E Viva a Abolição – a peça | Lisandro Gaertner | Digestivo Cultural

busca | avançada
30036 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Segundas de julho têm sessões extras do espetáculo À Espera
>>> Circo dos Sonhos, do ator Marcos Frota, desembarca no Shopping Metrô Itaquera
>>> Startup brasileira levará pessoas de baixa renda para intercâmbio gratuito fora do país
>>> Filho de suicida, padre lança livro sobre o tema
>>> LANÇAMENTO DO LIVRO "DIALÓGOS DE UM RABINO REFLEXÕES PARA UM MUNDO DE MONÓLOGOS" DE MICHEL SCHLESI
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Passarinho do Twitter
>>> Letra de música é poesia?
>>> A arapuca da poesia de Ana Marques
>>> A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda
>>> Recordações da casa dos mortos
>>> Viral Loop, de Adam Penenberg
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> O Agressor, de Rosário Fusco
>>> Elke Coelho e a estética glacial-conceitual
Mais Recentes
>>> Apontamentos para a História da Revolução Rio-grandense de 1893
>>> Einstein Apaixonado + Um romance científico
>>> Leonardo, o primeiro cientista
>>> Envie Meu Dicionário + Cartas e Alguma Crítica
>>> O Segredo de Guilherme Storitz
>>> A selva do dinheiro + Histórias clássicas do inferno econômico
>>> Oscarito Nosso Oscar de Ouro
>>> A Nudez da Verdade
>>> Emoções em Prosa e Verso
>>> A Telessaúde no Brasil e a Inovação Tcnológica na Atenção ...
>>> O Pagador de Promessas
>>> O Caçador das Bolachas Perdidas
>>> Juizado Especial: Criação Instalação, Funcionamento e a ...
>>> Meu Querido Canibal
>>> Anjo de Quatro Patas
>>> Vencendo Aflições, Alcançando Milagres
>>> Eles Pedem em Casamento, Elas Pedem o Divórcio
>>> Procurando Firme
>>> Ensino Holístico da Medicina
>>> Depressão e Autoconhecimento: Como Extrair Preciosas Lições ...
>>> Utopia?
>>> Resistência: a História de uma Mulher Que Desafiou Hitler
>>> Uma Herença Preciosa
>>> Prazer uma Abordagem Criativa da Vida
>>> O Retorno Financeiro de Programas de Promoção da Segurança, ...
>>> Confissão de uma Harpista
>>> Os Mestres de Gurdjieff
>>> Proposta para uma Graduação Médica Contemporânea
>>> O Tao da Física
>>> O Santeiro do Mangue e Outros Poemas
>>> Português para Concursos
>>> Bola na Rede: a Batalha do Bi
>>> Paulo Francis Polemista Profissional
>>> Fisiologia e Fisiopatologia do Hormônio de Crescimento
>>> Ser Médico no Brasil - o Presente no Passado
>>> Padre Severino da Pessoa ao Instituto
>>> Micropoderes Macroviolencias
>>> Educação e Tecnologias no Brasil
>>> Cultura e Tecnologias no Brasil
>>> Hupe - Série Rotinas Hospitalares Pediatria 2 Volumes
>>> A Exposição Oral nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - Vol. 3
>>> O Reverso da Logística e as Questões Ambientais no Brasil
>>> Gestão Financeira de Fundos de Pensão
>>> Águias Terrestres - uma Missão Planetária
>>> Homem de Montana
>>> Freud - Pensamento Vivo
>>> Manuelzão e Miguilim
>>> O Poder dos Pêndulos
>>> Confesso Que Vivi
>>> Em Cantos do Ser
COLUNAS

Quinta-feira, 1/6/2006
E Viva a Abolição – a peça
Lisandro Gaertner

+ de 18900 Acessos

(Entram em cena dois senhores de bigode, ao som daquela musiquinha da Escrava Isaura. "Lele-lele-lelele". Cada um carrega uma placa no pescoço dizendo Vilão de Novela)

Leôncio: - Barão de Araruna! Que bom vê-lo por aqui!

Barão: - Olá, doutor Leôncio. Como vai a vida?

- Nada bem, Barão. Nada bem. Esses malditos abolicionistas e as suas idéias de libertar os escravos estão tirando o meu sono. Não sei como poderei manter os negócios se eles tiverem sucesso.

- Ora, doutor, relaxe. Quando a abolição vier, ela trará grandes vantagens para todos nós.

- Como, Barão? Vai dizer que o senhor agora comunga com esses ideais abolicionistas?

- De maneira alguma, doutor Leôncio. Mas, devo dizer: acho que a abolição será uma boa e lucrativa mudança. Preste atenção na minha linha de pensamento. Quanto lhe custa manter um escravo hoje em dia?

- Bom, vejamos. Tem a senzala, a alimentação, o feitor, o capitão do mato, as correntes, os chicotes. Hum, cada escravo deve me custar uns 10 contos por mês.

- 10 contos. Por outro lado, um colono lhe custaria, agora, uns 20 contos. Mas, futuramente, depois da abolição, acredite, meu caro, eles custarão bem menos.

- Como?

- Veja só. Digamos que agora tenhamos 100 colonos. Depois da abolição teremos esses mesmos 100 colonos mais 300 escravos libertos, todos eles competindo por uma vaga na lavoura. Isso sem contar com os imigrantes que estão aparecendo por aí.

- E daí, Barão?

- E daí que serão mais de 400 trabalhadores querendo um trabalho que pode ser muito bem feito por 40. Isso quer dizer que, como existem muitas pessoas interessadas na mesma vaga, poderemos pagar muito menos a um colono. É um simples de caso de oferta versus procura. Assim, ao invés dos 20 contos de hoje, ou dos 10 contos que gastamos com os escravos, pagaremos a cada colono algo por volta de 5 contos ao mês.

- Mas isso é genial! Como não pensei nisso antes? Vou lhe dizer: nunca imaginei que o fim da escravidão seria tão proveitoso.

- Você ainda não viu nada, meu caro Leôncio. Os nossos lucros não param por aí. Quando todos forem "livres", ainda precisarão de um lugar para morar. Como não teremos mais as senzalas, planejo oferecer às pessoas moradias um tanto parecidas com as casas dos escravos, mas menos seguras e limpas. Algo que chamarei de conjuntos habitacionais.

- De graça?!

- Claro que não, doutor. O senhor está me estranhando? Como somos donos de todas as terras, eles precisarão pagar a nós uma taxa pela moradia. Algo que eu penso em chamar de aluguel. Para isso eles precisarão nos dar algo por volta de 2 contos.

- Hum, pagaremos a eles 5 contos, ganharemos 2 do tal aluguel. Ainda estaremos lhes pagando 3 contos. Será possível baixar esse valor ainda mais?

- Claro. O senhor esqueceu de algo fundamental: a alimentação. Como qualquer pessoa livre, eles precisarão comprar a sua própria comida. E quem produz comida por aqui?

- Nós mesmos!

- Exatamente. Com a alimentação da família eles acabarão gastando mais 2 contos que irão direto para os nossos bolsos.

- Dois mais dois, quatro. Pagamos cinco, eles ainda terão 1 conto para guardar.

- Para guardar, não. Para gastar.

- Com o quê? Eles já têm moradia e alimentação!

- Eu sei, mas a liberdade vai enlouquecer as pessoas. Todos vão querer parecer melhores do que são. Ter mais coisas do que podem ter. Afinal, eles adoram se sentir ricos, mesmo sendo pobres. Por isso vamos passar a vender besteiras que pareçam conceder status a esses pobres de espírito. Esses produtos serão chamados de supérfluos e com eles, as pessoas gastarão mais 2 contos por mês.

- Espere um pouco. Há algo errado com essa conta. Eles ganham 5. Gastam 2 com aluguel, 2 com comida, 2 com supérfluos. Eles ficarão devendo 1 conto. De onde eles tirarão esse dinheiro?

- Nós lhes daremos esse dinheiro.

- A troco de quê?

- Para cobrar juros. Somos ou não somos os donos dos bancos da região?

- Meu Deus, se eu soubesse disso teria apoiado a abolição antes. Se antes nós gastávamos 10 contos com um escravo, agora ganharemos 1 conto pelo mesmo trabalho.

- 1 conto mais os juros, meu caro Leôncio. Antes nós gastávamos, agora eles pagarão e caro para trabalhar! E não serão apenas os negros. Os brancos, os asiáticos, homens de todas as raças e credos pagarão para trabalhar para nós. Abolir a escravidão será o mesmo que expandi-la. E o melhor de tudo é que, ao contrário desses escravos ingratos, eles pagarão para trabalhar e ainda se sentirão felizes.

- Como isso é possível?

Barão. Simples. Eles pensarão que são livres. E existe algo melhor que a liberdade? Então, meu caro amigo, você ainda acha que a abolição é um mau negócio?

- Pelo contrário, Barão. É um ótimo negócio. Mas algo me passou pela mente. Até agora só tratamos dos homens. Afinal as mulheres ficam em casa para cuidar dos afazeres domésticos. Será possível inclui-las nesse negócio? Os nossos lucros duplicariam.

- Calma, Leôncio. Uma coisa de cada vez. Depois da abolição, daremos um jeito de incluir as mulheres nesse esquema também.

- E como faremos isso?

- Com um novo movimento, meu caro amigo. Um novo movimento para libertar as mulheres. Algo que eu estou pensando em chamar de Feminismo.

Leôncio: - Barão, o senhor é um gênio.

Barão: - Obrigado pelo elogio, doutor Leôncio, mas não sou nenhum gênio. As pessoas é que são ingênuas demais.


Lisandro Gaertner
Rio de Janeiro, 1/6/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Um Furto de Ricardo de Mattos
02. O massacre da primavera de Renato Alessandro dos Santos
03. O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro de Jardel Dias Cavalcanti
04. Minha plantinha de estimação de Elisa Andrade Buzzo
05. Uma suposta I.C. de Elisa Andrade Buzzo


Mais Lisandro Gaertner
Mais Acessadas de Lisandro Gaertner em 2006
01. E Viva a Abolição – a peça - 1/6/2006
02. Cuidado: Texto de Humor - 28/7/2006
03. Orkut: fim de caso - 10/2/2006
04. Escritora de Bom Censo - 4/8/2006
05. Um presidente relutante - 18/8/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FATAIS
CACO BELMONTE ET AL.
CASA VERDE
(2005)
R$ 10,00



LUKE THE HISTORIAN IN RECENT STUDY
C.K.BARRETT
FB
(1969)
R$ 17,10



CAPITÃES DA AREIA
JORGE AMADO
COMPANHIA DE BOLSO
(2016)
R$ 21,00



DELACROIX - GÊNIOS DA PINTURA - 18
AUTOR DELACROIX
ABRIL CULTURAL
(1967)
R$ 8,99



REBECCA, A MULHER INESQUECÍVEL
DAPHNE DU MAURIER
ABRIL
(1981)
R$ 5,40



O MUNDO EM ARMAS
COLEÇÃO HISTÓRIA EM REVISTA
ABRIL LIVROS/TIME LIFE
(1991)
R$ 50,00
+ frete grátis



LADRÃO DE OLHOS - AS AVENTURAS DE PETER NIMBLE
JONATHAN AUXIER
LEYA
(2011)
R$ 16,27



MARKETING BÁSICO
ROBERTO SIMÕES
SARAIVA
(1979)
R$ 8,25



THE KILLING
DAVID HEWSON
RECORD
(2013)
R$ 36,00



CHICA QUE MANDA
AGRIPA VASCONCELOS
ITATIAIA
(2018)
R$ 20,00





busca | avançada
30036 visitas/dia
773 mil/mês