O Nobel de Tranströmer | Luiz Rebinski Junior | Digestivo Cultural

busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Jeanette Rozsas
>>> Mais Kaizen
>>> O Cabotino reloaded
>>> Deleter
>>> O roteirista profissional: televisão e cinema
>>> Clínica de Guitarra de Brasil
>>> Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum
>>> Circo Roda Brasil
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> O corpo-reconstrução de Fernanda Magalhães
Mais Recentes
>>> Um Ano Para Enriquecer de Napoleon Hill pela Record (1998)
>>> Leituras De Escritor de Moacyr Scliar pela Sm (2015)
>>> Formaciones Económicas Precapitalistas de Carlos Marx pela Anteo (1973)
>>> A Revolução das Bonecas de José Carlos Oliveira pela Sabiá (1967)
>>> Por Que Ninguém Me Disse Isso Antes?: Ferramentas Para Enfrentar Os Altos E Baixos Da Vida de Julie Smith pela Mixfly (2022)
>>> O Positivismo Jurídico: Lições Da Filosofia Do Direito de Norberto Bobbio pela Icone (1995)
>>> O Falecido Mattia Pascal de Luigi Pirandello pela Civilização Brasileira (1971)
>>> Inovaçao: A Arte De Steve Jobs de Carmine Gallo pela Lua De Papel (2010)
>>> Illustrated Directory Of Guitars de Ray Bonds pela Barnes & Noble (2006)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Amar e Ser Amado de Pierre Weil - Roland Tompakow Ilustrações pela Civilização Brasileira (1965)
>>> Manual De Introdução Ao Estudo Do Direito de Rizzatto Nunes pela Saraiva (2009)
>>> Maneiras De Amar - Como A Ciencia Do Apego Adulto Pode Ajudar Voce A Encontrar ¿ E Manter ¿ O Amor de Amir Levine pela Sextante (2021)
>>> Guia Atemporal Das Noivas Com Estilo de Carol Hungria pela 3R Studio (2018)
>>> Os Cinco Príncípios Essenciais De Napoleon Hill de Napoleon Hill pela Citadel Press (2022)
>>> Os Dez Mandamentos Da Etica de Gabriel Chalita pela Nova Fronteira (2003)
>>> O Quarto Em Chamas de Michael Connelly pela Suma (2018)
>>> Dinamite Mental de Napoleon Hill pela Citadel
>>> Venda À Mente, Não Ao Cliente de Jurgen Klaric pela Planeta Estrategia (2017)
>>> Processo Decisório de Max H. Bazerman pela Elsevier (2004)
>>> O que é leitura de Maria helena martins pela Brasiliense (1982)
>>> Atriz de Mônica de castro pela Vida E Consciencia (2009)
>>> Trilhando a linha do tempo da reforma de Aecep pela Aecep
>>> Reflexões Sobre a Vaidade dos Homens de Matias Aires pela Martins (1966)
>>> Infinitos de John Banville pela Nova Fronteira (2011)
COLUNAS

Quarta-feira, 9/11/2011
O Nobel de Tranströmer
Luiz Rebinski Junior
+ de 3000 Acessos

Um modo bastante eficiente de camuflar a ignorância é desqualificar àquilo que se desconhece. É mais ou menos assim que a imprensa brasileira agiu quando o sueco Tomas Tranströmer, um grande azarão segundo nossos especialistas, mas uma barbada nas casas de apostas europeias, ganhou o Prêmio Nobel de Literatura de 2011. Claro, é muito mais fácil falar daquilo que se conhece, por isso dá-lhe Philip Roth, que, ao que parece, vai sair dessa vida sem a condecoração e o chequinho em euros que a acompanha. Não porque não mereça, claro, pois o homem é um dos grandes de nosso tempo, mas porque seu país não é visto com bons olhos pelos chefões do Nobel, que sempre recorrem ao hermetismo editorial dos EUA para varrer pra debaixo do tapete a brilhante trajetória do criador de Nathan Zuckerman. Mas claro que isso não tem nada a ver com literatura, é apenas política. São especulações divertidas, como aquelas discussões pré-clássico, em que todos fazem suas apostas no time do coração.

Foi divertido ler alguns textos pré-certame, explicando por que certos autores não ganhariam o Nobel. Thomas Pynchon nunca levará, diziam alguns de seus fãs, porque o homem não apareceria para buscar seu checão, mandando certamente a mulher pegar a grana, que com certeza faria uma boa diferença no orçamento da família. Então, deixando o senhor Pynchon relegado às participações esporádicas nos Simpsons, a Academia não correria o risco de levar outro balão, como em 1964, quando foi humilhada pelo zarolho Sartre, que não apareceu para receber a homenagem. Outra vez a política ideológica varrendo a literatura para os cantos.

Pois bem, no tabuleiro literário da Academia, o nosso nobre continente, tão fértil em grandes escribas, também ficaria para depois. Com o prêmio de Vargas Llosa em 2010, vamos ter que esperar mais algumas décadas, ou até alguém escrever o novo Cem anos de solidão, para levar a honraria. Assim como qualquer prêmio literário, o Nobel também não tem muita lógica, então não dá para tomar a sua lista de ganhadores como uma bíblia da boa literatura mundial. Mas era possível perceber nas entrelinhas, o riso de escárnio de nossos literatos ao citar a nota da Academia para explicar a escolha por Tranströmer, que com "suas condensadas e translúcidas imagens, nos dá um novo acesso à realidade". Tá certo que a frase aí poderia estar em algum tratado surrealista, saído da pena do senhor Breton ou dito em uma mesa de algum bar catalão pelo bigodinho Dali, mas a maneira como foi citada pelos jornais foi sintomática de nossa arrogância.

"Quem é esse tal de Tranströmer?", era a pergunta que ecoava até mesmo nos textos que tentavam dizer quem era o velhinho "que surgiu do nada". Bem, do nada partimos nós, não os cinquenta países por onde a poesia do bardo sueco já andou. Que culpa tem o homem se apenas um de seus poemas chegou aqui, escondido em uma coletânea de versos que poucos leram? O castigo é nosso, que passamos longos anos sem ter conhecimento de um poeta que, se acreditarmos no bom gosto da Academia sueca, deve ser muito bom. Assim como não conhecíamos a senhora Wisława Szymborska, Nobel de 1996, que só agora tem um livrinho publicado entre nós. Foi preciso que uma professora da Universidade Federal do Paraná passasse uma temporada na Polônia para nos trazer a poesia da dona Szymborska, que não perde tempo e ri da própria falta de populariadade em um dos poemas do livro publicado recentemente pela Companhia das Letras: "Alguns -/ ou seja nem todos./ Nem mesmo a maioria de todos, mas a minoria./ Sem contar a escola onde é obrigatório/ e os próprios poetas/ seriam talvez uns dois em mil." Regina Przybycien, a tradutora responsável pela boa ação, fez de uma questão pessoal - o aprendizado da língua dos antepassados - o mote para reparar uma lacuna de nosso mercado editorial - e com isso diminuiu a nossa vergonha, descendentes de polacos que sequer sabíamos da existência da conterrânea ilustre. E é assim que muitas vezes as coisas se resolvem no inesgotável mar literário. Nem o mais dedicado dos críticos, o mais atento e poliglota, poderá conhecer todos os poetas, contistas ou romancistas do mundo. Então, a melhor saída é sempre a humildade em reconhecer que somos pequenos diante da grandiosidade da literatura.

Se não conhecemos os grandes escritores da África ou Ásia, pior para nós. Assim como devemos agradecer - e não lamentar - que apenas nós conhecemos a fundo escritores como Dalton Trevisan e João Guimarães Rosa. Pior para quem não conhece, para quem nunca vai saber da existência de Lima Barreto, João Antonio, Marçal Aquino e Sergio Sant'Anna. Só nos sobra a compaixão pelo editor do New York Review of Books, que não vai ler nossos escritores e, por consequência, seus leitores não vão conhecer a obra dessas figuras sensacionais de nossa literatura. Esses leitores vão continuar lendo o que os escritores da América têm a falar sobre a América, alimentando a ideia de que ilhota de Manhattan é o umbigo do mundo. Então, o Nobel para o senhor Tranströmer foi uma boa oportunidade para nos lembrarmos de que há vida literária para além da língua inglesa, cuja predominância em nossas estantes é inegável.


Luiz Rebinski Junior
Curitiba, 9/11/2011

Mais Luiz Rebinski Junior
Mais Acessadas de Luiz Rebinski Junior em 2011
01. Dostoiévski era um observador da alma humana - 7/12/2011
02. O beatle George - 23/2/2011
03. Os contistas puros-sangues estão em extinção - 4/5/2011
04. O mistério em Thomas Pynchon - 22/6/2011
05. O negócio (ainda) é rocão antigo - 20/4/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Nirvana
George S. Arundale
Pensamento
(1993)



A procura do feminino
Marisa Sanabria
Idéias & Letras
(2005)



A Iara em Os seixos encantados 583
Jorge Saad
Ftd
(1997)



Direito de Familia - Vol 2
Carlos Roberto Gonçalves
Saraiva
(2003)



Pedagogia Científica
Maria Montessori
Flamboyant
(1965)



Era Clássica
A. Soares Amora
Bertrand Brasil
(2001)



Portugal A Missão que Falta Cumprir
Eduardo Amarante
Nova Acrópole
(1994)



Livro Esoterismo O Caminho da Energia domine a arte chinesa da força interior com exercícios de Chi Kung
Mestre Lam Kam Chuen
Manole
(1991)



Mc Fly Unsaid Things... Nossa Historia
Tom Fletcher / Danny Jones / Harry Judd / Dougie P
Best Seller
(2013)



Pensar Sobre a Alimentação á Base de Carne e a Paz Mundial II
Seicho no Ie
Seicho no Ie





busca | avançada
79202 visitas/dia
2,3 milhões/mês