais preementes e verdadeiros. Se quisermos participar de debates interessantes, que sirvam para ampliar nosso conhecimento e tornar a nossa vida mais rica, dificilmente será no Orkut que encontraremos isso. Se não estiver ancorado no mundo real, como você bem coloca, o Orkut não passará de uma sombra, caverna de Platão, onde muitos internautas tendem a perder tempo e difundir para milhares de pessoas suas indiossicrasias. Sintetizando: o orkut é uma ferramenta um pouco vantajosa para aqueles que sabem filtrar seus contatos e buscam reencontrar velhos amigos e um grande lixo virtual, palco de fofocas e de desocupados, para aqueles que nas horas de solidão preferem perder tempo na internet ao invés de ler um bom livro ou fazer qualquer coisa mais útil.
[Leia outros Comentários de Diogo]
29/11/2006
12h30min
Daniela, é preciso realmente se aportar ao Conhecimento para dominar a Vida dentro ou fora do Real. Adorei ler o seu artigo. Texto leve, sério e bem abrangente. Até outubro de 2006, não tinha "profile" no orkut. Hoje tenho satisfações "pastiche" nas relações humanas, em todos os meios e canais de comunicação existentes no universo on-line e nas ruas da minha cidade. Uso a tecnologia somente no sentido prático, sobrevivendo da pesquisa diária. Afinal, vivemos na era pós-moderna. Guardo ainda uma enorme repugnação a este tédio tecnológico, gerador de "lixo virtual", bem como de todo o lixo cultural presente às nossas lentes... Portanto, discernir e digerir é muito mais importante do que consumir em tempos de internet! Um Forte Abraço
[Leia outros Comentários de cleisson sato]
26/8/2008
08h36min
Dani, como tudo no mundo, a internet tem seu lado bom e seu lado ruim, depende do ponto de vista. Depois que entrei no Orkut encontrei muitas pessoas com quem eu jamais teria contato novamente, e isso foi muito bom pra mim, assim como para as outras pessoas que também me encontraram lá. Respeito a sua opnião, mas, para mim, o Orkut é perfeito!
[Leia outros Comentários de Ana Beatriz]
7/5/2009
10h16min
Já estamos em 2009 e desde que escrevi aqui sobre o assunto o Orkut continua bombando. Cada vez mais útil, no meu ponto de vista, porque agora temos comunidades de Corel, Photoshop e tanto material educativo. Sem contar naquelas comunidades onde você vai pedir dicas de Windows e outros que ajudam a resolver problemas... Uma coisa é certa, tecnologia do computador é para quem gosta de pensar e tem paciência. É como estudar para o resto da vida, sempre tem novidade e você sempre tem que pensar e sempre tem desafio... Nenhum lugar tem isso de forma dinâmica e animada como nesta tecnologia. Orkut é so mais uma entre tantas ideias que permitem a pessoas comuns (se) expor sem pagar muita taxa... Parabéns ao Google por ser genial em tudo que faz. Se você não curte Orkut, compre um BIP e aguarde os recados!
[Leia outros Comentários de Jacques serafini]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CASAIS MONTEIRO E RIBEIRO COUTO - CORRESPONDÊNCIA
RUI MOREIRA LEITE (ORG.)
UNESP
(2016)
R$ 46,90



CAMINHOS CRUZADOS CRÓNICAS
ORLANDO DE ALBUQUERQUE
APPACDM
(1998)
R$ 27,70



DOUBLE CROSS
PHILIP PROWSE
CAMBRIDGE
(1999)
R$ 7,90



O PAÍS DAS MONTANHAS
JAIME BAILLIE
CLUBE DO LIVRO
(1970)
R$ 5,00



O GUIA OFICIAL DO DISNEY CLUB PENGUIN VOL. 1
KATHERINE NOLL
MELHORAMENTOS
(2010)
R$ 4,00



A DÉCIMA NOITE
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 8,90



TEORIA E PRATICA DA SENTENÇA TRABALHISTA
EMMANUEL TEOFILO FURTADO
LEIDITATHI
(2008)
R$ 12,49



O INICIADO - DRAMA CÓSMICO MAÇONICO
ÉLCIO SOUTO
MADRAS
(2001)
R$ 25,00



A MONTANHA DOS LAGARTOS DE OURO
RENATO CHAGAS
FTD
(1993)
R$ 8,00



SOCIOBIOLOGIA: SENSO OU CONTRA-SENSO?
MICHAEL RUSE
USP
(1983)
R$ 16,00





busca | avançada
49077 visitas/dia
1,4 milhão/mês