Realeza | Daniel Bushatsky | Digestivo Cultural

busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> Hells Angels
>>> Entre criaturas, amar?
>>> Chris Hedges não acredita nos ateus
>>> Semana de 22 e Modernismo: um fracasso nacional
>>> O cérebro criativo
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
>>> Da Teoria para a Práxis
>>> Quem ri por último, ri melhor?
Mais Recentes
>>> Aprendendo a Lidar Com a Morte de Forma Saudável de Sonia Cerato pela Clube De Autores (2019)
>>> Muito Mais Que o Acaso de Athos Briones pela Autêntica (2016)
>>> O Guia de Vampiros para Mulheres de Barb Karg pela Gutenberg (2009)
>>> Desejos Digitais - uma Análise Sociológica da Busca por Parceiros Online de Richard Miskolci pela Autêntica (2017)
>>> Entre o Sensível e o Comunicacional de Bruno Souza Leal, César Guimarães pela Autêntica (2010)
>>> Antonio Flavio Barbosa Moreira - Pesquisador Em Currículo de Marlucy Alves Paraíso pela Autêntica (2010)
>>> Aprendendo Valores Éticos de Márcia Botelho Fagundes pela Autêntica (2007)
>>> O Que Te Faz Mais Forte de Jeff Bauman pela Vestigio (2017)
>>> Falando de Política de William Gamson pela Autêntica (2011)
>>> Ser Historiador no Século XIX de Temístocles Cezar pela Autêntica (2018)
>>> Dominando 3Ds Max 6 de Ted Boardman pela Ciencia Moderna (2004)
>>> Smashing Jquery de Jake Rutter pela Bookman (2012)
>>> Photoshop - Photoshop Para Quem Nao Sabe Nada De Photoshop Vol. 2 de Paula Budris pela Atica (2021)
>>> Vinte Anos e Um Dia de Jorge Semprún pela Companhia das Letras (2004)
>>> O longo amanhecer: reflexões sobre a formação do Brasil de Celso Furtado pela Paz e Terra (1999)
>>> O homem, que é ele? de Battista Mondin pela Paulus (2011)
>>> O Anjo Digital de Joubert Raphaelian pela Mensagem para todos (2004)
>>> Pânico no Pacífico de Pronto pela Autêntica (2014)
>>> História & Fotografia de Maria Eliza Linhares Borges pela Autêntica (2007)
>>> Alfabetizar Letrando na Eja de Telma Ferraz Leal, Artur Gomes de Morais pela Autêntica (2010)
>>> Cronistas Em Viagem e Educação Indígena de Nietta Lindenberg Monte pela Autêntica (2008)
>>> Mil Coisas Podem Acontecer de Jacobo Fernández Serrano pela Autêntica (2012)
>>> Passageiro Clandestino de Leonor Xavier pela Autêntica (2015)
>>> Rua do Odéon de Adrienne Monnier pela Autêntica (2017)
>>> Zz7--48--o ultimo tentaculo-2--394--perto da babilonia--11--os carrascos do vietna--162--operaçao impacto. de Lou carrigan pela Monterrey
COLUNAS

Segunda-feira, 16/5/2011
Realeza
Daniel Bushatsky

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

É impressionante como alguns assuntos despertam a atenção da população e da mídia e depois caem no esquecimento. Outros, mesmo que importantes e que despertem reflexões sobre a cultura de determinado país, não são noticiados como deveriam.

Dois bilhões de pessoas assistiram o casamento da família real mais importante do mundo. Uma plebéia casando com um príncipe. O povo se igualando à nobreza.

O que mais me despertou a atenção neste casamento não foi a beleza de Kate, ou melhor, Duquesa de Cambridge Catherine, ou seu vestido de renda, e sim a organização do evento e a educação do povo. Mas que povo nobre, não?

Nada saiu errado. Eu, certamente, teria esquecido algum dos rituais ou teria chegado atrasado à igreja, se tivesse sido convidado. Já os convidados e o povo, não! Estavam em seus lugares, na hora e momento certos, para o cotejo da Família Real. A pontualidade suíça, digo, britânica!

O casamento real foi uma prova do que o Brasil não conseguiria. A logística, perfeita! Sem falar na limpeza da cidade, deslumbrante! Tudo de tirar o chapéu!

Pelo lado da educação, nem se fala. As pessoas não atrapalharam o trânsito, não invadiram a igreja, não fizeram manifestações, ou seja, respeitaram a festa e sua simbologia, em um mundo sem reis! Ou melhor: em um mundo que rei é jogador de futebol, traficante ou multimilionário com assessora de imprensa.

Nem os holligans e os anarquistas de plantão quiseram jogar um tomate no príncipe e na plebéia.

Mas a educação não parou nestes fatos. Alguém reparou que ninguém quis chamar mais atenção do que a noiva? Não houve discursos políticos (nenhum chefe de Estado foi convidado, salvo o Primeiro Ministro Inglês), nem mulheres de branco! Notável, não?

Certamente aquela expressão "só para inglês ver", originada da lei promulgada em 1831, pelo Governo Regencial, na época em que Dom Pedro II ainda era menor de idade ― que prescrevia que os africanos que chegassem aos portos brasileiros seriam livres e não escravos, seguindo a nova política inglesa, e que hoje significa tanto leis que só existem no papel, como também qualquer outra coisa feita apenas para preservar as aparências, sem que efetivamente ocorra ―, não cabe para definir esta festa de organização e educação!

O outro evento que somente alguns viram, pelo menos no Brasil, foi o jantar anual entre o presidente americano e os jornalistas. Primeiramente, o jantar mostra que mesmo o homem mais poderoso do mundo pode jantar e conversar com quem divulga a democracia. Poderíamos adotar isto no Brasil, feitas as adaptações necessárias.

Mas não é isto que me interessa no momento. No jantar, Obama fez algo impensável para os padrões brasileiros de "educação" e "política": tirou sarro da provocação feita por Donald Trump, de que sua certidão de nascimento não era americana. Para tanto, disse aos convidados que iria mostrar o vídeo de seu nascimento. Os telões desceram, as câmeras de reportagem focaram no telão e no bilionário de topete, que possui poderosa assessoria de imprensa e que foi convidado ao jantar e passou o famoso trecho de nascimento de Simba, do filme O Rei Leão, da Disney. Para completar a resposta, o presidente americano colocou uma foto de como seria a Casa Branca caso Trump vencesse as eleições: dourada, com cifrões e mulheres, tudo muito cafona!

Trump corou! Obama, simpaticamente e educadamente, respondeu, implicitamente, que fazer política não é lançar falsos boatos e, sim, propostas sérias! É, temos muito que aprender!

Os dois reis do mundo, Rei Obama e Rainha Elizabeth, mostram que para um país ser de primeiro mundo, expressão ultrapassada, é verdade, precisa-se de muito mais do que PACs e Bolsa-família, o importante é organização e educação.

É necessário que seja possível criticar e ser criticado, sem que cada fato vire ofensa pessoal. É saber fazer humor mesmo com acusações insolentes, no caso de Obama. Isto é um povo mais desenvolvido, capaz de entender o humor, algo que precisa de inteligência e desenvolvimento cultural. Aqui já teria virado ação judicial!

Já no caso de William, é saber de sua importância, não obstante 46% da população, segundo pesquisa do jornal Guardian, dizer que não tem interesse no evento. O príncipe não perdeu a pose e junto com sua esposa foi sempre simpático, solícito e pronto para um aceno e um sorriso, mesmo com o sistema monarca questionado e o simbolismo exagerado, mas necessário para o show do casamento.

O mais importante dos eventos acima é que os soberanos souberam o seu lugar no mundo, sua importância e deram o exemplo para bilhões de pessoas! Não é isto que se espera dos reis?

Isto que é educação real!

Espero que ninguém se esqueça: viva a realeza!


Daniel Bushatsky
São Paulo, 16/5/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. São Paulo e o medo no cinema de Elisa Andrade Buzzo
02. O sublime Ballet de Londrina de Jardel Dias Cavalcanti
03. A firma como ela é de Adriane Pasa
04. Só uma descrição de Eugenia Zerbini
05. Todas as Tardes, Escondido, Eu a Contemplo de Duanne Ribeiro


Mais Daniel Bushatsky
Mais Acessadas de Daniel Bushatsky em 2011
01. Plágio - 4/4/2011
02. Felicidade - 14/2/2011
03. Souza Dantas, Almoço e Chocolate - 4/7/2011
04. O que queremos do Natal? - 21/11/2011
05. Preconceitos - 14/3/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/5/2011
10h32min
Realeza é realeza... Plebe é plebe! Exemplo de pura civilidade! Um povo, apesar de contestador, que respeita os costumes de seu país; não suja, não pertuba a ordem em um dia desses, o casamento dos seus príncipes. Dizem que a educação vem do berço... e é a pura verdade! Talvez o berço dos países mais em baixo, da ponta sul, seja menos 'nobre', mais esculhambado, mais empobrecido com a cultura pobre e bruta dos colonizadores das Américas Sulinas. Por isso alguns moradores 'mais limpinhos' de São Paulo, por exemplo... não querem Estação de Metrô nas suas portas... estação no Brasil representa sujeira, vendedor de paçoquinha, churrasquinho de gato, pipoca e afins... infelizmente! Metrô em países mais nobres não tem 'estação suntuosa e cheia de fricotes'... é só uma 'escadinha descendo para a própria'... não pertuba e nem deixa ninguém sujar, urinar na porta, jogar suas imundices... e nivelar tudo por baixo. E não sou contra Metrô, não!!! Só contra a sujeira que nos delegam!
[Leia outros Comentários de I. Boris Vinha]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Public Relations Writing: the Essentials of Style and Format
Thomas H. Bivins
Mcgraw-hill College
(1998)



Réussir À L International: Toutes Le Clés Pour Developper Sa
Jean Rauscher
L Entreprise
(2009)



Cursos de Noivos Palestras , Dinamicas e Orintacoes Praticas
Gervasio Fabri dos Anjos
Santuário



O Baile das Solteironas Vol 3 - os Militares no Poder
Carlos Castello Branco
Nova Fronteira
(1979)



Tecnologias e Modos de Ser no Contemporâneo
Solange Jobim e Souza e Márcia Moraes
Puc Rio; 7 Letras
(2010)



Crise do Estado e Retomada do Desenvolvimento
João Paulo dos Reis Velloso - Coordenador
José Olympio
(1992)



Engrenagens da Fantasia: Engenharia, Arte e Convivência
Hamilton Moss de Souza
Bazar das Ilusões (rj)
(1989)



Les Troubles de La Voix et Leur Rééducation
C. Dinville
Masson
(1981)



Áurea
Daniela Oliveira
Nova Letra (blumenau)
(2013)



O Caminho de Nostradamus
Dominique e Jérôme Nobécourt
Ponto de Leitura
(2011)





busca | avançada
70522 visitas/dia
2,6 milhões/mês