Um livro para ler no (ou lembrar do) carnaval | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> 2 de Abril #digestivo10anos
>>> Eat the Rich
>>> El fin de la inocencia
>>> So I have a blog
>>> Maria Bethânia em Amor Festa Devoção
>>> Para ler o Pato Donald
>>> A Faculdade de Letras
>>> 13 de Setembro #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> O Mistério das Aranhas Verdes de Carlos Heitor Cony; Anna Lee pela Salamandra (2001)
>>> Bem do seu tamanho de Ana Maria Machado; Mariana Massarani pela Salamandra (2003)
>>> Ponte para Terabítia de Katherine Paterson pela Salamandra (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Slam Dunk de Takehiko Inoque pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 6 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2006)
>>> Neon Genesis Evangelion the Iron Maiden 5 de Funino Hayashi - GAINAX pela Conrad (2003)
>>> Minha vida de menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2020)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Memórias de Carlota Joaquina de Marsilio Cassotti pela Planeta (2020)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco de Luís Cláudio Villafañe G. Santos pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ingleses no Brasil de Gilberto Freyre pela UniverCidade (2020)
>>> Histórias da Gente Brasileira. República. Memórias. 1889-1950 - Volume 3 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Império - Vol. 2 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Colônia - Vol. 1 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Para gostar de ler. Vol.4 - Crônicas.. de Vários pela Ática (1980)
>>> Getúlio 1 (1882-1930) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Viver o Amor. de José Carlos Pedroso pela Edições Paulinas (1978)
>>> General Osorio de Doratioto, Francisco pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ganhadores: A greve negra de 1857 na Bahia de João José Reis pela Companhia das Letras (2020)
>>> Formação de Cidades no Brasil Colonial de Santos, Paulo Ferreira pela Ufrj - IPHAN (2020)
>>> Flores votos e balas de Alonso, Angela pela Companhia das Letras (2020)
COLUNAS

Terça-feira, 6/6/2006
Um livro para ler no (ou lembrar do) carnaval
Marcelo Spalding

+ de 3100 Acessos

Há livros que se deve ler como um oriental aprecia uma xícara de chá e outros que se pode ler na fila do banco, na beira da praia, no trem ou no ônibus. Não entenda isso como juízo de valor, há livros "profundos" e ruins e outros "superficiais" maravilhosos (não vou citar o Dom Quixote como exemplo para evitar incomodações). Digamos que essa segunda categoria seja feita de livros ideais para se ler no feriado de carnaval, quando a mente está descansada e o espírito, desarmado.

Não por acaso o segundo livro do músico e jornalista João Gabriel de Lima se chama Carnaval (Objetiva, 2006, 132 págs.). Pedro, o narrador egocêntrico, é um comerciante obscuro casado com uma executiva multinacional. Enquanto ela viaja a negócios ele permanece atrás do balcão de sua locadora de DVDs imaginando clientes em cenas de filmes. O cinema, aliás, é sua única paixão pós-desgaste matrimonial, até conhecer Lenita Duarte, uma famosa chef. Pedro apaixona-se por Lenita, torna-se seu amante e o casal combina de se encontrar no Rio de Janeiro, no desfile da Império Serrano (o de 2005, em que o samba-enredo foi novamente "Aquarela Brasileira").

Utilizando este como ponto de partida do livro, Pedro relata para a amante o que teria se passado entre o vôo para o Rio e o desfile da Império: "se eu tivesse um diário, teria anotado cada detalhe daquela noite que você [a amante] me convidou para passar o carnaval no Rio de Janeiro". As histórias daquela noite carioca em que Pedro conhece músicos e musas (e aqui o autor espalha um tanto de sua formação musical) é intercalada por flashbacks que remetem à história do narrador em São Paulo, toda permeada pela sua lembrança de filmes que vão de Coração Satânico a Brilho Eterno de uma Mente sem Lembranças.

Vivêssemos ainda no tempo do formalismo, não haveria esta resenha, pois o texto é simples, a linguagem, coloquial e a leitura, rápida. Digamos que se o autor estivesse escrevendo um filme, e não um livro, seria um longa hollywoodiano para passar no cinema, ter sobrevida para chegar na Sessão da Tarde mas jamais perto de um Oscar. E este também não é um juízo de valor.

Romance desigual, as primeiras páginas de Carnaval abusam da primeira pessoa e do discurso debochado, mas aos poucos a narrativa cresce, envolve, firma personagens, conflitos e termina magistralmente. "Como Femme Fatale", diria o narrador, "como o final surpreendente e desconstrutivo filme Femme Fatale".

Não sendo nossa intenção contar o final, voltemos para a primeira página do livro, mais especificamente para uma frase que servirá de chave mestra da história: "registrei aquela noite apenas na memória e ela não é muito confiável". A partir daí temos uma seqüência veloz de cenas em que realidade e ficção tornam-se difusas. Tudo parece verossímil, afinal estamos no carnaval, mas um bom leitor não deixará de notar uma ou outra contradição: "como Pedro pretenderia anotar tudo em papel e caneta no meio do turbilhão da marquês?". Ou "como o narrador conhece melhor a história de Zédinho do que ele próprio?". E mesmo não revelando a surpresa podemos dizer que no final as coisas se encaixam e a proposta da obra se torna clara: desconstruir a noção de realidade não só da vida, noção bastante abalada em tempos de carnaval, como do próprio romance.

Dentro dessa proposta desconstrutiva da obra, as cenas a partir do capítulo onze, em que a ligação do narrador com o cinema é intensificada (o capítulo em que a relação com Marta do primeiro sexo ao desgaste matrimornial é contada a partir de filmes hollywoodianos contemporâneos é o ponto alto do livro), o narrador faz diversas referências a cenas, lugares e personagens do cinema transpondo-os para a realidade e vice-versa, suscitando uma questão crucial para a arte: será que a representação do real não se torna o próprio real? Quer ver: se perguntarem a você se conhece as pirâmides do Egito você dirá que sim ou não? E se perguntarem se você conhece Gandhi? E Paris?

Claro que sim, estamos fartos de ver filmes, livros e fotografias sobre as pirâmides, Gandhi ou Paris.

Claro que não, nunca vimos pessoalmente Gandhi e raros são os que visitaram as pirâmides ou Paris.

Entre o sim e o não absolutos estão as noções difusas que temos sobre cidades, personalidades, áreas do conhecimento, noções obtidas apenas através de representações, sejam elas ficcionais ou pretensamente não ficcionais. Mergulhados nesse oceano de representações, acabamos por conhecer o mundo e a vida a partir de representações artísticas do real e estas, enquanto subjetividades, não são o real, o que nos leva a um paradoxo complexo que transforma toda memória, e não apenas a de Pedro, em algo inconfiável.

Rio X São Paulo

Merece capítulo à parte os espaços escolhidos para a história, as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo. Pedro, sua esposa mora em São Paulo, mas é no carnaval do Rio que o narrador encontrará sua amante. Esta ponte aérea dentro da história aparentemente não tem função específica, mas podemos entender a dicotomia Rio/São Paulo como mais uma entre as diversas dicotomias suscitadas pelo livro (esposa/amante, cinema/música, morro/universidade), culminando na dicotomia real/irreal.

A representação das cidades, um tanto caricatural, talvez não tenha sido um problema para o autor, nascido em São Paulo e hoje morando no Rio, mas causa um efeito interessante num leitor gaúcho que jamais passou mais do que um fim de semana numa dessas capitais. São Paulo é Marta, a esposa de Pedro, uma mulher bem sucedida, pragmática, eficiente, que adora o dia e perdeu a capacidade de apreciar filmes com o marido. O Rio de Janeiro é Paula, bela mulher que o narrador conhece na cidade maravilhosa, uma filha de músico transformada em musa por algumas canções e hoje ainda bela, embora envelhecida, disposta a gozar os prazeres da vida ainda que precise conviver com diversas angústias e neuroses. São Paulo é o progresso, Rio é a decadência, São Paulo é fria, o Rio preserva uma beleza lasciva, São Paulo é o dia, o Rio é a noite, São Paulo é o cinema, o pós-moderno, o Rio é a música, os anos dourados. E entre todas essas dicotomias, entre Paula/Marta, mulher/amante, vida/arte, música/cinema, real/irreal, emerge um indivíduo incapaz de reconhecer a própria realidade, afogado no seu próprio oceano de representações: Pedro.

Para ir além






Marcelo Spalding
Porto Alegre, 6/6/2006


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2006
01. O centenário de Mario Quintana, o poeta passarinho - 8/8/2006
02. Romanceiro da Inconfidência - 10/1/2006
03. Um defeito de cor, um acerto de contas - 31/10/2006
04. As cicatrizes da África na Moçambique de Mia Couto - 5/12/2006
05. A literatura feminina de Adélia Prado - 25/7/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MUITAS GLOBALIZAÇÕES + DIVERSIDADE CULTURAL NO MUNDO CONTEMPORÂNEO
PETER L. BERGER & SAMUEL P. HUNTINGTON
RECORD
(2004)
R$ 15,00



HISTÓRIAS EXTRAORDINÁRIAS (LITERATURA NORTE-AMERICANA)
EDGAR ALLAN POE
NOVA CULTURAL
(2003)
R$ 25,00



DE ONDE VEIO O TERROR? 11 DE SETEMBRO DE 2001, O DIA EM QUE O MUN
MARÍLIA OLIVEIRA E MAURICIO SILVA SANTOS
E-PAPERS
(2002)
R$ 26,82



CIÊNCIA HOJE VO. 8 NO 45 AGOSTO 1988
CRODOWALDO PAVAN
SBPC
(1988)
R$ 9,00



PONTE AÉREA PARA A CHINA
WILLIAM KOENIG
RENES
(1977)
R$ 6,90



MAGNETISMO COLEÇÃO MINI BIBLIOTECA
F. SCOTT FITZGERALD
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1996)
R$ 19,97



NOS CAMINHOS DAS GERAES
NEWTON RIBEIRO
DO ESCRITOR
R$ 5,00



ENSAIOS 114 A VANGUARDA ANTROPOFÁGICA
MARIA EUGENIA BOAVENTURA
ATICA
(1985)
R$ 80,00



VIDA A DOIS, VIDA SOLITARIA
DAN KILEY
ROCCO
(1992)
R$ 6,99



COMPROMETIDA – UMA HISTÓRIA DE AMOR
ELIZABETH GILBERT
OBJETIVA
(2011)
R$ 5,00





busca | avançada
65683 visitas/dia
2,2 milhões/mês