Google: utopia ou distopia? | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
74982 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Aparecida Criativa surge para transformar a produção cultural de Sorocaba
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário celebra presença da literatura nas artes
>>> Com 21 apresentações gratuitas, FLOW Literário aborda multi linguagens da literatura
>>> MASP, Osesp e B3 iniciam ciclo de concertos online e gratuitos
>>> Madeirite Rosa apresenta versão online de A Luta
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Marchand da resistência
>>> Evasivas admiráveis, de Theodore Dalrymple
>>> Cinema em 2002
>>> Ser intelectual dói
>>> Eu não pulei carnaval
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Grüβ Gott
>>> Blogs vs. sites de notícias
Mais Recentes
>>> Livro Didàtico Positivo de Luiz Carlos Prazeres pela Positivo (2017)
>>> Matemática e Cidadania Multicurso Ensino Médio Primeira Série de Leonarda Musumeci et al pela Fundação roberto marinho
>>> A marca de uma lágrima de Pedro Bandeira pela Moderna (1984)
>>> Aula a aula português de Genivaldo Salgado pela Vestcon (1999)
>>> 40 Manual de redação de Rocha Lima e Raimundo Barbadinho Neto pela Fae (1987)
>>> 39 Técnicas de Redação I de Conceição de Maria Oliveira pela S2 gráfica (2004)
>>> Português instrumenta para provas e concursos de Marcelo Paiva pela Fortium (2006)
>>> A vida de Canção de Fogo e o seu Testamento de Leandro Gomes de Barros pela Não informado
>>> A vida de Canção de Fogo e o seu Testamento de Leandro Gomes de Barros pela Não informado
>>> Chico Xavier - o Médium o Mito - Coleção Especial de Geek pela Geek (1989)
>>> Qualidade Em Prestação de Serviços de Franscisco Flávio de A. Rodrigues - Maria Leonor pela Senac (1997)
>>> A Viagem do Descobrimento - a Verdadeira... de Eduardo Bueno pela Objetiva (1998)
>>> A Origem das Espécies - Tomo III de Charles Darwin pela Escala (2008)
>>> Almanaque do Pensamento - o Mais Completo Guia Astrológico de Almanaque do Pensamento - 1995 pela Almanaque (1995)
>>> Camisas do Futebol Carioca de Auriel de Almeida pela Maquinária (2014)
>>> O Paraíso - de Adão e Eva às Utopias Contemporâneas de Heinrich Krauss pela Globo (2006)
>>> Chico Xavier - o Médium o Mito - Coleção Especial de Geek pela Geek (1989)
>>> Origem e Evolução - o Homem de Fiorenzo Facchini pela Moderna (1997)
>>> O Paraíso - de Adão e Eva às Utopias Contemporâneas de Heinrich Krauss pela Globo (2006)
>>> Coletânea de Mensagens de José - Vol. Xiv de Artur Ferreira da Costa pela Folha Carioca (1984)
>>> Borboletas da Alma - Escritos Sobre Ciência e Saúde de Drauzio Varela pela Companhia das Letras (2006)
>>> Enfermagem Em Clínica Cirúrgica de Emilia Emi Kawamoto pela Epu (1999)
>>> Pra Lá pra Cá de Regina Lúcia Pontes Pereira pela Do Brasil
>>> Conte o Estado a Guerra do Contestado de Rafael e Alexandre Sucharski - Aluízio Witiuk pela Unc (1989)
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem (1983)
COLUNAS >>> Especial Google

Quarta-feira, 15/3/2006
Google: utopia ou distopia?
Gian Danton

+ de 4400 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Eu sempre tive uma relação de amor e ódio com a internet. Confesso que sou viciado em e-mails, um vício derivado do meu vício em informação. Embora eu já tenha blog há três anos e colabore com diversos sites há pelo menos seis anos, sou meio burro para mexer com algumas coisas e me atrapalho na internet com coisas básicas.

Para piorar, a internet banda larga ainda não chegou em Macapá, de modo que a minha conexão ainda funciona a vapor e tenho que alimentar com carvão para pegar no tranco. Xingamentos e tapas na CPU, se não ajudam a melhorar a conexão, pelo menos descarregam um pouco a tensão...

Assim, para alguém que tem uma conexão péssima, que adora internet, mas também não sabe mexer nela, o Google é uma mão na roda.

Lembro que antes os buscadores chegavam a cobrar para quem quisesse inscrever seus sites neles. Na época eu tinha um site chamado Idéias de Jeca-tatu e vivia recebendo generosas propostas de buscadores dos quais eu nunca tinha ouvido falar que se apressavam em me oferecer o céu se eu concordasse em pagar uma quantia para aparecer em seus cadastros.

Se do lado de quem tinha site a situação não era boa, da parte de quem procurava informações era pior ainda. A busca era lenta e terrivelmente desorganizada. Com a conexão lenta e pagando por cada pulso, eu me exasperava ao procurar por um assunto e me deparar com dezenas de páginas que não tinham absolutamente nada a ver com o que eu estava procurando. Se, por exemplo, eu digitava Edgar Alan Poe, vinham todos os Edgars, todos os Alans e todos os Poe. E geralmente o que primeiro aparecia era o site do senhor Alan Silveira ou algo assim. Claro que só vinham os resultados dos sites que estavam cadastrados no dito buscador...

Lembro que o Altavista já foi uma tremenda revolução, pois permitia decidir em que língua eu queria fazer a pesquisa. Mas ainda assim, os buscadores eram lentos e imprecisos, pouco práticos.

Nesse sentido, o Google foi uma revolução absoluta. Quem me indicou foi um professor universitário, Livre-docente em sua área, ele festejou o Google como melhor buscador já existente e me convidava a fazer uma comparação. Digitei uma palavra qualquer em vários buscadores, entre eles o Google. A diferença era gritante.

Além de ser rápido, de ter uma página que carregava imediatamente, o Google ainda oferecia várias opções, como por exemplo, buscar imagens, algo fenomenal quando estava preparando uma apresentação, por exemplo.

Certa vez me ofereceram uma disciplina tão nova que simplesmente não havia bibliografia publicada em português. O que me salvou foi o Google. Achei artigos e papers de professores de diversos países sobre o assunto e ministrei a disciplina toda a partir desses textos. Só seis meses depois é que começaram a sair os primeiros livros sobre o tema, mas ele já estava lá no Google muito antes.

Nesse sentido, uma grande inovação foi o surgimento do Google acadêmico, que permite ter acesso diretamente a textos sérios, de congressos e revistas científicas sobre as mais diversas áreas.

O Google passou a ser, para mim, também um parâmetro. Na época em que eu era coordenador de pós-graduação em uma faculdade, antes de me decidir por um professor novo, eu sempre fazia uma busca por seu nome na internet, não só para saber quantas pessoas o citavam, mas também para ter uma idéia de suas publicações. Quando eu não encontrava nenhuma referência, ficava com a pulga atrás da orelha. Se a publicação é um requisito básico para um professor de graduação, é muito mais para um docente de pós-graduação. Não se admite que um docente de especialização seja um mero reprodutor de conhecimentos.

Uma crítica que tenho ouvido é quanto à facilidade de clonar textos, mas se por um lado o Google ajudou alunos a descobrirem textos a serem plagiados, ele, da mesma forma, ajudou os professores a identificarem os plágios. Com sua forma rápida e precisa de busca, ficou cada vez mais fácil identificar exemplos de clonagem.

Também usei muito o Google para rastrear meu nome, tanto como Ivan Carlo, como Gian Danton. Também dessa vez, não era apenas para saber quantas pessoas se referiam a mim, mas para pegar engraçadinhos que costumavam juntar meus textos e vende-los em CD no Mercado Livre sem a minha autorização.

Mas, se por um lado eu sempre me encantei e usei muito o Google, por outro lado, ele sempre foi um motivo de preocupação. Sua superioridade técnica sobre os outros buscadores é tão grande que ele simplesmente eliminou a concorrência. Quem não tem concorrência, faz o que quer.

Além disso, o Google vai alastrando sua influência sobre todos os aspectos da vida. O Gmail, o Orkut e o próprio buscador permitem à empresa descobrir quem é você, o que pretende, o que gosta e usa isso para oferecer a você produtos que podem ser comprados diretamente pela internet. Tirando-se o aspecto ético envolvido, há o grande risco de tal tecnologia estar a serviço de um estado totalitário. Isso seria a concretização dos medos de 1984, de George Orwell, em que o Estado domina completamente todos os aspectos da vida do indivíduo e pune até mesmo crimes de pensamento.

O Google sempre procurou afastar de si essa visão distópica, mas os recentes acordos da empresa - como o que foi realizado na China, em que a empresa concordou em impedir a busca por palavras como Direitos Humanos, deixam uma nuvem negra de dúvida sobre o futuro que o Google nos reserva.


Gian Danton
Goiânia, 15/3/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 12. Rumo ao Planalto de Heloisa Pait
02. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
03. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio
04. Os EEUU e o golpe de 64 de Humberto Pereira da Silva
05. Um Ano Feliz (!) de Ricardo de Mattos


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
03. A teoria do caos - 22/11/2002
04. Público, massa e multidão - 30/8/2002
05. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002


Mais Especial Google
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
17/3/2006
11h31min
Esta visão do Google é um pouco distorcida. Para entrar na China, outros buscadores como o Yahoo se submeteram às mesmas regras. O governo americano tb. solicitou informações privativas ao MSN e ao Yahoo mas ninguém fala sobre isso. Como sabemos o Google é a empresa do momento e tem milhões de usuários que fazem bilhões de pesquisas. Não entendo qual pode ser o interesse em ficar lendo e-mail de cada pessoa ou querer saber o que as pessoas estão individualmente pesquisando. Este interesse limita-se a desenvolver programas para que, automaticamente, o Google possa oferecer links de interesse. Não faz sentido achar que haverá algum uso individual das informações privativas. Um exemplo dessa automatização é o Google News, que agrupa noticias sobre diversos assuntos automaticamente. É um portal de notícias onde não há editores e jornalistas.
[Leia outros Comentários de Renato]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Poderosa 3
Sérgio Klein
Fundamento
(2007)
R$ 10,14



Direito de Resposta
Luiz Paulo Rosek Germano
Livraria do Advogado
(2011)
R$ 37,00



Tecendo palavras
Maria Angela Maia
Rios Ambiciosos
(1999)
R$ 16,75



Eu... o outro
António Oliveira Cruz
Piaget
(1995)
R$ 31,48



Balzar
Johannes Willms
Planeta
(2009)
R$ 17,00



Dizer - da Aporia
Piero Eyben
Horizonte
(2015)
R$ 32,00



Nu, de botas
Antonio prata
Compabhia das letras
(2013)
R$ 15,00



Uma Introdução Política aos Quadrinhos
Moacy Cirne
Achiamé
(1982)
R$ 44,00



Ana Karênina ( 2 Volumes)
León Tolstói
Victor Civita
(1979)
R$ 45,00



O Romance da Revolução (Como e Porque Aconteceu a Revolução de Março)
Albérico Barroso Alves
Artenova
(1979)
R$ 18,00





busca | avançada
74982 visitas/dia
2,1 milhões/mês